Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Copiar e cabular - sim ou não?

Resultado de imagem para cábulas na faculdade

 

Quando eu andava no ciclo, tive uma professora de história que devia ter algum trauma com cábulas e, em dias de teste, a sala ficava de pernas para o ar: ela afastava as mesas umas das outras, colocava os alunos com melhores notas a cantos isolados, verificava o material que tivéssemos na mesa, e circulava pela sala o tempo todo, a observar e tentar descobrir os infractores!

 

Na Faculdade, um dos professores do meu marido vai mais longe, e pede para eles terem na mesa apenas a caneta, ficando tudo o resto (mochilas/ estojos) a um canto da sala. Também lhes pede para tirarem relógios e afins. E faz rondas pela sala. Dizem os que já conhecem bem o professor que "com ele, não há hipótese para cábulas". Os resultados não se fazem esperar. Baixos.

Por outro lado, também informaram os que agora chegaram que, com um outro professor, "pode-se copiar e cabular à vontade, desde que não se dê muito nas vistas, ele não diz nada". E assim foi! Alguns mais discretos, outros mais "à descarada"! Se resultou? Claro que sim! Alunos que tiveram receio no primeiro teste, mas se arriscaram no segundo subiram a nota. Alguns, inclusive, passaram de uma negativa fraca para um nota acima de 16!

 

 

Resultado de imagem para cábulas na faculdade

 

De acordo com alguns estudos, 70% dos alunos copia ou faz cábulas nos testes. Apenas, cerca de 2% é apanhado. Poder-se-á dizer que "o crime compensa"?

Sim, tendo em conta que a maioria não é apanhada nem sofre qualquer tipo de penalização, compensa. Mesmo que esteja à vista de todos que aquela nota não foi alcançada graças ao estudo, não sendo apanhados no momento, não há como provar que fizeram algo de errado. Mas, muitas vezes, o professor vê, e não diz ou faz absolutamente nada, ao género "não me tramem, que eu também não vos tramo".

 

 

Agora, o que leva os alunos a optarem por estes métodos de desenrasque?

Muitas vezes, o puro comodismo, a falta de vontade de estudar e a pouca preocupação com aquilo que ali estão a fazer.

Outras, o simples facto de ser impossível memorizar tanta matéria junta em tão curto espaço de tempo, quando os professores estiveram anos para o fazer.

Alguns alunos consideram que o que interessa é passar na disciplina, e concluir o curso. Depois, o resto vai-se vendo e aprendendo com a experiência, ou consultando os livros, com tempo e calma.

O facto de os professores nada dizerem ou fazerem para impedir os alunos de copiarem/ cabularem, também incentiva a que os mesmos recorram a estes métodos.

 

É justo para quem não o faz?

Não. Não é justo.

Embora qualquer um possa fazer (só não faz quem não quer), há alunos que, simplesmente, não têm jeito para isso, não conseguem disfarçar sabendo que estão a fazer algo que não é correcto, ficam nervosos e dão nas vistas, correndo o risco de ver o teste anulado.

E há alunos que defendem que, ou se sai dali a saber, ou não se está apto para exercer, e nesse caso não vale a pena.

Por conta dessa atitude, ficam retidos em determinadas cadeiras, enquanto que os seus colegas se safam, e seguem em frente.

 

Se é correcto fazê-lo?

Não, não é.

Mas não o faríamos todos, se soubessemos de antemão que não seríamos apanhados e que, com isso, pouparíamos tempo, dinheiro e preocupações? Talvez não...Mas isso já é um problema nosso.

Seja por falta de vontade dos alunos em empenhar-se, ou porque o ensino actual assim obriga, a verdade é que vivemos na era do "salve-se quem puder e como puder". E, enquanto não se colocar um travão, e se for permitindo ou alimentando estas práticas, elas continuarão a ser usadas, para o bem de uns, e injustiça de outros.

Se, por um lado, condeno quem recorre a estes métodos, por outro, penso que deveriam todos fazê-lo. Afinal, se quem está lá dentro permanece cego e pouco se preocupa, porque havemos nós de o fazer?

 

Pessoalmente, penso que nunca seria capaz.

 

E por aí, qual é a vossa opinião? 

 

 

 

 

 

 

 

Que resposta se dá a isto?!

Resultado de imagem para what

 

Na última reunião de pais, falava a directora de turma com os pais acerca do comportamento da turma. 

Não é uma questão de serem mal educados para os professores, ou casos de indisciplina grave. São sim, de forma geral, muito conversadores.

Nesse dia, por esse motivo, tinham sido convidados a sair de uma aula dois alunos. Uma das mães perguntou se, por norma, apenas eram expulsos da aula os alunos que provocavam a situação. 

A professora respondeu:

 

"Nem sempre o aluno que vai para a rua é aquele que se portou pior na aula. O que acontece, por vezes, é que determinados alunos vão-se portando mal, e o professor vai aguentando.

Depois, um outro pode até fazer uma coisa mínima, mas é nessa altura que o professor enche as medidas, e acaba por ser esse a pagar por todos!"

 

Ou seja, 2 ou 3 alunos fazem porcaria quase toda a aula. Um outro tem o azar de fazer um disparate, e é ele que vai para a rua, enquanto os outros permanecem na aula.

Será justo? 

 

 

 

A nova edição do The Voice Portugal

 

De uma forma geral, gosto dos vários concursos de talentos que os diferentes canais de TV costumam exibir.

No entanto, tal como a Áurea refere, o The Voice acaba por ser o mais justo! Pelo menos na selecção dos concorrentes durante as provas cegas.

Porque o que se está a avaliar ali é a voz, não o aspecto físico. E, infelizmente, ainda julgamos muito as pessoas pela forma como se apresentam, mesmo antes de abrirem a boca. Até eu, ontem, o fiz!

E depois, quando começam a cantar e a mostrar porque ali foram, ficamos de boca aberta, tal como o júri, e a pensar "Wow, que vozeirão! Quem diria!".

De entre os jurados, gostei muito da postura da estreante Áurea, no que respeita aos comentários aos concorrentes. Avalia a prestação, diz o que tem a dizer, se a quiserem escolher para mentora, melhor, se não, não há problema.

Não tenho paciência para os joguinhos e disputas, ainda que na brincadeira e propositados, do Anselmo e do Mickael.

Já a Marisa, tem uma postura, aparentemente, mais séria e responsável. Está ali para trabalhar com as melhores vozes, e que sabe que podem ir além. Penso que foi por isso mesmo que vários concorrentes a escolheram para mentora. Porque vêem nela a oportunidade de trabalhar a sério, aprender e chegar longe. Não que não o consigam com qualquer outro dos mentores.

Nesta primeira prova cega, houve muito talento, alguma irreverência e umas boas risadas. Um serão de domingo bem passado, sem dúvida!

Imagens - http://media.rtp.pt/thevoiceportugal

  • Blogs Portugal

  • BP