Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Nenhuma dependência é benéfica, seja ela qual for

Sem Título.jpg

 

Criar uma dependência é fácil. Difícil, é livrar dela!

Normalmente, as dependências começam para colmatar a falta de algo, para responder a uma necessidade imediata, para tentar solucionar, provisoriamente, uma situação mais difícil pela qual a pessoa esteja a passar.

E, naquele momento, funciona.

Mas, com o tempo, deixa de ter o efeito inicial e desejado, e então é preciso mais, e mais. E quanto mais dependentes nos tornamos, piores ficamos, e mais queremos, num círculo vicioso que não augura bom futuro para ninguém.

É como andar constantemente a tapar um "buraco" com remendos, sendo que, apesar disso, vai ficando cada vez maior e mais difícil de cobrir por inteiro.

Sejam drogas, álcool, medicamentos, alimentos, jogo, ou até mesmo dependência de outras pessoas, a partir do momento em que a pessoa se torna dependente, nunca mais poderá dizer que está tudo controlado, porque esse aparente controlo é falso, e depressa se transforma em descontrolo que pode pôr em causa o trabalho, as relações com os outros, e até a própria vida.

Aqueles que ainda não entraram na teia da dependência, têm que ter um cuidado extra para lhe escapar.

Já os que já foram apanhados por ela, precisarão de muita ajuda para se conseguirem desemaranhar, sem sequelas, e voltar a ter uma vida normal.

 

 

As emoções são contagiosas?

Resultado de imagem para emoções

 

Penso que, na maioria das vezes, sim!

Pelo menos lá em casa, têm esse efeito :)

 

Já me aconteceu estar-me a rir às gargalhadas por causa de alguma coisa que achei graça e a minha filha, sem saber do que me estava a rir, começar a rir-se também, por me ver rir.

 

Ontem, ela estava a ver uma cena de uma série no telemóvel, e começou a chorar e a tentar explicar porque se tinha comovido mas, ainda antes de eu perceber o porquê, também a mim já me estava a dar vontade de chorar!

 

Se temos pessoas à nossa volta alegres e bem dispostos, acabamos por nos sentir assim também, tal como o mau humor acaba por nos afectar e contagiar.

 

 

No entanto, algumas vezes, as emoções pregam-nos partidas e podem ter, muitas vezes, inconvenientemente, um efeito inverso, que pode parecer mal aos outros, mas que não conseguimos controlar ou evitar.

 

 

E por aí, costumam ser contagiados pelas emoções de quem vos rodeia, ou nem por isso?

A casinha branca das janelas azuis

 

blog 008.jpg

 

Num dia cinzento e chuvoso, deparo-me com esta casinha branca. No quintal, uma árvore completamente despida, a lembrar que já é outono.

Esta casa sobressai à vista, no meio das outras já desbotadas do passar dos anos. Também esta estava assim, até que resolveram recuperá-la.

 

blog 006.jpg

Ficou bonita, sim senhora! Parece uma pequena casa campestre e acolhedora, que convida aos lanches com chá quentinho e bolinhos caseiros acabadinhos de sair do forno!

 

blog 007.jpg

 

Pena que estas janelas e a porta não sejam reais. Na verdade, o que lá está é uma parede, e os espaços da janela e porta tapadas com tijolos. Depois, foi só pintar e dar os últimos retoques para ficar com este efeito!

Parece que está na moda!

 

Até que ponto são os castigos eficazes na educação?

 

No outro dia, em conversa com uma amiga sobre os filhos e os castigos, dizia eu a respeito da minha filha:

"Por enquanto, está proibida de ir ao computador. mas, se não atinar, fica sem ver a Violetta.".

E perguntou-me ela: "Mas isso não a vai revoltar e ter o efeito inverso? Sabendo que já não tem nada a perder, não vai ficar sem vontade de se esforçar?".

Ao que eu lhe respondi: "Então, o que é suposto eu fazer? Nada? Deixar andar?".

Não me parece o melhor caminho. É nesta altura que temos que agir, para que as crianças e jovens percebam que não podem fazer tudo o que querem, e que cada acção tem a respectiva consequência, tanto para o bem como para o mal.

 

 

 

Educação não se dá à base das bofetadas, embore confesse que muitas vezes tiram-nos de tal maneira do sério que nos dá vontade de lhes dar uma. Também não se transmite com gritos porque, às tantas, estamos nós a gritar, eles a gritarem mais alto, nós a tentar fazer-nos ouvir, e acaba por ninguém se ouvir. Embora seja verdade que, por vezes, perdemos a estribeiras.

Assim sendo, resta-nos conversar com eles, explicar-lhes o motivo pelo qual estão a ser castigados, e de que forma podem, futuramente, evitar isso.

Claro que temos que tentar adequar o castigo à acção, sem exageros nem benevolências. E, acima de tudo, cumpri-lo. 

 

 

Até que ponto a táctita dos castigos deixa de ser eficaz? Não faço ideia! Nem sei se pode, realmente, ter um efeito inverso ao pretendido. Somos pais. Não somos donos da verdade, nem temos um manual de instruções para seguir.

Privá-los de algo que gostam pode ser uma boa opção. Podem até mostrar que não os afecta nem lhes faz diferença mas, na verdade, na maior parte das vezes, custa-lhes. E muito.

Claro que pode resultar nuns casos, e não resultar noutros. Mas há que, pelo menos, tentar!