Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Comodismo estúpido

679380527607ac0a36146b547b35618b.jpg

 

Há pessoas que me complicam com o sistema nervoso, de tanto comodismo e estupidez.

No caminho do trabalho para casa, há um prédio que está em obras/ pinturas e, como tal, nessa direcção, colocaram uns pinos e madeiras para impedir o estacionamento, não vá haver algum acidente (ou incidente), e danificar os carros.

São apenas dois lugares, sendo que há vários acima, e outros tantos abaixo.

Só que, muito perto, há um café e snack bar. 

E, como já sabemos, há pessoas que não gostam muito de andar e, se pudessem, levavam o carro para dentro dos estabelecimentos.

Como não dá para o fazer, as pessoas insistem em deixar o carro estacionado ao lado das tábuas, a ocupar metade do estacionamento, e metade da estrada, quase como uma "segunda fila".

Aliás, a mesma pessoa, diariamente, fá-lo. E chegou ao cúmulo de, com tanta manobra para ali enfiar o carro, atirar com um pino e quase passar com a roda por cima dele.

Havia mesmo necessidade?

É que perde mais tempo, tem mais dificuldade, e faz mais estragos, do que se tivesse estacionado noutro lado, normalmente.

A ganância das pessoas

Ameixa Rainha Claudia Banco de Imagens e Fotos de Stock - iStock

 

Perto de onde vivo existe um recinto público com ameixoeiras.

Neste momento, elas estão carregadas de ameixas, embora a maior parte ainda não muito amarelas.

As que estão do lado mais virado para o sol, amadurecem mais depressa mas, ao mesmo tempo, estão menos acessíveis, seja porque os seus ramos estão mais altos, seja porque caem para o lado de fora da grande muralha, a que não se consegue chegar.

As que estão do lado de dentro, apanham menos sol e, por isso, ainda estão meio esverdeadas.

 

No entanto, à semelhança de outros anos, raramente as vemos amarelas porque as pessoas apanham-nas antes.

Chegam a levar escadotes, e sacos para encher, até não restar nenhuma.

Este ano, por enquanto, isso não tem acontecido muito.

Eu própria, que passo lá diariamente, por uma ou duas vezes fui lá apanhar meia dúzia, para provar.

Se todos levarmos um pouco, dá para muita gente, e é uma forma de não se estragarem, caídas no chão.

 

Mas há quem não pense assim.

A ganância das pessoas é incrível.

Numa das tardes em que estava a regressar a casa, estavam duas mulheres a carregar uma caixa de madeira cheia de ameixas, a maior parte verdes, para o carro.

Quando estavam a despejar as ameixas para a mala do carro, espalharam uma boa parte delas pela estrada fora.

Uma das mulheres dizia "ai minhas ricas ameixas, até as do meu quintal já andam aí estrada fora".

Ou seja, uma delas até tinha, supostamente, ameixoeiras no seu quintal, mas ainda veio apanhar mais a outro lado!

 

 

Querem ver que sou eu que estou errada?!

Resultado de imagem para passadeira

 

Por certo já ouviram aquela história do condutor que ia muito bem na autoestrada, quando ouviu na rádio a notícia de que ia um veículo em contramão e comentou "Um não, muitos!".

Para ele, apesar de ser o dito condutor que ia em contramão, os outros é que estavam a ir em sentido contrário.

 

Esta semana, já por 3 vezes estou na passadeira, para atravessar, e os condutores, simplesmente, ignoram-me, como se eu fosse invisível ou transparente.

Um deles, ontem à noite, até abrandou e eu, parva, antecipadamente, agradeci. E não é que o parvalhão continua a andar, faz-me parar a meio da passadeira para ele passar, e ainda olha para mim como se eu tivesse acabado de cometer uma loucura!

 

E já não é o primeiro que olha para mim, quando atravesso a passadeira, com uma expressão entre o incrédulo e o assustado. Outros, fingem que não vêem e viram a cara. Outros ainda, depois de terem passado, pedem mil desculpas por não me terem visto!

 

Se calhar, sou eu que estou errada e, afinal, as passadeiras não foram feitas para os peões, mas sim para os carros!

Falha minha! Peço, então, desculpa a todos os condutores pelo transtorno de fazer das passadeiras o meu meio mais adequado para atravessar uma estrada!

Já cá faltavam as pérolas da professora de Matemática

 

Desde o ano passado que não fiquei com a melhor impressão da professora de matemática/ ciências naturais da minha filha.

Este ano, ainda não tinha havido nada. Estava a ficar admirada! Mas a surpresa durou pouco tempo.

A propósito das aulas de apoio para todos os alunos, nas disciplinas de Português e Matemática, foi explicado pelo director de turma que a oferta era para todos os alunos, mas não era de carácter obrigatório. Ou seja, só iam os alunos que quisessem, ou que os pais quisessem que fossem. Ao contrário das restantes aulas de apoio, que são para os alunos que têm mais dificuldades.

Foi-nos dito também que não ficássemos preocupados porque nessas aulas de apoio para todos, os professores não iriam dar matéria, nem fazer a correcção dos trabalhos de casa. Por isso, estávamos à vontade para não os pôr a frequentar as aulas de apoio. Seriam apenas aulas para retirar dúvidas e praticar exercícios.

No entanto, na última aula de apoio de matemática, a professora foi corrigir os trabalhos de casa que tinha mandado. Quando os alunos a alertaram para o facto de não estarem presentes todos os alunos da turma, a professora respondeu algo deste género:

 

"Eles que vão ver às soluções, ou então perguntem aos pais!"

 

E é assim o ensino, e alguns professores, que temos hoje nas escolas. Sem comentários...