Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Viver continuamente sob stress...

Resultado de imagem para viver sob stress

 

... não é para mim.

Há quem goste dessa adrenalina, dessa correria, desse stress constante de viver sempre ali no limite, de ter mil e uma coisas para fazer e consegui-las, nem que seja no último minuto!

Para algumas pessoas, só assim a vida faz sentido, só assim se sentem vivas, activas, úteis.

 

 

Para mim, não dá.

A mim, faz-me sentir pressionada, ansiosa, preocupada, nervosa, stressada e, até, irritada.

Nunca fui disso, mas cada vez mais preciso de paz, sossego, calma, tranquilidade, de fazer as coisas ao meu tempo, e não em contrarrelógio.

De fazer as coisas por gosto, com a devida atenção dada a cada uma delas em particular, e não de as fazer de empreitada, como se costuma dizer "a aviar porcos".

 

 

Quando começo a ver muitas coisas a juntarem-se ao mesmo tempo, e percebo que não sei se terei tempo para todas elas, nem como vou dar conta delas em tempo útil e com a celeridade que, por vezes, é necessária, começo a entrar em parafuso.

Parece uma onda gigante que vem lá ao fundo e se está a aproximar, e da qual só nos apetece fugir.

No entanto, até ver, tenho-me mantido dentro de água e, quando a onda chega e passa por mim, afinal não era assim tão grande como parecia.

Até um dia...

 

 

E por aí, são daquelas pessoas a quem o stress dá energia e pica para viver, ou das que preferem a tranquilidade?

 

 

A primeira vez que vi um rato, e não gritei nem fugi!

Resultado de imagem para rato desenho

 

 

Estava a sair do trabalho e, mal abro a porta, vejo lá ao fundo, nas escadas, um rato.

Verdade seja dita, era mais uma ratazana, dado o tamanho do animal.

Andava ali de volta dos vasos, em bicos de pés e eu achei o dito cujo tão fofo, tão engraçado que, pela primeira vez, não desatei a gritar, nem fugi a sete pés!

 

Ele, entretanto, escondeu-se atrás do vaso, e eu desci as escadas, passando por ele, sem receio.

Estamos no centro de Mafra e, como tal, já não é a primeira vez que um destes bichinhos resolve visitar o prédio. 

Com as portas fechadas, andou a circular pelas escadas em todos os pisos, até que foi corrido a pontapé e guarda-chuva, por uns clientes que iam a descer as escadas.

Suponho que não tenha ficado em muito bom estado, mas não sei se sobreviveu.

 

Claro que, se o tivesse visto em casa, a conversa seria outra e, provavelmente, não estaria tão tranquila!

Podem pedir ao tempo para não ter pressa?!

Resultado de imagem para tempo

 

É verdade que o tempo parece nunca se mover à velocidade que gostaríamos.

Ora parece estar a andar lentamente, quase parado, quando queríamos que ele passasse mais depressa, ora desata numa correria, quando queríamos que ele abrandasse, para prolongar aqueles momentos que estamos a gostar tanto.

Mas, de uma forma geral, e de há uns tempos para cá, tenho a sensação que o tempo nos anda a fugir pelas mãos, a escapar-se por entre os dedos, cheio de pressa de chegar não sei bem onde.

Não são apenas as horas do dia que não chegam para tudo o que gostávamos de fazer. Os próprios dias estão a voar à frente dos nossos olhos, e a rir-se de nós.

Ainda no outro dia estava a respirar de alívio, por ter terminado mais um ano lectivo. E já falta pouco mais de um mês para iniciar o próximo, o que significa que, num piscar de olhos, passaram-se dois meses.

Ainda no outro dia estava ansiosa para entrar de férias. Veio a semana de férias, passou num ápice. E já o meu marido esteve 3 semanas de férias e voltou a trabalho. Mesmo a trabalhar, vi essas semanas passarem num estalar de dedos.

E eu, que estou a pouco mais de uma semana de gozar mais alguns dias de férias, dou por mim a desejar que o tempo não corra tanto, porque isso significa que, quando der por mim, já estou de volta às rotinas por mais um ano.

Sim, acho que é o primeiro ano que não quero que as férias cheguem rapidamente, e que dou por mim a pensar que o tempo poderia parar ali próximo durante uns tempos.

Claro que isso não é possível mas podem, pelo menos, pedir ao tempo para não ter tanta pressa de fugir de nós, e de nos roubar tempo quando mais precisamos dele?!

Não sou do contra, mas também não sou de modas

Resultado de imagem para ser do contra

 

Há coisas/ pessoas das quais tento fugir a sete pés. Estas são algumas delas:

 

Grupinhos - claro que é bom ter um grupo de amigos, no verdadeiro sentido da palavra, mas quando, do nada, me querem incluir em grupinhos acabados de formar, de colegas de trabalho ou amigos de amigos, é para esquecer. Em primeiro lugar, não sou muito adepta de conhecer novas pessoas só porque sim, porque poderão vir a ser amigos. Em segundo lugar, porque sei que, passada a euforia inicial, salvo raras excepções, acaba por ir cada um para seu lado, como se nunca se tivessem conhecido antes.

 

Hipocrisia - Há uma diferença entre mostrar-me indiferente, calar-me, ignorar, ou ser hipócrita a ponto de fingir algo que não sinto, e concordar com algo com o qual não estou, de todo, de acordo, só para não me chatear. Se até é algo que me afecta, e percebo que estou a lidar com pessoas hipócritas, a minha vontade é abandonar o barco.

 

Bajulação ou idolatração e discriminação - De repente, aquela pessoa está em alta e, então, bora lá todos tecer comentários elogiosos e colocá-la num pedestal ainda maior. Não contem comigo. Para mim, ninguém é melhor que ninguém, ou mais importante que ninguém, por isso merecem todos o mesmo tratamento. Quem está em alta pode, um dia, cair.

 

Reuniões de pais na escola - Vou às reuniões, mas cada vez mais espero que a professora fale dos pontos essenciais, entregue a pauta da avaliação, e os mil e um documentos que tenho que assinar, para me ir embora. Não tenho paciência para estar ali com conversinhas de ocasião, tanto com os pais dos outros alunos, como com a professora.

 

Pessoas chatas - De um modo geral, pessoas que, sempre que falam, dizem sempre a mesma coisa, repetem-se mil vezes, não querem realmente conversar, mas apenas despejar assuntos em cima dos outros, que se lamentam a toda a hora, que não conseguem perceber quando estão a ser inconvenientes, que não se conseguem calar por nada, pessoas para as quais as 24 horas deveriam ser inteiramente dedicadas a elas.

 

Seguir tendências - e a última das que me lembro é, por exemplo, a da protecção do ambiente. De repente, toda a gente está preocupada, toda a gente poupa, toda a gente recicla, toda a gente aderiu ao desperdício zero, toda a gente é amiga do ambiente e escreve posts sobre isso. Até no livro de inglês da minha filha levo com isso! E, como esta, haverá muitas outras, como correr. Sempre houve pessoas a praticar exercício físico através da corrida mas, a determinada altura, toda a gente estava a aderir, e correr tornou-se moda. Eu faço o que faço naturalmente, por minha iniciativa, e não porque está na moda e devo seguir a tendência para ser "cool".

 

Pagar por algo que posso fazer de borla - no outro dia, o meu marido andou a ver, em alguns sites, caminhadas em que nos poderíamos inscrever, e locais que poderíamos visitar, onde poderíamos caminhar, algo que ambos gostamos de fazer. Isso para mim não dá. Se que quero ir caminhar, vou. Há por aí tanto sítio para andar. Por que raio tenho eu que pagar para andar?

 

E por aí, o que acrescentariam a esta lista?

  • Blogs Portugal

  • BP