Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Mente Brilhante

Resultado de imagem para mente brilhante

 

"Deixem as crianças ser crianças"

 

Nunca uma frase fez tanto sentido!

 

Frank Adler é um homem solteiro, que vive numa cidade costeira na Florida, com a sobrinha, Mary, de sete anos, de quem cuida desde a morte da sua irmã, quando Mary tinha apenas poucos meses de vida.

Era esse o desejo da mãe de Mary, para que a sua filha, ao contrário dela, pudesse ter uma vida e uma infância normal, como uma criança normal.

Durante esses sete anos, tudo correu bem.

Mas Mary é uma criança prodígio, com incríveis habilidades matemáticas que começam a diferenciá-la na escola, e a chamar a atenção dos professores e, consequentemente, da sua avó que vê na neta a oportunidade de dar seguimento e concluir aquilo que a sua filha não foi capaz.

  

O que mais choca neste filme, embora já estejamos habituados, é ver do que são capazes as pessoas para levar os seus objectivos adiante, sem pensar na pessoa que está a ser objecto de disputa, nas suas necessidades, no seu bem estar, na sua felicidade.

 

Por um lado temos o bondoso tio Frank, que proporciona à sobrinha uma vida simples, descomplicada, transmitindo-lhe os valores que considera mais importantes.

Um professor que abandonou tudo, e que agora conserta barcos por conta própria, para pagar as suas contas, e que nunca teve qualquer reconhecimento ao contrário da irmã sendo, a certo ponto, acusado de limitar a sobrinha por inveja.

 

Por outro lado, temos uma avó que não quer desperdiçar o talento da neta, e acha que ela está reservada para grandes feitos, e por isso quer a sua guarda, para lhe proporcionar tudo aquilo que o tio não pode.

No entanto, esta atitude é desprovida de altruísmo, e significa ocupar Mary, a tempo inteiro, com problemas matemáticos, sem infância, sem vida própria, tal como o fez com a filha, levando-a ao suicídio.

 

Frank vai ter, assim, pela frente uma dura batalha judicial com a mãe, para ficar com a custódia da sua talentosa sobrinha. Ambos com receio de perder a batalha, chegam a um acordo tão absurdo, que passa por Mary ser adoptada por um casal estranho, podendo ambos visitá-la e passar algum tempo com ela.

 

Um erro que pode sair muito caro para Mary, que se revolta contra o tio, quando este a deixa naquela casa.

Mais tarde, enquanto Frank é impedido de ver Mary, por esta não querer estar com ele, percebe-se que Evelyn está a controlar a neta, rodeando-a de professores, e privando-a daquilo que mais gosta, incluindo o seu companheiro felino, Freddy.

 

E esta foi uma das cenas mais emotivas para mim: o momento em que a antiga professora de Mary vê uma foto de Freddy, que foi dado para adopção, e avisa Frank. Quando este chega ao canil, o prazo da adopção já terminou, e Freddy está, juntamente com outros gatos, na fila para o abate.

 

Conseguirá Frank salvá-lo, e recuperar a sobrinha? 

Conseguirá Evelyn perceber o que está a fazer de errado, e emendar os seus erros a tempo?

Ou estará Mary condenada a viver a mesma vida que a mãe, com todas as consequências que isso possa trazer para a sua vida?

Eu Queria Usar Calças, de Lara Cardella

doc20180618191128_001.jpg

 

Este livro conta a história de Annetta, uma miúda que sempre quis usar calças, numa época em que asmeninas e mulheres só estavam autorizadas a usar saia, estando as calças guardadas para o sexo masculino, ou para aquelas raparigas que ousavam desafiar a sociedade

 

No início, Annetta queria tornar-se freira, convencida de que as freiras usariam calças por baixo do hábito mas, quando essa teoria caiu por terra, desistiu.

Ainda pensou tornar-se rapaz, imitando em tudo o seu primo, até que percebeu que havia algo que diferenciava rapazes e raparigas, pelo que também essa ideia foi colocada de parte.

Só restava uma última hipótese. Quando formulou o seu pedido à mãe esta respondeu-lhe "os homens e as putas* é que usam calças". E foi uma dessas mulheres que Annetta tentou ser.

 

Até ao dia em que um tio a apanhou aos beijos com o namorado, e a levou ao pai, que lhe deu uma valente tareia. Sem conseguirem esquecer a vergonha, acabam por enviá-la uns dias para casa de uma tia, onde vai descobrir terríveis segredos, e perceber que nem tudo é o que parece.

 

Anos mais tarde, Annetta está casada. Os tempos são outros, e as regras não são tão rígidas.

No entanto, Annetta nunca usou calças.

Quando questionada pela tia sobre o que a levou a casar-se, Annetta responde:

 

"Posso mudar uma cabeça, todas não!"

 

Um livro que fala de violência infantil, pedofilia, da vida em meios pequenos onde todos se conhecem, de direitos, de mentalidades, da mudança, de sonhos proibidos e desfeitos.

 

 

 

*mulheres que, pelo modo de vestir e atitudes, possa ser considerada libertina

 

No Limiar dos 18

Resultado de imagem para no limiar dos 18

 

Gravei este filme para ver com a minha filha, no fim de semana. 

Embora ela esteja na fase dos filmes de terror, achei que poderia ser uma boa opção ver um filme de, e sobre, adolescentes, já que ela própria se encontra nessa fase da vida.

 

No início do filme, ficamos a conhecer Nadine, uma jovem de 17 anos que está completamente perdida na vida, sem noção do que é certo ou errado, e que toma atitudes loucas, umas atrás das outras.

Entretanto, recuamos no tempo e vemos Nadine e o seu irmão Darian, em crianças, a ir para a escola. O pai a conduzir, a mãe ao seu lado, e eles atrás. E é aqui que percebemos como a família é: o irmão autoconfiante e extrovertido, que se relaciona bem com todos e integra-se facilmente em qualquer grupo; Nadine, uma criança calada e introvertida, vítima de bullying, que não quer ir à escola e por isso faz birra e obriga a mãe a fazer todos os dias uma verdadeira ginástica para a arrancar do carro; o pai, um homem ponderado e brincalhão, que é o grande apoio de Nadine; e a mãe, uma mulher um pouco fútil e sem capacidade para entender ou ajudar a filha, preferindo o seu menino bonito e bem comportado.

 

 

Resultado de imagem para no limiar dos 18 nadine e christa

 

A vida de Nadine muda um pouco quando conhece Krista, e se tornam melhores amigas, ainda na infância, uma amizade que se prolonga pela adolescência até que, um dia, Krista começa a namorar com o irmão de Nadine.

 

 

Imagem relacionada

 

E é assim que a vida de Nadine começa a descambar. Depois de ter perdido o pai, o seu grande amigo, Nadine "obriga" Krista a escolher entre a amizade ou o amor, levando a que Krista lhe faça a vontade, e escolha o seu irmão.

Nadine não tem amigos, não se enquadra em lugar nenhum, nem consegue conviver com os restantes jovens da sua idade. 

Vive em guerra com o irmão, e com a mãe.

 

 

Resultado de imagem para no limiar dos 18

 

E começa a passar as suas horas de almoço, na escola, na sala de aula com o professor, Mr. Bruner. 

Em todo o filme, esta foi a personagem que mais gostei.

Qualquer estudante gostaria de ter um Mr. Bruner na sua vida - mais que um professor, um educador, um amigo, uma espécie de psicólogo também. A sua paciência, e a capacidade para lidar com Nadine é fora de série. 

 

 

Imagem relacionada

 

Há uma cena em que ela chega ao pé dele, senta-se e diz que se vai suicidar. E ele, fingindo ser apanhado de surpresa, diz-lhe que também tinha essa ideia, pega numa folha, e finge que lê o seu próprio bilhete de despedida.

 

 

Resultado de imagem para no limiar dos 18

 

Assim, enquanto vê todos à sua volta felizes, Nadine sente-se a mais, só quer desaparecer. E nem está minimamente interessada no seu colega Erwin, que gosta dela. 

 

 

Resultado de imagem para no limiar dos 18 nadine e christa

 

O seu coração bate por Nick e, num dia em que está completamente fora de si, escreve uma sms para ele, bastante explícita e até obscena, que acaba mesmo por enviar por engano.

Desesperada, recorre mais uma vez a Mr. Bruner, que a aconselha a relaxar, tirar a tarde, ir comer um gelado e, se precisar e as coisas correrem mal, a ligar para ele.

Quando Nick lhe retribui a sms, com um convite para sair, Nadine fica eufórica e produz-se de tal forma que a transformação é grande, e ela fica muito bonita e feminina.

Só que Nadine, ingénua, achava que era uma saída romântica quando o que Nick queria mesmo, era passar à acção, tal como ela tinha mencionado na mensagem.

Nadine percebe então que foi um erro, e teve a sorte de o poder desfazer a tempo, saindo do carro. Poderia não ter corrido tão bem, e ter destruído ainda mais a sua vida.

 

 

Resultado de imagem para no limiar dos 18 nadine e christa

 

É o professor que acaba por ir buscá-la e levá-la para casa, onde ela tem oportunidade de conhecer a sua mulher e o filho de ambos.

É também aí que ela leva uma bofetada sem mão do irmão, que passou a noite à procura dela, e que sempre esteve lá para tomar conta dela, e resolver os problemas pela mãe, para tentar manter o que resta da família de pé,com uma responsabilidade nas costas que não deveria ser sua. E que lamenta que estar com a única pessoa que o faz feliz (a namorada Krista), significa estar a destruir-la (a irmã).

Foi o abre olhos que Nadine precisava para deixar de se fazer de vítima, e começar a agir correctamente, fazendo as pazes com o irmão e a amiga, e dando uma oportunidade a quem realmente gosta dela, e que ela sempre menosprezou.

 

 

 

Um mundo cada vez mais dependente das drogas

Resultado de imagem para comprimidos

 

Da infância à velhice, caminhamos para um mundo cada vez mais dependente das drogas.

 

Na infância, temos crianças hiperactivas, que são obrigadas a tomar medicação para acalmar e conseguir concentrar-se.
Na adolescência, os nervos que antecedem os exames e provas, obrigam à toma de calmantes.
Na idade adulta, a pressão de uma carreira bem sucedida e a competição obrigam, muitas vezes, a tomar comprimidos para dormir, ou antidepressivos, ou ainda suplementos disto e daquilo, porque a alimentação não é a melhor. Ah, e os comprimidos para a memória, que já começa a falhar.
Mais tarde, com a idade a avançar e possíveis doenças, os mais velhos começam a ter uma pequena farmácia em casa, com medicamentos de todas as cores e feitios para tomar.


Longe vão os tempos em que tudo se resolvia à base de chás, xaropes naturais, mezinhas e afins ou tínhamos, simplesmente, que aguentar e ultrapassar o melhor que podíamos.
Felizmente, a medicina evolui à medida que a nossa sociedade se vai transformando, acompanhando-a nas mudanças, e oferecendo melhores respostas aos problemas que vão surgindo.


Mas, será que não estamos a cair no exagero, ao tentar solucionar tudo aquilo que nos afecta à base de drogas?


É este o mundo que nos espera, e aos nossos descendentes, no futuro - um mundo totalmente dependente das drogas?

Era uma vez um episódio de infância...

 

...que contei à MISS UNICORN, e que ela partilhou com todos na sua rubrica, só para que vejam que eu, em tempos, fui amiga dos animais, nomeadamente dos peixinhos!

 

(Claro que omiti a parte em que matei um peixe de aquário por excesso de comida, e que me entretinha muitas vezes a observar o sofrimento das formigas a morrerem afogadas, depois de as colocar dentro de água!)

 

Vão lá espreitar!

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP