Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Squid Game: a série de que toda a gente fala!

squid-game.png

 

Nos últimos tempos, não se fala de outra coisa senão nesta série da Netflix!

Do que tenho lido, só comentários positivos.

Há até quem acredite que será um sucesso ainda maior que La Casa de Papel.

 

A mim, não me inspirou muito quando vi o trailer.

A minha filha já viu. O meu marido começou a ver. 

Tinha a ideia de ser uma série de terror. Ao meu marido, só o ouvia rir, e até lhe perguntei se era uma comédia!

Acabei por ver o resto do primeiro episódio. E assistimos ao segundo.

Não sei se era por estar com sono, cansada, ou se é mesmo da série, mas achei que lhe faltava acção. Que estava a ser muito parada.

Entretanto, a acção vai aumentando, mas nem por isso a considero uma série fenomenal, como a têm pintado até aqui.

 

No fundo, o que se retira de Squid Game é:

- quando as pessoas não têm nada a perder, arriscam tudo, até a própria vida

- vale tudo por dinheiro

- num jogo onde só um pode vencer, depressa os amigos se tornam inimigos

- os que têm o poder na mão, tornam as pessoas meros peões no seu jogo

- pode-se medir o grau de desespero quando, perante a hipótese de liberdade, as pessoas voltam a querer jogar, independentemente das consequências

- há quem se divirta à custa de mortes gratuitas, sofrimento, miséria dos outros

 

Ainda assim, porque nem todas as pessoas são iguais, haja quem ainda se preocupe com os demais. Quem ponha os companheiros acima de um prémio. Quem arrisque a vida, para salvar a dos outros.

Quem pouco tem, mas ainda tenta dar esse pouco aos outros. Quem não se deixa comprar. Quem se mantém fiel à sua humildade e simplicidade, apesar de tudo o que passou.

 

 

Eram felizes, e não sabiam...

211531956_4510472218965218_6541614882154092882_n.j

 

Eram miúdos.

Brincavam na rua. 

Corriam pelos montes.

Aventuravam-se...

 

Caíam, e levantavam-se.

Mesmo com um joelho esfarrapado, ou um braço arranhado.

Não tinha importância.

 

Mergulhavam no tanque.

Tomavam banho à mangueirada.

Que importava?! Queriam era refrescar-se!

 

Madrugavam. Com o nascer do sol.

Acordavam ao som dos animais. 

Aqueles com quem conviviam, até irem parar ao prato. 

 

Alimentavam as galinhas.

Passeavam as cabrinhas.

Bebiam leite das vacas.

 

Corriam atrás das borboletas.

Fingiam caçar os pássaros.

Sonhavam ao ver os pirilampos.

E chegavam, ao fim do dia, cansados.

A olhar o céu estrelado, antes de fechar os olhos.

 

Ali, eram como uma grande família.

Uma família onde passavam os verões. As férias. Ou o ano inteiro.

Uma família com a qual cresceram.

Os pais, os tios, os avós, os vizinhos.

 

Os mimos.

A comida especial.

O aconchego.

 

Mas, um dia, quiseram partir.

Ou tiveram que partir.

E tudo mudou.

 

Os anos passaram.

Os avós, partiram. 

Os tios, partiram.

Os pais, partiram.

Alguns vizinhos, partiram.

 

Alguns miúdos, agora adultos, tentaram manter a ligação. A tradição. As memórias. 

Tentaram diminuir o efeito do tempo. Honrar a família.

E preservar aquele que será, sempre, o seu verdadeiro lar.

Onde podem reencontrar a felicidade, a paz, a tranquilidade.

A sua essência. As suas raízes. 

 

Outros, afastaram-se de vez.

Quebraram a ligação.

Abandonaram o passado, e não fazem ideia de lá voltar.

E, com esse abandono, com esse esquecimento, tudo o que lhe dizia respeito se foi degradando. aos poucos.

Tudo se foi perdendo.

 

No seu lugar, restam as lembranças de quem ainda por lá anda. As saudades de quem ainda por lá vai passando.

Quem sabe, um dia, a vida não volta àquelas casas, àquelas terras, àquelas gentes?

Quem sabe, os filhos pródigos não voltam, ao lugar onde eram felizes, e não sabiam, na esperança de agora, sabendo-o, voltar a ser...

 

 

Imagem de Nellya Brito

Este texto surgiu na sequência da imagem da Nellya. Mal a vi, vieram-me várias reflexões à mente.

A Nellya desafiou-me a escrever uma delas. E aqui está!

 

Os Santos Populares da minha infância

Festas juninas em Porto Alegre para levar as crianças - DiverDica

 

Ao fundo da rua onde morava, havia um largo.

De frente para ele, morava uma vizinha que enfeitava o largo com bandeirinhas de papel coloridas.

Havia alguém que travava de fazer a fogueira, que os mais atrevidos ou corajosos se atreviam a saltar.

A dita vizinha, na sua aparelhagem, punha música a tocar. Discos, de música popular, músicas de marchas populares e outras infantis.

Ali se juntavam as crianças das ruas próximas, a brincar, a dançar, e os familiares, a conversar enquanto davam uma olhadela aos mais novos.

Não me lembro se faziam alguma coisa para comer. Também não estava lá para isso.

Lembro-me só do quão éramos felizes com tão pouco.

Dizem que hoje é o Dia dos Avós...

Imagem relacionada

 

Por aqui, não conheci nenhuma das minhas avós, já que ambas faleceram muito novas, ainda eu nem sonhava que iria algum dia existir.

Não conheci o meu avô materno, que também partiu cedo.

Conheci o meu avô paterno. Em dias bons, não queria saber dos netos, pelo menos, do lado do meu pai. Em dias menos bons, quando se embebedava, dava-nos uma nota, para compensar.

Portanto, pouca relação tive com o dito, até ao dia em que faleceu. E, como não sabia o que era ter avós, nem senti falta deles.

 

 

Entretanto, fui mãe, e os meus pais tornaram-se avós.

Avós que foram segundos pais para a minha filha.

Uma avó que ficou com ela enquanto eu trabalhava, desde os 2 meses - que lhe dava de comer, que a embalava para dormir, que cuidava dela, que aturava as suas birras.

Um avô que brincava, que lhe ensinava coisas novas todos os dias, contava histórias, levava ao Jardim de Infância e ia buscá-la ao final do dia, que a levava consigo às compras.

Que ainda hoje lhe compra as goluseimas que a mãe não a deixa comer em casa!

Ao longo destes 15 anos, a casa dos avós é um ponto de paragem obrigatório, ou não ficasse a poucos metros da nossa casa.

A minha filha sabe o que é ter avós, e não podia ter tido melhores!

 

 

Que ela possa conviver com eles por muitos mais anos, e que guarde essas memórias para quando ela própria tiver os seus filhos, e tornar-me, a mim, e ao seu pai, avós!

 

 

 

 

 

Mente Brilhante

Resultado de imagem para mente brilhante

 

"Deixem as crianças ser crianças"

 

Nunca uma frase fez tanto sentido!

 

Frank Adler é um homem solteiro, que vive numa cidade costeira na Florida, com a sobrinha, Mary, de sete anos, de quem cuida desde a morte da sua irmã, quando Mary tinha apenas poucos meses de vida.

Era esse o desejo da mãe de Mary, para que a sua filha, ao contrário dela, pudesse ter uma vida e uma infância normal, como uma criança normal.

Durante esses sete anos, tudo correu bem.

Mas Mary é uma criança prodígio, com incríveis habilidades matemáticas que começam a diferenciá-la na escola, e a chamar a atenção dos professores e, consequentemente, da sua avó que vê na neta a oportunidade de dar seguimento e concluir aquilo que a sua filha não foi capaz.

  

O que mais choca neste filme, embora já estejamos habituados, é ver do que são capazes as pessoas para levar os seus objectivos adiante, sem pensar na pessoa que está a ser objecto de disputa, nas suas necessidades, no seu bem estar, na sua felicidade.

 

Por um lado temos o bondoso tio Frank, que proporciona à sobrinha uma vida simples, descomplicada, transmitindo-lhe os valores que considera mais importantes.

Um professor que abandonou tudo, e que agora conserta barcos por conta própria, para pagar as suas contas, e que nunca teve qualquer reconhecimento ao contrário da irmã sendo, a certo ponto, acusado de limitar a sobrinha por inveja.

 

Por outro lado, temos uma avó que não quer desperdiçar o talento da neta, e acha que ela está reservada para grandes feitos, e por isso quer a sua guarda, para lhe proporcionar tudo aquilo que o tio não pode.

No entanto, esta atitude é desprovida de altruísmo, e significa ocupar Mary, a tempo inteiro, com problemas matemáticos, sem infância, sem vida própria, tal como o fez com a filha, levando-a ao suicídio.

 

Frank vai ter, assim, pela frente uma dura batalha judicial com a mãe, para ficar com a custódia da sua talentosa sobrinha. Ambos com receio de perder a batalha, chegam a um acordo tão absurdo, que passa por Mary ser adoptada por um casal estranho, podendo ambos visitá-la e passar algum tempo com ela.

 

Um erro que pode sair muito caro para Mary, que se revolta contra o tio, quando este a deixa naquela casa.

Mais tarde, enquanto Frank é impedido de ver Mary, por esta não querer estar com ele, percebe-se que Evelyn está a controlar a neta, rodeando-a de professores, e privando-a daquilo que mais gosta, incluindo o seu companheiro felino, Freddy.

 

E esta foi uma das cenas mais emotivas para mim: o momento em que a antiga professora de Mary vê uma foto de Freddy, que foi dado para adopção, e avisa Frank. Quando este chega ao canil, o prazo da adopção já terminou, e Freddy está, juntamente com outros gatos, na fila para o abate.

 

Conseguirá Frank salvá-lo, e recuperar a sobrinha? 

Conseguirá Evelyn perceber o que está a fazer de errado, e emendar os seus erros a tempo?

Ou estará Mary condenada a viver a mesma vida que a mãe, com todas as consequências que isso possa trazer para a sua vida?