Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Este frio...

Aviso amarelo por causa do frio

 

... este frio gelado,

que nos entorpece os pensamentos,

que nos empederna os movimentos,

que nos atrofia cada pedacinho do corpo,

que nos paralisa...

E, ainda assim, nos desperta à força, e nos faz acelerar, para lhe fugir...

 

...este frio gélido,

que nos torna tão pequeninos,

encolhidos num cantinho de onde não queremos sair,

mas sempre em alerta, sem poder baixar a guarda...

 

...este frio glacial,

que nos arrepia,

que nos suga o ar,

que nos bofeteia,

que nos contrai,

que nos congela por fora e por dentro...

 

...Um frio que pede calor.

Um calor que nos aconchegue,

que nos conforte.

 

Um calor que nos acolha nos seus braços,

que nos permita sair do casulo sem medo,

e voltar à forma original...

 

A Serra

 

Este ano, ao contrário do ano passado, encontrámos a Serra da Estrela coberta de branco!

De qualquer forma, continuo a dizer que, a mim, parece-me mais gelo que neve. É como se tivesse limpo o meu congelador, mas neste caso, uma arca congeladora gigante!

As crianças acharam, à sua maneira, divertido. Enquanto a minha filha fez "sku" mesmo sem querer, o irmão do meu marido tentava em vão escorregar na neve :)

E, embora já tenhamos chegado à Torre ao anoitecer, ainda conseguimos captar esta imagem espectacular das nuvens abaixo de nós, como que a chamar-nos para saltarmos para cima delas! 

Aventura na Serra!

 

Aqui estou eu, depois de um fim-de-semana prolongado bem merecido, para vos contar a nossa aventura nas terras do gelo!

Para começar, destaco a simpatia, a simplicidade, e a forma prestável e acolhedora das pessoas com quem tivemos o prazer de conviver!

Fiquei igualmente deslumbrada com as paisagens, com os cenários, com a natureza no seu melhor!

Mas comecemos então pelo princípio - sexta-feira saímos daqui à noite e, para evitar portagens, fomos pelas nacionais, sempre com o amigo GPS (que eu continuo a dizer que é burro e não serve para nada), mas imprescindível para o meu namorado. Chegámos ao hotel, na Guarda, já de madrugada, e foi só pousar as coisas, ligar o ar condicionado no máximo e dormir!

Ontem de manhã, depois do pequeno-almoço, rumámos a Manteigas, para conhecer o Poço do Inferno e os Viveiros das Trutas, que nos tinham indicado como locais a visitar.

Estava um dia lindo - o céu azul a contrastar com os tons verdes e castanhos das árvores e da vegetação. À sombra estava frio, mas quando apanhávamos sol, até estava uma temperatura normal para a época.

Vimos a pequena cascata, com a sua água transparente, e deu vontade de tocar nela. Deixei a mão por uns segundos lá dentro, a senti-la correr, mas depois tive que a retirar, de tão gelada que estava!

Tiradas as primeiras fotografias, e como já estava a fazer-se tarde, fomos então almoçar.

E em seguida, o mais promissor e aguardado passeio - a subida até à Torre da Serra da Estrela, a 1993 m de altitude!

Felizmente o tempo foi nosso amigo e permitiu-nos fazer o percurso sem incidentes, podendo apreciar cada pedacinho da paisagem com que éramos presenteados!

Não me esqueço das três vacas que encontrámos na estrada - uma preta, uma castanha e uma branca! A branca mostrou logo que não era muito dada à fama e aos flashs dos fotógrafos! A castanha, ao contrário, ficou vários minutos parada, em pose para as câmaras! E a preta estava ocupada com outros pensamentos.

Como seria de esperar, neve não havia. Pelo menos aquela neve em flocos, fofinha, que podemos pegar e brincar. Havia sim, neve congelada, lagos congelados, e água transformada em placas de gelo. Algumas, mais resistentes, convidavam à patinagem! Mas outras eram mais fininhas, e estalavam à medida que as pisávamos.

E, apesar de ter visto tanta publicidade às pistas de ski, e recintos para trenós e donuts, proporcionados por neve artificial, não vi nada.

Claro que uma ida à Torre inclui, obviamente, a compra de produtos típicos e recordações!

Quando reparámos, já era praticamente noite, e estava na hora de voltar e esperar o milagre de Natal - encontrar um restaurante aberto para jantar em plena véspera de Natal!

Como seria de esperar, essa missão revelou-se inútil. E entre pagar 45 euros por pessoa no jantar de Natal do Hotel Vanguarda, ou ficar sem jantar, optámos pela terceira hipótese!

Acabámos a petiscar numa loja M24, junto às bombas de gasolina, e a brindar com licor de castanha acabadinho de comprar! Os funcionários brindaram connosco e agradeceram a companhia! 

Regressámos então ao hotel, para nos deitarmos cedo, porque hoje tínhamos uma longa viagem pela frente logo de manhã. Desta vez pela auto-estrada, para ser mais rápido, e chegarmos a tempo ao almoço de Natal com a família.

Mas ainda a tempo de ter tirado uma bela foto do nascer do sol, na Guarda!

E de saber pela primeira vez qual é a sensação de estar fechada numa arca frigorífica! É que o carro estava branco, coberto por uma placa de gelo!

Foi, sem dúvida, uma aventura inesquecível!