Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Como acordar bem disposta num sábado de manhã!

Resultado de imagem para irritada

 

Uma pessoa passa a semana inteira a desejar o sábado.

Porquê?

Porque sábado é aquele dia em que podemos dormir até mais tarde. Em que o corpo pede por mais umas horinhas de sono.

E é o primeiro dia do fim de semana!

Tudo bons motivos para acordar bem disposta!

Só que não 

 

Seis da manhã: primeiro round - gatas a morderem-se uma à outra

Levanto-me em modo zombie, ponho comida e volto para a cama.

 

Sete da manhã: segundo round - gatas a morderem-se de novo

Levanto-me, abro as corinas, puxo as persianas para cima, limpo as janelas, limpo as caixas de areia e volto para a cama

 

Nove da manhã: terceiro round - desta vez, estão as duas na cama, mas continuam a morder-se

Desisto! 

Levanto-me de vez, e despacho-me para ir às compras.

 

Chego à cozinha, vejo uma escavadora em frente.

Oh não, outra vez obras?

Barulho. Gatas assustadas. Lamaçal à porta e pela rua fora.

E... cortaram a água!

 

A sério?!

Vêm para aqui, não aviam ninguém, e ainda cortam a água?

E se eu tivesse roupa a lavar na máquina, e esta se avariasse por causa disso, quem se responsabilizava?

E se eu estivesse a tomar banho?

Pensei em desenrascar-me na casa dos meus pais, que é um pouco mais acima, mas desisti, quando percebi que uma vizinha que mora ao pé deles veio reclamar que também não tinha água em casa.

 

Valeu-me um garrafão de água que o meu marido comprou há meses, e nunca chegou a beber a água. 

E lá fiz as coisas à moda antiga: aquecer a água no fogão para o básico, e esperar que, quando viesse das compras, tudo já estivesse normalizado.

Passei pelos meus pais. Já tinham água!

O meu marido ligou-me pouco depois, a dizer que também já tínhamos em casa.

Segundo o informaram, foram resolver uma avaria.

Pois não sei que avaria resolveram, mas o que é certo é que, coincidência ou não, desde esse dia as minhas torneiras ficam sempre a pingar.

 

E para completar este sábado fenomenal, só mesmo os aviões aqui a passar por cima das nossas cabeças como se nos fossem cair em cima, e a fazer um barulho ensurdecedor!

O limite da paciência

Resultado de imagem para impaciência

"Por qué no te callas?!"

 

 

Sabem aquele momento do dia em que, finalmente, podem pegar no vosso livro e aproveitar para ler um bocadinho, e acabam por ficar quase meia hora na mesma página, porque quem está por perto só quer conversa e nunca mais se cala? 

 

Esta poderia ter sido eu, ontem!

 

 

Os vários estádios da paciência:

"Não estavas com fome?"

"É melhor ires jantar!"

"Mas não estavas a jantar?"

"Vai lá comer."

 

15 minutos depois, ainda com vontade de conversar, e eu: 

 

"É melhor ires tomar banho."

"Daqui a pouco estás a fazer a digestão"

"Mas ainda aqui andas?"

"Vai tomar banho."

 

Nisto, já lá vai quase meia hora, e eu a ventilar...

Até que, ultrapassado o limite da paciência, saiu isto, em alto e bom som, que até as gatas se assustaram:

 

"É pah, deixa-me ler o livro!"

 

 

 

 

 

 

 

 

Intragavelmente Stressada

 

Ultimamente ando insuportável, intragável, irritada, stressada...imprópria para consumo!

E, coincidência ou não, desde aquele dia do acidente.

É que, depois do pânico, seguido do alívio de estar de volta a casa, veio a fase mais complicada.

Nomeada representante, pelo meu namorado, uma vez que estou mais habituada a estes assuntos legais, têm sido dias atrás de dias a telefonar para a nossa companhia de seguros e para a gestora de processo da outra companhia. Telefonemas para resolver o problema do reembolso de despesas de reboque e transporte, veículo de substituição, arranjo na oficina, pedir relatórios médicos, reuniões com avaliador dos danos físicos, marcação de peritagens de danos corporais...

Ou seja, um monte de burocracias que, infelizmente, têm que ser seguidas, e para as quais me disponibilizei de imediato para tratar, mas que só me fizeram lembrar mais aquilo que só queria esquecer.

Juntando a este stress, as birras da minha filha logo nos dias a seguir ao acidente, o facto de ter estado quinze dias sem poder ver o meu namorado, o stress do trabalho que não correu muito bem, e tudo aquilo que ainda tinha para fazer quando chegava a casa, consegui o cenário ideal e mais parecido com um vulcão pronto para entrar em actividade a qualquer instante!

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP