Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Das pessoas a quem nos juntamos...

6be2a1956f9a3582c0a7ea4d6212ceae.jpg

 

Nem sempre as pessoas a quem nos juntamos, são as melhores para o fazermos.

Mas são, em determinadas circunstâncias, aquelas que de precisamos.

Aquelas que, naquele momento, nos fazem sentir bem.

 

Por vezes, é difícil compreender porque é que determinada pessoa se junta, ou se dá bem com outra.

Porque é que não percebe que aqueles, de quem está próxima, não são a melhor escolha para amizade.

Que são diferentes de si, com valores que nada têm a ver com os seus. 

Que pode haver ali interesse, segundas intenções.

Que seria melhor afastar-se.

 

A verdade é que essa pessoa até pode vir, mais cedo ou mais tarde, a percebê-lo.

Mas, em determinado momento, aqueles que os outros julgam ser nocivos para si, o "grupo dos maus", são aqueles que estão lá. 

São um apoio.

Ainda que falso.

Ainda que temporário.  

Mas que mais ninguém ofereceu. 

A primeira mão que foi estendida e que a pessoa, com receio de cair, agarrou.

 

Submersa...

fe66079f2aa82e0ce255c7616106d3f3.jpg

 

Longe vão os tempos em que nadava e boiava, livremente, à superfície.

E que, livremente, mergulhava.

Quando lhe apetecia. Ou quando, por algum motivo, precisava de ir ao fundo.

Mas logo voltava à superfície. Até porque a maré nunca estava muito alta.

Lá fora, divertia-se com tudo o que via. Com todos os seres que consigo conviviam, e partilhavam o espaço.

 

Depois, um dia, começou a ter que ir mais vezes ao fundo.

Não por sua vontade, mas por necessidade. Havia responsabilidades. Obrigações, que era necessário cumprir, e que dependiam de si.

E o mar, inesperamente, encheu-se de mais água, vinda não se sabe bem de onde. 

A cada dia que passava, água e mais água.

As vindas à superfície foram diminuindo, até que deixaram de acontecer.

Agora, a vida era passada de forma submersa.

 

E, bem vistas as coisas, talvez o hábito e a resiliência sejam tão grandes que se tornou mais fácil viver assim.

Sabe-se lá como, e se, ainda conseguiria ir à superfície, e sentir-se da mesma forma que antes. Divertir-se, da mesma forma que antes.

Quando já nada é como antes.

Quando, ao fim de tanto tempo, se movimenta e orienta melhor lá em baixo.

 

Até poderia tentar.

Mas a sensação é a de que, à semelhança de quem está soterrado e tenta escavar para sair do buraco, mas só lhe cai mais e mais areia em cima, soterrando ainda mais, sempre que pensa sequer em experimentar vir à tona, mais o mar se enche, mais água lhe cai em cima, mais difícil se torna, e menos vontade tem.

 

Além disso, há amarras a prender.

Como quem vai criando raízes, por estar muito tempo no mesmo sítio.

Como quem fica enredado na teia e, mesmo quando parece que está a soltar-se, há sempre um fio que impede. Ou que só solta, se tiver outro alguém a quem possa agarrar temporariamente.

E há todo um mundo que depende de si. Há todo um peso nas suas costas que, para que possa tentar sair dali, ainda que por instantes, alguém tem que estar disposto a carregar ou, pelo menos, partilhar.

Também isso não é fácil.

Porque há sempre quem desafie, quem chame para a superfície, mas poucos são os que querem aceitar a contrapartida.

 

E é por isso que, até lá, continuará a ser uma vida submersa...

Mais de 3 horas para lavar roupa?!

Ilustração Dos Desenhos Animados De Máquina De Lavar Roupa | Máquinas de lavar  roupa, Máquina de lavar, Serviço de lavanderia

 

Em 2015 comprei uma máquina de lavar roupa.

Da marca Samsung. E foi amor à primeira vista.

Desde então, estou habituada a roupa lavada em menos de hora e meia, o que era óptimo porque, por exemplo, pondo roupa a lavar quando me levanto, poderia ainda estendê-la antes de ir trabalhar.

E ao fim de semana, sobretudo agora que os dias começam a ser mais curtos, poderia lavar 2 ou 3 máquinas de roupa, no período da manhã.

Não sei se estava mal habituada, ou se isto é coisa de outros tempos.

 

Ontem estreámos a máquina nova.

O meu marido pô-la a lavar e, quando eu cheguei a casa, ainda estava. Mais de duas horas.

Eu andei a ver os vários programas no manual. 

Tirando o programa rápido, de 30 minutos, todos os outros passam das 2 horas, sendo que, no que costumamos utilizar, aparece uma duração de mais de 3 horas e, um deles, ultrapassa as 4 horas.

Será que isto é normal?

Será que as máquinas novas são mesmo assim, mais lentas?

 

O mais engraçado é que o meu marido diz que conhecia estas máquinas, porque onde trabalhava havia umas parecidas, e que o tempo de duração do programa era 40-60 minutos.

E, quando questionei a funcionária da Worten, ela reafirmou o mesmo.

Deve perceber tanto de máquinas como eu. Ou pior. Porque a mim mais me parecia que aquele 40-60 se referia a temperatura. E assim era.

 

A necessidade leva-nos a tomar decisões imediatas e, por vezes, precipitadas. Se não precisássemos mesmo da máquina, se tivéssemos como nos desenrascar temporariamente, mais valia termos mandado arranjar a que já tínhamos.

Não gosto desta máquina. 

Minha rica Samsung, que ainda ontem se foi, e já sinto falta dela!

 

Pontanto, agora é gerir o tempo.

Do género, se quiser estender roupa às 8.30h, tenho que a pôr a lavar lá para as 5h da manhã!

E ao fim de semana só dará para um máximo de 2 máquinas diárias, se quiser estender a roupa na rua.

Vai ser bonito, vai!

 

Burocracias

19560464_KAHJz.jpeg

 

Todos queremos fugir delas, mas nem sempre as podemos evitar.

E esta semana tem sido de burocracias. Necessárias, é certo.  Mas que dispensaria de bom grado.

 

- Tratar com a agência do subsídio de funeral e percentagem da reforma da minha mãe

- Abrir uma nova conta, só em nome do meu pai, para receber o dito subsídio e pensão

- Passar pelo centro de saúde, para comunicar à médica de família o óbito e deixar um agradecimento

- Ligar para as instituições de apoio domiciliário a que tínhamos ficado de dar resposta, para informar que não será mais necessário

- Marcar com o hospital o levantamento do espólio da minha mãe, o que fizemos ontem, mas só veio metade, pelo que lá teremos que ir novamente

- Fazer reclamação no hospital, das duas médicas que, da primeira vez, a enviaram para casa, embora saiba que não vai produzir qualquer efeito, mas não poderia deixar de fazer

- Ligar para a protecção civil, para ver o que era preciso para devolver a cama, que não chegou a ser utilizada

- Começar a reunir a documentação para participação às Finanças do óbito e relação de bens

 

Há coisas que terão que ficar para as férias.

É tempo de regresso ao trabalho e os poucos dias a que temos direito não dão para tudo.

 

No entanto, no meio de todas estas burocracias, surgiu a ideia.

Se aquilo que de melhor faço, por esta altura, é escrever, porque não fazê-lo também, em forma de homenagem?

E, assim, estou a tentar dar forma a um livro, intitulado "Memórias de uma eterna guerreira", porque foi isso que a minha mãe foi a vida toda - uma guerreira!

 

Sentimentos ambivalentes que as "despedidas" me provocam

Sobre despedidas e o partir... | ACESSA.com - Saúde

 

Existem pessoas que são avessas a despedidas. E as evitam a todo o custo.

E outras que fazem questão de as viver, que ampliam o seu significado, e as tornam ainda mais difíceis.

Eu tenho sentimentos ambivalentes em relação às despedidas.

 

Por um lado, quero-as.

Considero-as necessárias, importantes.

Faz-me sentir que, dessa forma, nada fica por fazer, ou dizer. 

É uma espécie de conclusão de um ciclo.

Um andar para a frente, e seguir o curso natural das coisas.

O deixar ir, partir, o apoiar e dizer que estamos lá, apesar de tudo.

 

Mas, por outro lado, deixam-me a sofrer antecipamente.

Deixam-me melancólica, saudosista.

A pensar no que passou, e já não volta, ou poderá não voltar.

 

É uma felicidade, ensombrada por uma tristeza, de certa forma, egoísta.

É um adeus, disfarçado de um "até breve" quando, muitas vezes, sabemos que nunca haverá essa brevidade.

 

É uma mistura de risos, com lágrimas.

De coragem, com fraqueza.

De suspensão, ou corte definitivo, com renovação, e recomeço.

 

É uma espécie de tormenta, que acreditamos que nos traz paz. Ou uma paz momentânea, que sabemos que se irá transformar em tormenta.

É uma espécie de "estou mal", mas vou ficar bem". Ou de "estou bem, mas logo me vou sentir mal".

 

Comovo-me sempre.

Com as minhas despedidas, e as dos outros.

Com as reais, e as fictícias.

Com as despedidas de pessoas, de animais, de momentos, de locais, até de livros ou séries que gosto!

 

Poderia evitar tudo isso.

Mas não quero.

As despedidas fazem parte da vida e, se é para vivê-la na sua plenitude, então que se experimente tudo o que ela traz consigo.

Incluindo, as despedidas.

Porque, para mim, abdicar delas, far-me-ia sentir ainda pior, do que viver o tubilhão de emoções com que elas me brindam.