Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sugestões para o fim-de-semana

 

(clicar na imagem)

 

O tempo está chuvoso, e não sabe o que fazer este fim-de-semana?
O Fantastic tem algumas sugestões para vos ajudar a decidir!

Em destaque, a In Beauty, a maior feira de estética, cosmética e cabelo do país.

Se estão de férias, porque não ir até ao Wine in Azores?

Ou podem ficar por cá mesmo, e ajudar a realizar desejos, com o Cycle-a-Wish by night, ou deliciar-se com a doçaria de Leiria.

Circo, teatro e música são outras sugestões a não perder, nesta edição da rubrica Fora de Casa.

Secção de programas especiais da GNR

Imagem 1 Acção Social Dez..jpg

 

Nem só de multas e caça aos ladrões vive a GNR!

Para quem não sabe, a GNR tem uma Secção de Programas Especiais cujas linhas prioritárias assentam num policiamento de proximidade e segurança comunitária.

Isto significa que a GNR trabalha em conjunto com a comunidade, e em parceria com diversas entidades, para tentar resolver os vários problemas da sociedade, melhorando a qualidade de vida dos cidadãos, nomeadamente:

 

* Através de programas específicos, focados em problemas concretos, destinados a grupos sociais mais vulneráveis;

 

* Através de uma melhor integração e comunicação, reduzindo a criminalidade e aumentando o sentimento de segurança da população;

 

Desta forma, a população fica a conhecer melhor o guarda, e este conhece melhor o cidadão.

 

Uma das iniciativas no âmbito desta secção de programas especiais é o Programa Apoio 65 – Idosos em Segurança.

A GNR pretende, com este programa concebido para os idosos, garantir as condições necessárias para a sua segurança e tranquilidade, principalmente daqueles que vivem mais afastados ou isolados, ajudando a prevenir e evitar situações de risco.

Policiamento dos locais públicos mais frequentados por idosos, criação de uma rede de contactos diretos e imediatos entre os idosos e a GNR, em caso de necessidade, instalação de telefones nas residências das pessoas que vivem mais isoladas e tem menores defesas ou colaboração com outras entidades que prestam apoio à 3ª idade, são algumas das medidas adotadas com este programa.

 

Deixo aqui alguns exemplos do que tem sido feito pela GNR, por exemplo, no concelho de Mafra:

> Um dos cidadãos residentes no concelho habitava, sozinho, numa casa em ruínas, em péssimas condições. Um dos agentes da GNR, ao vê-lo nessa situação, entrou em imediatamente em ação. Hoje, o senhor em causa está feliz, num centro de dia, ficando à noite em casa da sua namorada!

> Um outro cidadão, cuja tristeza por ter perdido a sua biblioteca com milhares de livros era imensa, conseguiu, através de um apelo da GNR, que lhe doassem livros, com os quais vai iniciar uma nova biblioteca no centro social onde presta voluntariado.

> A GNR faz visitas aos lares para idosos e centros de dia, onde os aconselham a ter determinados cuidados para a sua segurança, e para não serem enganados por truques de ladrões.

> A GNR conseguiu, através de uma doação, levar um cidadão a uma consulta de oftalmologia para comprar óculos novos, uma vez que os seus se partiram e não tinha dinheiro nem para a consulta, nem para os óculos.

> Conseguiram, também através de um apelo, angariar fraldas e bens alimentares para um idoso acamado.

 

Que venham mais iniciativas destas, não só para os idosos, mas para todos aqueles que se encontrem em situações de risco!

 

Artigo elaborado para a secção Acção Social da Blogazine.

Coração do Mar

 

Assim foi baptizada por nós uma gaivota muito especial que, infelizmente, teve um triste destino.

A tarde na praia foi espectacular, com bom tempo, o mar mansinho e um novo recorde de toques de raquete - 1035!

Pela primeira vez, aqui nesta praia da Ericeira, vimos peixinhos a nadar connosco! Tão pequeninos, em cardumes. Um deles, pobrezito, veio parar à areia. Peguei nele, pu-lo numa poça de água, ainda respirou mas acabou por morrer.

Animados depois da diversão, para irmos comer um belo creme de marisco e pizza, seguimos para o centro da Ericeira, e foi aí que tudo aconteceu.

Nós íamos a descer a rua. Estava uma gaivota no chão, do lado oposto. Um carro que subia a mesma rua, nesse sentido, viu a gaivota mas, ainda assim, continuou, sem sequer se desviar, e passou com a roda por cima da gaivota. Nem sequer parou para ver o que tinha feito. Fiquei chocada e, apesar de nunca ter lidado com aves, o meu marido parou o carro e eu saí, para tentar tirá-la da estrada antes que mais algum fizesse o mesmo que aquela mulher.

Peguei na gaivota, ela nem reclamou nem picou, e pu-la no passeio. Tinha uma asa partida. Provavelmente, já estaria magoada antes, pelo facto de nem sequer ter voado quando o carro se aproximou. Além de que é um pouco estranho uma gaivota andar naquela zona, meio perdida.

Entretanto, mais pessoas se juntaram, incluindo uma senhora que estava apenas a passar férias, vinda de Inglaterra, embora me pareça ser portuguesa, e que utilizou o seu lenço para embrulhar e pegar na gaivota. Perguntámos se haveria algum sítio para onde a pudessemos levar, mas só nos souberam indicar uma loja de animais que poderia ter veterinário. E assim, essa senhora veio connosco no carro até à loja, a segurar a gaivota, onde foi brindada com uma bicada. Infelizmente, o veterinário estava de férias. Puseram apenas um elástico no bico da gaivota e aconselharam-nos a entregá-la na GNR.

Eu disse logo - se a entregamos lá, abatem-na! Mas a alternativa era ir a uma clínica ou hospital, e termos nós que pagar a conta. O meu marido lembrou-se, então, de ir aos bombeiros. Nesta altura, a gaivota passou para as minhas mãos. A dita senhora ainda esperou, mas sem novidades por parte dos bombeiros, e com amigos à espera para jantar, acabou por ir, e combinámos encontrá-la mais tarde para lhe entregar o lenço.

Quanto aos bombeiros, contactaram com a protecção civil, que não quis saber do assunto, e com mais algumas entidades, numa espera que me pareceu de horas. A pobre gaivota estava em sofrimento, esperneava por todo o lado, eu a tentar segurá-la, o seu coração acelerado, já com sangue por todo o lado, e nós sem saber o que fazer.

Finalmente, a única solução encontrada pelos bombeiros, foi dizer para irmos ter com uma veterinária ao Cadaval, que era a única que poderia receber e tratar este tipo de aves selvagens. Disse logo ao meu marido que isso estava fora de questão. O Cadaval ficava a quilómetros, e a gaivota não aguentava até lá.

Na verdade, pouco antes de ele vir para o carro, ela acalmou, já nem lutava e o coração abrandou. Decidimos então ir a uma clínica a poucos minutos dali. Pelo caminho, só sabíamos que ainda estava viva porque mexia os olhos, mas acabou mesmo por morrer uns segundos antes de estacionarmos.

É muito frustrante querermos ajudar um animal ferido, e não conseguirmos. É frustrante que, numa vila onde as gaivotas têm o seu habitat natural, não haja nenhuma entidade que os possa tratar, receber, com contactos e meios para encaminhar.

É frustrante, porque não sabemos nada de animais, e quem sabe não piorámos tudo ali a segurá-la, a apertá-la para não voar pelo carro. Quem sabe não agravámos a situação, ao querer ajudar.

É triste estar ali com a gaivota nos braços, e vê-la aflita e a sofrer, e depois dar o último suspiro e acabar por morrer.

Nessa clínica, a veterinária foi impecável. Apesar de tudo, ainda verificou o batimento cardíaco e confirmou que ela tinha morrido há pouquíssimo tempo. Afirmou ainda que, mesmo que a tivessemos levado mais cedo, não poderia ser salva porque iria ficar sem a asa, e sem ela, não sobreviveria. Elogiou-nos por a termos levado, porque até poderia ser uma coisa menos grave, e salvá-la, mas naquele caso não havia solução. Colocou-a num saco de plástico e aconselhou-nos a entregar o cadáver na GNR ou na Protecção Civil.

Viémos então à GNR de Mafra, já que tinha que vir a casa mudar de roupa, mas informaram-nos que só poderiam aceitar entre as 09h e as 17h do dia seguinte. Fomos à Protecção Civil. Disseram-nos que não fazem esse tipo de recolha. Que isso é um assunto da Polícia Marítima.

Nesta altura, já com os nervos à flor da pele, passei-me mesmo. É revoltante como não há ninguém que queira saber de uma gaivota. Se fosse um cão ou um gato, já estava tratado há muito tempo, mas com uma gaivota, ninguém faz nada. Talvez porque, tal como a veterinária disse, seja considerada um "rato com asas", portadora de diversas doenças transmissíveis a outros animais e aos humanos. Mas é revoltante andarmos ali às voltas com o animal, sem saber o que fazer, e levar com a porta na cara a todo o lado que íamos. Perguntei-lhe mesmo se o que eles queriam era que colocássemos o animal no caixote do lixo e lavássemos as mãos.

Ainda estivemos para deixá-la lá à porta, mas a gaivota merecia mais do que isso. Voltámos à Ericeira, não encontrámos a senhora para lhe devolver o lenço e, por isso mesmo, colocámos a Coração do Mar no lenço, na praia, junto ao mar, no lugar onde ela pertencia! O meu marido fez uma oração, e assim a deixámos seguir o seu destino.

Porque seria um pouco chocante, não coloco aqui a fotografia da Coração do Mar.

  • Blogs Portugal

  • BP