Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Ter consideração por quem não a tem por nós

Imagem relacionada

 

É velho o ditado que diz "não faças aos outros aquilo que não queres que te façam a ti".

Não só por isso, mas também porque não temos que ser iguais àqueles que criticamos, nem pagar na mesma moeda, acabamos por ter, para com os outros, a consideração que gostávamos que tivessem tido connosco. Porque é assim a nossa personalidade, a nossa forma de agir. Faz parte do nosso carácter, da nossa educação.

 

Mas também faz parte de nós, enquanto humanos, chegar a um ponto em que os limites começam a ficar próximos, a paciência a falhar, e um outro provérbio surge na mente "Deus manda-nos ser bons, mas não nos manda ser parvos".

 

Eu, confesso, sou uma pessoa até bastante calma, razoável, ponderada. Paciente, não direi (há quem diga que sim, eu acho que tem dias). Resignada, até certo ponto.

Mas há momentos em que a tampa salta, e mando à fava o politicamente correcto, e a consideração que deveria ter.

 

Há pessoas que só se preocupam consigo próprias, com as suas vontades, com as suas conveniências, com aquilo que é o melhor para si. Estão no seu direito.

Mas depois, não esperem que, do outro lado, haja alguém disposto a ser generoso e compreensivo.

Não esperem que, do outro lado, haja alguém que ainda se dê ao trabalho de pensar nos outros.

Afinal, de que serve ter consideração, por quem não é capaz de a ter pelos outros?

Quando a ajuda tem o efeito inverso

Resultado de imagem para ajudar

 

Por vezes, as pessoas têm tendência a querer ajudar ou outros, sem saber exactamente a realidade da situação em questão, sem estar envolvida na mesma.

Essa ajuda traduz-se, quase sempre, por fazer o contrário daquilo que os outros fazem e que, supostamente, está a ser prejudicial a quem queremos ajudar.

Como se quisessem libertar essa pessoa, dar-lhe a liberdade, autonomia e confiança que os outros não depositam nela, limitando-a.

E se as coisas até começam a correr bem, acham-se os maiores, porque souberam lidar com tudo, sem stress, levando-as a acreditar que tudo o resto era desnecessário.

Mas esse é, muitas vezes, o grande erro porque, quando menos esperarem, a situação que provocaram pode fugir do controlo, e as consequências ser catastróficas. E, aí, onde fica a valentia, a arrogância do "afinal eu é que sei"?

Nessa altura, o pensamento muda para "afinal, não sei assim tão bem lidar com isto" ou "afinal, talvez os outros não estivessem tão errados".

Se é verdade que, por vezes, pode ser benéfico ouvir conselhos ou opiniões de pessoas que não estão por dentro das situações, e as coisas até resultam positivamente, também é verdade que, noutras circunstâncias, podem trazer uma melhoria de pouca duração,que acabará por descambar e piorar a situação.

É muito fácil formar juízos de valor e emitir opiniões. Mas quem opta por ficar do lado de fora nunca conhecerá, a 100%, aquilo que se passa no interior.

Com que idade devem os nossos filhos receber semanada/ mesada?

 

À medida que os nossos filhos vão crescendo, entram para a escola, assumem mais responsabilidades e têm mais necessidades, começamos a colocar a questão da semanada/ mesada (isto se eles não falarem disso primeiro).

Com que idade é que devemos começar a fazê-lo? Será que é melhor a semanada ou a mesada? Será que eles vão saber gerir o dinheiro?

Aqui por casa ainda não implantámos qualquer sistema. A minha filha, na escola, leva sempre qualquer coisa para lanchar. Mas, quando lhe apetece, também come no bar da escola, e paga com o cartão, que lhe vou carregando à medida que ela vai gastando o saldo. Posso dizer que, nesse aspecto, ela é moderada e poupada. Não faz extravagâncias nem compra coisas desnecessárias.

Quanto ao telemóvel, por exemplo, sou eu que o carrego - tem um carregamento obrigatório de pouco mais de 5 euros por mês, e um tarifário que só lhe permite ligar para 10 números pré escolhidos, sendo que para alguns, não paga chamadas nem mensagens. Raramente gasta mais do que o saldo que tem disponível, e esse gasta-o, normalmente, a ligar para o avô, que a costuma ir buscar à escola. Portanto, responsável também neste aspecto.

Tudo o resto que ela realmente precisa, eu vou comprando.

A única excepção são aqueles extras que ela quer comprar, e para os quais já não há orçamento. Nesse caso, ela está a começar a gerir o dinheiro que lhe vão dando, e a perceber que o dinheiro desaparece num instantinho, não cai do céu e nem sempre dá para tudo o que se quer.

De uma forma geral, a opinião dos especialistas diverge no que respeita à idade em que se deve começar a dar dinheiro às crianças, mas estão de acordo que o ideal é dar uma semanada, e não mesada.

E isto, porquê? Porque é mais fácil gerir e controlar o dinheiro num curto espaço de tempo. A mesada pode dar à criança a ideia de que tem muito dinheiro e, devido a essa falsa impressão, gastá-lo mais rapidamente.

No entanto, são os pais que decidem quando e quanto deverão entregar aos filhos, e ir vendo como eles se comportam e que ajustes serão necessários no futuro.

Com a minha filha, para já, vamos manter tudo como até aqui. E por aí, já alguém adoptou este sistema?

 

A importância da psicologia na educação

transferir (3).jpg

 

Costuma-se dizer que "de médicos e psicólogos, todos temos um pouco"!

E, de facto, enquanto pais e principais educadores dos nossos filhos, temos que fazer muito uso da psicologia, para conseguirmos contornar e ultrapassar determinadas situações em que eles nos colocam, na sua tarefa de testar os nossos limites.

Temos que saber quando ignorar, quando repreender, quando não ceder a chantagens emocionais, ao stress e ao desespero, como não responder a provocações, como impôr regras e limites e fazê-los cumprir, como conversar e explicar o que é certo e errado, quais os melhores castigos a aplicar, e tantas outras coisas. Não é fácil, e nem sempre conseguimos. É mais fácil na teoria que na prática!

Também os professores, enquanto educadores na escola, têm que fazer uso da psicologia. Porque, também na escola, é preciso o professor manter a ordem, fazer-se respeitar, estabelecer limites e chamar a atenção, quando for o caso disso. Também não é fácil.

Tive enquanto estudante do secundário dois professores diferentes de português, ambos pouco mais velhos que os alunos. O primeiro, tinha uma relação quase de igual para igual, com respeito, brincava quando tinha que brincar, mas era sério quando tinha que ser. A segunda, não conseguia fazer nada da turma. Falar ou estar calada era igual. Tinha medo. Chegou, algumas vezes, a chorar de desespero em frente à turma inteira.

Hoje em dia, muitos professores têm medo. Não só dos alunos, mas dos pais destes. Evitam criar conflitos, evitam actuar em conformidade, em determinadas situações, por medo do que lhes possa acontecer.

E, se há coisa que um educador nunca deve mostrar perante uma criança ou jovem, é medo! Ou qualquer outra fragilidade. Porque eles vão absorver isso e usá-lo contra o educador.

No caso de crianças ou jovens em risco, algumas institucionalizadas, a psicologia é uma ferramenta ainda mais importante para um educador.

A criança já passou por situações delicadas, de incompreensão, de abandono, de indiferença, de negligência, de maus tratos. Sentem-se, muitas vezes, sós, excluídas, discriminadas, com baixa-auto estima, e é preciso trabalhar e reverter tudo isso.

É preciso devolver a confiança, a segurança, a estabilidade emocional, alguma sensação de pertença, de estar inserida numa família. Principalmente quando não há contacto com a família a quem foi retirada, ou esse contacto é escasso.

O educador deve trabalhar, não no sentido de "pegar na mão da criança", mas no sentido de fazê-la querer agarrar a mão que lhe é estendida. Deve trabalhar no sentido de incentivá-la a ter objectivos e metas, a valorizar-se, a tirar o melhor partido das oportunidades que lhe estão a ser proporcionadas.

Deve colocar-se ao mesmo nível da criança ou jovem. Acima de tudo, estar disponível para escutar. E tentar compreender, entrando a fundo na sua mente, fazendo-a questionar-se.

Muitas destas crianças guardam uma grande revolta dentro de si, e transpôem cá para fora em forma de birras, conflitos com colegas e educadores, actos violentos, explosões verbais.

E os educadores tem que lidar com tudo isso da melhor forma, uma vez que estão lá para ajudá-los e protegê-los. É preciso uma grande preparação psicológica para lidar com estas crianças e jovens, dia após dia!

Mas deve ser compensador quando conseguem levar a bom porto a sua missão. Afinal, o que estas crianças ou jovens querem é aquilo que todos nós, no fundo, queremos: ser amados! 

 

Haverá coisa pior...

 

 

transferir (1).jpg

 

...que ouvir certos velhos na rua a dizer asneiras que eu própria não me atrevo a pronunciar, a armarem-se em jovens engatatões a lançar piropos às mulheres com idade para serem filhas e netas, e alguns a serem aquilo a que costumamos chamar de "ordinários" ou "nojentos", a ultrapassarem os limites e a acharem-se os maiores?

Certamente, haverá.

Mas eu detesto esses velhos que por aqui andam nas ruas, que não têm mais com que se ocupar, e nada fazem para merecer respeito.

  • Blogs Portugal

  • BP