Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O novo centro de saúde da vila está agoirado

Resultado de imagem para fantasma feliz

 

E as culpadas somos nós, eu e a minha filha, que todos os dias por ali passamos e assistimos à sua construção de raiz e, à falta de melhor entretimento para os 10 minutos de caminhada, nos pomos a analisar a obra, de uma perspectiva muito sinistra, quase argumento para filme de terror!

 

IMG_5407.JPG

A primeira coisa que salta à vista é o "precipício da morte". A determinada altura, o terreno onde se vai situar o centro de saúde sofre um corte abrupto em altitude, sendo que imediatamente em baixo existem árvores e um riacho que por ali corre. Há sempre a hipótese de enforcamento ou afogamento, ou a simples queda de um primeiro andar.

 

IMG_5405.JPG

A essa vala, que faz lembrar as trincheiras da guerra onde os soldados se abrigavam para se proteger e, ao mesmo tempo, facilitar o ataque ao inimigo, tal como nos recordou as valas comuns, onde os cadáveres eram enterrados em massa, chamámos de "vala dos mortos".

 

IMG_5409.JPG 

Depois, há a "varanda do suicídio", nome dado pela minha filha a uma zona que mais parecia uma varanda do que a entrada para o centro.

 

IMG_5410.JPG

Do lado de fora, junto uma parte da construção, vimos uma enorme saca branca, atada, a que apelidámos de "saco dos mortos".

 

O próprio centro de saúde ficará a pouca distância do cemitério local.

 

Ainda não conseguimos visualizar o edifício, tal como aparece na fotografia. Não se consegue distinguir onde será a entrada, e como irão os carros para lá, com tão pouco espaço de terreno, até à dita vala. Também a rotunda não sabemos se ficará em pleno riacho, ou do lado inverso.

Mas conseguimos visualizar os utentes a serem assombrados por espiritos malignos, que os levarão a cometer loucuras!

E, a determinado ponto, de tanto que já agoirámos o centro de saúde, até ficamos com receio de lá entrar, não vá o diabo tecê-las!

 

O dia de uma criança sem internet

Resultado de imagem para crianças e internet

 

 

 

As crianças (e muitos adultos também) estão cada vez mais dependentes das novas tecnologias, sobretudo da internet!

Acordam já a pensar em ir ao PC, estão sempre à espera de um tempo livre para lá estarem e, com sorte, é a última coisa que fazem antes de irem para a cama!

E quando não é no PC, é no tablet, ou no telemóvel. Até mesmo nos intervalos de escassos 5 ou 10 minutos entre aulas.

Se lhes tirarmos a internet, ficam perdidas - "E, agora, o que é que fazemos?"

 

transferir (4).jpg

 

 

A não ser que tenhamos um programa muito empolgante que as faça sair de casa, não é fácil distraí-las.

 

Fazer uma caminhada e aproveitar o bom tempo? Não, estão cansadas!  

Fazer uns desenhos bonitos para depois colorir? Ainda começam mas, ao fim de pouco tempo, queixam-se que já lhes dói a mão.

Ver um filme animado na televisão? Não há nada que gostem!

Jogar um dos vários jogos à disposição? Fartam-se ao fim de 10 ou 15 minutos!

 

Ficam aborrecidas, sem nada que lhes agrade, com que se entretenham. E acabam por chatear a cabeça aos pais. Porque aquilo que lhes apetece fazer, em alternativa, nem sempre agrada aos pais.

Mas, a partir do momento em que estão autorizadas a ir à internet, é vê-las entretidas horas a fio, ora a ver ou escrever em blogs, ora a ver vídeos que outras crianças e adolescentes gravam sobre tudo o que possamos imaginar (e até de coisas que nem imaginamos), ora a jogar, ou qualquer outra actividade que as cative!  

E o que é que os pais vão dizer se, muitas vezes, eles próprios passam o seu tempo livre da mesma maneira?!

 transferir (6).jpg

 

 

Estratégias para andar de carro

 

Nunca pensei que, algum dia, teria que encontrar algumas estratégias para conseguir andar de carro de forma minimamente descontraída.

Mas é isso que eu tenho feito.

Desde que comecei a andar de carro (sempre ao lado do condutor ou atrás) e até agora, nunca me preocupei com nada. Era algo perfeitamente normal e natural.

Depois do acidente, cada vez que vamos a algum lado de carro, sinto que vou entrar num campo de batalha - a estrada - da qual não sei se sairei ilesa ou não.

Estou sempre atenta, a olhar para todos os lados, a ver se alguma bala é disparada, e de que lado virá. E o pior é que, mesmo que não venha, às vezes parece que isso vai acontecer. Pura ilusão de óptica mas, ainda assim, assusta.

Por isso, uma das minhas estratégias é levar o GPS na mão - enquanto estou entretida a ver a rota, onde temos que virar e quantos quilómetros faltam, não olho para a estrada.  A outra é, sempre que um carro vai ao nosso lado, ou a chegar-se para o nosso lado (normalmente em auto estradas), olhar em frente, para não me assustar com a tal ilusão óptica. 

Umas vezes resulta, outras nem por isso. Porque, por mais que tente, e que em determinados momentos vá distraída, a apreciar a paisagem ou a música, há sempre outros em que o meu subconsciente me impele a olhar para a estrada.

Podia fazer como quem viaja de avião: tomar alguma coisa para dormir e só acordar à chegada ao destino. Mas, e se acontecesse alguma coisa enquanto eu dormia, e eu nem desse por nada? Não, quero estar de olhos bem abertos, para o bem ou para o mal.

E é a única forma de superar o medo, e esta paranoia que me anda a dominar. Até porque o perigo pode estar em qualquer lado e em qualquer lugar. É verdade!

Mas foi na estrada que eu me deparei com ele...

 

  • Blogs Portugal

  • BP