Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Podem por favor fazer uma pausa...

 

..e não falar durante uns tempos de trails, maratonas, caminhadas e corridas?

É que tudo o que é demais enjoa e eu, que ainda nem sequer comecei a correr, já estou cansada de tanto ouvir falar destes assuntos.

Em casa, o meu marido está sempre a falar dos trails que gostava de fazer, das corridas em que se vai inscrever, dos sites que publicitam estas provas.

Parece que agora é moda toda a gente correr, toda a gente participar em provas, toda a gente escrever e falar sobre isso.

Toda a vida houve atletas e outras pessoas que fizeram e fazem da corrida um hobby, uma forma de estarem em forma sem gastar dinheiro, uma terapia. Mas não são esses que andam sempre a falar do assunto. Para esses é algo que faz parte da rotina, algo natural. Podem recomendar a esta ou aquela pessoa, incentivar, mas só isso.

Por outro lado, são muitos os novas adeptos desta modalidade que fazem questão de mostrar o que fazem, porque fazem, como, quando e onde fazem.

Às tantas, parece-me que as pessoas estão mais interessadas em mostrar que correm, do que na corrida propriamente dita. 

E até o termo mudou para uma palavra mais fashion - em vez de corrida, agora é running! Hoje em dia, em vez de as pessoas pegarem nuns ténis, num fato de treino, e saírem para a rua, vão agora também equipadas com telemóveis e outros equipamentos para registar por onde passaram, que tempo fizeram, os km que percorreram, etc. Há, inclusivé, programas para isso!

Acho um exagero! Mas como a moda está longe de passar de moda, podiam pelo menos fazer uma pequena pausa, e dar tempo de antena a outros assuntos? 

 

 

O meu problema com a comédia...

 

É que ela, raramente, me faz rir!

Sou um "bicho" raro e diferente dos restantes humanos que conheço, mas ponham-me a ver um filme ou algo banal que pelo meio até tem umas cenas engraçadas, e sou capaz de rir com gosto.

Ponham-me filmes de comédias à frente, ou artistas de stand up comedy e afins, e é ver-me ouvir e olhar para eles e pensar "onde é que está a piada?".

E não pensem que sou uma pessoa deprimida e triste com a vida, porque já me tenho rido muito com as coisas mais estapafúrdias, e isso faz-me imensamente feliz. Mas não gosto de ter que rir porque é suposto, principalmente, quando tudo parece exagerado e forçado.

Tive mais um exemplo disso quando assisti, no fim de semana, ao Money Drop, com o Eduardo Madeira e o António Raminhos. Conseguiram um feito maior que os antecessores, ao me arrancarem um ou dois sorrisos. Mas, enquanto toda a plateia ria a bandeiras despregadas, ao não conseguia perceber porque é que cada palavra ou gesto deles conseguia ter esse efeito nas pessoas, porque a mim não me dava vontade de rir. Só os conseguia achar ainda mais tolinhos, quem sabe a representar um papel pré definido (mas não muito bem desempenhado), e imaginava alguém com uma placa virada para a plateia o tempo todo com a palavra de ordem "RIR"!

 

Comprei um saco de plástico! E agora?!

blog 004.jpg

blog 005.jpg

blog 006.jpg

Por acaso até foi mais que um!

E daí? Isso faz de mim uma inimiga do ambiente? Ou uma cúmplice do governo?

Não me parece. 

Fui às compras, e não levei sacos de casa. Por isso, pedi 2 num hipermercado, e 1 noutro. Paguei 18 cêntimos pelos 3. Não fiquei mais pobre por isso e deram imenso jeito. Além disso, são muito mais resistentes que os antigos e, estes sim, até dá pena utlizar para outra finalidade que não seja para compras. 

Por isso, admito que possa vir a, num futuro próximo, levá-los comigo para esse fim. Como já algumas pessoas faziam, antes de as taxas entrarem em vigor, e como ainda mais pessoas fazem, desde que os sacos começaram a ser pagos.

De facto, admiro essas pessoas. É tudo uma questão de hábito e de mentalidade. Eu confesso que ainda não estou muito habituada! Mas reconheço que é uma atitude sensata.

No entanto, com a entrada em vigor das taxas sobre os sacos de plástico, vejo também certas atitudes ridículas.  E não há necessidade de as pessoas cairem no exagero. Se antes, aproveitavam o facto de serem gratuitos para levar sacos a mais, que não precisavam, agora vêem-se pessoas a levar as compras na mão, só para não comprarem um saco!

E não estou a falar de duas ou três coisas. Vi uma cliente sair de um hipermercado com uma torre de compras desde a cintura até à cabeça, a praticar equilibrismo. Em nome de quê? Do ambiente?! De certeza que não!

Cada um sabe de si e faz o que bem entende, e ninguém tem nada a ver com isso. Mas não compreendo como é que as pessoas conseguem ir de um extremo ao outro, por causa de meia dúzia de cêntimos!

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP