Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

American Son, na Netflix

American Son | Site Oficial da Netflix

 

Mais um dos filmes que estava, há muito, na minha lista de espera da Netflix.

Confesso que, quando li a sinopse, pensei que seria mais um filme sobre um filho desaparecido, talvez raptado, e sobre a ineficácia da polícia, em agir.

De facto, há um filho desaparecido. Mas esse acaba por ser apenas o fio condutor para toda a trama que se centra, basicamente, em mais de uma hora de discussão entre a mãe, negra, e o pai, branco, e o ponto de vista de cada um quanto à forma como queriam educar o filho, e como essa educação se reflectiu na confusão em que o mesmo estava a viver nos últimos tempos, a par com a separação dos pais.

 

Por um lado, temos uma mãe que teve um passado traumático, fruto de racismo, e que quer que o filho seja livre para ser como é, sem receios, sem limitações, aceitando as suas raízes, e fazendo valer os seus direitos, enquanto ser humano, independentemente da cor da pele.

É uma mãe que, perante uma fase menos boa na vida do filho, tem que tomar decisões. E viver com os seus constantes pesadelos relativamente ao que, eventualmente, poderá um dia acontecer ao filho.

Agora, naquela sala de espera, em desespero por não saber do filho, com o qual tinha tido uma discussão feia antes deste sair, e perante um agente que parece pouco disposto a ajudá-la, Kendra está à beira de um ataque de nervos, a dizer tudo aquilo que tem entalado, que pensa, mas nem sempre deve dizer quando se depende das pessoas em quem se está a descarregar a frustração, ainda que com toda a razão.

 

Por outro, temos um pai que quis, desde sempre, que o filho fosse criado de acordo com as tradições da família branca, ou seja, à sua medida mas, relembrando-o daquilo que, enquanto negro deve evitar.

Um pai que deixou a mulher porque passavam o tempo todo a discutir, por conta das diferentes formas de ver a vida, a educação do filho, a realidade, o futuro.

Um pai que talvez não esteja tão presente quanto seria de esperar.

Scott é um homem um tanto arrogante, um tanto ponderado mas, quando percebe que o estão a enganar, também explode, e causa danos que seriam de evitar, naquela situação.

Ainda assim, consegue conservar algum bom humor.

 

Kendra e Scott, enquanto aguardam a chegada do tenente, que parece nunca mais vir, passam o tempo todo a discutir, a atirar culpas um ao outro, a fazer mútuas acusações, a responsabilizar o outro pela situação em que o filho está agora, repetindo o padrão em que se tinha vindo a tornar o casamento.

Mesmo quando parece que estão prestes a dar tréguas, por uma causa maior, e por um amor comum, pelo filho de ambos, que está desaparecido, voltam ao ataque.

 

E será assim até aos momentos finais, quando é revelado o que realmente aconteceu a Jamal, e em que cada um deles percebe que todas essas discussões foram inúteis, que não existem culpados, que não podem controlar nada, nem ninguém, o tempo todo, e que cada um é responsável por si próprio e pelas suas acções.

 

 

 

A Fall From Grace, na Netflix

tyler-perry-a-fall-from-grace-out-on-netflix.jpg

 

Já tinha ouvido falar deste filme e, ontem, decidi vê-lo.

É um filme que recomendo, sem dúvida!

 

Grace está a ser acusada de matar o marido.

Pela opinião pública, já foi condenada.

A própria Grace quer confessar-se culpada, e aceitar o acordo que lhe evita a condenação à morte, tendo apenas, como único pedido, que fique num estabelecimento prisional onde o filho a possa visitar com frequência, perto deste.

 

Jasmine é uma advogada inexperiente, insegura, que está habituada a fazer os seus clientes assinarem acordos, ou seja, a resolver os processos da forma mais fácil.

Quando as coisas se complicam, foge, desiste.

O caso de Grace vai, no entanto, depertar alguma atitude em Jasmine, a quem acaba por convencer a não assinar o acordo, e seguir para o julgamento, com a promessa de tudo fazer para provar a sua inocência.

Só que Jasmine não está habituada aos tribunais e, em vez de ajudar, poderá mesmo deitar tudo a perder, condenando a sua cliente.

 

Mas, afinal, o que realmente aconteceu?

Será Grace, de facto, uma assassina? 

O que esconde esta declaração de culpa de Grace? O que a levou a resignar-se? A não querer lutar?

E que motivos teria ela para matar o marido?

 

Neste filme, nada é o que parece. As pessoas não são quem aparentam ser.

E não se pode confiar em ninguém.

Se todos merecemos uma segunda oportunidade de ser felizes? De dar uma chance ao amor? Sim.

Mas não existem príncipes encantados. 

E, se o nosso instinto nos diz que algo não está bem, podemos vir a pagar caro, ao ignorá-lo.

 

 

 

 

Lost Girls, na Netflix

Resultado de imagem para lost girls netflix

 

Baseado no livro "Lost Girls: An Unsolved American Mystery", de Robert Kolker, o filme conta a história real de Mari Gilbert e sua luta para resolver o caso do desaparecimento da sua filha mais velha, Shannan, uma prostituta que desapareceu em 2010, na região de Long Island, nos Estados Unidos, após uma visita a um cliente. 

 

Todos sabemos que, numa espécie de comunidade, sobretudo com algum poder, todos se protegem uns aos outros, e tudo se pode camuflar, esconder, ocultar, fazer desaparecer.

Mas será possível abafar o desaparecimento, ainda que de alguém que, aos olhos de todos, pareça alguém insignificante demais, para que se perca tempo e meios numa investigação?

Será possível calar ou travar a ira de uma mãe, que quer saber o que aconteceu à sua filha, e que nenhum apoio, colaboração ou empenho obtém da polícia, ou da justiça?

 

Se, no início, tudo é levado muito descontraidamente, por parte das autoridades, com a descoberta de vários cadáveres, de outras jovens, na zona, a polícia vê-se obrigada a mostrar algum serviço, mas pouco.

Até porque há provas que se perdem, outras que inocentemente se apagam, e algum interesse em que não se remexa muito no assunto.

O filme demonstra bem o comportamento das autoridades com os poderosos, por contraste com os comuns mortais.

 

Ainda que boa parte da revolta pela inacção da polícia, e da frustração por não conseguir descvobrir o que aconteceu à filha se devam à culpa que sente, por tudo o que fez e, sobretudo, o que não fez por ela, ao longo de toda a vida, pelo abandono, pelo aproveitar-se da vida da filha, não deixa de se mostrar uma mãe disposta a tudo, para saber a verdade, doa a quem doer.

 

Era um filme que prometia, até porque é baseado em factos reais mas, tal como na vida real, nem sempre as coisas correm como queremos, nem sempre há respostas, nem sempre há uma explicação para tudo, nem sempre se pode fazer mais.

 

Pessoalmente, achei que o filme deixou muito a desejar, para além de ser parado, sem grande contextualização, sem grande desenvolvimento das personagens que dele fazem parte, e que mereciam maior destaque.

 

 

O Culpado

Cartaz do Filme

 

O "Culpado" é um filme dinamarquês, que utiliza reduzidos recursos, para criar e mostrar uma história que nos prende ao ecrã, sem sair de uma sala de atendimento de chamadas, e apenas com a personagem principal e mais duas ou três secundárias, alguns telefones e um computador.

 

Asger é um polícia que, afastado das ruas enquanto está a ser investigado por um suposto crime de legítima defesa, cumpre serviço como operador de uma central de emergências, um trabalho que se nota que ele faz por obrigação, e que o deixa entediado.

Por sorte, aquele será o último dia ali, e o seu turno está quase, quase a terminar.

 

Depois das chamadas da praxe, que até nem são assim tão urgentes, Asger atende uma chamada misteriosa de uma mulher que diz ter sido raptada.

A partir deste momento, e fazendo jus ao seu trabalho como polícia, Asger irá fazer de tudo para ajudar aquela mulher, numa corrida contra o tempo, em que só se poderá fazer valer dos telefones que tem ali, dos seus conhecimentos, de uma aparente calma e perfil para lidar com a situação, embora, por vezes, piorando as coisas, e de um amigo que está nas ruas.

 

 

Tendo por única base as conversas telefónicas que vamos ouvindo, entre os vários intervenientes, e Asger, tudo o resto fica por conta da nossa imaginação.

E a verdade é que conseguimos "visualizar" na nossa mente, cada uma das cenas que o filme não mostra.

 

Conseguimos ver a mulher, ao lado do suposto raptor, a ligar para a emergência como se estivesse a falar com a sua filha, e sempre com o risco de o homem lhe tirar o telemóvel das mãos, ou perceber com quem ela, realmente, está a falar.

 

Conseguimos perceber a frustração de uma pessoa que quer ajudar e não o consegue fazer sozinho, com tão pouca informação, as chamadas a serem constamente cortadas, e os meios exteriores a não se mostrarem muito mais eficientes, com o pouco que têm a que se agarrar.

 

Conseguimos visualizar a filha menor, que ficou sozinha em casa com o irmão bebé, depois de o pai ter arrastado a mãe pelos cabelos, e com uma faca na mão, para fora de casa, dizendo apenas que em breve voltaria, e que a menina não deveria entrar no quarto do irmão.

Conseguimos sentir o pânico, o medo da miúda.

Conseguimos vê-la em choque, com as mãos cheias de sangue, mas ainda com o discernimento de ligar para a central, a informar que estão a tocar à campainha, e saber se deve ou pode abrir a porta.

 

O suposto raptor, ex-marido e pai dos miúdos, tem cadastro, tendo sido condenado por violação. Agora, estás prestes a cometer, quem sabe, outra loucura, e nem Asger parece conseguir demovê-lo, mesmo quando o acusa de ter matado o próprio filho, e de querer agora fazer o mesmo à ex-mulher, Iben.

É fácil para nós, estarmos solidários com aquela mulher, e condenar aquele homem. Também o foi para Asger.

 

Mas nem tudo é o que parece...

E, mais uma vez, Asger vai ter que se vestir de toda a sua experiência, incluindo pessoal, para evitar uma tragédia que, ao longo de todo o filme, apontou para um sentido quando, na verdade, toda a história estava a ser vista pelo ângulo errado.

Quem é, afinal, o verdadeiro culpado?

 

 

Natal em África

maxresdefault.jpg

 

Estreou há poucos dias, na Netflix, este filme, que poderia ser uma comédia romântica como tantas outras.

Uma mulher vê-se sozinha, numa viagem a África, que deveria ser uma suposta segunda lua-de-mel, para aproveitar o tempo a dois com o marido, agora que o seu filho foi para a universidade.

O motivo? O marido saiu de casa e quer o divórcio, porque já não a ama.

Durante a viagem, conhece alguém que vai muda a sua vida de forma surpreendente. Nada de novo, portanto.

 

Mas, ainda assim, vale a pena ver!

Para quem gosta de animais e vida selvagem, é impossível resistir àqueles elefantes, sobretudo os mais pequenos.

Mostra um pouco do trabalho de resgate e recuperação dos elefantes em perigo, na reserva, com outros elefantes, da evolução dos pequenos, e da devolução ao seu habitat natural, quando estiverem prontos.

Dá-nos a perspectiva de toda a logística, dedicação e meios que esse trabalho com os elefantes exige, e do quão gratificante mas, ao mesmo tempo, frustrante, pode ser.

Mas, como se sabe, eles têm “memória de elefante”, e não esquecem quem esteve lá para eles, quando mais precisavam.

 

 

 

Sem Título.jpg

Infelizmente, existem pessoas que se movem à base de interesses pessoais, e acabam por manipular todo um trabalho, e colocar em risco a vida e segurança dos animais, recorrendo a chantagem, por pura vingança.

 

É um filme que mostra como, ainda hoje, muitas mulheres abdicam das suas profissões, de fazer aquilo que gostam, e lhes dá prazer, para se dedicarem á família, optando por apoiar as carreiras e sucesso dos maridos, em detrimento dos seus próprios desejos e sonhos.

E de como só mais tarde, quando se vêem sozinhas, voltam a pensar em si mesmas, percebendo a forma como se anularam até então, e como desperdiçaram tanto tempo e oportunidades.

Ainda assim, mostra-nos que nunca é tarde para tentar recuperar o tempo perdido, mudar, recomeçar uma nova vida, e ser feliz.

 

E que, se nós queremos realizar os nossos sonhos e ser felizes a fazer o que gostamos, não devemos impedir os nossos filhos de fazer o mesmo. Pelo contrário, devemos apoiá-los. O facto de percebermos como esperámos tanto tempo para o fazer, é mais um motivo para não deixar que os nossos filhos percam anos da sua vida a fazer algo que não gostam, só porque os pais acham que é o melhor para eles.

 

“Natal em África” mostra-nos ainda, como temos tendência a dar valor a coisas tão insignificantes e fúteis nesta época do anos, quando inseridos num determinado meio, e como tudo isso perde a importância, aos deparamos com o verdadeiro significado do Natal: a reunião da família, a companhia dos amigos, a solidariedade, e o amor incondicional.

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP