Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando miúdos pequenos têm que se desenrascar sozinhos

Imagem relacionada

 

Antigamente, era habitual irmos para a escola sozinhos, muitas vezes a pé, fizesse chuva ou sol. Não havia pai nem mãe para nos levar ou buscar.

Se recuarmos ainda mais, ao tempo dos nossos pais, era normal ainda antes de irem para a escola, fazer algum recado, ir buscar o leite ou o pão, ou algo do género.

 

Actualmente, e eu sou um bom exemplo disso, desde que a minha filha entrou para o Jardim de Infância que, sempre que posso, vou levá-la e buscá-la, seja a pé ou de carro. E, quando nem eu nem o meu marido podíamos, ia o avô.

Quando ela foi para o ciclo, teve mais liberdade, mas continuo a fazê-lo, se os horários derem para isso.

A primeira vez que quis ir visitar a antiga professora à escola primária, deixei, mas com indicações para ter muito cuidado com as passadeiras, os carros, e para ligar à saída e à chegada.

Ainda hoje, não deixo a minha filha andar muito na rua sozinha.

 

E é por isso que olho para alguns miúdos pequenos, muito mais novos que a minha filha, a irem sozinhos para a escola, com uma mistura de admiração mas, ao mesmo tempo, receio pelo que lhes possa acontecer, e alguma pena, por não terem ninguém que os acompanhe.

Há uns tempos, quando ia com a minha filha, precisamente para deixá-la na escola e seguir para o trabalho, vi um rapaz pequenino, com uma mochila que tinha quase o mesmo tamanho que ele às costas. Ia sozinho. Mal conseguia andar. Achei graça ao miúdo. Ele, propositadamente ou não, acabou por ir ao nosso lado, e estive quase para lhe perguntar se queria ajuda, se queria que lhe levasse a mochila. Mas depois, achei melhor estar quieta, não fosse o miúdo assustar-se, afinal, eu era uma estranha.

 

Hoje, estava a ir para o trabalho, e o miúdo ia à minha frente. O meu pai também ia mais à frente, e o miúdo perguntou-lhe se vinha algum carro, para poder passar. Depois, agradeceu. Não é para todos. A maior parte, até mais velhos, não diria nada.

De repente, o miúdo vira-se para trás e vê-me. Faz uma festa, a rir e a dizer olá, como se já nos conhecessemos há muito tempo e eu fiquei naquela "é comigo?!".

Disse-lhe olá, e ele esperou por mim, para ir para cima comigo. Anda na primária, no 2º ano. Diz que está habituado a ir sozinho, e que a mãe não pode, porque está a tomar conta da irmã mais nova. Conversámos um bocadinho, enquanto caminhávamos.

Quando páro para colocar comida aos gatos, ele fica ali comigo mas depois, preocupado,pergunta-me as horas e diz que tem que ir andando, para não chegar atrasado. E lá foi ele, a correr, porque o caminho até à escola ainda é longo. Se tivesse mais tempo, tinha ido com ele até meio do caminho.

 

Sim, o miúdo é pequeno, mas teve que aprender a desenrascar-se sozinho. Estará mais preparado que muitos mais velhos. Mas, ainda assim, sinto que ele não se importava de ter companhia, e que se sentiria mais seguro se alguém estivesse com ele.

Simpatizei mesmo com o miúdo, apesar de não ter jeitinho nenhum com crianças. Espero reencontrá-lo um dia destes novamente.

O dia em que me passei com uns miúdos...

Resultado de imagem para zangada

 

...por causa de um gato!

 

Tinha ido pagar a renda à minha senhoria, que mora no andar de cima. Estávamos a conversar à porta, quando reparo em dois miúdos que, na zona dos prédios em frente pegavam, cada um num pau, prontos para bater num gato que por ali andava.

Se há coisa que me tira do sério é ver alguém fazer mal aos animais. Já de manhã, uma vizinha mais velha, estava a espantar o gato do seu quintal, e uma menina que estava com ela até lhe chamou a atenção para não fazer aquilo ao bicho.

Agora, ao ver os miúdos, não me fiz rogada. Mandei um berro para eles ouvirem, a dizer que não os queria a fazer mal ao gato. Um deles, com medo, disse ao outro "vamos embora que está ali uma senhora em cima a ver". O outro miúdo, desconfiado, pôs-se à espreita, e eu voltei à carga "estou a ver, estou, vejam lá se é preciso ir aí".

Deixaram os paus no chão, e puseram-se a andar, mas ainda tiveram tempo para fazer festinhas a um cão que passou por ali na altura com a dona.

 

Quanto ao gato, veio até ao nosso quintal, subiu as escadas até onde estávamos e até peguei nele ao colo. Depois, foi à vida dele.

Por ontem, escapou. Mas nem sempre terá alguém a olhar por ele...

Somos todos miúdos!

Imagem relacionada

 

No outro dia, em conversa com umas pessoas conhecidas, soube que tinha acontecido um incidente com uma miúda, perto de onde moro.

Não tinha ouvido nada sobre o assunto antes, pelo que me explicaram o que lhes tinham dito a elas.

 

Ora, sinceramente, quando ouvem falar de uma miúda, qual é a imagem que vos vem logo à cabeça?

 

A) - alguém até aos 18/19 anos

B) - alguém entre os 20/30 anos

C) - alguém acima dos 35 anos

 

Pois a minha mente estava 100% focada na hipótese A, e visualizei toda a cena com base nessa hipótese.

Quando, por mero acaso, pergunto que idade tinha a miúda, respondem:

 

"Tinha uns 36 anos."

E a mim saiu-me de imediato "Então já não era uma miúda!"

 

Mas talvez seja eu que estou enganada e, afinal, somos todos miúdos 

  • Blogs Portugal

  • BP