Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

13 Reasons Why - chegou a terceira temporada

Resultado de imagem para 13 reasons why

 

E trouxe com ela um novo mistério para desvendar - quem matou Bryce Walker?

 

Todos tinham motivos...

Todos tinham as suas razões...

Até nós, deste lado, tínhamos vontade de ver alguma justiça ser feita, depois de tudo o que ele fez a tanta gente, sem qualquer punição a sério a ser levada a cabo por quem tinha esse direito, esse dever.

Mas será que a morte de Bryce Walker vai significar o fim dos problemas ou, pelo contrário, o agravar dos já existentes?

 

 

Nesta terceira temporada, é-nos apresentada uma nova personagem - Ani - que parece ser o fio condutor, que nos dará todas as respostas. Ela parece, apesar de recém chegada, ter-se tornado próxima de todos, e saber mais do que poderíamos imaginar.

Foi uma personagem em quem nunca confiei, apesar de o primeiro episódio ser propício a fazer-nos desconfiar dela. E os seguintes não ajudarem muito a mudar de opinião.

Mas será que poderia ser ela a autora do crime? Teria ela também a sua própria história e contas a ajustar com o Bryce? Será isso que os 12 episódios seguintes irão desvendar?

 

 

Se, no início, Bryce estava apenas desaparecido, a sua morte vem mais tarde a confirmar-se.

Terá sido, realmente, um assassinato? Ou um suicídio? Ou um mero acidente?

 

 

Nesta nova temporada, vemos um Bryce, em retrospectiva, a tentar ser uma melhor pessoa, a tentar redimir-se e, ao mesmo tempo a ser, ele próprio, uma vítima. 

Poderá alguém que fez tanto mal, e que nunca sentiu qualquer remorso, mudar assim, de um momento para o outro? Será este um Bryce diferente?

Sinceramente, apesar de nunca se vir a descobrir, não acredito na sua mudança. Penso que seria apenas uma questão de tempo, até ele voltar a ser o que era. Mas, naquele momento, ele precisava de alguém que acreditasse nele, que voltasse a confiar nele, para recuperar aquilo que tinha perdido: o seu poder.

 

 

Outra das personagens que marca pela positiva é Tyler, e a forma como tenta recuperar-se de tudo o que lhe aconteceu no passado. O acompanhamento psicológico, a sua própria autoterapia, a forma como mostra o quão difícil é o regresso às aulas, ao local onde foi agredido, e onde terá que lidar com os seus agressores, sempre com o apoio dos seus colegas, que nunca o deixam sozinho, fazendo dessa uma da suas missões, enquanto tentam lidar com os seus segredos, que podem agora vir à tona, face aos últimos acontecimentos.

 

 

De resto, nada de novo.

Um final sem graça, que mostra que nada é o que parece, e que não abonou muito a favor desta terceira temporada.

Fala-se de uma quarta temporada. Não sei se valerá a pena, ou se não irão acabar por destruir a série.

Desta, que agora chegou à Netflix, uma coisa se pode perceber: os verdadeiros amigos, ou até mesmo aqueles que não o são, mas que partilham os mesmos segredos, mantêm-se sempre unidos, ainda que isso implique ocultar quem realmente fez o quê, e encontrarem a pessoa certa para arcar com as culpas. 

Por vezes, uma mentira que não prejudicará ninguém, justifica-se para salvar as vidas que de quem ainda tem tudo a perder, com a revelação da verdade...

 

 

 

Le Chalet

Resultado de imagem para le chalet netflix

 

Tudo começa quando um grupo de jovens volta a Valmoline, uma aldeia situada nos Alpes franceses, isolada de tudo e de todos, onde cresceram e viveram a sua infância, naquela que é uma reunião de amigos, com o objectivo de celebrar o casamento de um deles.

 

 

Os primeiros a chegar são Manu e Adèle. Esta mostra um comportamento um pouco estranho, mas pode ser apenas devido à gravidez. Sabemos que nessa fase as mulheres têm uma outra sensibilidade, e as hormonas dão cabo de nós.

Mais tarde, chegam Alice e Fabio, Sébastien e Maud, Laurent e Tiphaine, Olivier e Mathilde, e Thierry e Erika.

Todos vão ficar instalados no antigo chalé, agora remodelado onde, há 20 anos atrás, habitou a família Rodier, que desapareceu sem deixar rasto, pouco tempo depois.

 

 

No caminho da estação para o dito chalé, mal passam a ponte, esta sofre uma derrocada que os isola na aldeia, e impede qualquer outra pessoa de lá entrar. Terá sido um mero acidente?

O que é certo é que começam a desaparecer algumas pessoas que ali habitam, outros estranhos acidentes acontecem, e todos ali correm perigo. Uma armadilha que nunca antes foi utilizada naquela região, um parafuso que, de repente, impede a porta da câmara frigorífica de abrir por dentro, o quadro das telecomunicações que aparece totalmente destruído, deixando-os sem rede e qualquer forma de comunicação com o exterior. É muita coincidência...

 

 

E chegam à conclusão que, quem os está a tentar matar, é alguém do grupo, porque sabe de todos os passos que eles dão.

Mas quem será? 

Com Laurent, Thierry, Erika, Olivier e Tiphaine assassinados, as suspeitas começam a cair sobre Fabio e Maud mas... será que serão mesmo eles os responsáveis? E porquê?

 

 

Ao mesmo tempo, vamos acompanhado a história ocorrida há 20 anos atrás, com Jean-Louis Rodier, a sua mulher, Françoise, e os filhos de ambos, Julien e Amélie.

Julien tornou-se, nessa altura, amigo de Alice e, posteriormente, namorado. Mas, à excepção de Manu, o melhor amigo de Alice, nenhum outro rapaz gostava de Julien, que foi vítima de bullying por parte dos rapazes da aldeia, sobretudo, Sébastien.

Há 20 anos, Sébastien era apaixonado por Alice, e rejeitado por ela. Algo que ainda hoje acontece.

Philippe, o dono do chalé e do bar da região, apesar de casado com Florence, traía-a com Christine, a empregada do bar, e tentou a sua sorte com Françoise, sem sucesso.

Por sua vez, Françoise foi traída pelo marido, que se envolveu com Muriel, irmã de Philippe.

Na aldeia, vive ainda Alexandre Gossange, um eremita que, em tempos, foi um grande matemático, e que é primo de Françoise.

 

 

Estarão os acontecimentos de há 20 anos relacionados, de alguma forma, com as mortes do presente?

Um coisa é certa: Sébastien parece ser o único sobrevivente, mas também o culpado de todas as mortes. E Adèle parece nunca ter existido, a não ser na sua imaginação.

Estará o chalé amaldiçoado?

Ou haverá um outro motivo para este dizimar da aldeia?

 

 

Confesso que achei o primeiro episódio muito parado e pouco convincente.

É difícil perceber quem algumas personagens de agora eram antes.

No início, achei que a Adèle estaria meio louca. Depois, com o desenrolar da história, percebe-se quem ela é.

A música do genérico é sinistra, digna de um filme de terror!

Achei a Alice parecida com a nossa Carolina Torres, e o Sébastien com o Edmundo Vieira :)

 

 

É uma série francesa que recomendo para quem gosta de suspense e muito mistério, que só se vai descobrir no final, e que me supreendeu, pelo menos metade dele!

Está a chegar o final de Absentia...

Imagem relacionada

 

... e vai deixar saudades!

A segunda temporada está, sem dúvida alguma, muito melhor do que a primeira.

Com mais ritmo, mais mistério, mais acção, mais surpresas.

Deixámos aquela primeira temporada morta, em que quase adormecíamos a cada episódio, só despertando nos episódios finais, para entrar numa nova temporada que nos consegue manter alerta e intrigados.

Apesar de relacionadas, já que os acontecimentos que estão a ser vividos agora estão, de várias formas, ligados ao que aconteceu, no passado, com a Emily, estes novos episódios trouxeram uma lufada de ar fresco à série e foi, sem dúvida, uma aposta ganha da Stana Katic.

 

 

Em relação às personagens, temos uma Emily ainda mais dura, com a mesma determinação e instintos de sempre, mas ainda muito traumatizada com o que passou ao longo dos seis anos anteriores, com esse trauma a manifestar-se, muitas vezes, de forma descontrolada. 

A principal preocupação de Emily é voltar a ter uma relação com o filho, Flynn que, a determinado momento, poderá voltar a estar em perigo.

 

O Jack, irmão da Emily, tenta refazer a sua vida, voltando ao trabalho, agora como paramédico. E gera-se um conflito entre aquele que é o seu dever enquanto médido que um dia foi, os conhecimentos que tem como cirurgião e que podem fazer a diferença entre salvar ou deixar morrer uma vítima, e aquilo que, enquanto paramédico, lhe é permitido fazer.

A certa altura, ele salva a vida de uma pessoa, devido à sua intervenção atempada e precisa. Mas, quando pensa que o chefe o vai reconhecer e, quem sabe, promover, é supreendido com uma reprimenda e o aviso de que, se voltar a repetir, é despedido.

Isto gera uma enorme frustração nele, que vai ser atenuada com um novo romance.

 

Até a Alice deixa de ser a boa samaritana, compreensiva, esposa devotada. 

Após o aborto e sem qualquer apoio de Nick, ela vai virar as suas atenções para a sua própria realização pessoal, e envolver-se com outro homem, aquele que, provavelmente, seria o último com quem deveria ter uma relação.

 

Já Nick, continua com aquele papel enfadonho, frustrado no campo profissional e pessoal. 

 

A grande supresa para mim é a personagem Cal Isaac, que vai formar dupla com Emily, de volta ao FBI, na descoberta da verdade, e resolução do caso, sendo o único apoio que ela tem, a todos os níveis, sobretudo depois da morte do amante Tommy Gibbs.

 

 

Sobre a história, começamos com um atentado, passamos para uma série de assassinatos aparentemente relacionados, e com ligação ao atentado. Entre as vítimas dos homicídios, a mãe biológica de Emily.

Na família, enquanto o pai de Emily sofre um enfarto, Flynn faz terapia e o casamento de Nick e Alice desmorona-se.

Emily continua a debater-se com as memórias do passado, que podem ser a chave para o presente, sobetudo quando começam a surgir caras e nomes familiares.

Quem estará por detrás de tudo isto?

 

 

O último episódio é já na próxima terça-feira, e não faço a mínima ideia de como irá terminar a história.

Mas, assim numa reviravolta inesperada, gostava que fosse a Alice a grande vilã!

 

 

Alguém por aí acompanha a série?

Estão a gostar?

E palpites para o grande final, há?

Existe vida para além da morte?

Imagem relacionada

 

 

Testemunhas de Jeová - parte 4

 

Testemunha de Jeová: 
- Acredita na vida depois da morte?

Eu:
- Não descarto essa possibilidade, mas só quando morrer poderei comprovar se é verdade!

 

Testemunha de Jeová:
- A resposta a essa pergunta está na Bíblia.

Eu:
😲 Não me digam que já alguém morreu, e voltou para contar!

 

 

 

A morte é algo em que não gosto de pensar, se a isso não for obrigada.

Por muitas questões que possa colocar, sei que nenhuma terá uma resposta concreta, e que me satisfaça.

E digamos que, pensar que daqui a uns tempos não serei mais que um corpo enterrado num caixão a ser comido pelos bichos, sobrando apenas meia dúzia de ossos, e que tudo se acaba ali, que não serei mais ninguém, deixando simplesmente de existir, daria comigo em louca.

 

"Ah e tal, se encarássemos a morte como algo natural, não sofreríamos tanto."

 

A morte é algo natural (a não ser quando nos matam). Todos sabemos que vimos a este mundo de passagem e que, o que temos de mais certo na vida, é a morte. Acontece com as plantas. Acontece com os animais. E connosco não seria diferente. Mas nem por isso deixa de ser um mistério, uma incógnita, de fazer sofrer quem fica, pelos que partem. E por saber que um dia calhará a nós.

Por isso, evito pensar no assunto, esmiuçá-lo.

 

 

Mas, como é óbvio, quando nos morre alguém, é difícil ignorá-lo e, nesses momentos, agarramo-nos à possibilidade de a nossa existência ter um propósito maior que a mera passagem por esta vida.

À esperança de que os nossos entes queridos estejam em algum lugar, quem sabe à espera para nos receber um dia, embrenhados em novas missões, dando continuidade ao trabalho feito por cá.

À hipótese de, o fim, não ser o fim.

 

 

Eventualmente, consola-nos pensar que o nosso espírito reencarnará num outro corpo, e viverá novamente, ainda que, ao contrário da ficção, não nos recordemos dessas outras vidas passadas, regressando ao mundo com um livro (e memória), totalmente em branco.

 

 

Mas certezas mesmo, não temos. 

Apenas suposições, desejos, crenças. E isso não me basta, de todo.

Quando um livro desvenda o mistério nas primeiras páginas

house-of-warfare-livro-de-couro-com-chave.jpg

 

 

Já aqui confessei que sou muito curiosa e batoteira e, muitas vezes, espreito o final dos livros para saber como acabam as histórias, sem que isso me faça pô-lo de parte e deixar de o ler, por já saber de antemão como vai terminar.

Pelo contrário, na maioria das vezes aguça-me o apetite para ler tudo e perceber como chegou àquele culminar. Até porque, já me aconteceu, ao não seguir a história, não perceber muito bem, ou interpretar de forma errada as últimas cenas, e só na leitura que faço em seguida, encontro o sentido.  

 

 

Mas, e quando um livro desvenda, ele próprio, o mistério nas primeiras páginas?

 

 

Será que nos leva a perder o interesse na história?

Aconteceu-me com a minha última leitura e, confesso, coloquei de parte o livro por alguns dias, porque já sabia o segredo, e já tinha percebido onde a história iria chegar.

Ainda assim, retomei a leitura uns dias depois, e terminei-a com nota positiva. Claro que o principal já se sabia e, logo aí, não houve grande volta a dar, nem grandes surpresas, mas não dei por desperdiçado o tempo que lhe dediquei, ou o dinheiro que gastei, como pensei logo no início.

 

 

E por aí, já vos aconteceu?

Quando assim é, continuam a ler,  ou colocam de parte e passam ao próximo?

  • Blogs Portugal

  • BP