Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Educar é um processo contínuo

O Educador Social e a sua intervenção em contexto e território educativo - Educação  Social

 

Não é um impulso.

Não é um rasgo súbito.

Não é um acto isolado.

Não são pedaços atirados, quando bem calha, sem qualquer outro contexto ou suporte.

 

Não pode ser encarado como algo que, um dia, num determinado momento, as pessoas se lembram, quando antes, nunca se preocuparam e, tão pouco, deram o exemplo e, provalmente, depois disso, volta a cair no esquecimento.

 

Como é que pessoas que pouco participam no dia a dia,  e que muitas vezes, quando se intrometem, têm comportamentos que deseducam mais do que educam, podem querer, em determinada situação, educar e esperar que os outros assimilem e respeitem?

 

Como é que podem querer assumir o papel de educador, como quem veste uma fantasia de carnaval ou no halloween, apenas para a ocasião?

 

Educar não é fácil.

Nem sempre o fazemos da melhor forma.

Muitas vezes, erramos.

Mas convenhamos que, ainda que não seja bom, é permitido e perdoado a quem está lá todos os dias, a tentar fazer o seu melhor, aprendendo hoje, para não repetir amanhã.

 

Mas se há coisa que me irrita, é pessoas que passam pelos pingos da chuva e, um dia, acordam e lembram-se que, naquele dia, do nada, querem educar alguém.

Se é mau?

Não necessariamente.

Mas é quase um "entrar por um ouvido, e sair pelo outro", porque quem elas se lembraram de educar, não olha para essas pessoas como verdadeiros educadores. Apenas como alguém que acordou para aí virado, mas que depressa voltará a dormir, e desaparecer.

E, se nos dias seguintes, essas mesmas pessoas fizerem, precisamente o oposto do que tentaram ensinar, então é ainda mais garantido que nunca será assimilado, nem produzirá qualquer efeito.

 

Por isso, se as pessoas querem ser encaradas como educadoras, respeitadas e levadas a sério, t~em que perceber que educar é um processo contínuo. Sem folgas, feriados ou férias.

 

Cada um é responsável pelas suas próprias decisões

Resultado de imagem para decisões

 

E não tem o direito de remeter essa responsabilidade para os outros, como se fossem os outros a tomar as decisões por si.

 

 

O que vejo cada vez mais, nos dias que correm, são pessoas indecisas, confusas, com dúvidas que, a determinado momento, pedem opinião a outras. 

Não há qualquer mal nisso. Por vezes, as opiniões podem ajudar-nos a encontrar o rumo certo, ou a perceber se estamos no bom caminho, ou a resvalar para caminhos sinuosos. Em qualquer dos casos, a decisão final é sempre nossa.

 

 

Mas o que as pessoas pedem, nunca é apenas isso - uma opinião. Querem mais! Querem quase que lhes digamos o que devem fazer. Ou então, não querem a nossa opinião, mas apenas obter a nossa concordância e aprovação.

E depois, ou ficam aborrecidas porque aquilo que ouvem vai contra a ideia que tinham e, chateadas, acabam por descartar essas opiniões porque não têm que seguir o que os outros dizem, e sim o que querem e pensam.

Ou seguem essa opinião e, caso as coisas não resultem, acusam os outros de as terem induzido em erro.

 

 

Pior ainda, é quando essas pessoas tomam as decisões por vontade própria, mas apercebem-se de que estavam errados, e tentam culpabilizar os outros, que nem sequer se manifestaram, ou o fizeram, mas em sentido contrário.

Se não querem ouvir, ou acham que não vão gostar do que os outros têm a dizer, não lhes perguntem. 

 

 

Mas se, de alguma forma, envolvem os outros nas decisões que têm que tomar, seja através do pedido de opinião ou com constantes conversas sobre o assunto, sobretudo se essas decisões têm impacto sobre os outros também, as pessoas têm que estar preparadas para ouvir.

Por vezes, aquilo que aos seus ouvidos soa como crítica, parecendo que lhes queremos mal, não é mais do que uma chamada de atenção, que um alerta, precisamente pelo contrário, porque queremos o bem da pessoa e, quer queiramos quer não, pela proximidade e pela forma como nos envolveu no assunto, temos o direito de o fazer.