Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

É este o sistema de saúde que temos em Portugal

Resultado de imagem para saúde em portugal

 

O meu pai esteve quase um ano à espera de uma consulta de oftalmologia no hospital público, para futura cirurgia às cataratas.

Ontem foi, depois de vários adiamentos, o dia da consulta.

 

"O senhor tem uma grande catarata. Quer avançar para a cirurgia?"

"Claro!"

"Muito bem. Então dirija-se ao gabinete "x" para tratar de tudo."

 

O meu pai assim fez.

A funcionária explicou-lhe que iria fazer o primeiro exame em outubro, outro em novembro, e os restantes talvez só para o ano.

 

"Então e quando é que é marcada a cirurgia?"

"A cirurgia será marcada 8 meses depois de termos todos os exames!"

 

É este o sistema de saúde público em Portugal. 

Como é óbvio, quem pode, tem mesmo que se virar para o privado se quiser resolver os problemas de saúde a tempo.

 

É triste...

A saúde em Portugal no seu melhor!

 

A situação já não é uma novidade, mas nem por isso choca menos. Nem tão pouco me deixa menos inconformada com o estado a que as coisas chegaram e com a forma como é encarada a saúde em Portugal.

Vem isto a propósito das filas que se formaram à porta do Hospital da Ordem Terceira, no Chiado, em Lisboa, para a tentativa de marcação de um exame essencial de diagnóstico com anestesia - a colonoscopia!

E isto porquê? Porque apesar de o exame ser agora comparticipado, não existem muitos locais que o façam nesses termos e, os que fazem, exigem marcação presencial!

Por isso, as pessoas que realmente precisam de realizar o exame, e não podem pagá-lo numa clínica privada, "montam acampamento" à porta do hospital onde esperam ter a sorte de conseguir uma das tão desejadas 150 senhas diárias!

Umas com banquinhos para esperarem, literalmente, sentadas! Outras com espreguiçadeiras e mantas para passar a noite. Vê-se de tudo um pouco por ali. 

Que meia dúzia de adolescentes e adultos saudáveis o façam, de livre vontade, para assistir a um concerto, é lá com eles. Mas "obrigar" pessoas mais idosas, como é o caso da maior parte destas que vêm para a fila, a estar ali horas ou noites, sujeitas às condições meteorológicas, ao cansaço, ao desespero, a uma espera pela senha da sorte, quando a saúde deveria ser um direito garantido a todos, é revoltante.

Pior ainda, quando muitas dessas pessoas, depois de se terem levantado cedo, e gastado dinheiro em transportes, têm que voltar a fazê-lo novamente no dia seguinte, porque naquele dia não conseguiram senha.

Tudo isto poderia ser evitado com um simples telefonema. Mas parece que gostam de dificultar ao máximo o acesso à saúde gratuita.

E não é só com a marcação de colonoscopias que isto acontece. Cheguei a ter que ir para a porta do meu centro de saúde, às quatro da madrugada, para conseguir uma das 10 vagas do dia para consulta com a minha médica de família!

Quem tivesse carro, ainda pode esperar dentro dele. Mas também se viam por lá muitos idosos e outras pessoas sem qualquer protecção, nem local onde se abrigar, naquelas horas de espera, até o centro de saúde abrir. Apesar de a situação se ter alastrado durante anos, ninguém foi capaz de, ao menos, colocar ali um telheiro, um banco para sentar, nada! Felizmente, hoje em dia, já não acontece isso. 

Mas, de uma forma geral, a saúde em Portugal deixa muito a desejar, no que ao seu acesso, direitos e gratuitidade diz respeito.

Enquanto estamos vivos ela é bastante inacessível. Depois de mortos, já não precisamos dela!

 

As dificuldades de uma colonoscopia

 

 

transferir.png

 

Fazer colonoscopias não é fácil!

E não digo isto apenas pelo exame propriamente dito, mas pela dificuldade na marcação, pelo tempo de espera, pelo valor que se tem que desembolsar, e pela preparação que a antecede.

Um familiar meu teve que marcar este exame mas, aqui na zona, não fazem. Disseram-lhe que, pela caixa, só nas Caldas da Rainha, ou em Lisboa.

Ainda lhe sugeriram ir a uma urgência, mas tanto poderiam mandar fazer, como não. Ligou para alguns hospitais públicos que lhe responderam que teriam que analisar a situação, ou então que não faziam esse tipo de exame se a pessoa não fosse lá seguida.

Uma pesquisa por clínicas mais próximas também não deu frutos, porque não faziam pela caixa, e cobravam um valor exorbitante.

Finalmente, conseguiu marcar, telefonicamente, numa clínica em Mem Martins, por cerca de 50 euros. Para dali a um mês e meio. A primeira parte já estava. 

Dois dias antes do exame, começa a tortura da fome! Só alimentos líquidos, triturados, sopas ralas e pouco mais. Na véspera do exame, a mesma coisa até uma determinada hora porque, a partir daí, começa o jejum e o "tratamento de choque"! 

Sei do que se trata porque já passei pelo mesmo há uns anos quando tive que fazer um urograma. Beber 4 litros de uma preparação com um sabor horrível que, quando vamos a meio do primeiro litro, já só nos apetece vomitar (devo confessar que, no meu caso, só consegui chegar aos 2,5l).

Finalmente, o dia do exame que, felizmente, já pode ser feito com recurso à sedação, o que reduz substancialmente o incómodo e as dores que as pessoas mais temiam neste tipo de exame. 

Mas, atenção! Quem optar pela sedação tem que ir acompanhado, porque vai ficar completamente "pedrado" e não vai ser capaz de fazer mais nada nesse dia. O efeito só passa ao fim de algumas horas.

Bem vistas as coisas, um exame feito com credencial, pela caixa, numa clínica privada, mais o custo da preparação, ficou em mais de 70 euros, mas até nem teve que esperar muito. Em média, as marcações estão a demorar entre três e cinco meses.

Em Lisboa, por exemplo, apenas cinco clinicas que fazem o exame pelo serviço nacional de saúde no centro da cidade.

"Será um problema de preço ou pagamento? “Não queremos crer que seja um problema de preço. Se for marcar uma colonoscopia pelo Serviço Nacional de Saúde ou não marcam ou marcam com muito prazo. Na mesma unidade, no mesmo minuto, se for marcar uma colonoscopia paga particularmente marcam para a semana seguinte”, diz Vítor Neves, presidente da Europacolon.

Ora esta é apenas uma situação, no meio de muitas com igual importância, mas a necessidade de realizar este tipo de exames com rapidez, para despiste de doenças que devem ser detectadas o quanto antes, leva as pessoas a recorrer a outras alternativas e a pagar do seu próprio bolso, exames que são comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde, mas cuja marcação e tempo de espera para realização tornam impossíveis de realizar através desse mesmo serviço. 

Era hoje o teste?

Pergunta quem?

Não, não foi nenhum dos alunos que se esqueceu que hoje era dia de teste de matemática.

Quem se esqueceu foi mesmo a professora! Melhor dizendo, não se esqueceu. Diz que trocou as datas com outra turma.

Uma das minhas resoluções para 2015 era criticar menos, ser mais tolerante e paciente. Mas parece que as situações que se apresentam e me são servidas de bandeja, querem tornar essa resolução mais difícil de cumprir.

Não conheço a senhora, e sei que enganos todos cometemos, e esquecimentos todos temos, mas esta professora está a conseguir bater recordes e a dar comigo em doida (e nem sou eu que ando na escola e sou prejudicada).

É que não são uma, nem duas vezes, que os testes por ela marcados não são feitos no dia em que era suposto.

Parece que anda a brincar com os alunos, que está a dar aulas por dar, sem preocupações, sem saber o que lá anda a fazer. Se não tem competência e responsabilidade para a função, fique em casa.

Posso estar a ser muito mazinha, e a senhora até pode ser boa pessoa, mas as coisas não começaram bem e não têm corrido bem até agora. Impliquei com ela, com ou sem razão suficiente para tal, mas impliquei. 

E o pior é que, a menos que vá embora para outra escola, ou para casa, para o ano lá estará novamente a dar aulas a esta turma!

  • Blogs Portugal

  • BP