Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Até que ponto são os castigos eficazes na educação?

 

No outro dia, em conversa com uma amiga sobre os filhos e os castigos, dizia eu a respeito da minha filha:

"Por enquanto, está proibida de ir ao computador. mas, se não atinar, fica sem ver a Violetta.".

E perguntou-me ela: "Mas isso não a vai revoltar e ter o efeito inverso? Sabendo que já não tem nada a perder, não vai ficar sem vontade de se esforçar?".

Ao que eu lhe respondi: "Então, o que é suposto eu fazer? Nada? Deixar andar?".

Não me parece o melhor caminho. É nesta altura que temos que agir, para que as crianças e jovens percebam que não podem fazer tudo o que querem, e que cada acção tem a respectiva consequência, tanto para o bem como para o mal.

 

 

 

Educação não se dá à base das bofetadas, embore confesse que muitas vezes tiram-nos de tal maneira do sério que nos dá vontade de lhes dar uma. Também não se transmite com gritos porque, às tantas, estamos nós a gritar, eles a gritarem mais alto, nós a tentar fazer-nos ouvir, e acaba por ninguém se ouvir. Embora seja verdade que, por vezes, perdemos a estribeiras.

Assim sendo, resta-nos conversar com eles, explicar-lhes o motivo pelo qual estão a ser castigados, e de que forma podem, futuramente, evitar isso.

Claro que temos que tentar adequar o castigo à acção, sem exageros nem benevolências. E, acima de tudo, cumpri-lo. 

 

 

Até que ponto a táctita dos castigos deixa de ser eficaz? Não faço ideia! Nem sei se pode, realmente, ter um efeito inverso ao pretendido. Somos pais. Não somos donos da verdade, nem temos um manual de instruções para seguir.

Privá-los de algo que gostam pode ser uma boa opção. Podem até mostrar que não os afecta nem lhes faz diferença mas, na verdade, na maior parte das vezes, custa-lhes. E muito.

Claro que pode resultar nuns casos, e não resultar noutros. Mas há que, pelo menos, tentar! 

Livro de reclamações electrónico

Resultado de imagem para livro de reclamações electrónico

 

Será que os portugueses reclamam muito? Dizem que sim! 

Mas talvez reclamem mais "da boca para fora", de cabeça quente, com os ânimos exaltados, muitas vezes por coisinhas sem importância, por mesquinhices, do que daquilo que realmente deveriam.

E quantos não reclamam, tantas vezes, verbalmente mas recuam perante a perspectiva de apresentar uma reclamação escrita no Livro de Reclamações.

Agora, o governo quer criar, até ao verão, o livro de reclamações electrónico juntando, numa única plataforma, todas as queixas dos consumidores, permitindo aos mesmos apresentar, de forma mais rápida, a sua reclamação.

Ao que parece, o projecto-piloto da plataforma electrónica vai estar disponível, em simultâneo, com a versão em papel do livro de reclamações.

Irá esta nova forma de reclamar aliciar os consumidores a exercerem mais o seu direito? Iremos assistir a uma subida considerável do número de reclamações? Irá o famoso "livro amarelo" cair em desuso?

E qual será a eficácia e rapidez desta mesma plataforma, na resposta e resolução das queixas apresentadas?

 

Entrou ontem em vigor, mas...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

...na prática, tenho as minhas dúvidas quanto à sua real eficácia.

Sim, falo da Lei que criminaliza maus tratos a animais, que entrou ontem em vigor, e que prevê que "quem, sem motivo legítimo, infligir dor, sofrimento ou quaisquer outros maus tratos físicos a um animal de companhia é punido com pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 120 dias”.

A mesma lei indica que, para os que efetuarem tais atos, e dos quais “resultar a morte do animal, a privação de importante órgão ou membro ou a afetação grave e permanente da sua capacidade de locomoção”, o mesmo será “punido com pena de prisão até dois anos ou com pena de multa até 240 dias”.

Pergunto-me em que se basearão as entidades competentes para aferir o que é, ou não, um motivo legítimo. E até que ponto é que, quem inflige os maus tratos, não alegará motivos supostamente legítimos para justificar os seus actos.

Em relação aos animais de companhia, a lei determina que, “quem, tendo o dever de guardar, vigiar ou assistir animal de companhia, o abandonar, pondo desse modo em perigo a sua alimentação e a prestação de cuidados que lhe são devidos, é punido com pena de prisão até seis meses ou com pena de multa até 60 dias”.

E eu volto a questionar: como é que as entidades competentes sabem quem, como e quando as pessoas abandonam os seus animais de estimação? Se eu por acaso abandonasse hoje a minha gata, quem saberia? Absolutamente ninguém! 

Claro que há muitos animais registados e com chip, o que torna mais fácil a identificação dos mesmos e dos respectivos proprietários. Mas isso é para quem segue as regras e cumpre a lei. Aqueles que estão pouco preocupados com os seus animais, não se darão a esse trabalho. 

Por último, pergunto-me se esta lei só se aplica a quem maltrata os seus animais de companhia, ou a toda e qualquer pessoa que maltrate seja que animal for? Ou seja, o meu vizinho, por exemplo, pode ser condenado se maltratar o seu gato, mas ficar impune por matar outros gatos?

Ainda assim, mesmo duvidando da eficácia desta lei, é um passo em frente na protecção dos animais, e uma atitude de louvar. Venham mais e, de preferência, para se cumprirem, e não para "português ver".

Até porque já sabemos como costuma funcionar a justiça no nosso país!

 

Pontapé de saída

 

Já por mim foi dito que, de futebol, pouco percebo.

No entanto, tenho a minha opinião e visão das coisas, assim como suspeitas, sejam elas devidamente fundamentadas ou não, e que preferia francamente não ver confirmadas.

Refiro-me, como benfiquista que sou, ao meu clube – o Benfica.

O que lá vai, lá vai. O que está feito, feito está. Não vale a pena voltar a falar do que perdemos, do que ficou por fazer, das tristezas que o final da época trouxe a todos os adeptos.

Mas, desde então, um pensamento permaneceu na minha mente – se o Benfica não conseguiu na época passada, não será nesta que vai conseguir. Há sempre um momento alto na vida e o do Benfica, era aquele que acabou por desmoronar.

A partir de então, o treinador foi altamente contestado e criticado. A decisão (insistência) do presidente de mantê-lo nesta época, colocou-lhe um peso e uma pressão adicional em cima. Afinal, será dos poucos a acreditar que o treinador é o indicado para levar o clube ao tão ansiado final feliz. E, de qualquer forma, se não fosse o Jorge Jesus, conseguiria um novo treinador adaptar-se à equipa, e a equipa a ele, e prometer resultados que o antigo treinador, em muitos anos, não conseguiu? Estaria o sucesso mais garantido?

Neste momento, os jogadores parecem ainda estar sob o efeito da nuvem negra da época passada. O luto ainda não está superado. E não sei até que ponto o gesto de Cardozo (infelizmente em público) não traduz a insatisfação, falta de confiança e desagrado dos restantes jogadores.

Ainda assim, com uma esperança a querer reacender, iniciou-se uma nova época. Que começou com água a ser lançada em cima da pequena chama, e a apagá-la! Nada que a pré-época não fizesse prever.

Parece-me que o treinador continua a cometer erros que não se podem admitir, talvez pela pressão a que está sujeito mas que, ainda assim, não os justifica. Neste momento, estamos à espera que o Benfica comece a atear o lume que apagou. Resta saber se conseguirá reunir condições para isso, e para mantê-lo até ao final. Tenho as minhas dúvidas…

Por isso, acredito que um Sporting, de certa forma, rejuvenescido e sem grandes ambições a curto prazo, nos possa vir a surpreender. E que um Benfica insatisfeito, não preparado e no limbo, possa descambar para uma situação ainda pior que a que se colocou na época anterior. E, alheio a tudo isto, no topo, para variar, o Porto!  

Decididamente...

 

...não tenho jeito para veterinária!

 

Admiro a atitude, a eficácia e a coragem de quem exerce essa profissão.

Fazem o que têm a fazer, sem "mariquices", sem rodeios, sem "engenhocas".

 

Já eu, não tenho a mínima vocação para enfermeira de gatos. Sou boa a brincar com eles ou a dar miminhos. Sou péssima a tratar-lhes da saúde.

Simplesmente não consigo agarrar na minha gata, segurá-la pelo pescoço (que ainda por cima está em ferida) e enfiar-lhe o comprimido, como a veterinária diz "goela abaixo". Tenho tentado que ela o coma junto com a ração, o que resultou algumas vezes e foi para mim um grande alívio.

Mas outras nem por isso. E então lá tive eu que tentar fazê-la engolir o antibiótico. As primeiras vezes não foi assim tão mau. Mas ela já está escaldada, e hoje de manhã declarou-me guerra!

 

Resultado: mão e braço completamente mordidos e arranhados, com sangue a correr! Consegui que ela tomasse o comprimido. mas a seguir fui em para a casa de banho desinfectar as minhas próprias feridas!

  • Blogs Portugal

  • BP