Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"O Abraço"

Foto de Teatro da Trindade.

 

O que une Esmeralda Pereira, Ana Isabel Sousa e Maria Carolina Sousa n' O Abraço?

No fundo, o amor!

 

O amor pelas artes, pelo teatro, pela música, pela dança, o amor entre mãe e filhas, e o amor entre irmãs.

 

Claudio Hochman pegou em histórias reais desta mãe e das suas filhas, e levou-as para o palco, numa peça que aborda as relações familiares, os problemas, as dificuldades de comunicação, a falta de tempo, as frustrações que se vão acumulando sem que, apesar disso, o amor deixe de estar presente ou existir.

 

Em "O Abraço", vamos conhecendo fisica e psicologicamente cada uma das personagens, um pouco do seu passado, e o que as levou até àquele momento. Como as próprias afirmam, muito do que o público ali vê é pura ficção, embora a base seja inspirada nas suas vidas reais.

Esta peça de teatro não terá sido uma forma de terapia familiar, mas acabou por contribuir para exteriorizar os problemas, e ultrapassá-los. No fundo, uma família comum, com quem é fácil identificar-mo-nos, sobretudo quem tem filhos. Eu revi-me em algumas cenas daquela mãe, e consegui uns vislumbres da minha filha na Maria. Aliás, ontem estive a ver uma entrevista com as protagonistas da peça, e achei a Esmeralda fisicamente muito parecida comigo!

 

 

 

Resultado de imagem para o abraço teatro da trindade

 

A determinada altura, a Ana pergunta à mãe qual das filhas é a sua preferida. A mãe responde que não faz qualquer distinção, mas Ana insiste, afirmando que todos os pais têm um filho preferido.

Será mesmo verdade?

Sendo mãe de uma filha única, não saberei responder a esta pergunta. No entanto, acredito que não seja uma questão de preferência, de gostar mais de um filho do que de outro, mas talvez de afinidades.

Numa analogia que pode parecer um pouco estranha, a Ana e a Maria são como a Becas e a Amora, as nossas gatas: a independente que, no fundo, também gosta de mimos e atenção, e a amorosa e querida por natureza, com quem é fácil criar logo uma empatia.

 

A Ana é a filha mais velha, já passou por muitas coisas, em algumas das quais a mãe, por falta de tempo porque a vida assim não o permitiu, não esteve presente ou não conseguiu ajudar como queria. E isso foi-se acumulando no interior, e afastando-a, criando um certo atrito entre as duas. 

Como carapaça, a Ana veste a pele de despreocupada, de indiferente, de uma pessoa que não liga para os abraços e beijinhos (talvez para não se entregar demasiado e voltar a sofrer), de pessoa directa e sem papas na língua, fria, um pouco arrogante. Mas, no fundo, precisa tanto ou mais de um abraço que a Maria.

 

A Maria é a filha mais nova, e tem uma boa relação com a mãe. É aquela filha com quem não tem que se preocupar, porque não dá problemas. A mais ligada à mãe, muito amiga, que tenta fazer de mediadora entre a irmã e a mãe, para ver se se entendem de vez. Com a irmã, também existe uma grande cumplicidade, mas se tiver que a chamar à razão, também o faz.

 

Uma coisa é certa: problemas à parte, que todas as famílias os têm, é bem visível a admiração e orgulho que sentem umas pelas outras.

Só falta mesmo, o tão esperado abraço!

 

 

Deixo-vos aqui a entrevista às atrizes:

 

 

 

Qual a idade certa para a primeira consulta de planeamento familiar?

Resultado de imagem para consulta de planeamento familiar

 

Muitas mães, e pais, pensam que os filhos são sempre pequenos e só pensam nos amigos, brincar e pouco mais. Sobretudo, as filhas.

"Ah e tal, ainda é muito nova para pensar em namoros. Ah e tal, ela é certinha. Ah e tal, se houvesse alguma coisa, eu sabia."

 

Pois as miúdas começam cada vez mais cedo a pensar em rapazes, em curtir, namorar ou seja lá o que for. Ainda mais se têm amigas mais velhas que já o fazem.

Hoje em dia, com a internet, com os colegas ou com a própria escola, elas já sabem mais do que nós, na idade delas. E os pais vêem aí a possibilidade de escapar a certas conversas, porque já há quem o faça por eles. 

Levar as filhas a uma consulta de planeamento familiar? Nem pensar, alguma vez! Isso é para quem está a pensar ter filhos! Para muitos, levar uma miúda de 12/13 anos a uma consulta dessas, é a mesma coisa que estar a dar permissão para que ela inicie a sua vida sexual, é estar a incentivar ao sexo na adolescência.

 

Mas é um pensamento errado. 

A consulta de planeamento familiar não é exclusiva para futuras mamãs, nem tão pouco serve exclusivamente para entregar preservativos e pílula grátis.

É uma consulta aconselhada logo que os adolescentes atingem a puberdade, e que pode ajudar a lidar com as mudanças no corpo, que esta fase implica.

E sim, pode ser uma forma de, sobretudo as adolescentes, esclarecerem dúvidas, de se informarem e prevenirem de forma consciente, ainda que, por vezes, nada disso evite que haja gravidezes não desejadas, abortos e transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

 

Mas isso não é desculpa para descartar a consulta, como algo que não serivá para nada. E se bem não faz, mal também não há-de fazer.

Como o tempo passou...

Há uns 17 anos atrás, era eu uma mera estudante do secundário e elas, as professoras.

Hoje, vejo-me com 33 anos, a levar a minha filha à escola, e a cruzar-me várias vezes com a minha professora de Inglês, que vai levar as filhas à mesma escola!

Outras vezes, encontro a minha professora de Biologia, igualmente com crianças pequenas.

Nessas alturas, apercebo-me de como o tempo passou mas, ao mesmo tempo, parece que estagnou, pois elas continuam na mesma, como se o tempo não tivesse passado por elas.

Apercebo-me que, para quem não conheça, poderíamos bem passar por colegas ou conhecidas que têm em comum o facto de ir todas as manhãs levar os filhos à escola.

Apercebo-me que, eventualmente, os nossos filhos poderiam até estudar e brincar juntos, já que pertencem à mesma faixa etária!

E apercebo-me que, se na altura havia a distância normal de uma relação professor/ aluno, a mesma desvaneceu-se por completo.

  • Blogs Portugal

  • BP