Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Morangos com Açúcar 2023 - primeira temporada

Morangos com Açúcar 2023 | TVI Player 

 

Não sou grande fã da série, nem tão pouco acompanhei as temporadas anteriores, à excepção da que teve como protagonistas o David Carreira e a Gabriela Barros.

No entanto, fiquei curiosa quanto a este regresso, num novo formato.

 

"Morangos com Açúcar" sempre foi uma espécie de escola, de formação de actores, de exposição de talentos, e de lá saíram os veteranos que ainda hoje participam em telenovelas, filmes, séries. Alguns que enveredaram por outras áreas dentro do pequeno ecrã. Ou que, eventualmente, se internacionalizaram.

Então, embora tenha ficado decepcionada com o desempenho da maior parte do elenco, tenho que me relembrar que, para muitos dos mais novos, é a estreia, e ainda terão muito para aperfeiçoar. Já quanto aos mais velhos, é mais difícil desculpar. 

E nota-se bem a diferença, na forma de actuar, entre os actores portugueses, espanhóis e brasileiros.

 

A sensação que fica é que é tudo muito forçado, sem graça, sem sal. Diálogos fraquinhos. Interação que não convence.

No entanto, os últimos episódios redimem-se, e acabamos a temporada a desejar ver o que fica por descobrir. E ainda haverá muito para descobrir.

 

Quanto às personagens, pela positiva, destaco o Fred. É impossível ficar indiferente àquela autêntica "personagem"!

A Kika, ao início, irritava-me, mas foi-me surpreendendo e é, também, uma das minhas favoritas.

Pela negativa, a professora Dalila, sobretudo quando faz um discurso aos gritos. O Simão, que só no final da temporada melhora. E o Crómio, que não sei se sempre foi cromo, ou se é da idade. Entre muitos outros.

 

No que respeita à história, tudo começa com a exibição pública de um vídeo íntimo de Carol, uma das alunas do colégio, que leva ao seu desaparecimento.

Enquanto tentam descobrir o que aconteceu naquela noite, quem gravou o vídeo, quem o partilhou, e o que aconteceu a Carol, vão surgindo suspeitos. 

Bruno é um deles. Só que, a determinado momento, também ele desaparece.

E como não há duas sem três, no último episódio mais um aluno tem o mesmo destino, depois de ser revelado o seu segredo. E que segredo!

Portanto, chega-se ao fim desta primeira parte com muitas perguntas, muitas dúvidas, e quase tudo por esclarecer.

Aguardam-se as cenas dos próximos capítulos...

 

Quem por aí já viu?

 

 

 

Imagem: tviplayer

 

"À Rédea Solta", na Netflix

À Rédea Solta: Dia dos Namorados | Site oficial da Netflix 

 

Esta série estava na minha lista há imenso tempo.

Demorei vários meses a decidir-me a vê-la, não porque não me agradasse (se fosse o caso nem estava na lista), mas por ter 3 temporadas, e a minha paciência para tantos episódios já não ser a mesma.

Mas, verdade seja dita, também já não a tenho para filmes que são mais do mesmo. Sem cor. Sem ritmo. 

No fim de semana passado, pensei: "Vejo o primeiro episódio, e logo se vê".

 

E não parei!

Já vi as 3 temporadas, e só não ainda não "devorei" os especiais do Dia dos Namorados e de Natal, em parte, por falta de tempo e, também, porque depois acaba, e vou sentir falta.

Das paisagens, dos cavalos, das personagens.

 

A história começa com a chegada de Zoe, Rosie e Maggie a Bright Fields, para passar o verão.

Rosie é a filha mais nova de Maggie, totalmente citadina, e vai ter dificuldade em adaptar-se ao campo.

Já Zoe, a filha mais velha, sente que aquele lugar era tudo o que precisava. Ainda mais, depois de criar uma ligação única e especial com Raven, um cavalo selvagem de quem poucos se conseguem aproximar.

 

O que mais destaco nesta série:

 

A amizade e união - Há entre as personagens mais jovens uma grande amizade e união, mesmo quando parece que já não têm tempo umas para as outras, ou se chateiam por qualquer motivo. Mas, quando é para ajudar, reerguer, lutar, todos estão do mesmo lado.

 

A inteligência dos cavalos - Quem gosta e lida com animais, seja de que espécie forem, sabe como eles são especiais. Como falam connosco, à sua maneira. Como são inteligentes. Nesta série, sem dúvida que Raven, Bob e Ariel mostram o quão especiais podem ser. Raven, na sua forma de comunicar, de expressar o que sente. Bob, pelas suas capacidades, embora seja menosprezado. E Ariel, por ter, no seu momento mais delicado, procurado a protecção e os companheiros que queria nessa hora.

 

Aventura, mistério e suspense - Não é só uma série sobre adolescentes e cavalos. Tem, ainda, como ingredientes, muita aventura e suspense, até porque alguém anda a roubar cavalos, e o mistério que envolve a lenda do Cavalo Fantasma. Depois há uma passagem secreta para um castelo que, supostamente, estaria desabitado, e o mistério da caixa que tanto pode dar sorte, ou amaldiçoar.

 

Redenção - Existe, como em tudo na vida, os bons e os vilões. Mas, é uma série que nos deixa a pensar que, lá está, não podemos encarar as coisas só a "preto e branco". Porque os bons cometem erros, e os maus conseguem, querendo, mudar. Ninguém é perfeito, mas não tem que ser condenado pelos erros cometidos, se estiver disposto a corrigi-los.

 

Perdão - Fazer as pazes com o passado. E não só. A determinado momento, Maggie diz a Zoe "Não se pode forçar o perdão". Ele tem que vir naturalmente. Na maior parte das vezes, vem. Todos merecem uma segunda, uma terceira, e porque não, uma quarta oportunidade. E os animais perdoam facilmente, se sentirem que é verdadeiro.

 

Ultrapassar receios - Nem sempre é fácil. Por vezes, escondemo-nos. Viramos costas. Abdicamos. Mas só é preciso tempo. E vontade. O resto, acontece.

 

Romance - Desde o primeiro momento que torci para que a Zoe e o Pin ficassem juntos. A série quis trocar-me as voltas, mas mantive sempre a esperança de ver estes dois juntos. Já a Mia ficaria bem com o Marcus. No entanto, também as coisas não foram facilitadas. Mas não é só entre os adolescentes que o romance impera. Também há lugar para ele com os mais velhos, porque nunca é tarde para amar.

 

 

19 ideias de Zoe e Raven❤ | rédea solta, filmes, cavalos

 

Como disse logo no início, Zoe e Raven são os grandes protagonistas.

Ela vai fazer de tudo para não se separar do "seu" cavalo, lutando para que não só não o consigam roubar, como também para que a legítima proprietária não o leve para longe.

No fundo, com todo o enredo envolvente, onde não faltam tradições medievais e realeza à mistura, o principal é proteger os cavalos da ilha, tanto os dos estábulos, como os selvagens.

E Pin, a minha personagem favorita, o cavalariço cuja vida vai sofrer uma enorme mudança, é um dos maiores protectores destes animais.

É uma série que nos diverte, que nos faz rir, que nos emociona, que nos faz chorar, que nos revolta, que nos faz sonhar, que nos leva até à ilha, e nos faz sentir que estamos lá a participar em todos os acontecimentos.

Vale a pena ver!

 

 

O mistério das moedas espalhadas no chão

moedas.gif

 

A zona onde moro é um poço de mistérios.

O mais recente, é o das moedas que, por acaso, ou propositadamente, apareceram espalhadas no chão da rua.

Não juntinhas.

Não em fila, a indicar um caminho percorrido.

Estavam espalhadas aleatoriamente, uma para cada lado.

 

Seria um teste?

Uma experiência?

Uma nova modalidade de ataque às vítimas, distraídas que estão a apanhar moedas do chão?

Alguém que não queria moedas "pretas" e decidiu deixar por ali para quem estiver atento?

Ou, simplesmente, alguém que por ali passou, com um bolso roto?

Mistério!

 

Não é que a fortuna seja grande: eram moedas de 1, 2 e 5 cêntimos!

Mas deu para apanhar em dois dias diferentes.

Agora imaginem que a moda pega, mas com notas!

 

 

Quando nos querem cobrar um serviço que não pedimos

Pré-visualização da imagem

 

Num dia em que o meu pai tinha ido dar a sua voltinha matinal, passa por ele o coveiro da vila, muito indignado, que as coisas não se fazem de borla, e se querem que ele faça as coisas têm que pagar, e menciona o nome dos "Cravinas" (à qual pertence a minha mãe).

O meu pai, sem perceber nada, ficou calado. Não fazia a mínima ideia ao que o homem se referia.

 

No dia seguinte, perguntou-me se eu tinha ido ao cemitário, e contou-me essa situação do coveiro.

Disse-lhe que não tinha pedido nada, nem sequer o tinha visto. Diga-se de passagem, vejo-o mais fora do cemitério, do que lá dentro.

Portanto, alguém da família Cravina, que não nós, lhe devia ter pedido alguma coisa, e ele não estava satisfeito.

Não sei ao certo o que lhe pediram mas, se não fizer parte das suas funções, acho bem que queira ser pago. Mas não nos meta ao barulho, porque não lhe pedimos nada.

 

Este sábado, fui ao cemitério.

E começou a fazer-se luz.

A campa ao lado da minha mãe, que também pertence à família, estava toda arranjadinha, com saibro, e colocaram o berço que tinham tirado há um ano, e não tinham voltado a pôr.

A da minha mãe, também estava arranjada, mas sem o berço (a mim não me faz falta porque não dá jeito nenhum se quiser lá pôr flores), e desapareceu a fotografia da minha mãe.

Procurei pelo coveiro, mas nem sinal dele. 

Voltei lá à hora do fecho.

Era um outro coveiro que lá estava. Disse que às vezes as fotografias caem, ou descolam, e guardam lá numa casinha, mas que tinha que falar com o colega, porque tinha sido ele a tratar das campas.

Informou-me que foi a irmã do falecido (ao lado da minha mãe) que tinha pedido para arranjar a campa do irmão. E que, da minha mãe, foi uma outra senhora, que não faço ideia quem seja.

Fiquei de passar por lá para ver a história da fotografia no próximo fim de semana.

 

Entretanto, hoje ao almoço, estava a ir para casa, chama-me o coveiro (que estava na esplanada do café) a dizer que já tinha arranjado a campa da minha mãe, e faltava só pôr o berço.

Disse-lhe que isso não me interessava, que apenas queria saber da fotografia. Respondeu que não sabia, mas que ia ver. 

Quando lhe perguntei quem tinha pedido a ele para arranjar as campas, veio com esta conversa:

"A do lado foi a tua prima que pediu. Mas já que estava a arranjar uma, parecia mal não arranjar a outra. Ainda por cima vem aí o dia de finados. Arranjei a da tua mãe também, que depois o Sr. Manuel se quiser logo dá qualquer coisita."

E foi aí que fez sentido a conversa que teve no outro dia com o meu pai. Estava a ver se cobrava o serviço!

 

 

 

"Um Estranho Caso de Culpa", na Netflix

Um Estranho Caso de Culpa | Site oficial da Netflix

 

Comecei a ver esta série o ano passado, num dia em que, à falta de melhor, assisti ao primeiro episódio.

Não achei nada de especial, e fiquei por ali.

Há uma semana, o meu marido disse que ia começar a ver. Acabei por ver com ele. Já não me lembrava bem do que tinha visto, por isso, vimos aquele episódio como se fosse a primeira vez, e cativou-me logo!

Na altura não deu para ver mais nada, mas fui pesquisar sobre a série. 

Foi, então, que percebi que o episódio que tínhamos visto, por engano, era o segundo, e não o primeiro.

E não conseguia perceber qual a relação entre um e outro, porque pareciam episódios de duas séries completamente diferentes!

 

No primeiro episódio, um rapaz - Mat - é condenado por, acidentalmente, ter matado outro, cumpre pena de prisão, sai, e volta a refazer a vida, ao lado de Olívia. Entretanto, a mulher desaparece misteriosamente, e Mat não sabe o que pensar, nem o que fazer, pedindo ajuda a uma amiga, para descobrir onde Olívia está.

No segundo episódio, vemos a história de Lorena, uma orfã criada num colégio de freiras, que se torna inspectora da polícia e que, agora, é chamada ao colégio para investigar a morte de uma das freiras. Uma freira que, como percebemos, se calhar não é bem o que aparenta ser, e na qual muita gente parece ter um interesse suspeito.

Portanto, nada a ver!

 

Só com a continuação começamos, então, a perceber a ligação entre ambos os episódios, e entre as várias personagens.

À medida que os episódios avançam, percebemos que o Mat é, na verdade, uma personagem dispensável, porque tudo poderia acontecer sem ele. Acabou por ser apenas um "bode expiatório", para nos desviar do verdadeiro elo de ligação.

 

Emma, a freira conhecida como Maria, vem-se a descobrir, foi uma prostituta que trabalhou, em tempos, para Aníbal Ledesma e que, por algum motivo, se escondeu no colégio para recomeçar a sua vida, levando com ela um "seguro de vida".

Com ela trabalharam Kimmy, de quem ninguém sabe. Lavanda, que um cliente acabou por matar. Cassandra. E Candance, também assassinada.

 

A inspectora Lorena suspeita de Mat, e tenta a todo custo encontrar provas da sua culpa, ao mesmo tempo que os investigadores da UDE a querem afastar do caso, e chegar primeiro à informação. Porquê?

 

Em cada episódio, é desvendado o passado das personagens: quem eram, o que faziam, o que escondem, em quem se tornaram, e que segredos guardam consigo.

E qual o motivo para o passado voltar a bater à porta, quando achavam que o tinham deixado encerrado lá atrás.

O que andam à procura? O que levou à morte de Emma?

O que esconde Olívia?

E quem mais morrerá para que a verdade não venha à tona?

 

Uma série a não perder.

E não desistam no fim do primeiro episódio, como eu tinha feito, porque vale mesmo a pena continuar!