Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Jogos Cruéis", de Jodie Picoult

500x.jpg 

 

"Quando menti, acreditaram em cada palavra. E quando contei a verdade ninguém me deu ouvidos."

 

Como é que uma verdade se transforma numa mentira, e uma mentira se transforma numa verdade que, um dia, voltará a ser mentira?

Simples. Ou talvez não...

Se contarmos uma verdade em que seja difícil acreditar, seja por que motivo for, tendem a pensar que mentimos.

No entanto, se aquilo que, até então, parecia inacreditável, voltar a ser contado, por outros, se calhar até é verdade.

E, ao ver que, finalmente, se acredita na verdade, se calhar, se se contar uma mentira como se fosse verdade, também será credível. E acaba por ser.

Até que se torna sistema e, como tal, desacredita-se.

Por isso, da próxima vez que alguém contar a verdade, ela voltará a ser encarada como mentira.

Confuso, não?

 

Mas é à base da verdade, e da mentira, que se faz esta história da Jodi Picoult, em que um homem, Jack, acusado de um crime sexual, que afirma não ter cometido, cumpre uma pena reduzida conseguida por acordo, e se vê, agora em liberdade, a ter que reconstruir a sua vida, com o estigma de abusador, que afirma não ser.

Sem ter ninguém à sua espera, nem sítio para onde ir, acaba por ficar em Salem Falls, onde é contratado por Addie, para trabalhar no seu restaurante.

 

E é em Salem Falls que a sua vida vai voltar a ficar virada de pernas para o ar, quando uma outra asolescente o acusar de a ter violado.

Com um crime semelhante no cadastro, uma condenação anterior, as coisas não lhe são favoráveis.

Ninguém ali o conhece, e não tem por que acreditar num estranho.

Nem mesmo Addie, que entretanto se apaixonou por Jack, acredita na sua inocência. Afinal, vendo bem, ela também não o conhece.

 

E se nem mesmo os seus amigos, colegas de trabalho, e a própria mãe, acreditaram nele, da primeira vez...

Aliás, a mãe de Jack, lidando diariamente com vítimas de agressões sexuais e violência doméstica, não acredita que uma mulher minta sobre algo assim. Logo, o seu filho, é culpado.

Já Addie, tem alguma dificuldade em pensar que alguém mentiria sobre algo tão traumático que ela própria, naquela idade, experienciou. 

 

Na noite em que Gilliann afirma ter sido violada, Jack tinha sido agredido, tinha discutido com Addie, e tinha estado a beber num bar.

Na hora do crime, ninguém pode afirmar que o viu, ou esteve com ele.

Jack não se lembra de nada.

Mas afirma, novamente, a sua inocência.

Chega mesmo a dizer que nunca esteve naquele sítio.

 

Só que, na verdade, ele esteve no local onde ocorreu a violação.

Ele teve contacto com a alegada vítima.

E há sémen no interior da coxa dela.

 

Restam poucas dúvidas sobre o que poderá ter acontecido, até porque as amigas de Gillian confirmam a história.

No entanto, estas adolescentes têm andado a fazer coisas estranhas.

Armadas em "bruxas de Salem Falls".

A querer experimentar os seus poderes para salvar. Mas também para destruir quem se atravesse no seu caminho, ou considerem que merece um castigo.

Essas coisas estranhas envolvem rituais, feitiços, amarrações e drogas.

Drogas que provocam alucinações.

 

Ainda que as provas sejam reais.

Inconclusivas, mas reais.

 

Sabemos que, da primeira vez, Catherine mentiu, acusando Jack de algo que ele não fez.

Será que Gillian está a fazer o mesmo?

Ou, desta vez, aconteceu mesmo?

 

Não direi que este é o melhor livro da autora porque, para mim, existem um ou dois melhores.

Mas é, sem dúvida, muito bom!

É um livro que mostra como uma pequena mentira pode causar danos irreparáveis da vida de alguém.

E como situações, que nunca deveriam acontecer, implicam consequências para quem sofre os abusos, que depois se reflectem no seu próprio comportamento, para com os outros.

É também uma história que mostra como seguir em frente, por mais difícil que seja.

Sobre perda, e superação. 

Sobre resiliência. E perdão.

Tive algum receio de que a autora fosse por caminhos que, para mim, deixariam de ter interesse. Mas, felizmente, isso não aconteceu.

 

Para quem tiver curiosidade, existe um filme, baseado nesta obra, estreado em novembro de 2011, e estrelado por James Van Der Beek , Sarah Carter e Amanda Michalka.

 

Pequenas "mentirinhas" que nos vão contando...

png-transparent-the-adventures-of-pinocchio-the-fa

 

No futebol existem as faltas tácticas.

São cometidas, intencionalmente, com o objectivo de travar uma jogada de ataque perigosa. Ou com outra intenção que seja benéfica, naquele momento, para a equipa de quem as comete.

Ainda que saibam que estão a cometer faltas e, como tal, serão penalizados, compensa-lhes.

 

Na nossa vida, em vez de falhas tácticas, somos brindados com pequenas "mentirinhas" que nos vão contando e que, de certa forma, nos apaziguam temporariamente, embora depressa percebamos que não passam de conversa fiada.

Mentirinhas como "já estou quase a chegar", quando, muitas vezes, ainda nem de casa se saiu!

Ou do género "ainda hoje alguém entrará em contacto consigo", e nunca ligam!

 

Ontem, calhou-nos outra: "Ah e tal, demora cerca de uma hora, uma hora e meia"

Pois...

A minha filha chegou à loja perto das 14.30h. Disseram-lhe que só às 18h poderia ir buscar o equipamento. Portanto, 3 horas e meia! Que se transformaram em 4 horas, porque à hora prevista ainda não estava pronto.

 

E é isto.

Anda meio mundo a mentir, estrategicamente, a outro meio mundo, e vamos engolindo todas, sabendo que o são, umas mais fáceis de digerir que outras, porque, afinal, somos nós que precisamos das coisas.

 

"Mentiras", na Netflix

mentiras-1-83938532-G.jpg 

 

Ela é professora.

Está em processo de separação, após um casamento de vários anos que chegou ao fim, apesar de manter a amizade com o ex marido.

Está livre, e pronta para refazer a sua vida e, quem sabe, encontrar de novo o amor.

 

Ele é cirurgião.

É pai de um dos alunos dela, e é daí que se conhecem.

Está livre, e quem sabe não encontra, nela, a pessoa com quem iniciar um novo relacionamento.

 

Apesar de reticente, considerando que talvez seja cedo e ainda não esteja preparada, Laura aceita o convite para jantar com Xavier.

Passam uma noite agradável, que termina em casa de Laura.

Um copo de vinho, enquanto o táxi não chega para levar Xavier a casa.

 

Laura acorda no dia seguinte, e todo o seu brilho se foi.

Parece que envelheceu uns bons anos.

Não se sente bem. Está estranha.

Xavier não está. Apenas uma mensagem de que foi uma noite inesquecível.

Resta saber em que sentido, para um, e para outro...

 

Laura desabafa com a irmã sobre o facto de achar que foi drogada, e violada, por Xavier.

Seguem-se os trâmites habituais: exame físico, queixa à polícia, e interrogatório a Xavier.

Que não faz a mínima ideia do que se terá passado, na cabeça de Laura, para lhe fazer tal acusação. 

Na verdade, Xavier mostra-se incrédulo, estupefacto, meio perdido, com tal afirmação. E tenta, como pode, perceber, junto de Laura, o que a levou a pensar que ele tenha feito tamanha monstruosidade. Sem sucesso.

 

Apesar de, por momentos, até mesmo Xavier a ter feito duvidar, Laura mantém a sua versão, e vai tentar de tudo para provar que está certa.

Ainda que os exames não tenham acusado nada: nem presença de drogas, nem indícios ou marcas de agressão, nada.

 

Quem fala a verdade? 

E quem está a mentir?

Será Laura capaz de inventar esta história? Por loucura? Ou com que intenção?

Será Xavier, de facto, um abusador e violador?

 

Mas estas não são as únicas verdades por descobrir.

Há muito mais mentiras a pairar em torno de Laura, e dos que lhe são mais próximos e que, a seu tempo, serão descobertas.

 

Esta é uma minissérie de 6 episódios, que cativa desde o primeiro instante, e que se vê muito facilmente.

Confesso que, no fim do primeiro episódio, eu mesma duvidei da veracidade de tudo o que Laura afirmou.

Terão os seguintes, conseguido fazer-me mudar de ideias?

 

Só vos digo que o melhor, mesmo, é não confiarem em ninguém.

E que até as pessoas que aparentam ser mais inocentes, podem esconder crimes que nunca imaginaríamos!

 

 

Depois d' "A Rede"...

Resultado de imagem para a rede conceição lino

 

... acho que vamos andar todos desconfiados sobre aquelas pessoas que temos adicionadas no facebook, e que não conhecemos pessoalmente!

Não se vá dar o caso de ser um perfil falso, uma personagem inventada, uma pessoa fictícia.

 

 

A verdade é que, quando nos inscrevemos e utilizamos este tipo de redes sociais, sabemos os riscos e perigos que corremos, sabemos que nem tudo o que por lá se vê é verdade, que cada um diz e coloca lá o que mais lhe convém, e que há muito boa gente que faz, de enganar e manipular os outros, o seu modo de vida, sobretudo se conseguir lucrar alguma coisa com isso.

E se não sabemos, é porque somos mesmo muito ingénuos, ao ponto de acreditar em tudo o que vemos, sem desconfiar, sem duvidar.

 

 

Claro que, apesar de tudo isso, não estamos livres de sermos apanhados no meio de uma rede como esta, de que fala a reportagem de Conceição Lino.

A forma como é engendrada, de forma a que tudo pareça real e credível, torna mais difícil desconfiar de que algo não bate certo, até porque, por um lado, temos tendência a acreditar que ninguém tem necessidade de estar a enganar os outros e, por outro, temos tendência a solidarizar com as desgraças alheias e a criar empatia por quem por elas passa.

 

 

Hoje será transmitida a terceira e última parte desta reportagem, que nos mostra como Sofia conseguiu arrastar para a sua "rede", Nuno, Maria, Ana, Margarida e até Irene, mãe de Nuno.

E talvez aí se consiga perceber qual o principal objectivo de toda esta história inventada, o porquê de envolver estas pessoas, ou a necessidade de o fazer.

Para além de ter feito Nuno apaixonar-se pela imagem e personagem por si criada, ainda conseguiu arrastar outras pessoas desconhecidas, que com ela criaram laços por conta do seu drama, e que passaram a fazer parte da sua falsa vida.

 

 

Porquê? 

Por prazer em brincar com os sentimentos, emoções e vida das pessoas?

Para se sentir mais poderosa, capaz de controlar estas pessoas, e fazê-las jogar o seu jogo sem o saberem, como marionetas nas suas mãos?

O que ganhou esta mulher com toda esta trama inventada?

 

 

E sim, é perfeitamente normal que as pessoas envolvidas estejam revoltadas, e se sintam usadas, manipuladas, enganadas. Que se sintam frustradas consigo mesmas por terem estado tão cegas durante todo aquele tempo, por não terem desconfiado de nada, por terem engolido toda a história de boa fé, sem se questionarem.

 

 

No entanto, embora condenando a atitude desta mulher, não posso deixar de constatar que, apesar de tudo, ela acabou por, de certa forma, dar um sentido à vida destas pessoas que com ela se envolveram.

No caso de Nuno, apesar de todo o desgaste, abuso e chantagem emocional, durante aquele tempo, ele teve um objectivo na sua vida. Se precisava? Se calhar, sim. 

Não criticando a sua atitude, que qualquer um de nós poderia ter, a verdade é que sendo ele um homem bem resolvido, de bem com a vida, com o seu trabalho, amigos e família estruturada, que necessidade tinha de se envolver com alguém, desta forma, sem nem sequer a conhecer pessoalmente? 

A necessidade de se apaixonar. Faltava essa parte na sua vida, e foi por aí que a suposta Sofia atacou.

 

 

Quanto às restantes, todas afirmam que, a determinado momento, foi essa Sofia que lhes deu força e apoiou em situações mais delicadas que elas próprias passaram. Que acabaram por desabafar os seus problemas com ela, e de receber uma força do outro lado que não esperavam.

Ou seja, estas pessoas precisavam de alguém que as ouvisse, com quem pudessem conversar, sem julgamentos. E Sofia aproveitou-se dessa necessidade.

Por outro lado, o facto de apoiarem uma pessoa tão jovem, que sofria de cancro mas que, apesar de tudo, parecia sempre de bem com a vida e bem disposta, também lhes deu um sentido à vida, um propósito. Sentiam-se úteis, por ajudarem alguém. Mais uma vez, Sofia encarregou-se disso.

 

 

E por aqui se pode perceber que, quem planeia engendrar uma teia ou rede como esta, vai procurar pessoas que, à partida, sabe que precisam de alguma coisa, que estão mais susceptíveis, que fazem destas redes o seu escape do dia-a-dia, que procuram fazer amizades e travar novos conhecimentos nas redes sociais, que têm aquilo de que precisa para que mordam o isco.

São estratagemas planeados, bem estudados para que tudo bata certo, construídos ao pormenor, com tempo, e orquestrados por uma mente perversa ou, simplesmente, doente. 

Fazer várias vozes diferentes, e personagens diferentes, fingir uma doença, fingir lágrimas e desespero, inventar mortes de familiares, e acidentes, não é para todos.

Mas, que há pessoas capazes disso, e muito mais, lá isso há. E podem estar mais perto de nós do que pensamos, até mesmo no nosso grupo de "amigos" do facebook!

 

 

E por aí, têm acompanhado a reportagem?

Qual é a vossa opinião?

Já começaram a fazer uma limpeza nas vossas redes sociais, ou estão seguros das pessoas com quem falam?

 

 

Imagem: https://mag.sapo.pt/

 

Publicidade enganosa

Resultado de imagem para vodafone

 

Os anúncios da Vodafone, que vemos na televisão, mostram como é tão simples aderir aos serviços de TV/ Net/Telefone. E tão rápido!

 

O lema da Vodafone, para angariação de novos clientes, é mesmo:

"Ligue hoje, instalamos amanhã!"

 

Já a realidade da Vodafone, depois de angariado o cliente, é:

"Ligue hoje, instalamos quando houver uma vaga na mais que preenchida agenda dos técnicos que efectuam o serviço, o que poderá levar até 10 dias ou mais!"

 

O serviço até pode ser bom, e manter os clientes satisfeitos, mas não começamos bem com mentiras e publicidade enganosa.