Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Memorial do Convento", de José Saramago

 

Foi preciso chegar aos 43 anos, para ler o tão falado, e famoso, "Memorial do Convento", de José Saramago.

Acredito que para cada livro, há um tempo, uma idade, uma maturidade para o ler, e melhor o compreender.

E, se assim não for, muito se perde da mensagem, e da ideia, que nele estão contidas. 

Muito passará ao lado, e pouco se entenderá, de tudo o que vier lá escrito.

Por isso, acho que este era o tempo certo para ler esta obra, que descreve a vila onde vivo, e os locais por onde passo diariamente, hoje bem diferentes daquela época mas, ainda assim, reconhecíveis pelo nome.

 

A história, já a conhecia: D. João V, casado com D. Maria Ana, promete mandar construir um convento em Mafra, se conseguir o tão desejado herdeiro, que tarda em chegar.

A par com esta promessa, a construção da passarola, pelo padre Bartolomeu Lourenço.

E a junção de personagens marcantes, como Baltasar Sete-Sóis, Blimunda Sete-Luas e Domenico Scarlatti.

 

Passada na época da Inquisição, da censura e dos autos de fé, esta obra, escrita quase de forma corrida, sem grande preocupação com a pontuação, está carregada de ironia e sarcasmo.

É uma crítica à justiça, à Igreja, à corrupção, à religião, e às crenças.

"Dizem que o reino anda mal governado, que nele está de menos a justiça, e não reparam que ela está como deve estar, com sua venda nos olhos, sua balança e sua espada...

...havendo que faltar à lei, mais vale apunhalar a mulher, por suspeita de infidelidade, que não honrar os fiéis defuntos, a
questão é ter padrinhos que desculpem o homicídio e mil cruzados para pôr na balança, nem é para outra coisa que a justiça a leva na mão. Castiguem-se lá os negros e os vilões para que não se perca o valor do exemplo, mas honre-se a gente de bem e de bens, não lheexigindo que pague as dívidas contraídas, que renuncie à vingança, que emende o ódio, e, correndo os pleitos, por não se poderem evitar de todo, venham a rabulice, a trapaça, a apelação, a praxe, os ambages, para que vença tarde quem por justa justiça deveria vencer cedo, para que tarde perca quem deveria perder logo. É que, entretanto, vão-se mungindo as tetas do bom leite que é o dinheiro, requeijão precioso, supremo queijo, manjar de
meirinho e solicitador, de advogado e inquiridor, de testemunha e julgador..."
 
 
 
É uma crítica aos governantes, aos que têm poder, aos que enganam o povo e o fazem acreditar que tudo é pelo seu bem.
 
"...e assim o preço, que ia baixar, não baixa, se for preciso deita-se fogo a um celeiro ou dois, mandando em seguida apregoar a falta que o trigo ardido já está fazendo, quando julgávamos que havia tanto e de sobra. São mistérios mercantis que os de fora ensinam e os de dentro vão aprendendo..."
 
 
 

É uma crítica aos que pensam que tudo o que vem de fora é sempre melhor, tem mais valor e qualidade do que o que é feito em Portugal.

 "...se desta pobre terra de analfabetos, de rústicos, de toscos artífices não se podem esperar supremas artes e ofícios, encomendem-se à Europa. De Portugal não se requeira mais que pedra, tijolo e lenha para queimar, e homens para a força bruta, ciência pouca. "

 

 
Tendo em conta tudo o que tinha ouvido falar sobre o livro, até fiquei surpreendida pela positiva.
Claro que toda aquela descrição das obras da construção do Convento são secantes, não entusiasmam e nos fazem passar à frente, ou ler na diagonal, mas tem vários capítulos que nos fazem querer saber mais sobre o que vai acontecer, e como se vai desenrolar aquela história.
É o caso da construção da passarola. Ou da árdua recolha das vontades em Lisboa, quando a cidade foi acometida por uma epidemia de varíola.
As consequências da guerra na vida daqueles que de lá voltam, com as marcas no corpo e na mente.
Ou os poderes da Blimunda.
 
Qual será o destino reservado a todas aquelas personagens?
Voará, de facto, a passarola?
Poderá, D. João V, ver a sua obra edificada, antes de morrer?
 
 
 
É um livro que, não sendo daqueles que elegemos como favorito, vale a pena ler!

E com citações que ainda hoje fazem todo o sentido, e se mantêm actuais:

 

"...ainda ontem se derrubavam muralhas e hoje se desmoronam cidades, ainda ontem se exterminavam países e hoje se

rebentam mundos, ainda ontem morrer um era uma tragédia e hoje é banalidade evaporar se um milhão..."
 
 
"...que é nascer, Nascer é morrer..."
 
 
"...a morte vem antes da vida, morreu quem fomos, nasce quem somos, por isso é que não morremos de vez..."
 
 
"...o bem não dura muito, não demos por ele quando veio, não o vimos quando esteve, damos-lhe pela falta quando partiu..."
 
 

 

Centro de Interpretação da Vila de Mafra na Quinta da Raposa

IMG_20210628_135248.jpg

 

"A quinta tem uma história complexa e multifacetada.

Foi comprada pelo Barão do Resgate ainda no século XIX e depois transformou-se em Viveiro Nacional de Mafra, na época do combate à filoxera.

Sucederam-se os arrendatários até 1954, ano em que o conjunto foi adquirido e transformado em Seminário de S. Vicente de Paulo. 

Finda a ocupação religiosa, o edifício foi adaptado a Escola Preparatória e Secundária de Mafra, que funcionou até 1990, data em que foi adquirido pela Câmara Municipal de Mafra.

O espaço multifuncional albergou a CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, e alberga outros serviços cedidos a entidades exteriores, como a USEMA – Universidade Sénior de Mafra e Conservatório de Música de Mafra.

Integra, ainda, a Casa da Música Francisco Alves Gato, auditório que recebe variados espetáculos musicais."

 

Recentemente, serviu de laboratório para realização de testes Covid-19.

E, agora, é também na Quinta da Raposa que se encontra o Centro de Interpretação da Vila de Mafra e Centro de Interpretação das Linhas de Torres.

 

 

IMG_20210628_125049.jpg

 

Foi inaugurado no passado dia 26 de junho, na presença do presidente da Câmara Municipal de Mafra, e com as palavras do professor Manuel Gandra, perante uma pequena plateia que se encontrava no exterior, à espera do aguardado momento da visita.

 

 

IMG_20210628_135332.jpg

 

Será, certamente, mais um ponto obrigatório, para quem visita a vila de Mafra.