Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Cenas estranhas e sinistras que nos acontecem

Resultado de imagem para surpresa

 

Ontem fui com a minha filha ao chinês, para ver se arranjava umas botas.

À vinda, passámos pela colónia dos gatos e, como estavam juntinhos a comer, ia aproveitar para tirar umas fotos.

De repente, do nada, aparece ali um rapaz a meter-se na cconversa:

 

"Isso não é a garagem. Isso era a entrada para o lar. Já foram muitas coisas deitadas abaixo. Já não está nada como era." E fica ali um bocado parado a olhar para nós, até se resolver a seguir caminho!

 

What?!

Nós nem sequer estávamos a falar disso. Estávamos a falar sobre se um gato seria gato ou gata!

 

Antes dessa conversa, estava eu a dizer à minha filha que, de certeza, haveria alguém que entrava ali dentro, porque a comida que lá estava ao meio não tinha ar de ter sido atirada do lado de fora, mas sim colocada ali.

E a minha filha "então, devem entrar da mesma maneira que a outra mulher entra".

Quando damos por isso, vemos a mulher dos gatos lá dentro, no telheiro, como uma assombração! 

Esteve ali o tempo todo. Ouviu a conversa toda.

 

Está resolvido o mistério de quem entra lá, quem tira de lá as caixas de plástico que eu ponho, ou despeja a comida numa caixa maior e as põe umas dentro das outras, para eu encher de novo.

E ela, ou atravessa paredes, qual fantasma, ou deve ter um truque para abrir aquela porta porque, das vezes que tentei, nunca consegui.

Verdade seja dita, também não quero ser apanhada a invadir propriedade privada, e ser detida pela GNR!

E assim vai a defesa dos animais

O antigo edifício da Santa Casa de Mafra está a ser demolido, dando lugar a um novo projecto, em parceria entre a Câmara Municipal de Mafra, e a Santa Casa da Misericórdia.

Nesse edifício, há anos devoluto e abandonado, vive uma colónia de gatos que conta, neste momento, com cerca de 20 gatos.

Foram lançados alertas nas redes sociais, para que as associações da zona pudessem fazer alguma coisa.

Eu própria falei com uma, e ofereci-me para tentar angariar fundos e meios de salvaguardar a colónia, antes que as obras começassem.

Mas o trabalho que têm é muito, a informação que lhes deram foi vaga, e não há ninguém com quem falar.

Essa via ficou inviabilizada.

 

Não acredito que nenhuma das entidades envolvidas no projecto desconhecesse a situação.

No entanto, as obras começaram, com os gatos lá.

 

 

 

 

Contactei com o PAN de Mafra, que me enviou a seguinte mensagem:

"Olá Marta, o primeiro passo é denunciar às autoridades, neste caso ao SEPNA, que faz parte da GNR e se dedica às questões ambientais, onde os maus tratos a animais de incluem."

Imaginei que o SEPNA se iria descartar mas, hoje, lá liguei.

Responderam-me que não têm nada a ver com o assunto, e que deveria ligar para a Câmara Municipal de Mafra, porque esta é que tem as colónias sinalizadas e pode saber o que devo fazer.

 

Liguei para a CMM. Responderam-me que tenho que lá ir fazer uma apresentação por escrito, ou enviar email. Depois, esperar que o processo seja encaminhado para quem de direito.

Em alternativa, posso ligar para o Canil Municipal, para ver se podem ajudar.

Foto de Clube de Gatos do Sapo.

(antes, deitavam-se aqui neste muro)

 

Foto de Clube de Gatos do Sapo.

(entretanto, com a demolição, a árvore tombou)

 

IMG_6271.JPG

(este é o aspecto, hoje)

 

Não se vêem os gatos. Devem estar escondidos, com medo do barulho. Desorientados, por ver que a sua "casa" está a desaparecer.

Os adultos podem fugir facilmente para os quintais vizinhos. Os bebés podem não conseguir.

 

IMG_6268.JPG

À hora de almoço estava este bebé em cima do muro que dá para a igreja. 

Todos os dias passo lá, vejam se ainda por lá andam, quem está vivo, se ainda é possível ali comer e matar a sede, sem ficarem esmagados.

Todos os dias oiço a escavadora, mesmo da minha casa. E a cada investida para derrubar mais um pedaço, o meu coração tem um sobressalto. De receio, de tristeza, de impotência.

 

Com este jogo do empurra, tanta burocracia, falta de informação de quem deveria saber mais do que nós, e falta de acção de quem tem os meios, torna-se difícil ajudar a tempo de impedir o pior e, mais difícil ainda, acreditar que alguém, realmente, se preocupa com a defesa do animais. 

 

Sugestões para o fim de semana

(clicar na imagem)

 

Neste último fim de semana de Janeiro, a rubrica Fora de Casa traz-vos diversas sugestões para o aproveitar da melhor forma! Ora vejam:

- Para os amantes dos felinos, já sabem que podem ir até ao cinema ver o documentário "Gatos"
- Eu Mafra, "O Anjo" vai descer à terra,pela mão de Filipi di Ramo
- Na Figueira da Foz, saia "Fora do Baralho", com Mário Daniel
- Em Famalicão, um concerto dos Orelha Negra

Fiquem a par destas e outras sugestões, na edição desta semana!

Sobre o livro Óscar, de David Dosa

Resultado de imagem para gato óscar livro

 

O tema central deste livro é o gato Óscar que, dotado de uma espécie de dom, sexto sentido ou algo inexplicável, como se tivesse vindo ao mundo numa missão muito especial, prevê quando alguém está a morrer.

Como ele consegue saber isso, é o que o Dr. David Dosa irá tentar descobrir. Existirá alguma explicação científica, médica ou até banal, para esta capacidade ou poder?

Como todos os gatos, Óscar tem uma personalidade muito própria. Na maior parte do tempo, os residentes e funcionários do lar Steere House, em Rhode Island, podem não fazer ideia de onde está. Mas, se algum residente piora o seu estado de saúde e está prestes a morrer, ou apesar de estar aparentemente bem, Óscar sentir algo, corre para esse quarto, salta para cima da respectiva cama, e de lá não sai, até que a pessoa deixe este mundo. Só quando sente que a sua missão de vigília e protecção foi cumprida, é que ele sai do quarto.

O Dr. David chama-lhe, momento de recuperação.

 

Mas, mais do que o relato dos vários residentes e familiares, sobre esta faceta misteriosa do Óscar, o livro é uma chamada de atenção para a geriatria, os cuidados paliativos, a doença de Alzheimer e outras que afectam não só idosos como adultos mais jovens.

É uma chamada de atenção para a forma como os residentes do lar, e os seus familiares lidam com as pessoas doentes, como encaram o diagnóstico, como enfrentam o dia-a-dia, como sentem conforto na presença de um gato.

É uma chamada de atenção para aproveitarmos as pequenas coisas da vida, porque nunca sabemos quando será a última vez.

 

Steere House tem vários gatos a conviver com os residentes do lar, numa inovadora e, de certa forma, terapêutica, forma de a tornar mais acolhedora e semelhante a um verdadeiro lar, onde habita toda uma família, e não apenas doentes. 

Os gatos podem não fazer milagres nem salvar vidas, mas podem fazer a diferença na vida dos que partem, e na dos que ficam!

 

 

 

 

O dia em que me passei com uns miúdos...

Resultado de imagem para zangada

 

...por causa de um gato!

 

Tinha ido pagar a renda à minha senhoria, que mora no andar de cima. Estávamos a conversar à porta, quando reparo em dois miúdos que, na zona dos prédios em frente pegavam, cada um num pau, prontos para bater num gato que por ali andava.

Se há coisa que me tira do sério é ver alguém fazer mal aos animais. Já de manhã, uma vizinha mais velha, estava a espantar o gato do seu quintal, e uma menina que estava com ela até lhe chamou a atenção para não fazer aquilo ao bicho.

Agora, ao ver os miúdos, não me fiz rogada. Mandei um berro para eles ouvirem, a dizer que não os queria a fazer mal ao gato. Um deles, com medo, disse ao outro "vamos embora que está ali uma senhora em cima a ver". O outro miúdo, desconfiado, pôs-se à espreita, e eu voltei à carga "estou a ver, estou, vejam lá se é preciso ir aí".

Deixaram os paus no chão, e puseram-se a andar, mas ainda tiveram tempo para fazer festinhas a um cão que passou por ali na altura com a dona.

 

Quanto ao gato, veio até ao nosso quintal, subiu as escadas até onde estávamos e até peguei nele ao colo. Depois, foi à vida dele.

Por ontem, escapou. Mas nem sempre terá alguém a olhar por ele...

  • Blogs Portugal

  • BP