Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando o Ministério da Educação se põe a brincar connosco

naom_5b168ebddacd9.jpg

 

Costuma-se dizer, para as pessoas impulsivas, que primeiro têm que pensar, e só depois agir.

Há quem costume fazer precisamente o oposto, e depois as coisas não correm como seria de esperar.

 

Nos últimos tempos, parece que é o que o Ministério da Educação tem estado a fazer: a agir primeiro, e a pensar depois. E, entre um momento e outro, enquanto diz, e desdiz, enquanto avança, e recua, enquanto põe toda a gente a fazer o que, afinal, não era preciso ser feito e quando, finalmente, percebe isso, já levou, entretanto, os encarregados de educação à loucura, com stress e perda de tempo desnecessários.

 

Primeiro foi a história da devolução dos manuais escolares.

Os alunos tinham, porque tinham, de devolver os manuais escolares, consoante um calendário pré estabelecido, para cada escola, turma e ano.

Mesmo quando estava à vista de todos nós, alunos, pais, professores e encarregados de educação, que os mesmos ainda viriam a ser precisos, porque era preciso consolidar, ou dar o que ficou por dar, deste ano lectivo que acabou.

Ainda assim, a devolução começou a ser feita, e só depois é que voltaram atrás e decidiram que, afinal, a devolução ficaria suspensa, até nova ordem.

Não poderiam ter evitado descolações desnecessárias para todos? E quem já devolveu, como é que faz?

Mas, pelo meio, já eu tinha recebido um email a informar que, como todas as disciplinas poderiam ser objecto de exame, no 11.º ou 12.º, não seria  preciso devolver nenhum manual este ano. Apenas após a realização dos exames, ou seja, alguns no final do próximo ano, e outros no final do seguinte.

 

Depois, as matrículas ou renovação de matrículas no Portal das Matrículas.

Qualquer um de nós sabia que, a partir do momento em que são várias as pessoas a aceder ao mesmo site, o mesmo iria apresentar problemas, dificuldades e, em último caso, inviabilizar o procedimento.

Mas o Ministério da Educação foi inflexível. 

E, por entre erros, desespero, stress por o prazo estar no limite, e com acessos a horas impensáveis, para se ser bem sucedido, lá conseguiram alguns encarregados de educação concluir o processo.

Agora, vêm dizer que, afinal, para a maior parte dos anos, não é preciso os pais fazerem nada, porque a renovação passa a ser automática.

Mas estão a brincar connosco?

Então se agora pode ser, porque é que não o fizeram logo?

Tinham evitado o sobrecarregamento do sistema, e se calhar já muitas mais pessoas teriam feito tudo com calma, e sem desesperar com os constantes bloqueios.

 

Como é óbvio, isto não ficará por aqui.

Já foi anunciado pelo ministro da educação que, no próximo ano, as aulas são para ser, preferencialmente, presenciais, e que não haverá necessidade de dividir as turmas ainda que, entre cada aluno, tenha que haver uma distância de 1,5 metros. Só pode ser piada, claro! Nunca seria possível caberem 28 alunos, com esse distanciamento, numa sala de aula normal.

 

E, como se não bastasse ter que estar de máscara, numa sala de aula, durante horas, incluindo intervalos e, com isso, reduzir a concentração dos alunos, o ministro também acha que o único momento de descanso que têm, tanto no Natal, como na Páscoa, deve ser encurtado.

Portanto, mais tempo de aulas, em piores condições, sem poder usufruir dos momentos de pausa para descontrair, e com menos férias.

A não ser que, entretanto, se apercebam que afinal, não pode ser assim, e mandem toda a gente para casa outra vez.

 

Imagem: noticiasaominuto

 

 

 

 

 

 

Quando os novos manuais escolares chegam a casa!

IMG_77801.JPG

 

É uma alegria!

Um momento mágico!

 

 

Abrir a caixa e tirá-los lá de dentro, novos, brilhantes, impecáveis.

Retirar o plástico dos que vêm embalados, cheirá-los, manuseá-los pela primeira vez.

Abri-los e descobrir aquilo que se irá aprender no próximo ano lectivo, e criar logo ali, consoante as matérias, uma empatia ou antipatia pelas mesmas.

 

 

Plastificá-los, se for o caso, identificá-los com etiquetas, e colocá-los no lugar dos antigos, que agora se arrumam noutra secção, até ver.

 

 

E ali ficam eles, a postos, até setembro. 

Daí em diante, podemos passar a querer vê-los à distância, e tudo pode acontecer com eles, chegando ao final num estado pouco recomendável.

Mas, até lá, vamo-los admirando...

 

Se uma determinada gata não se armar em guardiã, e não nos deixar sequer tocar neles!

Incerteza até ao último momento

Resultado de imagem para ensino secundário

 

 

Na próxima semana saem as notas finais, e é semana de matrículas para o 10º ano.

O curso está escolhido, bem como as disciplinas pretendidas.

Mas nada está garantido. É preciso que haja alunos suficientes para o curso, e para as disciplinas específicas que ela quer. 

E é preciso que seja admitida na escola pretendida.

 

 

Nos últimos anos, esta seria a altura de encomendar os manuais escolares, que chegariam lá para Agosto, mês em que comprava o material escolar básico.

E ficava descansada até ao início do ano lectivo.

 

 

Este ano, sinto-me de pés e mãos atados, sem poder despachar tudo como queria.

Tenho que esperar que saiam as turmas, para ver se ela ficou na escola e curso que quer. E, provavelmente, tenho que esperar (não sei se através da turma dá para ver) pela publicação dos horários, no início de setembro, para saber que disciplinas vai ter e, assim, que livros comprar.

Claro que posso sempre comprá-los antes mas, depois, se for preciso trocar, é mais complicado.

Só que não gosto de deixar tudo para a última hora e, este ano, sinto que vai ser incerteza até ao último momento.

 

 

Alguém por aí já passou por uma situação semelhante? 

Quando é que se fica a saber que disciplinas vão ter (se as escolhidas, ou outras por falta de alunos)?

É arriscado comprar já os livros?

Ou setembro é mais arriscado, por estarem esgotados ou em ruptura de stock?

Quando temos tanto ou mais trabalho a pagar, do que a receber!

Resultado de imagem para devolução dos manuais escolares

 

Esta semana ligaram-me da escola, por causa dos manuais escolares.

Estava na altura de devolver os manuais, uma vez que tinha usufruído dos auxílios atrabuídos pela acção social escolar.

Disse-lhes que os livros não estavam em condições, e que queria saber como restituía o valor anteriormente pago.

Informaram-me, depois de perguntar aos superiores, que teria que ir à escola pessoalmente, num dos dois dias seguintes.

De qualquer forma, mesmo que fosse para entregar os manuais, tinha sempre que lá ir.

 

 

Fui no dia a seguir ao telefonema.

Informei a funcionária do PBX do que ia fazer. Encaminhou-me para a tesouraria.

Na tesouraria, voltei a explicar o que ia fazer. Ficaram muito admiradas, e disseram que não era com elas. Que estavam apenas a fazer os pagamentos das visitas de estudo. O ano passado, tive direito a 10 euros mas este ano, pelos vistos, não há lugar a pagamento.

Fui recambiada para a secretaria. Na secretaria, a funcionária diz que se é para pagar os manuais é na tesouraria, e liga para elas. Explica o que têm que fazer, e que não avisou nada antes porque não sabia que eu iria lá logo no dia seguinte (não que me tivessem dado muito mais tempo).

Mais uma vez, fui reconduzida à tesouraria, onde as funcionárias reclamavam entre si, que ninguém as tinha informado de nada, que não tinham orientações nenhumas, que não sabiam onde guardar o dinheiro, nem o que cobrar.

Ao que parece, até agora, fui a única mãe que não entregou os manuais e, por isso, o primeiro caso que lhes apareceu à frente.

Lá receberam o dinheiro (não podia ser por multibanco), deram-me o troco e pediram desculpa pela confusão. 

 

 

Porque é que eu preferi devolver o dinheiro em vez dos livros?

Em primeiro lugar, porque considero que, se é uma coisa que tenho direito, não deveria ter que devolver.

Em segundo, porque gosto sempre de guardar os livros já que, na maioria das vezes, acabamos por ter que consultá-los nos anos seguintes. No caso da minha filha, indo para o 10º ano, há disciplinas que ela provavelmente já não terá, mas outras sim, e estes livros podem vir a ser úteis.

E, por último, porque alguns dos livros estavam mesmo em mau estado, sem capas e partes que deles faziam parte, colados com fita cola, sublinhados a fluorescente, e não serviriam para ninguém mais usar.

 

 

 

 

 

 

Em contagem decrescente para o final do 9º ano...

Resultado de imagem para finalistas

 

... e já a acusar o stress de tudo o que por aí vem!

 

  • Os testes finais, e o recuperar ou descambar, neste curtíssimo tempo de aulas que resta
  • Os exames, e as contas ao resultado necessário para não ter supresas no final do ano 
  • As aulas em tempo de férias
  • O baile de finalistas, e tudo o que ele implica: logística, tempo, ensaios de dança, organização
  • A escolha do curso, e as matrículas para a nova escola
  • A nova política dos manuais escolares
  • Uma nova escola, uma nova etapa

 

Sendo eu aversa a pressão e mudanças, já estou a sofrer por antecipação!