Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Da liberdade que se deve dar aos filhos

Resultado de imagem para liberdade aos filhos

 

Todos sabemos que, antigamente, havia liberdade a menos e que, pelo contrário, hoje em dia e cada vez mais, há uma tendência a dar liberdade a mais. Sabemos que o ideal, seria o meio termo.

Mas, mais do que muita ou pouca liberdade, acho que devemos também pensar no tipo de liberdade estamos a dar aos nossos filhos, e na forma como a mesma é dada, à medida que eles crescem, e para que possam crescer.

 

Porque existe uma forma e tipo diferente para cada etapa, para cada idade, e que devemos saber gerir, para que os nossos filhos saibam para que serve essa liberdade, e até onde podem ir, sabendo que, se a ultrapassarem, haverão consequências mas também que, não a ultrapassando, têm uma larga margem para usufruir dela e tirar o máximo partido, sem estarem limitados.

 

Porque uma criança a quem só lhe é dada liberdade para estar em contacto com o preto e o branco, não tem oportunidade de descobrir que o mundo pode ser mais colorido. 

Se mantivermos os nossos filhos dentro de uma pequena bolha, eles nunca saberão o que há para além dela.

Os nossos filhos não precisam que lhes sejam vendados os olhos, para aquilo que não queremos que eles vejam porque, mais cedo ou mais tarde, eles irão mesmo ver.

Não precisam que lhes amparemos as quedas porque, um dia, não estaremos cá para isso e, quando caírem, irá doer ainda mais.

 

Por vezes, é preciso soltar a mão, deixá-los dar os seus passos, ainda que sejam atabalhoados, ainda que não consigam manter-se em equilíbrio. E deixá-los cair. Porque só assim aprenderão com os erros, com a tentativa. Só assim saberão o que devem ou não fazer.

 

Mais do que proteger, é preciso preparar. Dar as ferramentas, para que eles as possam conhecer, manusear, e aprender a utilizar, adaptando a cada uma das fases da sua vida. 

 

Com que idade devem os nossos filhos receber semanada/ mesada?

 

À medida que os nossos filhos vão crescendo, entram para a escola, assumem mais responsabilidades e têm mais necessidades, começamos a colocar a questão da semanada/ mesada (isto se eles não falarem disso primeiro).

Com que idade é que devemos começar a fazê-lo? Será que é melhor a semanada ou a mesada? Será que eles vão saber gerir o dinheiro?

Aqui por casa ainda não implantámos qualquer sistema. A minha filha, na escola, leva sempre qualquer coisa para lanchar. Mas, quando lhe apetece, também come no bar da escola, e paga com o cartão, que lhe vou carregando à medida que ela vai gastando o saldo. Posso dizer que, nesse aspecto, ela é moderada e poupada. Não faz extravagâncias nem compra coisas desnecessárias.

Quanto ao telemóvel, por exemplo, sou eu que o carrego - tem um carregamento obrigatório de pouco mais de 5 euros por mês, e um tarifário que só lhe permite ligar para 10 números pré escolhidos, sendo que para alguns, não paga chamadas nem mensagens. Raramente gasta mais do que o saldo que tem disponível, e esse gasta-o, normalmente, a ligar para o avô, que a costuma ir buscar à escola. Portanto, responsável também neste aspecto.

Tudo o resto que ela realmente precisa, eu vou comprando.

A única excepção são aqueles extras que ela quer comprar, e para os quais já não há orçamento. Nesse caso, ela está a começar a gerir o dinheiro que lhe vão dando, e a perceber que o dinheiro desaparece num instantinho, não cai do céu e nem sempre dá para tudo o que se quer.

De uma forma geral, a opinião dos especialistas diverge no que respeita à idade em que se deve começar a dar dinheiro às crianças, mas estão de acordo que o ideal é dar uma semanada, e não mesada.

E isto, porquê? Porque é mais fácil gerir e controlar o dinheiro num curto espaço de tempo. A mesada pode dar à criança a ideia de que tem muito dinheiro e, devido a essa falsa impressão, gastá-lo mais rapidamente.

No entanto, são os pais que decidem quando e quanto deverão entregar aos filhos, e ir vendo como eles se comportam e que ajustes serão necessários no futuro.

Com a minha filha, para já, vamos manter tudo como até aqui. E por aí, já alguém adoptou este sistema?