Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Os psicopatas das chamadas

Resultado de imagem para telefonar

 

Sabem quando precisamos mesmo de falar com alguém, e essa pessoa não nos atende as chamadas? 

O que fazemos, é ir ligando, uma e outra vez, até a pessoa atender, ou nós desistirmos!

Se soubermos que a pessoa pode estar com alguém, ou em algum local, do qual tenhamos o número, também pode acontecer ligarmos para o mesmo, para ver se apanhamos a pessoa com quem queremos falar.

Mas isto, é quando existe mesmo urgência em falar, em transmitir um recado, algo que não se pode adiar (ou não convém).

 

Não consigo perceber como é que algumas pessoas, que até nem têm nada de urgente para dizer, agem como "psicopatas das chamadas", ligando uma vez atrás da outra, sem dar espaço, como se o mundo fosse acabar dentro de instantes.

E se não atendem um telefone, ligam para outro e, se esse não dá e mais contactos tiverem, mais chamadas fazem.

 

Depois, há aqueles que, quando não se lhes atende as chamadas, enviam mensagens "chamativas", para ver se, ao lermos, nos aguçam a curiosidade e ligamos de volta!

 

O que acontece, mais cedo ou mais tarde, tal como aquele que tantas mentiras disse que, quando disse uma verdade, ninguém acreditou, é que, quando houver mesmo uma situação urgente, já ninguém vai ligar ou atender as chamadas dessas pessoas porque, até ali, não passaram de falso alarme.

O melhor de 2019 traduzido em votos para 2020!

Imagem relacionada

 

A equipa do Sapo Blogs desafiou-nos a escolher aquele que consideramos o melhor post escrito por nós, ao longo de 2019.

A selecção levou-me a eleger vários cujas mensagens, conjugadas, acabam por se traduzir naquilo em que cada um de nós deverá apostar, em 2020, e um pouco ao longo de toda a nossa vida.

 

Assim, para 2020, cada um de nós deverá:

  • Dar mais vezes o primeiro passo
  • Não ter medo de tomar decisões (e assumir a responsabilidade por elas, se for o caso)
  • Assumir compromissos sem medo 

 

  • Eliminar as pedras que estão no nosso sapato
  • Abrir o coração à felicidade, sem ter a tendência a sabotá-la
  • Sair mais vezes da concha que nos protege, sem receios
  • Comunicar mais, connosco e com os outros

 

  • Respeitar os demais
  • Não olhar apenas para nós mesmos

 

  • Encontrar o sentido da nossa vida
  • Sonhar
  • Acreditar
  • Permitir-se sentir
  • Fazer acontecer
  • Largar as bengalas a que nos agarramos, e caminhar por nós mesmos

 

  • Deixar de viver de aparências
  • Dar menos importância a coisas que não a têm
  • Fortalecer a linha com que cosemos a nossa vida

 

  • Combater a indiferença pelos que nos rodeiam 
  • Ajudar os que mais precisam, sem esperar nada em troca

 

  • Ser, sempre que possível, a melhor versão de nós próprios, aquela que nos faz sentir bem, e de bem com a vida

 

Tudo o resto, virá por acréscimo.

Que 2020 seja um ano muito feliz, pelo menos naquilo que depender de cada um de nós!

Que resposta se dá a isto?

Imagem relacionada

 

 

Recebi ontem à noite uma mensagem de um tio meu, com quem já não falo há cerca de um mês ou mais, com uns votos muito peculiares:

 

"desejo uma boa noite para ti e para toda a família...aproveita bem a vida e o que ela te dá, porque vais estar morta durante muitos anos..."

 

Não percebi se era para rir, se era para temer ou, simplesmente, ignorar. Optei pela terceira hipótese!

O que está para além da história de um livro

Imagem relacionada

 

É certo que o que nos capta a atenção em qualquer livro é, sem dúvida, a história que o mesmo nos conta.

Mas há livros e livros.

 

Há livros que se ficam por aí, sem que deles se consiga retirar algo mais que essa história, que lhe serviu de base. Tal como um fruto que, por mais que se esprema, não deita mais sumo.

 

E, depois, há livros que escondem, dentro de si, muito mais que aquilo que aparentam ou prometem. Atrevo-me até a dizer que, em alguns casos, acabam por ser mais significante todas as mensagens e ensinamentos que dele retiramos, curiosidades que aprendemos, ou questões que os autores conseguem fazer-nos levantar e debater, do que a própria história em si.

 

O que é óptimo, quando damos por nós a ler mais uma história igual a tantas outras, sobre a qual não há nada de especial para destacar, mas que acaba por nos convencer com outros argumentos e "armas".

E, mesmo que a história não nos tenha especialmente cativado, acabam por valer a pena serem lidos!

  • Blogs Portugal

  • BP