Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"À Procura do Amor", de Jodi Picoult

95C03756-F216-43C3-8198-A0A5BC2CED8B_r1.jpeg

 

Este foi dos livros que menos gostei da autora.

Nem parecia uma obra dela.

A forma como a história é contada, ora por uma personagem, ora por outra, e com recuos e avanços à toa, torna-se confusa, e pouco apetecível de ler. É que nem do presente para o passado, ou do passado para o presente. É conforme calha.

Então, temos alguém no destino que, no capítulo seguinte, ainda está a meio caminho para, logo em seguida, ainda nem ter partido mas, afinal, já estar de volta enquanto, adiante, ainda permanece no mesmo sítio.

 

Depois, penso que ficou muito por abordar, em temas que já foram falados, noutras obras, de forma muito mais aprofundada.

Temos, como a autora já nos habituou, a parte animal, que aqui se centra nas baleias, mas não cativa.

Depois, a ligação entre dois irmãos, que acaba por ser o que mais se destaca. 

Jane vê, em Joley, o seu "porto seguro", o seu conselheiro, a pessoa a quem recorre quando não sabe o que fazer. Apesar de ser mais velha. E de, noutros tempos, ter sido ela a protegê-lo.

 

Tudo o resto, não se compreende,

Uma mulher, Jane, que, no passado, foi vítima de agressões por parte do pai e, agora, adulta, vê-se, ela própria, agressora, quando bate no marido. Mas há tudo o que a levou a isso. Será que ela se pode tornar em alguém como o pai? A mim parece-me que não tem muito a ver.

Uma mulher que, segundo ela, foi molestada sexualmente pelo pai, sendo que isso em nada afectou o seu relacionamento com o actual marido mas, de repente, anos mais tarde, a faz chorar quando está prestes a ter relações sexuais com alguém por quem se apaixonou.

Uma mulher, que começou a namorar aos 15 anos, e que agora, adulta, considera que pode ter uma paixão por um homem 10 anos mais novo, mas que não compreende, nem aceit,a que a sua filha, de 15 anos, se possa apaixonar  por um homem com a mesma diferença de idades, mas no sentido oposto.

Uma mulher que percorreu quase um país inteiro para fugir do marido (ou dela própria), com a filha de ambos, algo que já tinha feito uma vez, quando o marido a agrediu, e depois volta para ele, e para a casa, como se nada fosse, para um novo recomeço. Como uma espécie de castigo, ou punição, por todo o sofrimento que causou. Uma espécie de solidariedade: já que a filha não pode ser feliz com quem ama, ela também não.

E se tivesse pensado nisso antes, não teria evitado tudo o que aconteceu? 

Não poderiam, agora, estar as duas felizes?

O egoísmo é tramado.

 

Um homem e amigo, Sam que, por conta dessa mulher, Jane, põe em causa a amizade, o comportamento e as intenções do seu amigo Hadley, como se não o conhecesse.

Um homem que prefere afastar quem sempre esteve ao lado dele, só porque a mulher por quem está apaixonado lhe pede isso como condição para a ter, ainda que temporariamente.

 

Uma filha, que não tem grande ligação com o pai, e cuja mãe, ainda que indirectamente, contribui para o fim abrupto do seu relacionamento, volta com eles para casa para formarem a família feliz, como se nada tivesse acontecido.

 

Um irmão, Joley, que sente uma ligação e um amor estranho pela irmã.

Um amor que quer exclusividade, que é possessivo mas, ao mesmo tempo, vivido à distância, dando-lhe liberdade, porque sabe que ela o procura sempre. 

Um amor que abdica. Que não prende. Mas que está sempre lá.

 

Um homem, Oliver, que põe a sua investigação e trabalho sobre as baleias à frente da família. À frente da mulher, e da própria filha.

E, ainda assim, se elas saem da sua vida, corre mundo para as levar de volta para casa, porque as ama, e não pode viver sem elas. Mas não é isso que ele tem, de certa forma, feito?

Ou o facto de elas estarem lá, é suficiente para achar que são uma família?

 

No fundo, aquilo que Jane fez, e para o qual arrastou Rebecca, foi entrar na vida de outras pessoas, virá-las do avesso, deixar um rasto de dor, sofrimento e morte, e todos infelizes, para logo em seguida partir, de volta à sua vida habitual. Até que algo a faça fugir de novo...

E Oliver encarregou-se de levá-las de volta, onde pertencem, de onde nunca deveriam ter saído, deitando por terra o "grito" que foi dado por ambas, com a sua fuga.

O que se retira desta história é que de nada serve ter vontade própria, querer mudar de vida, arriscar, querer ser feliz, porque outros valores se sobrepõem.

Realidade? Ou desculpa para a falta de coragem?

 

Não gostei da forma como a história se desenrolou, e muito menos do seu final.

Soa a retrocesso. Ao regresso a um passado não muito distante, que se queria já enterrado, e ultrapassado.

Ninguém fica junto por causa dos filhos. Ou não deveria ficar.

Ninguém fica junto sem se amar realmente. Ou não deveria ficar.

Não em pleno século XXI.

E no meio deste casamento entre Jane e Oliver que, bem vistas as coisas, se calhar até se merecem um ao outro, quem pagou foram todos os outros, que serviram de meros figurantes.

 

Este é daqueles livros que, se quiserem ler, devem fazê-lo antes dos restantes da autora, para que a recordação seja das excelentes obras que escreveu, e não desta, que deixa muito a desejar.

 

 

 

"Tempo de Partir", de Jodi Picoult

450.jpg

 

Dos melhores livros que li da autora, até agora, pela forma como conduziu toda a história e me surpreendeu no final!

Ao contrário dos últimos que tenho vindo a ler, nesta história não há advogados nem processos em tribunal.

Mas há animais.

Elefantes!

Um estudo aprofundado sobre eles, a forma como se relacionam entre si, como se organizam em manadas e, bem a propósito, de como fazem e vivem o luto.

Ah, e claro, como não poderia deixar de ser, ou não estivéssemos a falar de elefantes, da sua memória.

 

Jenna é uma miúda de 13 anos, que vive com a avó.

O seu pai está internado numa clínica psiquiátrica desde o dia em que a mãe desapareceu, e ocorreu um acidente no seu santuário de elefantes, que vitimou uma das tratadoras.

Já passaram vários anos, e Jenna não sabe se a mãe está viva ou morta e, se vive, porque nunca a procurou, porque não a foi buscar? Será que a abandonou? Será que não a amava?

Disposta a gastar as suas economias para tentar descobrir o que aconteceu com a mãe, Jenna envolve-se com Serenity, uma médium caída em desgraça que, um dia, já foi famosa, e o detective Virgil, que estava encarregado do caso da sua mãe na época. 

 

À medida que vão investigando, e descobrindo pistas, mais dúvidas surgem, e mais certezas se começam a formular.

Afinal, nem tudo era o que parecia, e nem todos se davam assim tão bem como aparentavam.

Entre a mediunidade de Serenity, e a objectividade de Virgil, Jenna tenta encontrar uma explicação lógica, que lhe diga onde, e como, está a mãe, ainda que isso seja declará-la uma assassina.

Vamos conhecer melhor a Alice, mãe de Jenna, a sua missão, e a sua investigação que, em determinado momento, se misturam com o trabalho desenvolvido por Thomas, que viria a ser seu marido e pai da sua filha.

 

A determinado momento, Serenity explica que existem alguns mitos sobre a vida após a morte, e a reunião dos entes queridos é um deles. Por norma, o que acontece é que, quem está mais evoluído espiritualmente, segue adiante, enquanto os outros ficam mais atrás e, como tal, a probabilidade de se juntarem é pouca.

Explica ainda que existe uma diferença entre fantasmas e espíritos, sendo que os primeiros são aqueles que vagueiam num plano transitório, porque ainda não estão prontos para seguir em frente, ou têm algo por resolver neste mundo, enquanto os espíritos já passaram esse nível.

E afirma que os espíritos não se manifestam para a pessoa viva de forma a que esta os reconheça, mas da forma como querem ser lembrados.

 

Ao longo da história, vamos ver que muito do que ela diz bate certo mas, por outro lado, também há situações que contrariam essas teorias.

O que é certo, é que todo o enredo nos leva numa direcção e, quando chegamos ao final, é quase como se nos virassem de cabeça para baixo, e percebêssemos que estávamos a ver o "filme" todo ao contrário!

Afinal, quem está vivo? E quem está morto?

Quem morreu? E quem matou? 

Quem é bom? E quem é o vilão?

 

Só vos digo uma coisa: teria adorado conhecer a Maura!

Este livro aumentou, sem dúvida, ainda mais o meu fascínio pelos elefantes :) 

"O Poder das Pequenas Coisas", de Jodi Picoult

500x.jpg

 

Racismo.

Este é o tema central da história, inspirada num acontecimento real,  que Jodi Picoult quis abordar levando-a, porém, para um caminho e desfecho diferente.

 

Serão, as pessoas brancas, racistas por natureza?

Acredito que todos sejamos um pouco racistas. Não especificamente, os brancos em relação aos pretos, mas de uma forma geral. Muitas vezes, sem nos darmos conta. Em pequenas coisas, ou situações. Ainda que sem aquela intenção inerente de "agredir", de menosprezar, de diminuir os outros.

Todos nós podemos discriminar, ou ser discriminados, por qualquer uma das nossas características, seja ela física, cultural ou qualquer outra.

 

Serão, as pessoas brancas, privilegiadas à nascença, e ao longo de toda a sua vida, apenas pela sorte de ter nascido com esse tom de pele?

Sim, há pessoas que, mesmo não tendo feito nada para tal, acabam por ser privilegiadas por diversos motivos, como o local onde nasceram, a riqueza, o tom de pele, a religião e por aí fora.

Mais uma vez, não é um exclusivo das pessoas brancas.

 

No entanto, esta história é sobre pessoas brancas, e pessoas negras.

Sobre oportunidades, e privilégios.

Sobre aquilo que é tido por adquirido, e aquilo pelo qual se tem que lutar.

Sobre aceitação. Sobre poder de encaixe. Sobre resiliência e resignação.

Sobre ouvir, calar e perdoar.

Sobre desvalorizar, ainda que se tenha que anular.

Sobre pré julgamentos.

Sobre direitos. E deveres.

 

E, se é verdade que pessoas negras, como Ruth, estão em clara desvantagem, por conta de um sistema que aí as coloca à partida, de racistas activos, que fazem questão de mostrar o seu ódio, e de racistas passivos, que não questionam e nada fazem para mudar o sistema, também é verdade que esse "racismo" não é, de todo, unilateral.

Por outro lado, não se deve julgar o todo pela parte. E descarregar frustração, e anos de discriminação, apenas por serem negros, culpando os brancos, não deixa de ser, também, uma prática implícita de racismo.

Sim, podem não ter facilitado as coisas, podem não ter desbravado o caminho, podem ter ficado alheados ou abster-se de intervir.

Mas a culpa não recai sempre, e só, sobre uma das partes envolvidas. Sobretudo, se a outra não se impuser, não lutar, não se aceitar, não se valorizar. Se passar o tempo todo a agir como inferior. A acreditar que o seu lugar é a servir, e não a ser servido. Se passar o tempo todo a querer ser como aqueles que acusa de racismo, e a tentar encaixar-se no meio deles, em vez de mostrar o que vale, e se orgulhar da pessoa que é.

Cada vez mais as pessoas, ao querer estar um pouco em cada um dos lados, acabam por nunca estar em nenhum deles, nem pertencer verdadeiramente a nenhum deles.

 

Posto isto, e no que respeita à história em concreto, não há dúvidas de que Ruth, uma enfermeira negra com mais de vinte anos de experiência, é vítima de racismo.

Primeiro, por parte de Turk e Brit, dois brancos supremacistas que exigem que Ruth não volte a tocar no seu bebé, apenas porque é negra, sem qualquer outra queixa a nível de atendimento e trabalho enquanto enfermeira.

Depois, por parte da chefe que, atendendo ao pedido dos pais, e querendo salvaguardar o bom nome do hospital, acede ao pedido, sabendo que ela é das enfermeiras mais qualificadas e profissionais que ali trabalha.

E, por fim, quando o bebé morre, e Ruth é acusada de homicídio. Porque alguém tinha que ser sacrificado, em detrimento do hospital, e ela era o bode expiatório perfeito.

Porque, se ela cumpriu as ordens da sua superior, e não auxiliou o bebé porque a tal não estava autorizada, agiu mal e pôs em risco a vida do bebé. Ou então, ela ignorou essa ordem, prestando auxilio, e não o fez como deveria, levando à morte do bebé. 

Estes são os argumentos que vão ser levados a tribunal, para dá-la como culpada. Para além do óbvio, que os pais do bebé veem: é negra, logo, culpada.

Ruth terá que provar que tudo fez para salvar o bebé e que, o que quer que tenha feito, não o foi por vingança, ou retaliação por ter sido vítima de racismo.

 

Quando as pessoas vivem demasiado tempo oprimidas, com questões por resolver, com palavras caladas e atitudes contidas, é normal que, um dia, a coisa descambe, e elas saiam fora dos eixos.

Por vezes, é libertador. É inofensivo. E funciona, permitindo seguir em frente.

Outras, leva a caminhos mais sombrios, a violência gratuita, a culpabilização de terceiros, para evitar a autoculpabilização.

Penso que Ruth e Turk representam bem estes dois opostos.

Ruth quer soltar a voz que durante anos calou, e falar do racismo de que é vítima, acabando por mostrar um pouco do seu racismo contra os brancos, ainda que isso lhe tenha saído no calor do momento.

Já Turk e, sobretudo, Brit, mostram às claras aquilo que defendem, o seu ódio aos negros, e chegam mesmo às ameaças.

Tudo indica que, se não obtiverem justiça de uma forma, a farão por sua conta, de outra.

 

Mas, um dia, tudo pode mudar.

A vida gosta de, quando menos esperamos, mostrar a sua ironia.

A hipocrisia por detrás da inflexibilidade.

A essência por debaixo da capa

E provar que as pessoas podem mudar.

Seja para pior. Ou para melhor...

 

 

 

 

Em Troca de Um Coração, de Jodi Picoult

9789722626491_1594290164.jpg

 

Shay está no corredor da morte.

Claire, na lista de espera para transplante de coração.

Shay irá ser executado brevemente por injecção letal.

Claire, irá morrer brevemente, sem um coração novo que lhe prolongue a vida.

Shay quer doar o seu coração a Claire.

Claire prefere morrer, a aceitar "aquele" coração.

 

E o que tem a dizer June, a mãe de Claire? E de Elisabeth, a sua outra filha, que Shay assassinou a sangue frio, tal como ao seu marido?

Estará ela disposta a ignorar tudo isso, para salvar a filha que lhe resta? 

Pensará ela que é algo que ele lhe deve? Ou, pelo contrário, recusará o coração por não lhe querer satisfazer essa última vontade?

Conseguirá ela lidar com a filha, sabendo que dentro dela bate o coração de um assassino? Um assassino que lhe disse, na cara, quando ela lhe perguntou "porquê?", que "Foi melhor assim"?

Que a recordará a cada instante tudo aquilo que perdeu? Que lhe foi tirado?

 

Seja como for, a vontade de Shay não pode ser concretizada.

A injecção letal inviabiliza o coração. A não ser que...

E é, aí, que entra a advogada Maggie, disposta a tudo para arranjar uma solução para este caso, ao mesmo tempo que tenta lutar pela abolição da pena de morte.

Na verdade, não é isso que o seu, agora, cliente quer. Ele quer morrer, e doar o seu coração a Claire. Mas, se ela conseguir, de alguma forma, "tocar na ferida", talvez consiga mudar alguma coisa.

Já que não se consegue mudar, nem aceitar a si própria...

 

Depois, temos o padre Michael, que se torna conselheiro espiritual de Shay.

Michael foi, há onze anos, um dos jurados que votou a favor da pena de morte para Shay. Um dos últimos. E, em certa medida, por pressão. Para não ser o único do contra.

Será esta uma forma de se redimir perante Shay? De obter o seu perdão? De se perdoar a si próprio?

Michael é padre. Católico. Mas ainda tem muito para aprender. E para questionar.

Shay não tem religião. Mas parece saber mais sobre Deus e os seus mandamentos e vontades, que aqueles que melhor o deveriam conhecer. Só não tem respostas para as perguntas que lhe fazem, nem explicações para aquilo que ele próprio faz.

 

Será ele Jesus?

Será ele um profeta?

Ou será, apenas, um assassino?

Estará ele, agora, no fim da sua vida, a querer fazer o bem para expiar os seus pecados?

Ou ele sempre tentou fazer o bem?

 

Por vezes, a mentira pode ser a verdade. E a verdade pode ser a mentira. Ou ambas podem ser, simultaneamente, verdade e mentira. Depende do lado em que a olhamos...

Um pouco à semelhança dos palíndromos.

Se olharmos de uma perspectiva, vemos algo que, para nós, é verdade mas que, quem está do outro lado, não consegue ver dessa forma, e vice-versa.

Qual é a verdade, neste caso, e nesta história?

Seja aqui, ou em qualquer outra situação, a verdade é sempre, e só, uma. E conseguimo-la ver quando nos predispomos a isso,

Mas, de que servirá a verdade, se a decisão estiver tomada, e não houver forma de a evitar?

 

Este é um daqueles livros que, a determinado momento, pode tornar-se aborrecido para quem não é dado, como eu, a assuntos religiosos, que ocupam uma boa parte da narrativa. Ou a milagres. Ou a acontecimentos inexplicáveis que soam a fantasia a mais, numa história tão real.

Mas vale a pena chegar ao final porque é aí que se centram as maiores descobertas, e as maiores emoções. E é aí que começamos a questionar todo este mundo em, que vivemos...

 

 

 

Dezanove Minutos, de Jodi Picoult

Dezanove Minutos

 

Confesso que o início do livro foi um pouco confuso, e não me entusiasmou muito.

Muita informação "solta", muitas personagens, diversos acontecimentos, e pouca ligação entre tudo.

Mas, depois, melhora. 

E faz-nos reflectir. Muito!

 

É uma história sobre relações. 

Relações amorosas. 

Relações entre pais e filhos.

Relações de amizade.

 

É uma história sobre a realidade.

Sobre impotência.

 

É uma história sobre amizades que se desfazem.

Sobre comparações e expectativas.

Sobre escolhas.

Sobre ausências.

Sobre autopreservação.

Sobre bullying, e humilhação.

Sobre relações abusivas.

 

E dezanove minutos, o tempo que Peter levou a libertar o que foi guardando ao longo de 17 anos.

O tempo que demorou a destruir a vida de tantas pessoas, quando a sua já estava em cacos há muito tempo.

O tempo necessário para abrir os olhos, a quem sempre preferiu fechá-los. 

O tempo necessário para, finalmente, fazer-se ouvir. Vingar-se. Fazer justiça. 

E pôr fim ao sofrimento.

 

No final, resta a lembrança.

Porque, como diz Alex "Uma coisa ainda existe desde que haja alguém para a lembrar".