Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O recibo electrónico para rendas

 

transferir.jpg

 

Mais uma "brilhante" medida deste governo!

Nem sei que diga, tais são os disparates associados a esta nova medida!

Todos os senhorios "que recebam, no conjunto do ano, rendas superiores a 838,44 euros - o equivalente a perto de 70 euros por mês - terão de passar recibos eletrónicos mensais aos seus inquilinos, emitidos através do Portal das Finanças".

Qundo ouvi falar sobre isto a primeira vez, perguntei-me: então e aqueles senhorios que não têm acesso à internet? Mas será que o governo pensa que ter um computador em casa e, ainda mais, ligação à internet, é algo banal? 

Não! E por isso criaram esta "importantíssima" excepção: "os senhorios com 65 ou mais anos, que poderão não ter facilidade de acesso à internet, não são obrigados a passar recibos electrónicos, mas apenas umam declaração anual".

Que bom, isso quer dizer que consideram todos os outros senhorios, abaixo dessa idade, com boas condições de acesso à internet! Somos um país muito à frente!

Depois, temos este valor mínimo a partir do qual se torna obrigatório emitir recibo electrónico. Qual é a finalidade deste tecto?

E qual é, no fundo, a finalidade da medida? Se é evitar a fuga ao fisco, porque razão isentam uns, e obrigam outros?

Se é para que tudo seja feito legalmente, de forma mais prática, e com vantagens para inquilinos e senhorios, porque é que nuns casos continuam a ser admitidos os recibos em papel, e noutros já é necessário o recibo electrónico? Não deveria ser uma medida igual para todos? Ou então, não ser obrigatória?

Quem vai lucrar, e muito, com isto são esses senhores das agências de documentação, e empresas de contabilidade, a quem muitos irão recorrer para preencher estes novos recibos!

Como as novas tecnologias nos (des)preparam para a vida

É impressionante como nos habituamos tão facilmente às novas tecnologias, e como é tão mais difícil, depois, voltarmos aos métodos antigos.

Para mim, por exemplo, o microondas é uma das melhores e mais úteis invenções dos últimos tempos! Não há um dia em que não o utilize, a não ser quando falta a electricidade, ou se avaria. É nessa altura que a minha vida se complica. Uma coisa tão simples como aquecer o leite ao pequeno almoço - encher uma tigela com leite e aquecer no microondas durante 2 minutos para ficar na temperatura certa - torna-se uma aventura quando feito no fogão. Não sei que quantidade de leite dá para duas tigelas e, ou desligo antes do tempo e continua frio, ou aqueço demais e ferve, e depois já não o bebo!

No outro dia, a minha máquina de lavar roupa deixou de a torcer. E agora? Agora, é torcê-la à mão! Não seca tão depressa mas não é o fim do mundo. Antigamente, quando era mais nova, cheguei a ajudar a minha mãe a lavar roupa à mão, e torcê-la.

Abrir uma torneira e ter água quentinha à mão é uma maravilha. Um esquentador e água canalizada dão imenso jeito e já não sei viver sem ambos. Mas a verdade é que, noutros tempos, também se tomava banho. A diferença era que tínhamos que aquecer primeiro a água, em grandes panelas, e depois colocá-la num recipiente qualquer, e ir deitando sobre o corpo. 

Antigamente, tínhamos que saber escrever à mão correctamente. Hoje, teclamos, são-nos indicados os erros e a devida correcção, e escolhemos o tipo de letra que mais nos agradar. Antigamente, fazíamos os cálculos à mão, ou de cabeça. Hoje, corremos para a calculadora mais próxima. E desaprendemos a fazer contas!

Tenho a sensação que todas estas, e outras, tecnologias nos despreparam para a vida, no sentido em que nos acomodamos de tal forma a elas que é difícil desenrascarmo-nos quando elas falham. Ainda assim, estou grata por elas existirem, e fazerem parte do meu dia a dia!  

O peso excessivo das mochilas

 

Todos os anos, quando se aproxima o início do ano lectivo e a compra das mochilas, se fazem as mesmas recomendações:

 

- o peso da mochila não deve ultrapassar 10% do peso corporal da criança

- devem utilizar-se as duas alças da mochila (que devem ser acolchoadas), uma para cada ombro, ou então mochilas de rodinhas

- a criança deve pousar a mochila nos intervalos

- as crianças não devem levar mais do que aquilo que precisam

 

Mas, de que é que adiantam todas estas recomendações se, na prática, não são possíveis de concretizar?

A minha filha foi agora para o 5º ano. 

Na escola onde ela anda, há cacifos, mas ainda não estão disponíveis porque têm que ser desocupados pelos anteriores proprietários, por isso, por enquanto, é como se não houvesse.

Se tiver 3 aulas num dos períodos, significa que terá que levar 3 cadernos, 3 manuais aos quais se acrescentam outros 3 livros de exercícios ou fichas, o estojo, a caderneta, o lanche,etc.

Só aí, já leva mais do que os 10% do seu peso recomendados. E isto porque vem a casa almoçar. 

Já uma criança que passe o dia na escola, o que acontece cada vez mais porque os pais estão a trabalhar e não têm possibilidades de ir buscar os filhos ao almoço e em determinados horários, tem que levar o material necessário para o dia inteiro.

Que outras facilidades a escola oferece? Poucas!

As aulas nem sempre são na mesma sala, o que os obriga a andarem com a mochila de um lado para o outro. Nos dias de educação física, acrescentamos mais um saco de desporto para o equipamento. Nos dias de chuva, um guarda-chuva. Muitas vezes, os casacos.

E quanto a pousarem as mochilas no intervalo, até o podiam fazer, mas os professores não o recomendam. Porquê? Porque pode haver quem esteja à espera dessa oportunidade para roubar!

Resultado: as crianças passam a maior parte do tempo com excesso de peso às costas, e sem condições para brincar à vontade nos intervalos!

Quanto às ditas recomendações, guardam-se na gaveta até ao início do próximo ano, embora saibamos que nada mudará!

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP