Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Como a falta de (in)formação se reflecte na inclusão

Imagem relacionada

 

A todos os níveis.

 

 

"Um dia, um professor de substituição foi dar uma aula de educação física. 

Na turma que lhe calhou, havia um aluno com necessidades educativas especiais. Sem formação específica e não sabendo bem como agir numa situação que nunca lhe tinha surgido, optou por não o incluir nas actividades que propôs aos restantes alunos, nem encontrar actividades alternativas para o aluno em questão."

 

 

Neste caso, como deveria ter agido?

Tratado o aluno de igual forma e colocá-lo a fazer o mesmo que os outros, encontrar exercícios específicos para a sua condição, ou adaptar as actividades, de forma a que todos, à sua maneira, conseguissem levá-las a cabo com relativo sucesso?

 

Na turma da minha filha existem alunos com necessidades educativas especiais, que apenas frequentam, em conjunto com os restantes alunos, duas ou três disciplinas. As restantes, são leccionadas em separado.

Será isto inclusão?

Igualar em algumas coisas, diferenciar noutras?

 

 

Estes são apenas exemplos de situações em escola, mas que podem facilmente saltar para a vida adulta, para um contexto laboral ou social.

 

 

Cada vez mais se pretende dar a todos as mesmas oportunidades, independentemente de quem está do outro lado e, por isso, a inclusão acaba por ser quase obrigatória, ainda que nem sempre se saiba como colocá-la, da melhor forma, em prática, perdendo a sua eficácia, com consequências negativas, que não estavam previstas, e que se poderiam evitar.

 

A verdade é que a verdadeira inclusão, em todos os seus sentidos e formas, ainda é uma utopia na maioria dos casos.

Aquilo a que assistimos, muitas vezes, é a uma mera tolerância.

Seja por falta de formação e informação, tanto de profissionais e alunos nas escolas, como enquanto seres humanos e cidadãos, no nosso dia a dia, e em diferentes contextos.

Por vezes, com algumas tonalidades de racismo, xenofobismo, discriminação, rejeição, repugnância, mascarados de cinismo, fingimento, aparências, e falsas boas acções e intenções.  

Outras vezes, as intenções até são, de facto, positivas, mas faltam ferramentas para as colocar em prática.

 

Penso que, acima de tudo, é preciso definir o verdadeiro significado de inclusão, e de que forma ele se reflecte sempre em igualdade, ou no respeito, aceitação e adaptação à diferença, de todos os envolvidos. 

 

 

Pessoas com quem me vou deparando por aí

Imagem relacionada

 

Os "nobres"

Pessoas que agem como se fossem da nobreza real, cheios de manias. Que tentam exibir a sua imensa cultura, e gostos refinados. Pessoas que gostam de levar uma vida de luxo. E que sabemos que não têm onde cair mortos, e estão atolados em dívidas. Mas nem assim perdem a pose, e abandonam o personagem! 

 

Os "palhaços" (sem ofensa para os verdadeiros)

Pessoas que se mostram, falsamente, simples e sem manias, quando basta abrirem a boca para se perceber que estão cheios delas. Pessoas que, pela educação que tiveram, deveriam agir de outra forma mas acabam por parecer apenas palhaços, sem noção dos disparates que dizem.

 

Os "simples"

Educação é um princípio que praticam diariamente, porque assim foram habituados. Apesar dos títulos e condição financeira acima da média, relativamente ao comum dos mortais, não deixam que isso afecte a forma como agem, e interagem com as pessoas, revelando verdadeira simplicidade.

 

 

 

Sobre a Robot Sophia

Apesar da aparência humana e do belo rosto que criaram para a robot Sophia, tenho a dizer que já vi robots com um ar bem mais amistoso e simpático que esta.

Pode ser impressão minha, até porque é apenas um robot, mas a única imagem que ela me consegue passar, relativamente a expressões humanas, é cinismo. Um cinismo escondido por detrás daquele sorriso fingido que a programaram para fazer.

Olho para ela e parece-me, de certa forma, sinistra. Uma ameaça disfarçada de bondade, subtileza e delicadeza. 

 

E por aí, o que acharam da Sophia? 

 

Resultado de imagem para robot Sophia

Imagem relacionada

Resultado de imagem para robot Sophia entrevista

Imagem relacionada

O que os outros dizem é-me indiferente

 

Nem sempre assim é, mas temos que começar, de alguma maneira, a fazer com que assim seja.

Quando fomos buscar os livros da minha filha à papelaria, ela, disse que queria para este ano uma mochila da Violetta e outras coisas também.

A senhora que nos atendeu, disse-lhe para não fazer isso, porque isso era para as crianças mais pequenas. No 2º ciclo, ela devia escolher outro tipo de tema, ou corria o risco de gozarem com ela.

Quando fui comprar vi, de facto, algumas mochilas giras e melhores que a da Violetta. E lembrei-me daquilo que a senhora da papelaria tinha dito.

Mas depois pensei: por que raio, se é da Violetta que ela gosta, não há-de ela levar para a escola aquilo que gosta? Por medo do que os outros possam dizer?

Isso significa termos que andar escondidos, fingirmos aquilo que não somos, ignorar aquilo que faz de nós quem somos.

Não vou fazer isso à minha filha. Se ela gosta da Violetta, compro-lhe as coisas que gosta, independentemente do que os outros possam dizer. Ela depois decidirá se quer continuar a usar ou não. E até gosto do saco de desporto, mais caro que a mochila, mas bem melhor. Além disso, comprei-lhe uma outra diferente, e barata, se ela quiser ir variando. 

 

P.S.: O problema deste tipo de material é que, por norma, é bem mais caro, não dura nada, e para quem não tem muito dinheiro é mais difícil satisfazer os desejos dos filhos. Duas mochilas, então, é luxo! Concordo. O ano passado comprei uma mochila muito gira, sem nenhum tema conhecido, de rodinhas, a preço de saldo - 5 euros! Durou o ano todo, embora já para o fim com alguns buraquitos, os pneus carecas e um fecho avariado! Por outro lado, já lhe comprei em outros anos mochilas da Barbie ou das Winx, que me custaram à volta dos 20 euros, e no fim do primeiro período foram para o lixo.

  • Blogs Portugal

  • BP