Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Desapaixonar"

thumbnail_como-desenhar-cabelo-curto-pipoca-com-ba

 

Será que nos "desapaixonamos" com a mesma facilidade e rapidez com que nos apaixonamos?

Para mim, a paixão funciona como uma ignição, um acelerador, um impulsionador, que nos faz sentir vivos, agir, experimentar, ter prazer naquilo que fazemos, ou naquilo que estamos a viver, e senti-lo de uma forma intensa, que mexe com todos os nossos sentidos, de uma forma boa. 

 

Dizem, os entendidos na matéria, que seria impossível as pessoas viverem em permanente estado de paixão, porque não fomos programados para viver em clima de constante expectativa e excitação.

É por isso que a paixão, ao fim de uns tempos, passa e, ou é o fim de tudo, ou dá lugar a outra etapa do processo.

Isto aplica-se ao que (quem) quer que seja que nos tenha feito, em algum momento, apaixonar.

 

Ou seja, depois de ser ligado, posto a funcionar, e experienciado de forma mais extravagante, o ritmo inicial abranda, e passamos a uma espécie de marcha regular. Da mesma forma que baixamos o fogão para cozinhar em lume brando, lentamente.

Não é que seja mau.

Quando fazemos e vivemos tudo demasiado depressa, com demasiado entusiasmo, quase num estado de delírio, experimentamos diversas sensações, mas acabamos por menosprezar outras.

Ao acalmarmos, conseguimos vislumbrar outros aspectos também importantes, temos outro tipo de vivência que pode ser, também ela, feliz, plena e prazerosa.

 

Ainda assim, sinto que, por vezes, era bom voltar a pisar o acelerador, voltar a sentir as emoções de outros tempos, ou novas, de uma forma mais apaixonada.

Afinal, o que nos move é a paixão. Seja em que campo for, e pelo que for.

A vida é feita de paixões.

Umas, maiores. Outras, nem tanto.

Umas mais importantes que outras.

Umas, mais prolongadas. Outras, mais efémeras.

Então, o que esperar de uma vida que não tenha, de vez em quando, uma paixão?

 

O que nos resta, quando nos desapaixonamos, e não houver nada que nos volte a apaixonar?

 

Há dias que nos inspiram!

a-mente-c3a9-maravilhosa.jpg

 

Há dias que nos inspiram.

Inspiram a mudar. 

A fazer.

A tomar a iniciativa.

A querer mais, e melhor.

Há dias em que nos sentimos cheios de energia, e vontade, e entusiasmo.

Há dias em que achamos que podemos tudo!

 

E, depois, há outros, que nos bloqueiam, deitando tudo isso pelo cano abaixo.

 

Há dias em que me decido a fazer uma limpeza geral à casa.

Em mudar as cortinas.

Em substituir o que está estragado.

Em tirar aquilo que não faz falta.

Em dar um destino a tanta roupa e brinquedos que lá tenho desde que a minha filha era pequena.

Em ver se dou um rumo ao meu futuro livro, encalhado há mais de 3 anos por falta de ideias (ou por ideias a mais que não sei bem como conjugar).

A fazer uma mudança.

Porque mudança gera mudança.

E, quem sabe, não leva a outras mudanças.

 

Depois, porque nada disto chegou a ser posto em prática no momento, vêm dias em que perco esse entusiasmo, trocando-o pelo comodismo, pela preguiça, pelo apego.

Olho para as coisas que ía despachar, e percebo que não as quero despachar, voltando a pô-las no mesmo sítio.

Olho para a despesa que vou ter, e penso que pode esperar, ficar para depois, quando der mais jeito financeiramente.

Começo a recear a mudança, e a acreditar que é melhor ficar tudo como está. Porque até não está mal.

Falta a paciência, e a imaginação.

Falta garra, e energia.

E, em vez de "pegar o touro pelos cornos" e pôr mãos à obra, acabo sentada num sofá, a fazer tudo menos aquilo que pretendia, adiando indefinidamente as acções.

Esperando por outros dias, que me voltem a inspirar, e me levem para lá dos pensamentos e ideias, que nunca se chegam a concretizar.

 

Das ideias que nos surgem, e que...

5 maneiras criativas de descobrir se você teve uma boa ideia

... quando se começam a formar, e a ganhar vida, nos deixam entusiasmados

... quando estão prontas parecem geniais, e ficamos satisfeitos com o resultado

... passado um momento, olhamos para elas e parece que tudo aquilo que vimos há minutos, se esfumou, e pensamos que, afinal, é apenas algo banal

 

Porque é que a fé naquilo que fazemos dura tão pouco?

Desacreditamos assim tanto aquilo que somos capazes de criar?

Temos em tão baixa conta o nosso valor?

 

Há que ser confiante. Se as levámos a cabo, é porque acreditámos nelas.

Então, não as condenemos antes do tempo!

Começar o ano sem "amarras"

cf87f5cb939dd76e7796279cf900cd62.png

 

Os compromissos fazem parte da nossa vida.

Dão um propósito, um sentido, um objectivo.

Dão-nos uma certa responsabilidade.

Funcionam como guia orientador na nossa rotina.

Fazem-nos bem.

 

Mas também podem prender-nos.

Roubar a nossa liberdade.

Atropelar-nos.

Ter um efeito desgastante, e contraproducente.

 

Foi por isso que decidi começar este ano sem "amarras", em relação a projectos com os quais me comprometi há alguns anos, relacionados com a escrita.

E foi uma sensação libertadora.

Não porque não estivesse a gostar do projecto, mas porque sentia que não estava a ter tempo suficiente, e o entusiasmo necessário, presente nos primeiros tempos, para continuar comprometida da forma como estava.

 

Fiz uma pausa, ao fim de quatro anos.

Não é uma despedida definitiva, para já.

É um "passarei por aí, de vez em quando, se, e quando puder".

Mas está-me a saber bem, esta ausência de compromisso e obrigatoriadade!

 

 

TPC's online - um método inovador!

Resultado de imagem para menina ao computador

 

 

O professor de história da minha filha, como já anteriomente tinha referido, foi meu professor quando andei na escola, por volta do mesmo ano em que ela está agora.

Quando mencionei isso, alguém comentou que era uma boa forma de avaliar se os métodos se mantinham, ou acompanhavam as novas tendências.

E, na verdade, este é um bom exemplo!

Logo no início, informou que iria enviar os trabalhos de casa por email. Fiquei apreensiva, porque nem todos têm email, nem todos têm sequer computador ou outra forma de aceder à net. Já para não falar que os alunos nem sempre vão verificar o email. Mais depressa os vemos nas redes sociais.

Nas primeiras semanas, nada de trabalhos. Depois, avisou que iria enviar um trabalho. Era apenas um formulário para preencher com os dados do aluno.

 

 

Resultado de imagem para formulários google

 

Na passada semana enviou outro, para os alunos fazerem para esta semana. Avisou-os de que iria enviá-lo. Estive a ver o trabalho com a minha filha, e posso-vos dizer que gostei deste método!

É inovador, sem dúvida. Não é massacrante. Entusiasma os alunos a fazer e procurar a informação porque só têm que preencher um formulário. A maior parte das respostas é por cruzinhas, letras de correspondência e por aí fora. 

Só acho que o professor deve ter o dobro do trabalho que teria se, simplesmente, pedisse aos alunos para fazer a ficha "x" ou "y" do livro. Porque, no fundo, as imagens e muitas das perguntas são as que constam do livro, e que o professor transforma em formulário online. Mas vale bem a pena o esforço!

Que mais professores sigam este exemplo!