Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O "momento da verdade"

 

 

 

Está a chegar, para mim, aquele a que eu chamo "o momento da verdade"!

Uma nova etapa no percurso escolar da minha filha vai iniciar já no próximo ano lectivo, com mudanças em todos os sentidos, e responsabilidades acrescidas.

Já não é uma criança pequenina, mas também não é uma adolescente. E, ainda que fosse, para nós são sempre crianças!

Crianças às quais tem que se dar a devida autonomia, liberdade, responsabilidade, e ver como se comportam e utilizam esses benefícios.

Tenho muitas preocupações a acalmar, muitos conselhos para dar, uma grande conversa para ter com ela antes do início das aulas.

Mas a primeira questão que se coloca, já na renovação da matrícula, é a das saídas da escola. Será preferível autorizá-la a sair, para vir para casa, sempre que não tenha aulas, ou a permanência dela na escola até ao fim do período lectivo?

 

Divagação do dia

Às vezes apetecia-me...ser livre!

 

Pegar numa mochila e partir sem destino, rumo à aventura. Poder conhecer outras gentes, outras culturas...ver outras realidades que existem para além do meu pequeno mundinho.

Poder experimentar diferentes tipos de trabalhos, por opção, sem ter que depender de nenhum...fazer as coisas por gosto e não por obrigação!

 

Fazer amigos aqui e ali, deixar saudades e boas recordações, deixar a minha marca pessoal por onde passasse...

Ajudar, como pudesse, quem mais precisasse - levar sorrisos às crianças, recolher aquele animal abandonado...

 

Poder chegar aos meus 70 ou 80 anos e ter mil e uma aventuras e experiências para contar aos meus filhos e aos meus netos - sim, porque mesmo sendo livre, há lugar para o amor!

 

Sentir que valeu a pena esta passagem pela vida, e que não vim aqui somente para permanecer presa em mil e uma teias que determinadas circunstâncias e, talvez eu própria, tenhamos criado! 

  • Blogs Portugal

  • BP