Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando as aparências contam mais que tudo o resto

IMG-20200402-WA0002.jpg

 

Estava a ter início o estado de emergência, quando começaram a fazer alguma coisa neste edifício.

Pelo que soube, havia um comodato à Santa Casa da Misericórdia mas, como nunca chegaram a fazer nada, o edifício voltou para as mãos da Câmara Municipal, que entendeu que era urgente a intervenção, uma vez que estamos numa zona que até tem ao lado uma igreja e um palácio históricos, e não era estético.

Além disso, era usado para fins menos próprios, pelo que era preciso cortar o mal pela raiz.

E eu pensei "Mais vale tarde, que nunca. Ao menos, que dêem um uso ao edifício". 

Assim, como podem ver, toda a frente foi pintada, as ervas do quintal arrancadas, todo o lixo retirado e, apesar de não se conseguir ver, levaram o mobiliário velho que lá havia dentro.

Para evitar intrusos, entaiparam portas e janelas, à excepção de uma lá no alto.

Só que, para já, foi mesmo só isso que fizeram.

 

 

Edifício da Misericórdia de Mafra palco de actividades marginais ...

 

Durante anos, este edifício esteve assim: degradado, abandonado, esquecido. Servia para actos de vandalismo, para morada de drogados e sem abrigo, para colónia de gatos, para depósito de lixo.

Agora, é verdade, tem outro aspecto. Está mais bonito. De cara lavada. 

Mas falta tudo o resto.

De que adianta esta bonita aparência (que mais dia menos dia tende a desaparecer), se o edifício ficar, de novo, mais uns quantos anos sem qualquer uso ou utilidade?

Só para ficar bem na fotografia? 

 

 

Imagens: Marta e jornaldemafra

Mafra está a distribuir kits de máscaras por toda a população

92937426_3111325088911912_547902024398667776_o.jpg

 

Aqui no concelho, o Presidente da Câmara distribuiu por toda a população, kits com 8 máscaras (1 kit por família/ casa).

Depois das imensas dúvidas, de como seria, caso o uso da máscara fosse obrigatória - se teríamos de comprar, se seriam distribuídas nos espaços públicos e transportes, ou como teríamos acesso a elas, sobretudo tendo em conta o preço, e a escassez das mesmas, eis que surge esta excelente iniciativa da Câmara Municipal de Mafra, que é de louvar.

Durante o dia de ontem, foram colocados os kits nas respectivas caixas de correio.

 

Dizem que estas máscaras, agora distribuídas, deverão ser suficientes para 2 meses.

Ora, na nossa casa, somos pelo menos dois a sair, pelo que, ainda que só se vá às compras uma vez por semana, há sempre outras situações em que poderemos ser obrigados a usá-la.

Assim, duvido que 8 máscaras sejam suficientes para os dois meses que seria suposto durarem.

Mas é uma grande ajuda e, agora, caberá a cada um, fazê-las render.

 

Tenho um Centro de Testes de COVID-19 a cerca de 500 metros de casa

 

Cerca de um ano depois de o novo Centro de Saúde de Mafra ter sido inaugurado, e ter ficado bem mais perto de casa, que o anterior, tem agora uma importante missão pela frente.

Além de ter sido implantada uma tenda junto ao edifício, para atendimento de despiste ao coronavírus, ainda transformaram o antigo liceu, recentemente espaço dedicado à Universidade Sénior e Conservatório de Música, entre outros, num centro de testes de Covid-19.

 

Confesso que, quando passei por lá na manhã em que estava a colar os cartazes gigantes no muro e no edifício, pareceu-me um verdadeiro "hospital de campanha", daqueles a que só estamos habituados a ver em livros, filmes, ou noutros países, em cenário de guerra, bem longe de nós.

 

Ainda assim, até tem estado tudo calmo aqui na vila.

 

À excepção de uma qualquer máquina (quem viu diz que era um tractor), que andou a desinfectar as ruas na noite de sexta para sábado, e que mais parecia um tanque de guerra, ali a escassos metros de casa, a levar tudo pela frente.

Isto, às duas da manhã. Com tudo em silêncio. 

Acordei assustada. E a gata também. Parecia uma retroescavadora que estava ali para derrubar a casa.

Felizmente, nem o meu marido nem a minha filha deram por nada.

 

 

 

Medidas de prevenção com que me deparei aqui em Mafra

A imagem pode conter: flor, texto que diz "NOVO CORONAVÍRUS (COVID-19) MEDIDAS MUNICIPAIS DE PREVENÇÃO A prevenção é uma missão de TODOS Proteja-se, conte connosco"

 

Sexta-feira foi o meu primeiro contacto com esta nova realidade das medidas de prevenção contra o Covid-19 aqui em Mafra.

Tive que ir à farmácia, e avisaram-me logo que tinha que esperar do lado de fora, até que alguém saísse. Só ficam na farmácia 5 pessoas ao mesmo tempo.

Já na pastelaria onde fui, apenas estavam a usar luvas.

 

No sábado, fui às compras à hora de almoço. Todos me diziam que ia na pior hora mas, afinal, até fui em boa hora. Estavam poucas pessoas no Intermarché. 

Não havia ninguém com protecção, nem qualquer restrição de entrada.

A mesma coisa no Continente.

Daquilo que ia comprar, tinham tudo. No entanto, reparei nas prateleiras vazias do papel higiénico. Carne e peixe, como não precisava, não vi se havia ou não.

Uma das funcionárias disse que, de manhã cedo, as pessoas faziam fila à porta, algo que o meu pai já tinha visto durante a semana.

 

Já no Lidl, estava o segurança à porta, a barrar as entradas. Só pude entrar depois de sair um cliente.

Notei que os funcionários andavam de luvas, e tinham frascos de gel junto às caixas.

 

Os meus pais foram almoçar a um restaurante que, apesar de aberto, tinha poucas pessoas. E já tinham o espaçamento entre mesas implementado.

Outro restaurante, aqui perto de nós, fez um comunicado no facebook, a pedir aos clientes habituais que optem por comprar as refeições e levar para casa, em vez de comerem lá.

 

As feiras, em espaço aberto, foram canceladas. Os ginásios estão encerrados, tal como outros espaços de lazer. As actividades desportivas e culturais foram suspensas.

 

Eu, vou trabalhar, mas o escritório estará encerrado a clientes. Só atendemos telefone. E fazemos o serviço que possa ser realizado, sem saídas para o exterior, até porque suponho que a maior parte dos serviços públicos estejam também a meio gás ou mesmo encerrados.

 

É possível que, daqui a uns tempos, tudo fique ainda mais restritivo.

Vamos esperar para ver, sempre com calma e pensamento positivo.