Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando estamos a ver um filme de terror e...

Resultado de imagem para it a coisa

 

...do nada, as luzes da tua casa começam a acender e apagar, e a televisão a ligar e desligar!

 

Confesso que esse pequeno pormenor conseguiu ser mais assustador que o próprio filme, que nos estava a dar tanto sono, que quase adormecíamos de aborrecimento.

O filme era este mesmo - It - A Coisa - e foi mesmo uma coisa sem explicação, sem pés nem cabeça, sem graça, sem terror, sem nada que chamasse a atenção. 

Fim de semana de cinema espacial

Resultado de imagem para vida inteligente

 

No fim de semana optei por duas sessões de cinema espacial!

Entre os filmes que por lá tínhamos gravados, estava "Vida Inteligente". Na altura em que deu, interessou-me e pedi ao meu marido para pôr a gravar. No sábado, depois de ler a sinopse, não me pareceu tão interessante, mas lá começámos a ver.

O meu marido não estava a gostar muito. Começou com a recolha de uma amostra de solo em Marte, que depois levaram para a estação espacial, onde descobriram um ser vivo muito simpático e muito inteligente. Estava o filme feito, em pouco mais de 5 minutos. E poderia ter ficado por ali. Mas continuou, e eu disse, na brincadeira: "giro, giro, era o extraterrestre começar a atacar todos e ir matando um a um". Influências do Alien, talvez!

E o mais engraçado, é que foi mesmo isso que começou a acontecer! 

O meu marido acabou por confessar que nunca ligou muito a estes filmes, mas gostou deste.

Eu confesso que, para mim, o final foi a melhor parte. Gosto de ser surpreendida, e "Vida Inteligente" conseguiu fazê-lo. Haverá uma sequela?

 

 

 

Resultado de imagem para elementos secretos

Antes desse, tinha visto, entre quinta e sexta (aqui o tempo é aproveitado aos pedacinhos), "Elementos Secretos".

O racismo é o tema predominante, a par com as conquistas espaciais que os países rivais tentam conseguir. Já o machismo, é focado de uma forma mais subtil. 

 

O que retive do filme:

- Por vezes, uma boa capacidade de argumentação faz milagres, e abre excepções que, de outra forma, nunca seriam permitidas

 

- Se não acreditarmos e confiarmos em nós, nas nossas capacidades, e no facto de que devemos lutar, mesmo que no fim não consigamos vencer, nunca conseguiremos fazê-lo com as pessoas que mais amamos, e não poderemos dar o apoio que elas precisam. Desistir antes de tentar, tornar nossos e usar contra nós mesmosos preconceitos dos outros, é não acreditar naquilo que somos e conseguimos

 

- Por mais infalíveis que as máquinas sejam, por vezes é mais seguro confiar nos humanos

 

- Há pessoas que se julgam superiores a tudo e a todos, até aos próprios chefes, que se julgam donas da sabedoria e da verdade, e não admitem que outras possam fazer em pouco tempo, aquilo que elas próprias nunca conseguiram fazer 

 

- Há momentos em que mais vale manter a boca fechada, e outros em que se deve deitar cá para fora tudo aquilo que está entalado

 

 

O melhor de 2017 - Cinema

Imagem relacionada

 

Já tinha visto o trailer, e sabia que ia gostar. Sabia também que iria chorar. E lembrar-me da Tica, claro!

O que eu não sabia, é que sairia da sala de cinema apaixonada por estes animais. É certo que gosto de cães, e por todas as histórias que tenho lido, em que eles entram, e por casos reais a que assisto, essa paixão já tinha vindo a ser semeada. Mas eu, que sou incondicionalmente apaixonada por gatos, dei por mim a pensar que não me importava de ter um cão como estes!

 

"Juntos para Sempre" é um filme que todas as pessoas que gostam de animais deveriam ver.

Talvez seja um filme mais duro para quem, algum dia, já perdeu o seu animal de estimação. Mas  ainda assim, acho que irá gostar.

Ver "Juntos para Sempre" é como estar num ringue de boxe, e estar a levar socos, uns atrás dos outros. Aos primeiros rounds, ainda nos conseguimos erguer por momentos. A meio do combate, já não conseguimos. Depois de soco atrás de soco, rendemo-nos. Só queremos que tudo acabe bem,e que o final chegue depressa.

Ainda hoje, ao pensar naqueles olhos castanhos, fico com um aperto no coração, e um nó na garganta.

Os animais são tão mais inteligentes, verdadeiros, amigos e leais, que a maioria dos humanos, que não há forma de explicar como nos marcam. 

A história é narrada pelo protagonista canino do filme, o que ainda contribui mais para nos apaixonarmos, e sofrermos com cada vida que passa, e já não volta.

Pode parecer masoquista, mas via este filme novamente. E mais uma vez, e mais uma!

 

 

Imagem relacionada

 

No que respeita a filmes de animação, este foi, sem dúvida, o meu favorito!

 

A Raposa e a Criança

Imagem relacionada

 

O meu marido, enquanto eu despachava umas coisas em casa, lembrou-se de ir ver este filme.

Confesso que só fui vendo umas cenas depois de mais de meia hora de filme, e que durante esse tempo o meu marido ia adormecendo, de tão parado que era!

 

 

Imagem relacionada

 

Mas a raposa era, de facto, linda! E muito protectora com os seus filhotes "raposinhos".

Segundo me relatou o meu marido, a raposa passou por alguns momentos complicados e de perigo, tal como as suas crias. A criança, desde o início tentou travar amizade com a raposa e conquistá-la, uma tarefa difícil mas que, ao fim de algum tempo e bastante persistência, foi conseguindo.

 

 

Resultado de imagem para a raposa e a criança

 

Portanto, podem imaginar as cenas ternurentas que se seguiram entre estes dois seres solitários que, de certa forma, partilham o mesmo espaço - a floresta.

Claro que, dramáticos como somos, o meu marido disse logo que no fim ia acontecer alguma coisa à raposa. Só que o perigo, que poderia ter vindo de linces, águias, ou qualquer outro animal daquele habitat, veio de onde menos se esperava: da própria criança!

Daquela em quem a raposa, pouco a pouco, foi confiando.

 

Não foi por mal, claro, mas só mostra porque é que é tão difícil para os animais, confiar em nós, humanos. Porque nós, simplesmente, não os respeitamos nem, muitas vezes, pensamos neles. A criança queria uma amiga, uma companheira, um animal de estimação, com quem pudesse brincar, que estivesse sempre à sua disposição.

E, por isso, atraiu-a até ao seu quarto, e fechou-a lá dentro. A raposa, habituada à liberdade, vendo-se enclausurada, começou a tentar encontrar uma saída, enquanto ia derrubando e partindo tudo à sua volta, até que salta pela janela fechada, partindo-a e cortando-se nos vidros, acabando por cair no chão, de uma altura de vários metros, inanimada.

 

A moral da história que a criança, na actualidade, adulta, explica ao seu filho é que amar é diferente de possuir.

A lição que eu tiro é que são vários os perigos que os animais correm nos seus habitats, mas o mais mortífero não está aí - está no ser humano!

 

Felizmente, a raposa conseguiu sobreviver e, diria até, perdoar a criança.

Eu, no lugar da raposa, nunca voltaria a confiar nela, nem tão pouco a quereria ver novamente à frente!

Para lá da ribalta - o filme

 

 

 

 

 

 

 

Imagem relacionada

Noni Jean é filha de mãe solteira. O seu pai não quis saber de nenhuma delas, a família não deu o apoio que seria de esperar e, quando Noni nasceu, passaram a estar por sua conta.

Quem vemos no início do filme é uma mãe desesperada, que parece querer o melhor para a filha. Noni irá participar num concurso de talentos no dia seguinte, e Macy precisa de ajuda para "domar" o cabelo da filha, para que ela cause boa impressão.

 

 

 

 

Resultado de imagem para noni jean

Noni era apenas uma criança, que gostava de cantar, gostava de música, e tinha uma bonita voz. E ficou felicíssima com o 2º lugar alcançado no concurso, e com o seu primeiro prémio. Tudo poderia ter ficado por aqui. Mas não...

Macy queria mais para a sua filha. Macy não se contentou com o 2º lugar alcançado pela filha, e obrigou-a a deitar fora o prémio, e a lutar para ser uma vencedora.

 

 

Resultado de imagem para para lá da ribalta filme 2015

 

E é assim que, anos mais tarde, vemos uma Noni Jean completamente diferente, na entrega do seu primeiro prémio Billboard, pelo tema que partilhou com o mundialmente conhecido Kid Culprit (interpretado por Machine Gun Kelly).

Noni poderia ser uma Beyoncé, uma Rihanna, uma Miley Cyrus, ou tantas outras cantoras da actualidade, que aliam a beleza, muitas vezes "postiça", a uma boa voz, e a uma equipa por detrás, que diz o que deve e não deve fazer, o que deve e não deve vestir, o que deve e não deve cantar.

 

 

Resultado de imagem para para lá da ribalta filme 2015

É esta Noni Jean que existe na actualidade - a filha que a mãe "vendeu" e obrigou a "prostituir", pelo sucesso, pela fama, e pelo dinheiro.

Não sei se é o que se passa em muitos dos casos reais que conhecemos, e que levaram ao suicídio de grandes artistas, sem que encontrássemos uma explicação para tal. Mas foi o que levou Noni a tentar suicidar-se - uma tentativa de fuga à "prisão" que é a sua vida.

Nada em Noni é real - as roupas ousadas são uma questão de imagem, o namoro com Kid é marketing e aliança para sucesso, as músicas que canta não lhe dizem abolutamente nada, mas são aquelas que dão dinheiro e prémios. Tudo são aparências.

A própria tentativa de suicídio teve que ser camuflada, mascarada de deslize por ter bebido demais, por conta da comemoração pelo prémio recebido. E a polícia vê-se "obrigada" a corroborar a história, para não estragar a pintura. 

 

 

Imagem relacionada

A única pessoa que percebeu que Noni precisava de ajuda, foi o polícia que a salvou. Foi também o único a ver o que havia por baixo daquela imagem fabricada, da bonequinha sexy que todos os homens deveriam desejar.

Mas isso não chega. Noni terá que perceber por ela própria aquilo que quer, e decidir se quer libertar-se da mãe/agente e daquilo que espera dela, de uma vez por todas, fazendo a sua própria música, e tomando as rédeas da sua carreira, ou continuar naquele mundo em que é preciso vender o corpo para ser alguém.

 

 

Blackbird-5-she-wrote-the-song.jpg

Será que ainda resta alguma coisa da Noni Jean que era em criança?

Quem é a Noni, para além das extensões, unhas postiças, e roupas vulgares e diminutas?

Será que a sua voz ainda vale por si, e mais que tudo o resto?

Poderá ela ainda ser um exemplo para todas as adolescentes, sendo ela própria?

Ou acabará engolida pelo mundo que a mãe lhe mostrou desde cedo, até ao dia em que a tentativa se converta em suicídio consumado, e a mãe perceba , então, que há muito a sua filha precisava de ajuda, de uma mãe que a defendesse e ajudasse, e não uma agente que a atirasse aos lobos?

 

Um filme que pode até ser exagerado ou meramente fictício, mas que eu acredito que mostra uma situação bem real, e que explica muita coisa... 

 

  • Blogs Portugal

  • BP