Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

La Banda

Resultado de imagem para la banda

 

 

Sem saber bem o que ver na televisão, calhei mudar para a RTP e estava a dar o programa La Banda.

Já tinha lido várias opiniões e críticas negativas à forma de selecção dos candidatos, mas só no domingo percebi exactamente do que falavam.

 

 

A destacar, como positivo:

Não vi o primeiro programa mas, neste, até achei que o Manuel Moura dos Santos está mais simpático que o habitual. Sem tecer rasgados elogios como os companheiros, também não fez duras críticas que fazem os concorrentes temê-lo tanto.

 

De uma forma geral, estão a surgir por lá concorrentes com talento, garra, diversidade, que não têm medo de arriscar.

 

 

Pela negativa:

Como vem sendo hábito, continua a ser explorado o lado dramático dos concorrentes.

 

É certo que as primeiras impressões também contam, e o público é o alvo a que se destina a música e o trabalho da banda que sair vencedora, mas não considero justo que, só porque a aparência ou atitude não lhes agrada, sejam impedidos de mostrar aquilo que, afinal, foram lá pôr à prova.

 

Acredito que, para conquistar os 75% de votos necessários para chegar até aos jurados e mostrarem o que valem a cantar, a maioria daquelas entradas seja ensaiada, e a atitude programada, faltando naturalidade e autenticidade, mostrando-se alguém que, se calhar, até nem são, e uma confiança e à vontade que, talvez, não tenham.

 

 

Para terminar, uma pergunta parva, em jeito de sugestão:

Porque não escolhem também, para "a banda", não apenas as vozes, mas todos os restantes elementos que a podem compôr: baterista, guitarrista, e por aí fora?

Cinema de fim de semana

Nota negativa para:

 

Resultado de imagem para o regresso de johnny english

 

Quem me conhece sabe que comédias deste género não são o meu forte e, logo aí, já ia de pé atrás. Mas como a minha filha queria ver, lá acedi.

A história até dava um bom filme de acção. 

Sim, porque de comédia tem muito pouco. O famoso "Mr. Bean" é bom nesse papel em que, mesmo sem abrir a boca, nos faz rir.

Já neste género de filme, perde a sua graça, e a sua personagem chega até a irritar, de tão burra e desastrada que é.

 

 

 

Nota positiva para:

 

Imagem relacionada

 

Um filme com mais de 20 anos, mas que permanece actual.

Que mostra como nem todos os jovens provenientes de bairros problemáticos,  são delinquentes.

Que mostra que, por vezes, basta que acreditem neles e lhes dêem uma oportunidade, para que mostrem todo o seu potencial, conhecimento, vontade de aprender e de ser alguém na vida.

Que prova que, nem sempre, as escolas, e os professores, estão preparados para tirar o melhor destes jovens, discriminando-os, desistindo deles, considerando-os casos perdidos.

Que exemplifica como, para um jovem aprender e se motivar, o segredo não está num programa de ensino convencional, sem graça e, muitas vezes, ultrapassado. Os jovens podem aprender a mesma coisa de diferentes maneiras, e de forma mais cativante.

Que demonstra que, muitas vezes, as famílias desestruturadas, a pobreza, o meio em que estão inseridos, pode influenciar os jovens negativamente mas, se houver alguém que lhes estenda a mão, que lhes mostre que podem ser diferentes, que podem escrever a sua história, tudo pode ser diferente.

Claro que seria uma utopia pensar que basta uma professora excêntrica, e verdadeiramente preocupada, para mudar o destino de todos.

E, como tal, até nesse ponto o filme é realista, ao mostrar que houve jovens que Louanne não conseguiu salvar.

O meu marido, que já trabalhou com jovens em risco e lidou de perto com eles, estava a ver o filme e a reconhecer, de certa forma, os jovens que conheceu, naquelas personagens.

 

Fui a um workshop sobre animais e não gostei

Resultado de imagem para cães e gatos felizes

 

O facto de termos chegado depois da hora, e estarmos com alguma pressa, dado que havia ainda coisas para fazer, e o tempo não estica, não terá ajudado. 

No entanto, tendo por única experiência a participação em seminários em que, realmente, aprendi várias coisas sobre os animais, estranhei bastante este workshop.

 

O espaço

Sabia que era numa loja de animais, mas esperava que fosse em alguma divisão ou espaço mais sossegado, e não no meio da loja, com as pessoas em pleno shopping a passar por nós, e dentro da própria loja, com todo o ruído de fundo que dificultava a audição da veterinária.

Meia dúzia de bancos a rodear uma mesa, onde a veterinária tinha um portátil, com os pontos a focar e debater.

 

A discriminação implícita

Nessa mesa, tinham colocado uma espécie de decoração alusiva aos animais, exclusiva para cães - uns ossos azuis que, lá dentro, continham os saquinhos para os cocós.

Todos os presentes, excepto nós, tinham cães. Fomos os únicos representantes dos felinos.

 

O sentido de oportunidade

Sabendo o quanto sai dispendioso levar um animal ao veterinário, as pessoas acabam por aproveitar estes workshops para tirar todas as dúvidas acerca dos seus animais, fazendo aquelas perguntas que faríamos numa consulta normal. Às tantas, em vez de falarmos da qualidade de uma ração, e daquilo que devemos procurar numa boa ração, estava-se a discutir sobre a marca A, X ou Y, e ainda a H, a D, e a K. Estão a imaginar?  

Num seminário também interagimos, também tiramos dúvidas, mas de carácter mais abrangente, e não ao caso de cada um em específico, pelo menos desta forma.  

 

A falta de respeito

Estava um dos participantes a falar com a veterinária, quando uma das restantes pessoas presentes decidiu interromper para mostrar à médica a fotografia dos seus cães. Nos seminários a que fomos, ninguém andou lá a mostrar os seus animais.  

 

O exibicionismo

Às tantas, chegámos à fase em que estava tudo a sacar os telemóveis para mostrar as suas beldades. Pois muito bem que, se foi para isso que lá fomos, também nós temos fotos das nossas bichanas para mostrar.

 

Não aprendi nada

O workshop intitulava-se "12 Dicas para Animais Felizes e Saudáveis". 

Do que ali foi falado, e no que a mim diz respeito, senti mais o workshop como uma troca de opiniões e conhecimentos, do que como uma aprendizagem. Não foi ali dito nada que já não soubesse, nomeadamente, acerca da escovagem, unhas, alimentação, higiene e por aí fora.

 

 

Imagem relacionada

A destacar de positivo:

A médica veterinária era simpática.

Havia uma pessoa presente que mostrou saber estar, e que tinha, realmente, algum conhecimento sobre animais e estava ali para aprender mais, e não para sacar o máximo de informações possível, a custo zero.

 

The Voice Portugal - 2ª Prova Cega

Foto de The Voice Portugal.

 

Num programa como este, embora cada concorrente encare a prova e lide com os nervos e a pressão de forma diferente, é cada vez menos aceitável a "desculpa" dos nervos, para justificar o facto de a prova não ter corrido tão bem, e alguns erros e desafinações.

Sim, acontece isso, mas acontece a todos. E aqui, safa-se quem conseguir disfarçar melhor, e ter melhor prestação. 

 

Também o factor cantar bem começa a ser, por si só, insuficiente para fazer virar cadeiras. O que sobressai são os timbres diferentes, uma forma muito própria de interpretar as músicas, a naturalidade, a diferença...São outras características que se aliam ao cantar bem, e que complementam.

Porque se apareceram 3 ou 4 concorrentes que apenas cantem bem, mas que soem iguais a tantos outros, sem nada que os diferencie, acabam por ficar pelo caminho.

 

Assim, para mim, nesta prova cega, o mérito vai para:

 

Foto de The Voice Portugal.

A Inês que, embora seja novinha, parece uma mulher já com os seus 30/ 40 anos a cantar (no bom sentido, claro)! Adoro a voz dela, e a prova foi uma das melhores da noite.

 

Foto de The Voice Portugal.

O Salvador: bela voz, à vontade em palco, a tocar e cantar.

 

 

Exagerado:

 

Foto de The Voice Portugal.

A Filipa entrou cheia de garra, e foi garra que mostrou do início ao fim. No entanto, pareceu-me exagerada em tudo: na expressão corporal, na gritaria e, sobretudo, na atitude de "pita" apaixonada pelo Mickael!

Espero que, nas próximas fases, se acalme e controle mais.

 

 

Negativo:

 

Foto de The Voice Portugal.

Não é que o Luís tenha cantado mal, mas foi o que ele disse no vídeo antes da actuação que achei desnecessário. Parecia quase que estava a tentar o "factor cunha", ao afirmar que o seu melhor amigo era o Miguel Cristovinho, dos D.A.M.A. Não lhe serviu de muito, porque ninguém virou a cadeira, embora se note a influência dessa banda, porque estava a ouvi-lo, e parecia estar a ouvir os D.A.M.A. Qualquer coisa, e ele pode substituir o amigo nos concertos! 

 

 

O momento por que todos esperavam, e que me fez sentir extraterrestre:

 

Foto de The Voice Portugal.

 

Ao longo de toda a semana fui lendo comentários sobre uma das concorrentes do The Voice Portugal, que já teve carreira na música, e que era uma grande voz, apontada até como possível vencedora desta edição - a Diana Lucas.

Ao que parece, a Diana já lançou 3 álbuns, já participou em musicais, e teve várias músicas suas em novelas, e na série Morangos com Açúcar. Antes disso, já tinha participado em programas musicais, ganhando alguns prémios.

Mas eu confesso que, para mim, a Diana continua a ser uma ilustre desconhecida!

E sim, cantou bem, em português e com sentimento, mas não me arrebatou, nem me fez considerá-la já uma possível vencedora (acho que isso só me aconteceu com a Deolinda).

Serei a única a ter-me sentido extraterrestre, e a contrariar a maioria das opiniões sobre esta concorrente?

 

Imagens The Voice Portugal

 

 

Chegou Setembro...

Estreias anime em Setembro 2017

 

Setembro até poderia ser um bom mês para se gostar, para eu gostar...

É pequenino, passa depressa, e ainda tem um resto de cheirinho a verão com ele, para se "queimar os últimos cartuchos".

 

No entanto, Setembro só me traz pensamentos negativos, nostalgia, melancolia...

É o fim das férias, aquele momento porque esperamos o ano inteiro, e que passa a correr...

É o fim das férias escolares, e traz consigo o regresso às aulas dos nossos filhos, a volta das rotinas, do tempo mais curto para tudo o que há a fazer, do acompanhamento dos estudos, da saga dos testes...

É aquele mês em que, de facto, começamos a notar os dias mais curtos, o tempo mais fresco, a mistura da despedida do verão, com a chegada do outono...

É aquele momento em que percebemos o que nos espera nos próximos meses, e nos faz sentir ainda com menos coragem para enfrentá-los...

 

O que ainda atenua os efeitos de Setembro, em mim, é ficar tão próximo de Dezembro. 

Mas, até lá...

  • Blogs Portugal

  • BP