Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Que resposta se dá a isto?!

 

"Creio que não percebeste como funcionamos. Não te vamos enviar as respostas, se nos queres entrevistar passa por cá, uma 3a ou uma 5a, ninguém quer perder tempo a responder assim." 

 

Como sabem (ou talvez não), todas as entrevistas que fazem parte da rubrica "À Conversa Com..." foram/ são feitas via email - eu envio o artigo e as questões, os entrevistados reenviam as respostas e/ou alterações que considerem por bem fazer.

Tem sido assim com todas elas. Das solicitações para entrevistas que fiz, a maior parte teve feedback positivo!

Alguns convites têm sido educadamente recusados, o que aceito sem problema. Qualquer pessoa é livre e está no seu direito de não conceder as entrevistas a quem as pede. Outros convidados, nem respondem.

E depois, há respostas assim como esta (foi a primeira ao longo destes meses), recebida após o envio das questões por email, na sequência de um primeiro contacto para possível entrevista, que foi aceite, tendo inclusive o grupo em causa retribuído com um convite para assistir a um dos seus ensaios.

 

Mais uma vez, friso que não tenho qualquer problema na recusa dos convites, seja por falta de disponibilidade, de vontade, por acharem que não vale a pena conceder entrevistas a bloggers com pouca visibilidade, ou por outro motivo qualquer.

Até mesmo nesta situação específica, teria aceitado que me tivessem dito o que disseram, mas de uma outra forma. Assim, que resposta se dá a isto?!

No entanto, sempre me ensinaram que não devemos responder aos outros, na mesma medida com que nos respondem, porque isso não leva a nada, e não retiramos daí nada de bom.

Por isso, limitei-me a responder desta forma:

 

"Olá boa tarde,

Como expliquei no primeiro email enviado, e porque tudo isto se destina a um formato digital, as entrevistas que costumo fazer para o blog são sempre via email, até por uma questão de localização, e disponibilidade por parte dos entrevistados, que assim respondem quando puderem, e onde quer que estejam.
 
Por outro lado, e uma vez que as entrevistas não são a minha actividade principal, mas algo que faço em pequenos momentos que tenho livres, é-me difícil ter disponibilidade para me deslocar até aos entrevistados.
 
A entrevista via email é um método que tem tido uma boa aderência, e me tem permitido entrevistar bandas, artistas, escritores, e outros convidados, de norte a sul do país.
 
Lamento que não tenham disponibilidade mas, de qualquer forma, agradeço o contacto e desejo-vos a continuação de um bom trabalho.
 
Cumprimentos,
Marta Segão"

 

 

 

* E nestes últimos dias, em diversas situações, arrogância tem sido o prato do dia. É preciso respirar fundo, pôr em prática aquilo que me ensinaram, e muuuuuuuuuita paciência!  

 

Quando o entusiasmo inicial se transforma em dúvida

 

Sabem aquela sensação que muitas vezes experimentamos, depois do entusiasmo inicial, quando voltamos a pousar os pés na Terra? É assim que eu me sinto!

Mas, vamos lá começar do início, senão ainda começam a pensar, tal como o meu pai teve a gentileza de me perguntar, que eu não estou bem psicologicamente!

Tudo começou no dia da Corrida da Criança. Andávamos à procura da tenda das pinturas faciais e encontrámos, por mero acaso, uma tenda de uma agência de modelos. Pensei que a ideia era maquilhar as crianças ali mesmo e simular uma sessão fotográfica, só para se divertirem, mas não. Além de uma fotografia, o que faziam era ficar com os contactos de quem estivesse interessado, para depois chamarem para um casting na agência. 

Eu ainda disse "ah, não vale a pena", mas o meu marido incentivou e a minha filha também quis, por isso, vamos lá. Foi, então, chamada para o casting, em Lisboa.

A agência é a Space Milan Models. Não conhecia, nunca tinha ouvido falar, mas fui ver o site oficial e a página do facebook, e pareceu-me credível. Tanto pelos trabalhos que lá apresentam, como pelos agenciados e formadores conhecidos (Cláudio Ramos, Pedro Crispim, FF, Raquel Prates e muitos outros), e pelos parceiros que têm. 

Consegui combinar o casting para um dia em que o meu marido podia ir connosco e lá fomos. Para a Inês, seria uma experiência, e ficasse por ali, tudo bem. Não ia com expectativas, mas já tinha ouvido dizer que algumas pessoas foram chamadas para lhes apresentarem formações caríssimas.

O meu pai, logo aí, alertou-me para o facto de irmos expôr a Inês, de irmos dar os dados dela a pessoas que não conhecemos de lado nenhum, que podia ser tudo um esquema. Eu também tenho algum receio mas, como disse, não é assim uma empresa tão desconhecida e pareceu-me que é profissional.

No dia do casting, a directora de casting, Celina Machado, pareceu-me uma senhora excepcional, até mesmo na forma como conversou com a Inês e a pôs à vontade, à forma como nos explicou tudo, como lhe explicou como as coisas funcionavam. Como não ignorou os pontos mais fracos mas elogiou aquilo que ela tinha de melhor, e como se poderia contornar ou solucionar o restante. 

Ninguém fez promessas. A minha filha passou no casting e ficou agenciada. Mas isso acontece, provavelmente, a quase todas as crianças. E lá veio, então, a proposta de formação, pela quantia de 700 euros, que ficou imediatamente de parte.

A outra proposta era fazer um book, que consiste em duas sessões - uma teórica e a sessão fotográfica propriamente dita - por 200 euros, e que já é algo que se poderá mostrar a possíveis clientes, que poderão ser de várias áreas, desde catálogos de roupa, publicidade, televisão, teatro, etc.

Naquele momento, tendo em conta o feedback positivo em relação ao potencial da minha filha, achei que valia a pena o esforço, e paguei então o book.

No entanto, mal saí porta fora, fiquei com aquela sensação "já me enrolaram em grande estilo!". Sim, não houve promessas. Mas até que ponto, aquilo que foi dito à minha filha, não o é também às outras crianças e pais, só para que nos sintamos tentados a investir? 

Quantos daqueles pais que lá estavam naquele dia pagaram por alguma destas propostas? Tenho quase a certeza que, para muitos, tudo ficou por ali. Mas poderá ter havido quem, como eu, tenha investido na formação ou no book.

Mas, enfim, nem tudo é mau. Mesmo que o book não venha a servir para nada, vai ser uma recordação para a Inês, ter ali umas fotografias suas tiradas por profissionais. Isto, porque quero acreditar que, de facto, é uma agência séria e credível.

Acontece que, por azar, nos dois dias que temos que lá voltar, o meu marido está a trabalhar e não tem forma alguma de ir connosco, o que significa ter que ir eu com a minha filha sozinhas para Lisboa, e não me agrada nada.

E não ajuda o meu pai estar a converter-me numa mãe irresponsável que não se encontra no seu perfeito juízo, ao ponto de me perguntar se eu me sinto psicologicamente bem para concordar com esse absurdo! Ir com uma criança de 11 anos para Lisboa, para lhe tirarem fotografias, com tudo o que se houve sobre redes de pedofilia e tráfico de crianças.

Obrigadinha! Eu sei de tudo isso. Mas quero acreditar que não é esse o caso. E quem me dera que fosse tudo feito aqui em Mafra mas, infelizmente, estas agências estão todas nas cidades. E até queria que ele fosse acompanhar-nos, mas nem cheguei a pedir porque em conversa com a neta ele disse logo que não ia. 

Também sei que ela só tem 11 anos, mas vemos crianças ainda mais novas nas revistas e na televisão. E sei que ela tem que estudar, mas se (e isto é mesmo o se, porque ninguém disse que ia ser chamada para fazer alguma coisa) ela eventualmente for chamada para algum trabalho, sou eu que decido se ela fará ou não. E se ganhar algum dinheirito, pode juntar às poupanças dela, ou para alguma coisa que ela venha a precisar.

Por isso, estou aqui sem saber se devo dar ouvidos a quem me incentiva a ir, ou a quem considera tudo isto um risco desnecessário. Como se não bastassem já os meus receios e dúvidas.

Alguém por aí conhece a agência ou sabe minimamente como estas coisas funcionam, que me ajude a dissipar todas estas incertezas que pairam por aqui?

Ou deve ser urgentemente decretado o meu internamento compulsivo?

 

  • Blogs Portugal

  • BP