Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Últimas batalhas do The Voice Portugal

Foto de The Voice Portugal.

 

Ontem tiveram lugar as últimas batalhas do The Voice Portugal, recheadas de bons momentos musicais, grandes injustiças, uma cunha e algum teatro à mistura!

 

 

Talvez comece já pela pior batalha da noite

 

Foto de The Voice Portugal.

Bárbara x José - qual dos dois o mais fraquinho? Conseguiram estragar a música que, ainda assim, me soou menos mal na voz do José. Mas nenhum deles deveria estar nesta fase, nem tão pouco ir aos Tira Teimas, quando vimos voz atrás de voz, cada uma melhor que as deles, serem despachadas.

 

 

 

As melhores batalhas

 

Foto de The Voice Portugal.

Sofia x Margarida - Não sou grande fã da música, mas adorei a voz da Margarida na prova cega e, para mim, ela esteve superior à Sofia, neste tema. O que me parece é que a mentora terá mais confiança em melhores prestações pela Sofia nas próximas fases, e daí ter optado por ela. Para mim, tendo sido escolhida a Sofia, a Margarida deveria ter sido salva, sem qualquer dúvida. Poderia ocupar a cadeira da Cristiana, ou a da Vanessa.

É incrível a quantidade de vozes e timbres tão bons e diferentes que tivemos nesta edição, e foram quase todos embora, ficando os mentores com mais do mesmo.

Como disse a Aurea: "não é preciso grandes malabarismos (que eu traduzi mesmo para gritos) para se cantar e encantar"!

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Salvador x Cláudia - outra grande batalha da noite, em que deveriam ter sido salvos os dois. Para mim, teria desocupado o Simão, para lhe dar a vez. Ou até mesmo a Vanessa.

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Ricardo x Margarida - estava a ver o ensaio e, por momentos, não percebi se o Ricardo estava a chorar mesmo, ou se era acting. Se tivesse que escolher, ficaria com o Ricardo. É um dos fortes candidatos à final. Mas a Margarida era outra das concorrentes que merecia ser salva pelos outros mentores.

 

 

 

A cunha e o teatro

 

Foto de The Voice Portugal.

 

Marlene x Pedro - O Pedro tinha virado todas as cadeiras na prova cega, a Marlene não. Eu gostei de ambos. Tinha dúvidas de que o Pedro pudesse mostrar versatilidade. Ele conseguiu mostrar, apesar dos nervos. Nesta batalha, gostei muito do dueto, embora a Marlene tenha muito mais presença e expressividade, que falta ao Pedro. Teria compreendido que a mentora escolhesse o Pedro, por achar que futuramente será um concorrente que dará mais luta aos adversários.

Mas, tendo em conta que a Aurea escolheu, para a ajudar nesta fase a Carolina Deslandes, que afirmou conhecer o Pedro desde a infância, já ter cantado com ele, e lhe ter gabado o talento, tornou-se óbvio que a Aurea nunca poderia escolher a Marlene!

É por esta situação, e outras, em que já sabemos, e os mentores também, quem irão escolher, que não compreendo todo aquele teatro que fazem, de estar tão indecisos, de não saberem o que fazer, de estarem tão arrependidos, tristes, em sofrimento.

Tal como não compreendo o teato que fazem, quando é para dar a opinião sobre os concorrentes dos outros mentores "ah e tal, como tu escolheste X, eu escolho Y". Não têm opinião? Têm medo de ferir susceptibilidades?

 

 

 

As divas, mas pouco

 

Foto de The Voice Portugal.

Inês x Vanessa - Nesta batalha, concordei com a decisão do mentor, de ficar com a Inês. Continuo a achar que a Vanessa é uma versão da Deolinda, mas sem o talento desta. 

Já fui do tempo em que adorava as ditas "divas" da época,como Mariah Carey, Whitney Houston e afins e, nomeadamente, aquelas partes da música em que elas mostravam todo o seu power, já na altura considerado por alguns, de gritos.

Hoje em dia, sou adepta do lema "menos é mais". Há momentos em que fica bem, há outros em que estraga, sobretudo se for em excesso. E não é para todos. Nesse aspecto, achei a Inês um pouco mais contida, e prefiro o seu timbre mais rouco.

 

 

 

As restantes batalhas

 

Foto de The Voice Portugal.

Tiago x Fábio x Diogo - é só a mim que o Diogo faz lembrar o Johnny Depp?! Confesso que não me lembro do Diogo nas provas cegas - deve ter sido daqueles que não achei muita piada, e passou-me ao lado. Concordo com a decisão do mentor, embora o Fábio tenha melhorado bastante relativamente à prova cega. O Tiago foi o mais forte dos três. 

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Jorge x Beatriz - Acho que o Jorge foi, de certa forma, punido pela atitude derrotista que mostrou no ensaio.

Na batalha esteve bem melhor. A Beatriz é mulher de fado, por isso, estava na sua praia, e aproveitou-o ao máximo, destacando-se. Ainda assim, já vimos que o fado não vai longe nestes programas. Mas talvez o mentor já tivesse vozes/ estilos semelhantes aos do Jorge, e daí ter escolhido a Beatriz para os Tira Teimas.

 

 

 

Nas cadeiras do Tudo ou Nada, já livres de perigo, ficaram estes concorrentes

Foto de The Voice Portugal. 

Simão, Cristiana, Frederico e Vanessa

 

De todas estas edições, algumas conclusões se podem tirar - é difícil compreender que critérios utilizam, ao certo, os mentores, para escolher determinados concorrentes quando, a nós, as decisões parece não ter lógica nenhuma, nem ter nada a ver com aquilo que se procura. Apenas metade dos grandes concorrentes conseguirá seguir em frente, deixando muitos pelo caminho. Só um será vencedor do concurso mas, felizmente, poderão haver outros vencidos que venham a vencer, através de outros recursos. Muitos dos cantores que conhecemos deste tipo de programas, nunca alcançaram o primeiro lugar nos mesmos!

 

 

Imagens The Voice Portugal

 

 

À Conversa com Miguel Gameiro

foto promo miguel gameiro.jpg

 

Nascido a 15 de Fevereiro de 1974, desde cedo que Miguel Gameiro mostrou interesse pela escrita e pela música.

Aos 18 anos, iniciou-se nesta última, como um dos fundadores da banda Pólo Norte, juntamente com António Villas-Boas, Rodrigo Ulrich, Francisco Aragão, Tó Rodrigues e Tiago Oliveira, e como elemento crucial na composição de alguns dos mais emblemáticos temas do grupo.

 

Anos depois, aventurou-se numa carreira e solo, com temas de grande sucesso como "Dá-me Um Abraço", "O Teu Nome" ou "Alquimia". 

Hoje, Miguel Gameiro é considerado um dos mais carismáticos e reconhecidos autores/cantores portugueses.

 

Mas não é só à música que Miguel Gameiro dedica o seu tempo. Para além de ter tirado um curso de cozinha, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, Miguel passou também pelo instituto culinário Alain Ducasse, em Paris, e estagiou em alguns dos mais conceituados restaurantes portugueses.

As iniciativas solidárias são outra das causas à qual se costuma dedicar sempre que pode.

 

“Maria” é o novo trabalho discográfico de Miguel Gameiro, composto por duetos exclusivamente femininos, um álbum que pretende celebrar a Mulher.

O primeiro dueto, “Aquela Canção”, foi interpretado com Cuca Roseta. Seguiu-se, “Ficas-me Bem”, com Ella nor, editado em formato digital a 22 de setembro.

 

Para ficarem a saber mais, deixo-vos com a entrevista ao Miguel Gameiro!  

 

 

 

k15771734.jpg 

 

Miguel, começo por perguntar como nasceu a paixão pela música?

A paixão pela música tenho-a desde sempre. Começou a intensificar-se nos tempos de liceu.

 

Para além da música, cozinhar é outra das suas paixões. A música e a culinária são uma combinação perfeita? Como é que vai conjugando as duas?

O trabalho de um músico é muito sazonal. Trabalhamos bastante no Verão e ficamos com algum tempo livre no resto do ano, quando não estamos em estúdio. A cozinha entra nesses espaços.

 

 

 

Miguel_Gameiro_Sem_palheta1846a70a.jpg

 

É mais fácil criar a letra para uma música, ou inventar uma receita nova?

Tal como na música, tudo está inventado. Limitamo-nos a recriar e a desafiar o que está instituído. Gosto muito das duas.

 

O Miguel iniciou o seu percurso na música como vocalista e guitarrista dos Pólo Norte. No entanto, mais tarde, aventurou-se numa carreira a solo. Como foi essa nova experiência?

Foi uma necessidade de me exprimir musicalmente de uma outra forma. Foi uma vontade de me reinventar também. Incomoda-me o estático e o garantido. Acho que o processo evolutivo, requer mudanças.

 

Hoje em dia, as pessoas ainda o continuam a reconhecer como membro da banda Pólo Norte, ou como Miguel Gameiro, vocalista a solo?

Ambas. Não ligo muito à forma como me reconhecem. Não ligo ao facto de ser conhecido como quem "aparece". Prefiro o reconhecimento por quem me acompanha e conhece realmente o meu trabalho.

 

 

 

Cover-Design2-1.jpg

 

“Maria” é o novo trabalho discográfico, composto exclusivamente por duetos com cantoras. Como é que surgiu esta ideia?

Dei-me conta que a grande parte das canções que escrevi para outras pessoas, foram para mulheres. Fez sentido por isso e por querer celebrar a mulher em todas as suas faces.

 

Considera que este nome – Maria - representa, de alguma forma, todas as mulheres portuguesas?

Por isso mesmo o escolhi. Também por ser o segundo nome da minha mãe.

Mas será talvez o nosso nome mais Português no feminino.

 

Como é que foi feita a escolha das artistas para os duetos?

Procurei as mulheres que se cruzaram no meu percurso e que admiro.

“Aquela Canção”, com Cuca Roseta, e “Ficas-me Bem” com Leonor Andrade (Ella nor) foram os primeiros singles editados em formato digital.

 

Pode levantar um pouco o véu sobre o próximo tema a ser lançado?

Posso. Será alguém dotada de uma voz Enorme!

 

Por onde vai andar o Miguel Gameiro nos próximos meses?

Estarei em Abrantes, em concerto de Auditório, no dia 20 de Outubro, e na Marinha Grande, no dia 25.

 

Que conselho deixaria a quem está agora a iniciar o seu percurso no mundo da música?

Paciência e determinação...

 

Miguel, muito sucesso para este novo projeto, e mais uma vez obrigada pela sua participação e disponibilidade!

 

 

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens e vídeos.

 

 

A Tua Cara Não Me É Estranha - Gala de Natal

Sem Título.jpg

 

No passado fim-de-semana, aquele que é "o seu programa de sábado à noite" mudou-se, estrategicamente, para a noite de domingo.

Numa gala especial de Natal em que, felizmente, os apresentadores estiveram mais bem comportados e contidos que habitualmente, não faltaram surpresas, bem como momentos de emoção e partilha.

 

Quando vi a transformação sofrida pelo FF para interpretar, simultaneamente, Natalie Cole e Nat King Cole, pensei que fosse acontecer o mesmo aos concorrentes a quem calhou duetos. No entanto, aí, optaram por deixá-los convidar alguém para partilhar o palco consigo.

 

Para mim, os momentos altos da noite foram:

 

Sem Título1.jpg

A imitação do FF - não deve ser fácil imitar ao mesmo tempo duas vozes, mas foi espectacular!

 

 

Sem Título2.jpg

O dueto Andrea Bocelli e Sara Brightman- o Sérgio estava um excelente Andrea Bocelli em termos de imagem e postura, e a Romana com uma bela voz de Sara Brightman

 

 

Sem Título8.jpg

O dueto Michael Bublé e Nelly Furtado - achei a Sandra muito parecida com a Nelly, e tem uma bela voz, que desconhecia. O Darko esteve muito bem ao lado da amiga, e a sua imitação resultou.

 

 

Sem Título5.jpg

Olavo Bilac e Paulo Gonzo - Numa mistura de original e imitação, quem terá imitado melhor?! Olavo - quem o viu e quem o vê. Houve momentos em que o David pareceu mesmo o Paulo Gonzo.

 

 

Sem Título3.jpg

Miley Cirus - Não tanto pela imitação, mas pela interpretação e momento musical proporcionado pela Marta e o pai.

 

 

Os piores momentos da noite:

 

 

Sem Título4.jpg

Alicia Keys e Usher - O Gonçalo dança bem. Pode ser um bom actor (não sei porque não vejo). E, no início, também me pareceu bem na música. Mas depressa mostrou que deve deixar essa área para a namorada, embora não tenha gostado muito de a ver como Alicia. 

 

 

Sem Título7.jpg

ABBA - Não conheço o trabalho da Sissi e do Ruben, mas devem ter sido os únicos que escaparam neste quarteto. O que estava lá a fazer o Luís Jardim, já agora? Era apenas um figurante? É porque nem se ouviu um som vindo dele.

 

 

Sem Título9.jpg

Bono e Mary J. Blige - Deixaram muito a desejar, tanto uma como a outra. Não gostei.

 

 

Imagens www.tvi.iol.pt/

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP