Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"O Abraço"

Foto de Teatro da Trindade.

 

O que une Esmeralda Pereira, Ana Isabel Sousa e Maria Carolina Sousa n' O Abraço?

No fundo, o amor!

 

O amor pelas artes, pelo teatro, pela música, pela dança, o amor entre mãe e filhas, e o amor entre irmãs.

 

Claudio Hochman pegou em histórias reais desta mãe e das suas filhas, e levou-as para o palco, numa peça que aborda as relações familiares, os problemas, as dificuldades de comunicação, a falta de tempo, as frustrações que se vão acumulando sem que, apesar disso, o amor deixe de estar presente ou existir.

 

Em "O Abraço", vamos conhecendo fisica e psicologicamente cada uma das personagens, um pouco do seu passado, e o que as levou até àquele momento. Como as próprias afirmam, muito do que o público ali vê é pura ficção, embora a base seja inspirada nas suas vidas reais.

Esta peça de teatro não terá sido uma forma de terapia familiar, mas acabou por contribuir para exteriorizar os problemas, e ultrapassá-los. No fundo, uma família comum, com quem é fácil identificar-mo-nos, sobretudo quem tem filhos. Eu revi-me em algumas cenas daquela mãe, e consegui uns vislumbres da minha filha na Maria. Aliás, ontem estive a ver uma entrevista com as protagonistas da peça, e achei a Esmeralda fisicamente muito parecida comigo!

 

 

 

Resultado de imagem para o abraço teatro da trindade

 

A determinada altura, a Ana pergunta à mãe qual das filhas é a sua preferida. A mãe responde que não faz qualquer distinção, mas Ana insiste, afirmando que todos os pais têm um filho preferido.

Será mesmo verdade?

Sendo mãe de uma filha única, não saberei responder a esta pergunta. No entanto, acredito que não seja uma questão de preferência, de gostar mais de um filho do que de outro, mas talvez de afinidades.

Numa analogia que pode parecer um pouco estranha, a Ana e a Maria são como a Becas e a Amora, as nossas gatas: a independente que, no fundo, também gosta de mimos e atenção, e a amorosa e querida por natureza, com quem é fácil criar logo uma empatia.

 

A Ana é a filha mais velha, já passou por muitas coisas, em algumas das quais a mãe, por falta de tempo porque a vida assim não o permitiu, não esteve presente ou não conseguiu ajudar como queria. E isso foi-se acumulando no interior, e afastando-a, criando um certo atrito entre as duas. 

Como carapaça, a Ana veste a pele de despreocupada, de indiferente, de uma pessoa que não liga para os abraços e beijinhos (talvez para não se entregar demasiado e voltar a sofrer), de pessoa directa e sem papas na língua, fria, um pouco arrogante. Mas, no fundo, precisa tanto ou mais de um abraço que a Maria.

 

A Maria é a filha mais nova, e tem uma boa relação com a mãe. É aquela filha com quem não tem que se preocupar, porque não dá problemas. A mais ligada à mãe, muito amiga, que tenta fazer de mediadora entre a irmã e a mãe, para ver se se entendem de vez. Com a irmã, também existe uma grande cumplicidade, mas se tiver que a chamar à razão, também o faz.

 

Uma coisa é certa: problemas à parte, que todas as famílias os têm, é bem visível a admiração e orgulho que sentem umas pelas outras.

Só falta mesmo, o tão esperado abraço!

 

 

Deixo-vos aqui a entrevista às atrizes:

 

 

 

Contrastes

Resultado de imagem para contrastes

 

Um teatro a fazer lembrar os aposentos de um palacete, daqueles antigos mas, depois, quando entramos na sala, uma sala perfeitamente normal, com cadeiras de plástico/ metal estrategicamente dispostas nos degraus, proporcionando um contacto directo com os actores, que estavam mesmo à nossa frente, sem qualquer palco. Uma sala onde se ouviam aplausos e falas de outras peças que estavam a decorrer nesse mesmo teatro, noutras salas.

 

 

Pessoas elegantemente vestidas, com os seus melhores sapatos, casacos de pele, e afins. Turistas dispostos a gastar o seu dinheiro num dos bairros mais emblemáticos e tradicionais de Lisboa. Um pouco mais à frente, os sem abrigo acomodavam-se por entre cartões e uma ou outra manta, para passarem a noite ali no chão, ao frio.

 

 

O mundo está cheio de contrastes...

A minha experiência com a Uber

Imagem relacionada

 

Não vou falar da facilidade com que se utiliza a aplicação, da rapidez com que os motoristas chegaram até nós, nem da condução segura e calma que fizeram nos respectivos trajectos.

Costumo andar de táxi, normalmente quando o meu marido está a trabalhar e preciso de levar as compras do mês para casa. Ou quando chove muito e a minha filha tem que ir para a escola. Tenho o contacto de uns taxistas - pai e filho - e quase sempre são eles que nos levam. Já nos conhecem. O caminho é curto, mas lá se enverada por conversas banais. Não tenho razão de queixa.

Esta sexta-feira, à noite, foi a primeira vez que andámos de Uber. O meu marido à frente, eu e a minha filha atrás. Em Lisboa. E soube tão bem!

O meu marido encarregou-se da conversa de ocasião. A minha filha ia entretida com o telemóvel.

E eu, aproveitei para apreciar a vista, em silêncio, que sabe tão bem, apenas com a música de fundo do rádio, bem escolhida por sinal, o que ainda contribuiu mais para aquele momento "zen"!

A música era realmente muito boa, calma, mas sem nos dar sono, apenas a transportar-nos para onde a mente se deixasse levar.

 

E há que realçar a simpatia e educação da motorista que nos levou de regresso - 5 estrelas! 

RX - Coração Noir

JogoDeSombras1.jpg

Os Coração Noir, banda lisboeta que lançou o seu primeiro single homónimo em outubro de 2015, e que apresenta agora, depois de, em 2016, ter editado em formato digital o álbum "Jogo de Sombras , um novo single "Fogo Cruzado, são os convidados deste RX! 

 

  

Resultado de imagem para rx

 

 

1 – De que forma definiriam os Coração Noir, através destas palavras?

 

Coração – A máquina que bombeia a música em batidas por minuto.

 

Voz – Se os olhos são a janela da alma, a voz é a porta de entrada.

 

Sombra – A sombra é crucial para que os jogos de luz ganhem vida.

 

Fogo – Gostamos de brincar com ele…

 

Limite – Só existe se formos pequeninos…

 

Luz – Tem que ser doseada e equilibrada com a escuridão, senão ofusca.

 

Novo – Não existe futuro sem contemplar o passado: construímos o “novo” juntando obrigatoriamente várias camadas de “velho”.

 

Amor – Misturado com a melancolia, a saudade e a paixão, o amor faz de nós aquilo que somos e o que tocamos.

 

Preto – Se a luz ofusca, a escuridão atrai pelos mistérios que esconde.

 

União – Regra de ouro de uma banda: o colectivo sempre acima das vontades individuais!

 

 

2 – Jogo de Sombras foi o primeiro álbum da banda, editado em 2016. Cerca de um ano depois, notam que houve algum tipo de mudança, relativamente à forma como criam as vossas músicas, e como encaram o trabalho na área da música?

Este ano serviu para tornarmos o projecto mais consistente, aprendendo com os tropeções e ajudando-nos a ganhar mais maturidade no nosso som e nos processos de composição e interpretação. Cada álbum é uma pedra basilar do percurso, sobre a qual continuamos a explorar caminhos e sonoridades.

O trabalho na área da música é hoje muito exigente com batalhas em várias frentes: um músico tem de ser também gestor, contabilista, publicitário, informático, técnico…

 

 

fogo cruzado.jpg

 

3 – “Fogo Cruzado” é o novo single dos Coração Noir, lançado em setembro nas plataformas digitais. É o primeiro single do futuro álbum da banda?

Na realidade, o Fogo Cruzado é o fechar do ciclo do Jogo de Sombras. A canção saiu como tema bónus na versão física do álbum (faixa 12), mas por ter qualidades de single não queríamos deixar de a disponibilizar a quem ouve música exclusivamente em formato digital – e são muitos os que assim o fazem…

 

 

4 – Desde que iniciaram o vosso percurso, foram várias as experiências e momentos que viveram, e que ainda hoje recordam. O que destacariam de melhor e de pior, até hoje, nesta vossa aventura?

Não há música se ela não for ouvida, por isso penso que falo por todos quando digo que o que nos dá mais prazer é a resposta de quem nos ouve, seja nos concertos ou nos comentários que vamos recebendo aqui e ali. É uma sensação muito boa saber que a nossa música toca as pessoas no seu âmago e lhes traz prazer. Também destacaria a boa relação que temos uns com os outros, que nos permite aturarmo-nos mutuamente nos momentos mais complicados…

A fase mais stressante que passámos coincidiu com a produção do álbum, pois tendo sido uma produção própria “saiu-nos do pêlo” - foi um trabalho muito intenso que exigiu um esforço hercúleo de alguns de nós para conseguir conjugar todas as componentes das nossas vidas com longas tiradas de estúdio e tudo o mais. Mas no final, olheiras à parte, o sentimento de missão cumprida com um produto que nos satisfez muito fez com que tivesse mesmo valido a pena!

 

 

5 – O que podemos esperar dos Coração Noir neste final de 2017, e para o próximo ano?

Para já, vamos continuar a tocar e a promover o Jogo de Sombras tanto quanto possível – está em aberto a possibilidade de rodarmos mais um videoclip (para o Fogo Cruzado). Vamos ver… estamos neste momento a reflectir sobre o próximo passo a dar, mais concretamente no caminho das nossas composições com os olhos postos num segundo álbum que, no entanto, só verá a luz do dia talvez daqui a um ano.

 

Muito obrigada!

Obrigado e vida longa a’O Meu Canto! 

 

 

Nota: Este RX teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens.

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP