Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Há uma grande diferença entre não querer ter filhos e não poder ter filhos

Resultado de imagem para gravidez"

 

Não querer ter filhos, implica uma escolha. Uma escolha feita livremente, que naquele momento é válida mas que, a qualquer momento, pode ser revertida.

Quantas mulheres não dizem, durante anos, que não querem ter filhos. Que ser mãe não faz parte dos planos. Que não estão reunidas condições para tal. Ou não sentem esse apelo da maternidade. Ou acham que não serão boas mães.

Ainda assim, de um momento para o outro, tudo pode mudar, e dar lugar ao desejo de ter um filho.

 

 

Não poder ter filhos, significa que essa liberdade e poder de escolha nos foi vetado. Que algo decidiu por nós, e só nos resta aceitar uma decisão que não temos qualquer forma de reverter.

 

 

Quando era mais nova, meti na cabeça que nunca iria ter filhos. Não era nada muito pensado. Era apenas aquela ideia de que não teria paciência para aturar bebés e crianças birrentas.

Depois, tive a minha filha, e jurei que nunca mais voltaria a ter filhos.

Primeiro, porque não queria passar novamente pela experiência do parto. Depois, porque à medida que a minha filha ia crescendo, achei que não queria passar por todos os receios, angústias e preocupações outra vez. Nem mudar fraldas, nem passar noites sem dormir e todas essas coisas que um bebé implica. Sobretudo agora, que a minha filha já vai para os 16 anos.

E, porque até hoje, não têm existido condições para voltar a ser mãe, tanto a nível financeiro, como psicológico.

Um filho implica disponibilidade, tempo, atenção, que estejamos lá para eles, e isso é, cada vez mais, algo difícil hoje em dia.

 

 

Por isso, não ter mais filhos tem sido, até à data, uma decisão minha.

Mas a idade vai avançando, os anos vão passando e sinto que, a qualquer momento, essa deixará de ser uma decisão minha, que posso mudar, se assim o desejar, e passará a ser uma realidade irreversível, de quem está a entrar na menopausa e, como tal, não poderá mais ter filhos, nem opção de escolha quanto a esse assunto.

Por muito que queiramos, ou não, ter filhos, é sempre difícil aceitar que estamos condenadas a um prazo de validade, que nunca sabemos quando chegará - para umas chega mais cedo que para outras - e que nos vai limitar em algo que deveria sempre ser uma hipótese a não descartar, até assim o entendermos.

 

 

Comprar livros com ou sem autógrafo?

Imagem relacionada

 

 

Tenho um livro na minha lista de livros a comprar, que adicionei há pouco tempo, e não teve a sorte de ser um dos felizes contemplados da última encomenda.

Desde então, tenho visto imensas críticas positivas, tenho percebido que anda quase toda a gente a lê-lo, e fiquei ainda com mais vontade de o comprar.

No facebook, coincidência ou não, estou sempre a deparar-me com a publicação do autor, como sugestão de oferta para o Natal sendo que, se a encomenda for através do próprio, o livro vem autografado.

 

 

Até aqui, tudo bem.

Enviei mensagem a perguntar o valor do livro. Ficava em 16 euros, com portes de envio.

Na Wook, o mesmo livro está com desconto, a € 12,40 e portes grátis, mas com expedição de 5 dias.

No fim de semana fui ao Continente, e vi-o. O livro, claro! 

Ao mesmo preço que na Wook, mas ali mesmo na minha mão, pronto a levar.

 

 

E pensei: que se lixe o autógrafo!

Então ia pagar mais de 3 euros, só para ter um livro assinado pelo autor? Sim porque seria apenas uma assinatura. Com sorte, uma pequena mensagem igual a todas as outras que escreve, para quem lhe pede livros autografados.

Não faz sentido. 

A não ser que o livro não exista mesmo à venda, ou que o valor seja igual em ambos os casos, não me compensa. 

Penso que os únicos livros que tenho autografados são de autores que conheço pessoalmente. Ou com quem estive em algum momento, como o da Dorothy Koomson, que calhei encontrar na Feira do Livro e aproveitei a ocasião para ficar com o livro acabado de comprar autografado. E um que estava à venda já com o autógrafo da praxe, com direito a desconto.

 

 

À parte a questão dos autógrafos, chego à conclusão que, para nós, leitores, compensa mais comprar livros na loja do que directamente aos autores enquanto que, para os autores, só mesmo quem se deixe convencer que o autógrafo justifica a diferença do valor, porque se arriscam a não conseguir vender os livros, ao preço que pedem. Alguns por não terem a mesma margem de manobra que as grandes superfícies têm, e outros porque querem simplesmente lucrar mais, a nível particular, do que com a percentagem recebida pelas vendas em loja. 

 

 

E por aí, preferem os livros autografados, ou sem autógrafo? A diferença no valor também é um factor que vos influencia no momento de decidir?

All Aboard Festival Eurovisão da Canção - 2ª Semifinal

 

Se na primeira semifinal as músicas pontuaram pela qualidade, esta segunda semifinal foi o descalabro total!

E a escolha das finalistas é melhor nem comentar. O navio desta vez meteu muita água!

Houve muitos países que ficaram pelo caminho, e que mereciam mais estar na grande final do que muitos dos apurados nesta segunda etapa.

 

Também a minha pontaria falhou redondamente nesta etapa. Das minhas escolhidas  - Roménia, Sérvia, Dinamarca, Rússia, Austrália, Polónia e Montenegro (das quais as que gostava mesmo, mesmo, eram a Sérvia e a Polónia, sendo que as restantes eram o menos mau, do pior que por lá passou) - apenas acertei em 3.

 

Relativamente aos postais de apresentação de cada país, tenho pena que, num país com tantos locais diferentes e bonitos para conhecer, os países tenham ficado, maioritariamente, por Lisboa e arredores.

Ainda assim, foi com imenso orgulho que vi a Dinamarca a passear pelo Convento de Mafra (estiveram cá e nem dei por nada), e a Polónia pela Foz do Lizandro, na Ericeira. 

 

As apresentadoras estiveram mais activas nesta segunda semifinal e com uma escolha de vestimenta, no geral, melhor que na primeira. Continuo a não gostar da Sílvia Alberto, e é a que se engana mais. A Catarina é a mais contida, a medir e falar com calma, para que tudo corra bem. À Daniela, sobra-lhe à vontade na língua, mas falta-lhe à vontade na apresentação. A Filomena parece a única a estar ali na boa, e realmente a divertir-se.

 

Ficámos a conhecer ainda as músicas da França, Itália e Alemanha. Esta última entrou para o meu top das favoritas para vencer o Festival Eurovisão da Canção.

 

 

Curiosidades:

Alexander Rybac, representante da Noruega, já venceu o festival há 9 anos. A música deste ano não vale nada, mas continua a ser uma das favoritas, não sei como.

 

Aquele olho do Mélovin, concorrente da Ucrânia, é um adereço artístico pertencente à imagem de marca do cantor, ou ele tem mesmo algum problema?

 

A música da Dinamarca fez-me lebrar alguns dos filmes épicos, e os próprios cantores, personagens desses filmes.

 

Sou só eu a achar o Michael Schulte parecido com o Ed Sheeran?

 

 

Imagem https://observador.pt/

 

Vacina da gripe: levar ou não levar?

Resultado de imagem para vacina da gripe 2017

 

Todos os anos a situação repete-se: chegamos a esta altura do ano, e lá vão as pessoas vacinar-se contra a gripe.

Este ano, os alertas de que virá por aí um surto de gripe, e que todos devem prevenir-se, recorrendo à vacina está, mais uma vez, a levar muita gente a correr para as farmácias e centros de saúde, a fim de levar a vacina e assim evitar as gripes de inverno.

Como todos sabemos, existem grupos de maior risco, para os quais se recomenda esta medida preventiva. Os restantes, querendo, podem também fazê-lo.

 

Ora, eu nunca senti necessidade de levar a vacina contra a gripe. Normalmente, constipo-me várias vezes por ano. Uma ou outra vez devo ter tido mesmo gripe, mas acaba por ser algo tão normal que nunca me pareceu justificar a toma desta vacina.

Aliás, conheço pessoas que estavam bem, e ficaram doentes após levarem a vacina da gripe.

Este ano, continuo sem intenções de levar a vacina, tal como todos lá em casa.

Enquanto isso, vejo as pessoas à minha volta histéricas, com medo do que aí vem, a quererem levá-la. Cada um é dono de si, e faz o que bem entende pelo seu bem estar. Por isso, se o querem fazer, façam-no. Se se sentem melhor assim, mais descansadas, não hesitem.

Mas, será legítimo quererem arrastar todos os que as rodeiam consigo? Por muito que não queiram, a não ser que vivam numa concha, ou se restrinjam a conviver unicamente com pessoas que seguiram o seu exemplo, é impossível não estarem, em determinados momentos, no mesmo espaço que outras pessoas que não tomaram a vacina da gripe. E aí, o que vão fazer? Como saberão quem se preveniu e quem não o fez?

Seja como for, estando essa pessoa vacinada, mesmo que os outros não estejam, nada tem a temer, certo?

 

E nos locais de trabalho?

Podem as entidades patronais obrigar os seus funcionários a vacinarem-se contra a gripe? Será essa preocupação meramente laboral, por receio de que os funcionários adoeçam e prejudiquem as empresas?

Podem os funcionários recusar-se a fazê-lo?

 

No fundo, a questão que se coloca é: levar ou não levar a vacina da gripe? De quem é a decisão, e o que deve ter em conta no momento de decidir.

 

Por aí, costumam levar a vacina da gripe?

O que vos levou a tomar a vossa decisão?

 

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP