Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Como a falta de (in)formação se reflecte na inclusão

Imagem relacionada

 

A todos os níveis.

 

 

"Um dia, um professor de substituição foi dar uma aula de educação física. 

Na turma que lhe calhou, havia um aluno com necessidades educativas especiais. Sem formação específica e não sabendo bem como agir numa situação que nunca lhe tinha surgido, optou por não o incluir nas actividades que propôs aos restantes alunos, nem encontrar actividades alternativas para o aluno em questão."

 

 

Neste caso, como deveria ter agido?

Tratado o aluno de igual forma e colocá-lo a fazer o mesmo que os outros, encontrar exercícios específicos para a sua condição, ou adaptar as actividades, de forma a que todos, à sua maneira, conseguissem levá-las a cabo com relativo sucesso?

 

Na turma da minha filha existem alunos com necessidades educativas especiais, que apenas frequentam, em conjunto com os restantes alunos, duas ou três disciplinas. As restantes, são leccionadas em separado.

Será isto inclusão?

Igualar em algumas coisas, diferenciar noutras?

 

 

Estes são apenas exemplos de situações em escola, mas que podem facilmente saltar para a vida adulta, para um contexto laboral ou social.

 

 

Cada vez mais se pretende dar a todos as mesmas oportunidades, independentemente de quem está do outro lado e, por isso, a inclusão acaba por ser quase obrigatória, ainda que nem sempre se saiba como colocá-la, da melhor forma, em prática, perdendo a sua eficácia, com consequências negativas, que não estavam previstas, e que se poderiam evitar.

 

A verdade é que a verdadeira inclusão, em todos os seus sentidos e formas, ainda é uma utopia na maioria dos casos.

Aquilo a que assistimos, muitas vezes, é a uma mera tolerância.

Seja por falta de formação e informação, tanto de profissionais e alunos nas escolas, como enquanto seres humanos e cidadãos, no nosso dia a dia, e em diferentes contextos.

Por vezes, com algumas tonalidades de racismo, xenofobismo, discriminação, rejeição, repugnância, mascarados de cinismo, fingimento, aparências, e falsas boas acções e intenções.  

Outras vezes, as intenções até são, de facto, positivas, mas faltam ferramentas para as colocar em prática.

 

Penso que, acima de tudo, é preciso definir o verdadeiro significado de inclusão, e de que forma ele se reflecte sempre em igualdade, ou no respeito, aceitação e adaptação à diferença, de todos os envolvidos. 

 

 

Quem sou eu?

Imagem relacionada

 

Sabem aquelas alturas em que determinadas situações nos incomodam, e determinadas pessoas nos dão nervos, e gostaríamos de lhes dizer que não estão a perceber nada, nem a agir da melhor forma, e que deveriam mudar a sua atitude, para as coisas resultarem?

 

Aquelas alturas em que temos todo um discurso preparado, com imensos conselhos e opiniões sobre a questão, baseados naquilo que fomos observando e lidando com?

Em que consideramos que agir da forma que recomendamos traria muito mais felicidade a todos?

 

Há momentos em que isso me acontece.

Em que bastava uma dessas pessoas me perguntar, e eu desfilaria toda a minha análise à questão, e a forma como julgo que os outros deveriam agir.

 

A intenção é boa. Mas de boas intenções, está o inferno cheio!

E ninguém me perguntou nada. Em momento algum foi pedida a minha opinião.

Por isso, calo-me, e calo o meu subconsciente.

Além disso...

 

 

Quem sou eu para dizer o que quer que seja, para dar conselhos a quem quer que seja?

O que me leva a pensar que sei mais do que os outros, que posso ajudar mais que os outros, que tenho mais experiência que os outros?

Aquilo que eu tenho, para me basear, é apenas aquilo que me é dado a conhecer. Será suficiente, ou precisaria de conhecer o todo?

E essa aparente sabedoria para com as questões de terceiros, também funciona comigo e com os meus?

Ou, em casa de ferreiro, espeto de pau? Façam o que eu digo, mas não o que eu faço? 

 

 

Quem sou eu para, mesmo observando a realidade e, eventualmente, tendo razão, mostrar aos outros o quão enganados ou errados podem estar, sem que eles estejam disponíveis ou receptivos a esse abrir de olhos, e sem ferir susceptibilidades?

E se fosse ao contrário? Será que gostaria? Será que aceitaria? Ou pensaria o mesmo "quem é que pensa que é?".

Pois...

 

 

Quem sou eu?

Apenas mais um peão deste mundo, nem mais nem menos que ninguém, a tentar fazer o melhor que sabe, com o melhor (e o pior) que tem, na descoberta de que, por mais que queiramos ajudar quem nos é mais próximo, nem sempre temos o direito de nos intrometer na vida alheia sem permissão para tal.

Salvação ou naufrágio?

 

Feliz ou infelizmente, não percebo nada de política. Nem tenho intenções de perceber, embora devesse.

Por isso mesmo, a minha maneira de ver as coisas reflecte unica e exclusivamente uma mera opinião.

Opiniões que também outras pessoas emitem, e que têm oscilado entre os elogios (poucos) e as críticas (muitas), tanto ao anterior governo, como ao actual.

O actual primeiro ministro, na sua campanha eleitoral, prometeu muitas coisas para logo em seguida, já eleito, se contradizer em todas elas. Terá sido pura estratégia política? Ou encontrou um cenário mais negro do que esperava? Não sei...

Quando Sócrates deixou o cargo de primeiro ministro, a maioria do povo o criticou por ter deixado o país neste estado. Hoje, esse mesmo povo preferia ter cá o Sócrates de volta, no lugar de Passos Coelho. Dizem algumas pessoas que "pelo menos o Sócrates nunca nos foi aos bolsos!".

A verdade é que a crise que hoje enfrentamos tem raízes mais profundas e começou a ser cultivada muito antes destes dois governantes. Também é verdade que, pela nossa experiência, sabemos que qualquer um que venha a assumir o poder terá a mesma política ou pior, que o que lá está agora.

A questão que se coloca, e para a qual ainda não consegui encontrar resposta, é quanto às "boas intenções" de Pedro Passos Coelho.

Imaginemos uma empresa que, embora com alguns problemas, se tem vindo a afirmar no mercado e conseguido manter-se estável. Imaginemos um gerente que, em nome da resolução desses problemas, expansão da sua empresa, maior reconhecimento ou, quem sabe, para proveito próprio, acaba por tomar decisões erradas, e pôr em risco a viabilidade da empresa. Apesar disso, os funcionários estão razoavelmente satisfeitos, até porque lhes foram concedidas algumas regalias...No entanto, quando começam a vislumbrar, ao longe, a possibilidade de a empresa "afundar", as coisas mudam. O gerente não está a desempenhar correctamente a sua função e é preciso que outro o substitua.

Vem então um novo gerente, intitulado de "salvador", e começa a tomar uma série de medidas que ninguém entende, a cortar daqui e dali, a despedir funcionários, a reduzir os ordenados dos que ainda lá ficam e, de repente, o novo gerente passa de bestial a besta, e a besta anterior a bestial! Afinal, mesmo com a empresa em risco de falir, os funcionários nunca foram antes afectados. E agora são.

Não sei se Pedro Passos Coelho será o salvador do nosso país, ou se estará apenas a seguir pelo caminho que o levará ao naufrágio. Quero acreditar que não. Que o que agora está a ser feito é o procedimento necessário e possível, em consequência de uma má gestão anterior, mesmo que por isso seja odiado por todos. De qualquer forma, a serem boas as intenções do governo, as mesmas não lhe dão o direito de agir até ao extremo oposto. Há limites. E falta, acima de tudo, clareza. Respostas concretas. Resultados visíveis.

Estamos a fazer sacrifícios mas não sabemos exactamente para quê. Estão-nos a tirar tudo e mais alguma coisa, mas não sabemos em que é que isso ajuda o país. E, como sempre, apenas aos mais pequenos exigem sacrifícios, porque nos grandes não se lhes pode tocar.

Tenho a certeza que, se um gerente chegasse ao pé dos seus funcionários com toda a frontalidade e explicasse a real situação da empresa, explicasse que medidas teria que tomar para a salvar e, depois, na prática, os funcionários constatassem que os seus esforços estavam a dar frutos, a indignação não seria tão grande.

Se o próprio gerente se incluísse nos mesmos sacrifícios e trabalhassem em conjunto para o mesmo fim, os protestos não se fariam sentir. 

Agora, se um gerente apresenta medidas implacáveis, explicadas por meias palavras, com promessas vagas que raramente são cumpridas, e os funcionários, apesar dos seus esforços, não vêm resultados, parecendo que a empresa continua a caminhar para a falência, e que os sacrifícios só estão a servir para beneficiar o gerente e afins, é perfeitamente normal que a revolta esteja presente, e se manifeste cada vez com mais força!

  • Blogs Portugal

  • BP