Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

All Aboard Festival Eurovisão da Canção - 2ª Semifinal

 

Se na primeira semifinal as músicas pontuaram pela qualidade, esta segunda semifinal foi o descalabro total!

E a escolha das finalistas é melhor nem comentar. O navio desta vez meteu muita água!

Houve muitos países que ficaram pelo caminho, e que mereciam mais estar na grande final do que muitos dos apurados nesta segunda etapa.

 

Também a minha pontaria falhou redondamente nesta etapa. Das minhas escolhidas  - Roménia, Sérvia, Dinamarca, Rússia, Austrália, Polónia e Montenegro (das quais as que gostava mesmo, mesmo, eram a Sérvia e a Polónia, sendo que as restantes eram o menos mau, do pior que por lá passou) - apenas acertei em 3.

 

Relativamente aos postais de apresentação de cada país, tenho pena que, num país com tantos locais diferentes e bonitos para conhecer, os países tenham ficado, maioritariamente, por Lisboa e arredores.

Ainda assim, foi com imenso orgulho que vi a Dinamarca a passear pelo Convento de Mafra (estiveram cá e nem dei por nada), e a Polónia pela Foz do Lizandro, na Ericeira. 

 

As apresentadoras estiveram mais activas nesta segunda semifinal e com uma escolha de vestimenta, no geral, melhor que na primeira. Continuo a não gostar da Sílvia Alberto, e é a que se engana mais. A Catarina é a mais contida, a medir e falar com calma, para que tudo corra bem. À Daniela, sobra-lhe à vontade na língua, mas falta-lhe à vontade na apresentação. A Filomena parece a única a estar ali na boa, e realmente a divertir-se.

 

Ficámos a conhecer ainda as músicas da França, Itália e Alemanha. Esta última entrou para o meu top das favoritas para vencer o Festival Eurovisão da Canção.

 

 

Curiosidades:

Alexander Rybac, representante da Noruega, já venceu o festival há 9 anos. A música deste ano não vale nada, mas continua a ser uma das favoritas, não sei como.

 

Aquele olho do Mélovin, concorrente da Ucrânia, é um adereço artístico pertencente à imagem de marca do cantor, ou ele tem mesmo algum problema?

 

A música da Dinamarca fez-me lebrar alguns dos filmes épicos, e os próprios cantores, personagens desses filmes.

 

Sou só eu a achar o Michael Schulte parecido com o Ed Sheeran?

 

 

Imagem https://observador.pt/

 

Yodel it! - Yodelei… yodele, yodele, yodeleio…

Imagem relacionada

 

Yodelei… yodele, yodele, yodeleio…

Yodelei… yodele, yodele, yodeleio….

 

E pronto, agora que tudo voltei ao normal, não pense que fui eu que endoideci!

É que depois de ter ouvido a música da Roménia ontem à noite, não consegui mais tirá-la da cabeça :)

Foi a minha preferida de ontem, sem dúvida, e passou à final. Aliás, de entre as minhas favoritas da segunda semifinal - Áustria, Roménia, Croácia, Suiça, Bulgária e Israel, apenas a Suiça ficou pelo caminho.

 

  

E o casalinho complementava-se: a bonequinha irrequieta, que mais parecia uma barbie, com o guerreiro.

 

 

Para além da música da Roménia, que adorei, embora me pareça que tem alguns "yodele" a mais e, no fim, a vocalista parecia ter sofrido um problema técnico-vocal que misturou os "yodele" todos ao mesmo tempo, também destaco o concorrente da Bulgária, que me fez lembrar o nosso Pedro Gonçalves, mas num nível superior, e com apenas 17 anos.

 

 

 

Sobre a semifinal de ontem do Festival Eurovisão da Canção

Comecei a ver passar música atrás de música, e só dizia, para cada uma delas: "não vale nada", "muitos gritos", "muitos efeitos especiais".

 

Blanche

Até que chegou a minha primeira grande favorita - a Bélgica. Uma música diferente, que poderia ainda ganhar mais se a sua intérprete não estivesse tão nervosa.

 

Mais umas quantas que nada me disseram, e chegou outra favorita - a Finlândia.

 

Gostei ainda das músicas do Azerbeijão, Grécia, Polónia, Islândia e República Checa. Destas sete preferidas, passaram à final quatro, o que já não é mau. 

 

 

Portugal Eurovision entry

 

Então e o Salvador?

É português, eu sei. A letra é bonita, também sei. Mas, mais uma vez, é daquelas músicas que, vindo de outro cantor qualquer e num outro idioma qualquer, me passaria na mesma ao lado. Para um festival da canção, não a escolheria.

No entanto, tendo em conta tantas músicas que não valiam nada, e que já venceram esta competição ao longo dos anos, porque não sonhar este ano com essa vitória?

Os "astros" até parecem estar alinhados, e tudo a encaminhar-se nesse sentido. Porque não pode calhar a nós? Que o Papa, Nossa Senhora de Fátima e até o Benfica valha ao Salvador.

 

Uma coisa é certa, e há que reconhecer o mérito: o Salvador não precisou de muito para brilhar nesta semifinal, o que prova que, por vezes, menos é mais.

Ele não precisou de recorrer aos gritos, e esganiçar-se todo para mostrar do que a sua voz é capaz.

Ele não precisou de um grande palco para mostrar que a sua voz e a sua presença são suficientes para o encher, actuando naquele pequeno palco, no meio da plateia, silenciando todos os que assistiam à sua actuação, ao vivo, ou na televisão.

Ele não precisou de mascarados, de espectaculares efeitos luminosos, de artefactos, de um grande cenário, de bailarinos ou outras distracções. Bastou ele, a sua voz, a sua interpretação singular e sentida, um microfone, e um bonito e simples cenário atrás. E, só por esse momento, já valeu a pena ouvi-lo e vê-lo!

 

Mas, aqui entre nós, sabem que música é que me veio à cabeça hoje de manhã? Don't Walk Away, do Pedro Gonçalves! Que se há-de fazer :) 

 

 

 

 

Sobre o Festival da Canção 2015 em Viena

Ontem, às 20 horas, estava confortavelmente sentada no sofá para assistir ao 60º Festival Eurovisão da Canção! 

Não conhecia nenhuma, mas estava expectante para ouvir cada uma das finalistas.

Já houve um tempo em que era um dos espectáculos mais aguardados do ano, a par com a eleição da Miss Portugal. Depois, deixei de ver. Muitas vezes, quando tomava conhecimento, já tinha acontecido. Talvez porque a participação e presença de Portugal não tem ajudado. E porque, quase sempre, as músicas vencedoras são eleitas mais por questões políticas, do que pela qualidade das mesmas.

No entanto, este ano, propus-me a ver e a celebrar o 60º aniversário do Festival Eurovisão da Canção.

Para começar, não posso deixar de elogiar a espectacular abertura, quer em termos de efeitos visuais, quer em termos musicais, com a bela música que deu voz ao lema do festival "Building Bridges" e que seria, para mim, uma boa candidata ao Eurofestival!

 

Não vou falar da Conchita, porque não percebi muito bem o que estava ela ali a fazer, a não ser pose para a câmara.

Mas vou falar de mais um importante momento que alia uma bela música a tecnologia e efeitos gráficos, também associada ao tema "Building Bridges", e que passou ainda antes de darem início ao grande espectáculo - Video Bridge.

 

E, com uma abertura destas, o festival prometia!

Mas confesso que as primeiras músicas não me encheram as medidas. Estava já eu a dar o meu tempo por desperdiçado, quando chega a vez da actuação da Lituânia. E, a partir daqui, foi difícil escolher uma favorita! Penso que foi um dos festivais em que gostei de mais músicas - Lituânia, Sérvia, Noruega, Grécia, Montenegro, Alemanha, Letónia, Roménia, Espanha, Hungria, Georgia, Azerbeijão, Russia e Albania.

Destas, as minhas favoritas à vitória seriam a Sérvia, a Roménia, a Espanha, a Georgia e a Rússia.

Mas estava a torcer pela Rússia, cuja actuação da Polina Gagarina me tocou, pela forma como ela própria sentiu a música, enquanto a interpretava.

 

A da Roménia também era muito bonita!

 

Infelizmente, os votos deste ano deram a vitória à música da Suécia, que até pode ter uma bela mensagem, mas não me convenceu. Parece uma música vulgar, que ouvimos diariamente nas rádios.

 

E, mais uma vez, se constatou que, neste tipo de festivais, nem sempre vencem as melhores! Com esta vitória, a Suécia torna-se o segundo país com maior número de vitórias, a última das quais há 3 anos, conseguida pela Loreen.

Foi também uma pena que o país anfitrião tivesse terminado nos últimos lugares da classificação, sem um único ponto, a par com a Alemanha mas, de facto, a música deixava muito a desejar. 

Ao contrário do seu país, que me pareceu encantador.

Resta-me louvar as mensagens transmitidas em cada uma das músicas, e os efeitos especiais que deram cor e um brilho especial a todas as actuações, valorizando-as ainda mais! E esperar que, no próximo ano, haja uma espectáculo ao mesmo nível do de 2015, e que Portugal possa lá estar!

 

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP