Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Há dias que nos inspiram!

a-mente-c3a9-maravilhosa.jpg

 

Há dias que nos inspiram.

Inspiram a mudar. 

A fazer.

A tomar a iniciativa.

A querer mais, e melhor.

Há dias em que nos sentimos cheios de energia, e vontade, e entusiasmo.

Há dias em que achamos que podemos tudo!

 

E, depois, há outros, que nos bloqueiam, deitando tudo isso pelo cano abaixo.

 

Há dias em que me decido a fazer uma limpeza geral à casa.

Em mudar as cortinas.

Em substituir o que está estragado.

Em tirar aquilo que não faz falta.

Em dar um destino a tanta roupa e brinquedos que lá tenho desde que a minha filha era pequena.

Em ver se dou um rumo ao meu futuro livro, encalhado há mais de 3 anos por falta de ideias (ou por ideias a mais que não sei bem como conjugar).

A fazer uma mudança.

Porque mudança gera mudança.

E, quem sabe, não leva a outras mudanças.

 

Depois, porque nada disto chegou a ser posto em prática no momento, vêm dias em que perco esse entusiasmo, trocando-o pelo comodismo, pela preguiça, pelo apego.

Olho para as coisas que ía despachar, e percebo que não as quero despachar, voltando a pô-las no mesmo sítio.

Olho para a despesa que vou ter, e penso que pode esperar, ficar para depois, quando der mais jeito financeiramente.

Começo a recear a mudança, e a acreditar que é melhor ficar tudo como está. Porque até não está mal.

Falta a paciência, e a imaginação.

Falta garra, e energia.

E, em vez de "pegar o touro pelos cornos" e pôr mãos à obra, acabo sentada num sofá, a fazer tudo menos aquilo que pretendia, adiando indefinidamente as acções.

Esperando por outros dias, que me voltem a inspirar, e me levem para lá dos pensamentos e ideias, que nunca se chegam a concretizar.

 

Caixas solidárias para quem mais precisa

 

95344178_2853343628114257_5280292987669053440_n.jp

Hoje, a caminho do trabalho, deparei-me com esta caixa solidária!

Achei uma boa iniciativa. 

Não sei até que ponto funcionará. 

 

 

94482375_2853343938114226_8696895130394689536_n.jp

Com pessoas sempre por ali a passar, até porque fica em frente a um restaurante, talvez haja uma certa inibição.

Mas espero que possa ajudar quem mais precisa, que quem pode possa deixar por lá algo para os que menos têm, e que quem tiver que se servir deixe também para o próximo.

 

 

Mafra está a distribuir kits de máscaras por toda a população

92937426_3111325088911912_547902024398667776_o.jpg

 

Aqui no concelho, o Presidente da Câmara distribuiu por toda a população, kits com 8 máscaras (1 kit por família/ casa).

Depois das imensas dúvidas, de como seria, caso o uso da máscara fosse obrigatória - se teríamos de comprar, se seriam distribuídas nos espaços públicos e transportes, ou como teríamos acesso a elas, sobretudo tendo em conta o preço, e a escassez das mesmas, eis que surge esta excelente iniciativa da Câmara Municipal de Mafra, que é de louvar.

Durante o dia de ontem, foram colocados os kits nas respectivas caixas de correio.

 

Dizem que estas máscaras, agora distribuídas, deverão ser suficientes para 2 meses.

Ora, na nossa casa, somos pelo menos dois a sair, pelo que, ainda que só se vá às compras uma vez por semana, há sempre outras situações em que poderemos ser obrigados a usá-la.

Assim, duvido que 8 máscaras sejam suficientes para os dois meses que seria suposto durarem.

Mas é uma grande ajuda e, agora, caberá a cada um, fazê-las render.

 

A indiferença do ser humano para com os que o rodeiam

Resultado de imagem para indiferença

 

Estava, no outro dia, no carro, com o meu marido, a descer a rua do meu trabalho, quando vejo um senhor que costumava encontrar algumas vezes, quando ia levar a minha filha à escola.

O senhor tem dificuldades de visão. Não sei se será totalmente cego, mas vê muito pouco, e anda sempre com a sua companheira bengala branca, para saber, literalmente, onde pôr os pés.

 

Nesse dia, o senhor estava à beira da estrada, por sinal movimentada, e ora dava um passo à frente, iniciando a travessia para o outro lado da mesma, ora dava um passo atrás, provavelmente alertado pelo som dos carros que desciam a rua. Ainda fez isto duas ou três vezes, até decidir que era mais seguro ficar no mesmo sítio.

 

Dizia o meu marido que é triste, ninguém ajudar o senhor a atravessar a estrada.

É verdade.

As pessoas, hoje em dia, e cada vez mais, com as devidas excepções, tendem a pensar mais em si próprias, na sua vida, nos seus problemas, que nos outros.

 

É incrível a indiferença do ser humano para com todos aqueles que o rodeiam, nas mais diversas situações.

Muitas vezes, olhamos mas fingimos que não vemos.

Ou estamos com demasiada pressa para prestar ajuda a quem dela precisa.

Algumas vezes, achamos que haverá alguém que tome a iniciativa e, como tal, não temos que nos preocupar.

Não raras vezes, até manifestamos, em pensamento, a intenção de agir, mas não passa mesmo do pensamento.

Outras, simplesmente, pensamos em nós mesmos.

 

 

A propósito, vi um vídeo esta semana, em que uma mulher, no comboio, deu o seu lugar a um senhor idoso, depois de os restantes passageiros olharem para ele de lado, ignorando-o, ficando ela de pé por várias horas. Só mais tarde, quando o revisor indicou à senhora um lugar vazio noutra carruagem, perceberam que a própria também tinha dificuldades de locomoção e, ainda assim, tinha feito aquilo que mais ninguém fez.

E, na realidade, já me deparei, por diversas ocasiões, com assentos livres, ou meramente ocupados por malas, mochilas ou qualquer outra coisa, e não deixarem ninguém sentar-se, ou afirmar que os lugares estavam guardados!

Ainda este verão, num dos dias em que íamos no autocarro, iam várias pessoas em pé, quando havia um lugar livre. Mas a pessoa que estava no assento ao lado, em nenhum momento, se chegou para o outro, ou deu passagem para alguém se sentar.

 

 

Infelizmente, a indiferença e inacção manifestam-se das mais variadas formas, e nas mais diversas situações, muitas vezes para com aqueles que mais precisavam que reparássemos neles.

Seja por preguiça, por egoísmo, por desprezo ou, simplesmente, porque esperamos que alguém faça aquilo que, a nós, não nos apetece muito...

 

 

 

A Biblioteca do Portal da Saúde

Resultado de imagem para emoções relações e complicações

 

O Portal da Saúde tem agora uma biblioteca de livros interactivos à disposição de todos os utentes.

"Emoções, Relações e Complicações" é um livro que aborda os vários tipos de violência e ajuda a analisar se as relações à nossa volta são saudáveis ou tóxicas. Porque todos nós, em qualquer fase da vida,podemos estar sujeitos a ambientes e situações de violência, seja ela física, psicológica ou de qualquer outra espécie.

Podem ler o livro AQUI.

 

 

Estão ainda disponíveis os seguintes livros:

 

Resultado de imagem para tropeções, quedas e trambolhões

 

(ler AQUI)

 

 

 

Resultado de imagem para comer, beber e viver

(ler AQUI)

 

 

Resultado de imagem para saúde no inverno portal da saude

(ler AQUI)

 

Podem também consultar a Biblioteca de Literacia em Saúde e o Diário da Minha Saúde através da Área do Cidadão.

 

 

Sem dúvida, uma excelente iniciativa do Ministério da Saúde!