Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Bridgerton - a série: já estreou!

1250-e7f1e28b2e66049478f169e249402f94.jpg

 

Estreou no dia 25, e foi um belo presente de Natal para todos os fãs da história desta família, de que já antes falei aqui, e que conheci através dos livros da autora Julia Quinn.

Embora não me recorde de grande parte dos romances, algumas personagens são inesquecíveis, como Lady Danbury e Lady Whistledown que, volto a afirmar, são duas mulheres sem papas na língua, inteligentes, perspicazes, astutas, muito à frente no seu tempo.

Uma delas é presença assídua nos grandes eventos das temporadas londrinas, para deleite de uns, e receio de outros, que a temem pela sua absoluta sinceridade e frontalidade.

Já a outra, é um mistério que todos querem descobrir. Temo que, na série, não tenham atribuído esse papel à mesma personagem que o foi nos livros. 

 

Basicamente, conhecemos a sociedade londrina do século XIX, onde as mulheres eram criadas para o único propósito de casar e procriar garantindo, de preferência, um herdeiro para os títulos da família.

Quando chegasse o momento, eram apresentadas à Rainha, numa cerimónia e, a partir de então, frequentavam os bailes e festas da "temporada" onde era suposto arranjarem marido, de entre os homens disponíveis, que as pretendiam cortejar.

Assim, era possível encontrar mulheres entusiasmadas com os seus pretendentes, outras resignadas e satisfeitas com o seu destino, outras contrariadas e revoltadas, por não serem livres de escolher a sua própria vida, e o homem com quem queriam casar ou, até mesmo, por não poderem ser mulheres solteiras sem o olhar reprovador de toda a sociedade, onde só os homens tinham poder.

 

As mulheres, essas eram "pertença" dos pais, ou dos irmãos mais velhos, que decidiam por elas, até transferirem esse poder para os futuros maridos.

Nos bailes, dava-se valor à beleza, à ostentação, ao saber estar. Feliz a mulher que conseguia ter os seus cartões de dança preenchidos pelos vários pretendentes que com elas quisessem partilhar uma dança, assim pensavam as mães, que queriam ver as suas filhas bem casadas à "primeira temporada". 

Poder-se-ia até dizer que as mães eram umas verdadeiras "caçadoras" de maridos para as filhas, sobretudo se houvesse jovens solteiros com títulos vistosos como duques ou condes.

Já os homens, por norma, fugiam a sete pés deste compromisso que é o casamento, e a sua missão era tentar passar despercebidos ou esconder-se destas mães.

 

Nesta primeira temporada da série, Daphne é uma das mulheres "atirada para a arena" que ditará o seu destino. 

Mas Daphe não é como as outras jovens. Aliás, ela é uma Bridgerton, e isso diz tudo!

Nenhum membro da família Bridgerton é igual aos restantes, nem aquilo que seria de esperar. Todos têm a sua personalidade especial, uns mais vincada que outra, e é por isso que as suas histórias nos cativam, nos fazem rir, nos emocionam, e nos fazem sentir a diferença, num mundo tão igual e sem sal.

Acima de tudo, são uma família unida. E essa união também vai ajudar cada um deles a encontrar, apesar do que dita a sociedade, o amor, tão menosprezado e desvalorizado, quando se fala em casamento.

 

E Simon, o duque que foge das caçadoras de maridos.

No entanto, desengane-se quem pense que, por ser duque, Simon teve uma vida fácil.

Mais do que a cor da pele, foi um outro problema o que levou o seu pai a renegá-lo, ainda em criança.

Foi Lady Danbury que o ajudou a criar, e a tornar-se o adulto que hoje é.

Só que, esse adulto, fez uma promessa no leito de morte do pai, e não pretende quebrá-la.

 

Conseguirá Daphne amolecer o coração de Simon, e fazê-lo mudar de ideias?

Conseguirá Simon resistir ao amor que sente por Daphne, por puro orgulho?

 

Se gostam de séries de época, recomendo!

Até agora, só não achei muita lógica ao facto de colocarem músicas do nosso tempo, de pleno século XXI, como músicas de baile do século XIX, ainda que em modo clássico.

E da nova abordagem à personagem Anthony que, na série, está totalmente diferente do homem que conhecemos dos livros, para pior.

De resto, e após um primeiro episódio algo morno, garanto que os seguintes valem a pena!

 

 

 

 

 

A série "Bridgerton" vai chegar à Netflix este ano

The-Bridgertons.png

 

Li há dias que a Netflix irá estrear, ainda este ano (não se sabe ainda a data) a série "Bridgerton", inspirada na colecção de livros da autora Julia Quinn, sobre os Bridgertons.

Para quem acompanhou a história da família, e de cada uma das personagens, é uma excelente notícia!

Estes são alguns dos actores que irão dar vida a essas personagens, e consigo associar algumas à que agora lhe corresponderá.

 

A história gira à volta dos romances de cada um, os casamentos arranjados entre lords e ladies e as aventuras amorosas, sejam em palácios nobres ou em bailes de aristocratas, sendo que a primeira temporada terá oito episódios, e corresponderá ao primeiro livro da colecção.

A produção é de Shonda Rhymes.

 

Estou ansiosa para que estreie, e acho que vai ser daquelas séries para maratonar, e esperar por mais!

 

 

Os Bridgerton - Felizes Para Sempre

Resultado de imagem para os bridgertons felizes para sempre

 

Depois de uma colecção de 8 livros, dedicados a cada um dos filhos de Violet Bridgerton, chegou o último dos últimos, aquele que mostra o que ficou por ver em cada uma das histórias anteriores, e ainda como tudo começou, com a história da própria Violet, com aquele que viria a ser o pai dos seus filhos, e único companheiro de toda uma vida.

 

Confesso que foi bom recordar e dar continuidade ao percurso daquelas personagens, umas mais fortes que outras, mas preferia que este livro fosse mais centrado na Violet, e não apenas umas páginas. Até porque ela era uma menina bem temperamental e de pelo na venta, e gostava de a ter conhecido melhor e á forma como o romance se desenrolou, levando ao casamento e a uma legião de 8 filhos, cada um deles baptizado com nomes que seguiam a ordem do alfabeto.

 

De entre estes novos prólogos, destaco o da desforra do jogo do palamalho, e aquele em que Hyacinth descobre, ao fim de 15 anos, as joias que sempre procurou, e nunca desistiu de encontrar.

Um Pedacinho de Céu, de Julia Quinn

Resultado de imagem para um pedacinho de céu julia quinn

Série Quarteto Smythe-Smith - Volume I

 

Antigamente, na sociedade e cortes londrinas, as mulheres casavam-se muito cedo, ou assim era esperado delas. Haviam as chamadas "temporadas", que se realizavam todos os anos, para que as jovens fossem apresentadas, conhecessem bons partidos e arranjassem casamento. Uma jovem que já estivesse na sua segunda ou terceira temporada, já começava a ser vista como "solteirona", e começava a ser um problema para as mães.

Naquele tempo, as mães queriam tanto arranjar marido para as filhas, que quase perseguiam os jovens rapazes, para que dessem atenção a elas. Sim, devia ser de loucos!

Honoria também pretendia encontrar marido na nova temporada que aí vinha, e até já tinha escolhido um possível candidato. Mas quis o destino trocar-lhe as voltas.

 

Antigamente, nenhuma mulher solteira poderia frequentar a casa de um homem solteiro sozinha. Tinha sempre que ir acompanhada de uma mulher mais velha, ou de alguma criada. Caso contrário, seria um escândalo, daria azo a todo o tipo de comentários maldosos e, em último caso, seriam obrigados a casar.

Ainda assim, Honoria fê-lo, para cuidar do seu amigo de infância. Neste caso, até tinha desculpa. O homem estava sozinho, sem família, e à beira da morte.

 

 

Resultado de imagem para cartões de baile

Antigamente, nos bailes, as jovens tinham uns cartões que eram preeenchidos pelos cavalheiros que lhes prometiam uma dança. Era um sucesso ter o cartão cheio, significava que era uma jovem apreciada e solicitada. Cada rapaz/ homem só deveria dançar uma vez com cada jovem mulher. Também determinadas danças, como a valsa, não eram vistas com bons olhos (ver mais sobre as regras aqui).

No entanto, Honoria e Marcus dançaram a valsa, e foi um momento mágico.

 

 

Mas, afinal, quem são Honoria e Marcus?

Honoria e Daniel eram dois irmãos, com alguma diferença de idade entre eles. Marcus era um jovem solitário, que encontrou em Daniel o amigo e irmão que nunca teve, e na família deste, a família que nunca teve.

Honoria, mais nova que ambos, só queria participar nas brincadeiras, ser incluída, ter um pouco de atenção para si. Mas eles viam nela uma criança birrenta, ardilosa, e muito chata, de quem só queriam distância.

Uns anos mais tarde, Daniel vê-se obrigado a fugir, e faz o seu amigo Marcus prometer que cuidará de Honoria, e evitará que algum rapaz/ homem mal intencionado, vigarista ou imaturo se aproveite dela. Marcus assim faz.

Isto levará a uma bola de neve de acontecimentos, pelos quais Honoria será responsável, e que poderão terminar na morte de Marcus. Pelo meio, teremos momentos muito divertidos, inusitados, tensos, e de grande coragem.

 

A principal mensagem que retiro desta história, é o valor de uma família, o sentimento de pertença a uma família, a algo, a alguém...E a forma como isso pode ser mais forte que todas as adversidades que tenham que enfrentar.

 

Outro motivo porque gosto de ler estes livros da Julia Quinn, é o facto de ela juntar todas as suas histórias, embora não tenham nada a ver umas com as outras. Neste livro, pude reencontrar a temida Lady Danbury, que parece ter em cada homem da corte um afilhado, sobrinho, primo! Esta mulher é o máximo!

E também aqui voltei a ouvir falar de Colin Bridgerton, da série "Os Bridgertons" que, aqui, ainda não tinha casado com a sua amada, e do seu irmão Gregory, o mais novo dos Bridgertons.

De certa forma, é quase como se tivessemos a viver naquela época, e a conviver com as várias famílias que existiam nesse tempo, cruzando-nos frequentemente com os seus membros.

 

Venha o resto da colecção!

 

 

 

 

A Bela e o Vilão

transferir.jpg

A minha segunda aquisição de 2015!

Comprado no Continente, com 10% de desconto sobre o preço do editor, e mais 25% de desconto em cartão.

É o sexto livro da Série Bridgerton, e conta a história de Francesca Bridgerton e Michael Stirling:

"Libertino. Devasso. Debochado. Três adjetivos que podiam descrever Michael Stirling na perfeição. Bem conhecido nas festas londrinas, quer desempenhasse o papel de sedutor ou o papel de seduzido, uma coisa era certa: nunca entregava o coração. Ele teria até acrescentado a palavra “pecador” ao seu cartão de visita se não achasse que isso mataria a pobre mãe.
Mas ninguém é imune ao amor. Quando a seta de cupido atinge Michael, dá início a uma longa e tortuosa paixão – pois o alvo dos seus afetos, Francesca Bridgerton, tem casamento marcado com o seu primo.
Mas isso foi antes. Agora, Francesca está novamente livre. Infelizmente, ela vê Michael apenas como um ombro amigo – até à fatídica noite em que lhe cai inocentemente nos braços, e a paixão se revela mais poderosa e intensa do que o mais perverso dos segredos…"