Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sinais da idade

Vetores Desenhos animados casal idoso ativo: Desenho vetorial, imagens  vetoriais Desenhos animados casal idoso ativo| Depositphotos

 

"Todas as asneiras que fizermos em novos havemos, mais tarde, de pagar por elas."

 

E o meu pai que o diga!

 

Acho que, por mais anos que passem, temos tendência a ver os nossos pais sempre da mesma forma, como se esses anos não passassem por eles, ou passassem, mas eles continuassem iguais, sem se notar a passagem do tempo.

Sempre vi o meu pai como uma pessoa activa. Alguém que não consegue estar quieto ou parado muito tempo no mesmo sítio. Alguém que gostava de fazer longas caminhadas.

Mas o tempo, as asneiras, os vários acidentes que foi tendo desde novo, não perdoam.

E, hoje, aliadas a alguns problemas já existentes, condicionam-lhe os movimentos e a vida, provocam-lhe dores, dificultam-lhe as tarefas mais básicas e, ainda assim, volta e meia, lá insiste em fazer mais alguma "asneira" para a qual o seu corpo já não está preparado. 

Depois, os ossos, os músculos, os tendões, tudo se ressente.

E a memória começa a pregar partidas.

Afinal, são quase 80 anos.

 

E a minha mãe?

Mulher activa, também. Ultimamente, não tanto.

Fingimos não perceber, mas é um pisco a comer. 

Está magríssima, embora as calças disfarcem.

Mas levá-la ao médico? Só quase arrastada.

Diz que se sente bem. Que não precisa de fazer exames, nem ir ao médico.

As únicas consultas a que vai, são as de oftalmologia, em que é seguida por causa das cirurgias que fez à vista.

Não é mulher de se queixar, de mostrar dores, de fazer fitas. Guarda para ela.

Mas uma pessoa vai-se, aos poucos, apercebendo dos sinais da idade.

Um degrau que ela já tem dificuldade em subir ou descer sem ajuda. Algo que ela já demora a agarrar, não sei se por não ver bem, ou se por outro motivo.

Um dente ou outro que falta, e que lhe dificulta a fala.

Afinal, são 79 anos.

 

Que bom seria que os nossos pais estivessem sempre novos, apesar do tempo passar. 

Que tivessem sempre saúde, enquanto vivessem.

Mas se nem nós, muitas vezes, a temos, e andamos piores que eles, como podemos esperar que eles sejam mais valentes?

 

É assim a vida.

Sempre a dar sinais.

Sinais das parvoíces que achávamos que não iam ter consequências.

Sinais de que o nosso corpo não é de ferro.

Sinais de que o tempo não pára.

Sinais da idade, que avança a cada ano que passa, para todos nós, e para eles também.

 

 

 

 

Sinto-me como a Fiona e o Shrek quando se vestiram de reis!

S3006_S3_sq102.jpg

 

Uma das melhores formas de combater o frio é vestir várias camadas de roupa.

E eu levo essa medida muito a sério!

Assim, nos últimos dias, tenho-me equipado com 3 camisolas, e 3 casacos, para sair à rua e ir trabalhar. 

E foi o que fiz hoje.

 

O problema, foi quando quis prender o cabelo, e os meus braços não conseguiam mexer-se o suficiente para conseguir agarrar o cabelo lá atrás!

Senti-me como a Fiona, naquele dia em que lhe vestiram tanta roupa, para parecer uma rainha, que parecia um espantalho, sem se conseguir mexer nem aproximar do Shrek.

Parecia que nem tinha força nos braços, enfiada num "colete de forças".

 

Depois, junta-se um cachecol bem quente, e volumoso, que às tantas me faz doer o pescoço.

E uma máscara que, ainda no outro dia, com todo este equipamento, estava tão perto dos olhos que fiquei na dúvida se o arame da máscara não seria, na verdade, a armação dos óculos, que não tinha na cara!

 

Frio, a quanto obrigas...

Liberdade para amar

“Deixe o cavalo solto, se voltar ele é seu, se não voltar, nunca foi seu. Amar é acima de tudo respeitar a liberdade de cada um…”

 

 

A pior coisa que uma pessoa pode fazer é impor-se constantemente a outra. A determinada altura, essa imposição começa a limitar os movimentos da outra, que se sente sufocada e sem liberdade para escolher, decidir, agir e exprimir aquilo que pensa e sente.  

Essa pessoa acaba por, com essa atitude e de forma, muitas vezes, inconsciente, afastar de si as pessoas de quem queria estar próxima.

Inversamente, a partir do momento em que uma pessoa mostra a outra que está disponível, mas sem se impor, faz com que haja mais vontade, e liberdade, por parte da outra, para a procurar!