Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Natal em Palavras: Colectânea de Contos de Natal

 

NatalemPalavras.jpg

 

O Grupo Editorial Chiado, através da chancela Chiado Books, está a organizar o I Volume da Colectânea de Contos de Natal, intitulado “Natal em Palavras”.

Vários autores receberam um convite para participar, com o envio de um conto alusivo ao tema.

O entusiasmo que o projecto suscitou, bem como a qualidade dos contos enviados levaram à publicação da obra em dois Volumes, com cerca de 600 contos seleccionados.




 

 

Texto alt automático indisponível.

 

 

A cerimónia de lançamento da obra será no dia 15 de Dezembro, pelas 15.30 horas, no Hotel Pestana Palace Lisboa, em Alcântara.

Da minha parte, contribui com o conto "Presente de Natal", inspirado num amor interrompido entre duas pessoas, que se voltam a reencontrar no Dia de Natal!

"O Abraço"

Foto de Teatro da Trindade.

 

O que une Esmeralda Pereira, Ana Isabel Sousa e Maria Carolina Sousa n' O Abraço?

No fundo, o amor!

 

O amor pelas artes, pelo teatro, pela música, pela dança, o amor entre mãe e filhas, e o amor entre irmãs.

 

Claudio Hochman pegou em histórias reais desta mãe e das suas filhas, e levou-as para o palco, numa peça que aborda as relações familiares, os problemas, as dificuldades de comunicação, a falta de tempo, as frustrações que se vão acumulando sem que, apesar disso, o amor deixe de estar presente ou existir.

 

Em "O Abraço", vamos conhecendo fisica e psicologicamente cada uma das personagens, um pouco do seu passado, e o que as levou até àquele momento. Como as próprias afirmam, muito do que o público ali vê é pura ficção, embora a base seja inspirada nas suas vidas reais.

Esta peça de teatro não terá sido uma forma de terapia familiar, mas acabou por contribuir para exteriorizar os problemas, e ultrapassá-los. No fundo, uma família comum, com quem é fácil identificar-mo-nos, sobretudo quem tem filhos. Eu revi-me em algumas cenas daquela mãe, e consegui uns vislumbres da minha filha na Maria. Aliás, ontem estive a ver uma entrevista com as protagonistas da peça, e achei a Esmeralda fisicamente muito parecida comigo!

 

 

 

Resultado de imagem para o abraço teatro da trindade

 

A determinada altura, a Ana pergunta à mãe qual das filhas é a sua preferida. A mãe responde que não faz qualquer distinção, mas Ana insiste, afirmando que todos os pais têm um filho preferido.

Será mesmo verdade?

Sendo mãe de uma filha única, não saberei responder a esta pergunta. No entanto, acredito que não seja uma questão de preferência, de gostar mais de um filho do que de outro, mas talvez de afinidades.

Numa analogia que pode parecer um pouco estranha, a Ana e a Maria são como a Becas e a Amora, as nossas gatas: a independente que, no fundo, também gosta de mimos e atenção, e a amorosa e querida por natureza, com quem é fácil criar logo uma empatia.

 

A Ana é a filha mais velha, já passou por muitas coisas, em algumas das quais a mãe, por falta de tempo porque a vida assim não o permitiu, não esteve presente ou não conseguiu ajudar como queria. E isso foi-se acumulando no interior, e afastando-a, criando um certo atrito entre as duas. 

Como carapaça, a Ana veste a pele de despreocupada, de indiferente, de uma pessoa que não liga para os abraços e beijinhos (talvez para não se entregar demasiado e voltar a sofrer), de pessoa directa e sem papas na língua, fria, um pouco arrogante. Mas, no fundo, precisa tanto ou mais de um abraço que a Maria.

 

A Maria é a filha mais nova, e tem uma boa relação com a mãe. É aquela filha com quem não tem que se preocupar, porque não dá problemas. A mais ligada à mãe, muito amiga, que tenta fazer de mediadora entre a irmã e a mãe, para ver se se entendem de vez. Com a irmã, também existe uma grande cumplicidade, mas se tiver que a chamar à razão, também o faz.

 

Uma coisa é certa: problemas à parte, que todas as famílias os têm, é bem visível a admiração e orgulho que sentem umas pelas outras.

Só falta mesmo, o tão esperado abraço!

 

 

Deixo-vos aqui a entrevista às atrizes:

 

 

 

Contrastes

Resultado de imagem para contrastes

 

Um teatro a fazer lembrar os aposentos de um palacete, daqueles antigos mas, depois, quando entramos na sala, uma sala perfeitamente normal, com cadeiras de plástico/ metal estrategicamente dispostas nos degraus, proporcionando um contacto directo com os actores, que estavam mesmo à nossa frente, sem qualquer palco. Uma sala onde se ouviam aplausos e falas de outras peças que estavam a decorrer nesse mesmo teatro, noutras salas.

 

 

Pessoas elegantemente vestidas, com os seus melhores sapatos, casacos de pele, e afins. Turistas dispostos a gastar o seu dinheiro num dos bairros mais emblemáticos e tradicionais de Lisboa. Um pouco mais à frente, os sem abrigo acomodavam-se por entre cartões e uma ou outra manta, para passarem a noite ali no chão, ao frio.

 

 

O mundo está cheio de contrastes...

A minha experiência com a Uber

Imagem relacionada

 

Não vou falar da facilidade com que se utiliza a aplicação, da rapidez com que os motoristas chegaram até nós, nem da condução segura e calma que fizeram nos respectivos trajectos.

Costumo andar de táxi, normalmente quando o meu marido está a trabalhar e preciso de levar as compras do mês para casa. Ou quando chove muito e a minha filha tem que ir para a escola. Tenho o contacto de uns taxistas - pai e filho - e quase sempre são eles que nos levam. Já nos conhecem. O caminho é curto, mas lá se enverada por conversas banais. Não tenho razão de queixa.

Esta sexta-feira, à noite, foi a primeira vez que andámos de Uber. O meu marido à frente, eu e a minha filha atrás. Em Lisboa. E soube tão bem!

O meu marido encarregou-se da conversa de ocasião. A minha filha ia entretida com o telemóvel.

E eu, aproveitei para apreciar a vista, em silêncio, que sabe tão bem, apenas com a música de fundo do rádio, bem escolhida por sinal, o que ainda contribuiu mais para aquele momento "zen"!

A música era realmente muito boa, calma, mas sem nos dar sono, apenas a transportar-nos para onde a mente se deixasse levar.

 

E há que realçar a simpatia e educação da motorista que nos levou de regresso - 5 estrelas! 

  • Blogs Portugal

  • BP