Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Para algumas pessoas, só somos bons quando estamos lá para elas!

Marlice Bernardo: Bom ou mau?

 

Isto acontece na vida pessoal mas, também, muitas vezes, na vida profissional.

Enquanto os funcionários se mostram disponíveis,

Enquanto desenrascam, sempre que pedem,

Enquanto dizem que sim a tudo,

Enquanto falam bem da entidade patronal,

São os maiores!

Bons funcionários, exemplares, "membros" da família.

 

Mas, quando os funcionários têm o "descaramento" de querer algo diferente,

Quando se atrevem a dizer alguns "nãos",

Quando já não se pode contar com eles como antigamente,

Aí, então, já são uns ingratos, maus exemplos, ovelhas desgarradas do rebanho.

 

Para algumas empresas, os funcionários parecem ser "obrigados" a trabalhar lá eternamente, e em exclusividade, e vêm com maus olhos o desejo destes, de mudança, de melhoria, de melhores condições.

Para algumas empresas, só conta a sua vontade, e a de mais ninguém. O seu lucro. O seu prestígio. Muitas vezes, à custa do mal estar físico e psicológico dos funcionários.

 

Algumas empresas acham que podem tratar os funcionários como meros números, como descartáveis quando não mostram a utilidade de outrora.

E ainda há as que, para manter a fama, arranjam forma de obter elogios para alguns funcionários, para depois fazer propaganda nas redes sociais!

 

Educar é um processo contínuo

O Educador Social e a sua intervenção em contexto e território educativo - Educação  Social

 

Não é um impulso.

Não é um rasgo súbito.

Não é um acto isolado.

Não são pedaços atirados, quando bem calha, sem qualquer outro contexto ou suporte.

 

Não pode ser encarado como algo que, um dia, num determinado momento, as pessoas se lembram, quando antes, nunca se preocuparam e, tão pouco, deram o exemplo e, provalmente, depois disso, volta a cair no esquecimento.

 

Como é que pessoas que pouco participam no dia a dia,  e que muitas vezes, quando se intrometem, têm comportamentos que deseducam mais do que educam, podem querer, em determinada situação, educar e esperar que os outros assimilem e respeitem?

 

Como é que podem querer assumir o papel de educador, como quem veste uma fantasia de carnaval ou no halloween, apenas para a ocasião?

 

Educar não é fácil.

Nem sempre o fazemos da melhor forma.

Muitas vezes, erramos.

Mas convenhamos que, ainda que não seja bom, é permitido e perdoado a quem está lá todos os dias, a tentar fazer o seu melhor, aprendendo hoje, para não repetir amanhã.

 

Mas se há coisa que me irrita, é pessoas que passam pelos pingos da chuva e, um dia, acordam e lembram-se que, naquele dia, do nada, querem educar alguém.

Se é mau?

Não necessariamente.

Mas é quase um "entrar por um ouvido, e sair pelo outro", porque quem elas se lembraram de educar, não olha para essas pessoas como verdadeiros educadores. Apenas como alguém que acordou para aí virado, mas que depressa voltará a dormir, e desaparecer.

E, se nos dias seguintes, essas mesmas pessoas fizerem, precisamente o oposto do que tentaram ensinar, então é ainda mais garantido que nunca será assimilado, nem produzirá qualquer efeito.

 

Por isso, se as pessoas querem ser encaradas como educadoras, respeitadas e levadas a sério, t~em que perceber que educar é um processo contínuo. Sem folgas, feriados ou férias.

 

Inspiração ou imitação?

mulher-personagem-de-desenho-animado-bonito-pergun

 

Todos nós temos algo, ou alguém, em algum momento da nossa vida, que nos inspira.

A vida é feita de várias inspirações.

De exemplos, que tentamos aplicar na nossa vida.

De modelos, que tomamos como ponto de partida.

De ideias, que até podemos aproveitar.

E por aí fora.

Da mesma forma que, quem sabe, também nós inspiramos os outros.

 

Para mim, inspiração é pegar em algo, e transformá-lo, dando um toque pessoal. É já ter algo em mente, e usar essa inspiração para levar adiante o projecto.

É aquele "empurrão" na falta de coragem, na indecisão, na inércia.

É uma espécie de luz que guia.

Uma bússola que encontramos quando menos se espera, e que orienta.

É aquele "click" que há muito esperávamos, e não havia forma de chegar. Que estava encravado, e finalmente se soltou.

 

No entanto, o que se vê muito por aí, ao contrário de inspiração, é pura imitação.

É copiar o que os outros fazem, só porque essas pessoas fazem.

É fazer coisas nas quais nem sequer pensaram antes. Mas que, agora, parece que sempre tiveram essa ideia.

Porque, à falta de ideias próprias, se tem que ir buscar a quem as tem.

Só que, quem se dedica unicamente a imitar, nunca está a 100% nessa missão.

Então, o que sai, muitas vezes, são tentativas falhadas.

São interesses relâmpago que, à mesma velocidade a que chegam, também desaparecem.

Porque, ao contrário da inspiração, a pessoa que se limita a imitar continua sem saber o seu caminho, e andará sempre sem rumo, seguindo os passos e caminhos dos outros, sem nunca chegar a lado nenhum.

 

Dar o exemplo

IMG-20210429-WA0002.jpg

 

 
Gosto de ler. Sempre andei rodeada de livros e, inevitavelmente, a minha filha começou a interessar-se por livros (embora agora tenha outros interesses).
 
Gosto de escrever. Criei um blog. Fiz entrevistas. Escrevi dois livros. E a minha filha, entusiasmada, seguiu os meus passos (embora agora tenha tudo em standby).
 
Dedico uma parte do meu tempo a tentar ajudar os animais, conforme e da forma que posso. A minha filha, herdou esse sentido de responsabilidade e, por uma ou duas vezes, já fez a sua parte também.
 
Ultimamente, tem-me dado para a fotografia. E o que é que a minha filha me enviou ontem?
Esta foto, que tirou a caminho da escola.
Onde será que ela terá ido buscar essa ideia?!
 
Querendo ou não, para o bem e para o mal, acabamos por ser um exemplo para os nossos filhos.
Que eles podem, ou não, seguir.
Mas que se tornará a sua referência.

Pedro Soá: intimidar é muito diferente de fazer-se respeitar

Pedro Soá expulso do 'Big Brother' após comportamento agressivo ...

 

Pedro Soá foi um dos concorrentes que mais deu (e ainda dá) que falar, deste Big Brother 2020, pela postura que manteve dentro da casa, e atitudes que levaram à sua expulsão do reality show.

Cá fora, arrepende-se desse comportamento. Diz que, se voltasse a entrar, agiria de outra forma.

Ao lado da namorada, parecem formal um casal como outro qualquer. Ela diz que ele nunca foi agressivo consigo. Talvez... Sinceramente, tenho dúvidas. Mas isso é lá com eles.

 

Disse Pedro Soá Eu sou uma pessoa muito controlada, porque eu uso a argumentação, é o meu ponto forte.

Talvez seja por isso que ele afirma, ao ver as imagens, que parecia estar a observar outra pessoa que não ele.

Porque, a julgar por todas as atitudes, comportamentos e palavras, controlo foi algo que não existiu da parte dele, a não ser o "controlo" que detinha sobre alguns dos seus colegas. E argumentação? Bom, quando ela é inexistente, parte-se para a agressividade, para a violência, para os gritos...

 

Existem muitos Pedros Soás por este mundo fora.

Pessoas que são divertidas, simpáticas, amigas, companheiras, educadas, normais. Mas que, de um momento para o outro, sob stress ou pressão, ou quando as coisas não correm como querem, ou quem queriam não age como esperariam, na impossibilidade de manterem uma conversa ou mostrar o seu ponto de vista, exaltam-se, enervam-se, transformam-se em pessoas das quais, quem está ao lado, tem medo, Surge um lado mais agressivo, ainda que na maioria das vezes só verbalmente, mas que pode facilmente chegar à agressividade física.

 

"Nunca seria capaz de agredir a Teresa", garantiu Pedro.

Talvez...

Esse é o argumento ouvido na maioria das vezes "ah e tal, eu estava assim mas nunca chegaria a esse ponto", "ah e tal, eu estava enervado mas nunca agrediria ninguém".

Até podia nem ser essa a intenção. Mas, no calor do momento, e cegas, essas pessoas nunca poderão garantir que uma agressão física nunca iria acontecer. Porque nem eles sabem. 

E para quem está do outro lado, fica sempre a dúvida: "Desta vez, não aconteceu. Mas, e para a próxima?"

 

Não são raras as vezes em que essas pessoas acham que não fizeram nada de mais. E que até resultou. Que se fizeram respeitar dessa forma.

Para mim, isso não é respeito. É medo.

Intimidar é muito diferente de fazer-se respeitar.

Porque o respeito não se ganha com gritos, com agressividade, com violência. Pelo contrário.

Ganha-se pelo exemplo. Pelas atitudes correctas, que devem prevalecer. Pela firmeza. Pela calma. 

 

Como vários colegas afirmaram, Pedro Soá intimidava. 

Mas aposto que nenhum deles irá algum dia respeitá-lo.