Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Vis a Vis

Resultado de imagem para vis a vis

 

Não vi esta série do início, nem acompanhei todos os episódios.

O meu marido foi-me fazendo o resumo dos primeiros episódios, eu fui acompanhando outros com ele, quando calhava, e só mesmo os episódios finais é que vi, do início ao fim.

Pelo que o meu marido me ia contando, parece que perdi (felizmente) os episódios mais violentos e que poderiam, eventualmente, causar-me insónias ou pesadelos.

 

 

Macarena é uma jovem apaixonada pelo seu chefe e, como tal, acaba por se envolver nos seus crimes, sendo detida e enviada para a prisão espanhola Cruz Del Sur, em prisão preventiva, um estabelecimento prisional para mulheres que se quer distinguir pela sua política de reintegração.

Macarena era uma mulher simples e ingénua, mas vai-se transformar completamente dentro daquele estabelecimento prisional, onde, como é habitual, prevalece a lei do mais forte.

É lá que ela vai conhecer Estefânia , mais conhecida por Caracóis, de quem se vai tornar amiga e, mais tarde, namorada.

 

 

Do lado das “boas” estão ainda Sol e Antónia, duas das mais velhas, e Teresa, a drogada do grupo.

Já do lado das “más”, há duas inimigas com quem Maca terá de lidar:

Zulema, a árabe, que tem uma personalidade muito forte e peculiar, com uma enorme inteligência, e tudo fará para sair daquela prisão, nem que para isso tenha que sacrificar as suas companheiras, ou aliar-se, estrategicamente, às suas inimigas, por um bem maior. É a detida que mais dores de cabeça dá aos vigilantes e, até mesmo, à directora e aos inspectores.

Zulema e Saray andam sempre juntas, são uma espécie de amigas, mas Saray consegue ter a condescendência e discernimento, apesar de em muitas ocasiões agir por impulso, que falta a Zulema.

 

Anabel, a psicopata, sem qualquer tipo de sentimento por quem quer que seja., e capaz das maiores atrocidades que possam imaginar, desde mutilar as reclusas, até usá-las como escravas sexuais, alugando-as a quem lhes pagar para tal.

É a reclusa que mais dinheiro tem lá dentro, graças ao negócio da droga e, por isso, com muitas aliadas compradas para a servir e fazer o trabalho sujo.

 

 

Em Cruz del Sur, existe um médico, que se aproveita das reclusas que precisam para lhes dar o que querem, a troco de favores sexuais. E um vigilante violador. Uma directora influenciável e pouco profissional.

A acção, que se complementa e relaciona, vai-se passando, alternadamente, dentro da prisão, onde Macarena tem que enfrentar toda esta nova realidade e adaptar-se ás regras do jogo, e fora da prisão, onde o pai e o irmão tentam descobrir onde está o dinheiro desviado, que poderá comprar a liberdade de Maca, ao mesmo tempo que o namorado egípcio de Zulema também anda à caça do dinheiro, para livrar a namorada da prisão.

 

 

Quem chegará primeiro ao dinheiro, como escaparão elas daquele inferno, e quem sairá ileso ou vivo desta história, é aquilo que vamos descobrindo, à medida que Macarena se começa a afirmar dentro da prisão, e a tornar-se líder.

A que preço o conseguirá, e se continuará assim por muito tempo, só vendo as duas temporadas que faltam, e que ainda não chegaram à Netflix.

 

 

Para quem acompanhou La Casa de Papel, vai lá encontrar duas caras conhecidas, sendo que a segunda, se não me dissessem, apesar de agora encontrar diversas semelhanças entre personagens, nunca lá chegaria!

Não aconselhável a pessoas sensíveis a imagens e cenas chocantescom tendência a enervar-se.

Aos Olhos da Justiça

Resultado de imagem para aos olhos da justiça netflix

 

O que é a justiça?

Terá a mesma definição para todos?

 

 

Como é a justiça?

Racista, xenofóbica, tendenciosa, política, corrupta, justa, imparcial, precisa?

 

 

O que é permitido em nome dessa dita justiça?

Até que ponto a necessidade de "fazer justiça", cega quem tem esse poder nas suas mãos?

Quantas vezes se cometem injustiças, ao tentar "fazer justiça"?

 

 

E quando se "faz justiça", será que os lesados o sentem como tal?

Haverá algo que possa compensar o sofrimento, a dor, a perda, o trauma, o que quer que seja pelo qual a pessoa passou?

 

 

Vi, este fim de semana, a série "Aos Olhos da Justiça" ou, em inglês, "When They See Us".

Para quem ainda não ouviu falar, trata-se de uma série baseada em factos reais, sobre "Os cinco de Central Park", nome pelo qual ficaram conhecidos - 5 jovens com idades entre os 14 e os 16 anos, residentes no Harlem que, naquela noite, foram para Central Park "bravejar", e acabaram acusados de agressão e violação de uma mulher de 28 anos.

 

Quando vemos uma série como esta, o primeiro pensamento que nos vem à mente é "e se fossem os nossos filhos"?

Dizia uma mãe, na série "criamos os nossos filhos, vemo-los a crescer, e achamos que estamos a fazer um bom trabalho, e depois...".

Nem sempre é o caso mas, na maioria das vezes, fizemos mesmo um bom trabalho, e não nos podemos responsabilizar por algo que não é culpa nossa e, muitas vezes, nem dos nossos filhos.

 

 

Num clima de crescentes crimes de violação, importa encontrar culpados e apresentar resultados, dando ao povo um falso e momentâneo "conforto", proporcionando um apaziguamento nos ânimos e nos receios da população.

E este é o primeiro passo para se manipular os factos, para se distorcer a verdade, para obter falsos depoimentos, se for preciso, para se fazer encaixar peças que não pertencem àquele puzzle, nem que para isso tenham que inventar uma nova imagem, e limar cada peça, até fazer algum sentido.

O segundo, é o racismo. Curiosamente, os 5 jovens eram negros ou hispânicos.

 

 

Para conseguir arrancar a verdade que precisavam, valeu tudo, desde falsas promessas, mentiras, agressão física por parte da polícia, interrogatórios a menores durante horas a fio, sem a presença dos pais e com privação de comida, água e descanso, obtenção de falsos depoimentos e confissões através de um conjunto de ilegalidades.

 

O medo, o cansaço, a violência física e psicológica a que estes jovens foram sujeitos, a enorme vontade de voltarem para casa, e o facto de os pais não terem muitos conhecimentos sobre os procedimentos legais, leva-os a agir conforme aquilo que acham que é melhor, mesmo que não o seja, efectivamente.

Das atitudes dos pais, destaco a do pai do Tron que, acho que mais para se safar a si próprio, do que ao filho, o obriga a mentir e dizer o que a polícia quer ouvir.

E a da mãe do Yusef que, embora mais informada, tendo conseguido tirar o seu filho da esquadra sem que o mesmo assinasse qualquer depoimento ou gravasse a confissão acaba por, ela própria, achar que o seu filho é diferente dos restantes 4 acusados, que não deve "ser metido no mesmo saco", criando alguns atritos com as restantes mães/ familiares, com esta atitude de superioridade, que não lhe fica nada bem, sobretudo quando um dos jovens de quem ela mais quer distância, é o único que só foi parar à esquadra, e àquele pesadelo, precisamente para acompanhar o seu filho.

 

 

Infelizmente, por diversos motivos, algumas pessoas acabam condenadas apesar de serem inocentes, com provas inconclusivas e insuficientes.

Foi o que aconteceu a estes 5 jovens.

Sendo quatro deles menores, foram enviados para reformatórios, onde cumpriram penas de cerca de 10 anos.

O 5º, apanhado no meio de tudo isto e, por azar, com 16 anos, mas, apesar disso, na minha opinião pessoal o mais frágil e inocente, foi condenado  uma pena mais elevada, e numa prisão de adultos. Foi o que mais sofreu. O que menos apoio teve. O que saiu com mais marcas, de mais de uma década de agressões e abusos que quase o mataram.

 

 

E depois?

Quando saem, como se recupera todo o tempo perdido?

Como voltam a viver, quando nada é igual?

Como se voltam a inserir na sociedade, quando todos os rejeitam?

Com todas as condicionantes que lhes são impostas?

Quando sentem que a liberdade não lhes traz nada de bom?

Quando começam a duvidar se as suas vidas não seriam melhores lá dentro, do que cá fora?

 

 

Uma coisa é certa: a prisão, e tudo o que acontece lá dentro, tem consequências na vida de quem por lá passa.

E se, alguns, conseguem lidar com elas e afastar-se de problemas, outros há que não o conseguem. Que tentam mas, juntando a elas a rejeição de que são vítimas cá fora, acabam por enveredar pelo caminho errado.

 

 

No caso destes 5 jovens veio, mais de 10 anos depois, a descobrir-se a verdade. Que tinham sido condenados injustamente, que estavam inocentes, e que o verdadeiro culpado era outro.

Foram indemnizados, naquela que foi a maior indemnização de sempre da história. Foi-lhes limpo o cadastro.

Mas, alguma vez, o rótulo de "violadores" será apagado da memória das pessoas?

Quem lhes devolve a vida, a adolescência, os anos perdidos?

Quem lhes devolve a inocência?

Que dinheiro lhes paga todas as atrocidades de que foram vítimas?

Haverá justiça suficiente para isso?

 

 

Nota:

Quando se acompanha uma série destas ao mesmo tempo de "Como Defender Um Assassino", é impossível não as comparar já que, na primeira, são condenados jovens inocentes enquanto na segunda, são várias as vezes em que, com uma boa advogada, se consegue ilibar assassinos.

 

 

Mais sobre a história:

https://www.dn.pt/cultura/interior/30-anos-depois-esta-serie-volta-a-fazer-justica-pelos-cinco-de-central-park-11015202.html 

Le Chalet

Resultado de imagem para le chalet netflix

 

Tudo começa quando um grupo de jovens volta a Valmoline, uma aldeia situada nos Alpes franceses, isolada de tudo e de todos, onde cresceram e viveram a sua infância, naquela que é uma reunião de amigos, com o objectivo de celebrar o casamento de um deles.

 

 

Os primeiros a chegar são Manu e Adèle. Esta mostra um comportamento um pouco estranho, mas pode ser apenas devido à gravidez. Sabemos que nessa fase as mulheres têm uma outra sensibilidade, e as hormonas dão cabo de nós.

Mais tarde, chegam Alice e Fabio, Sébastien e Maud, Laurent e Tiphaine, Olivier e Mathilde, e Thierry e Erika.

Todos vão ficar instalados no antigo chalé, agora remodelado onde, há 20 anos atrás, habitou a família Rodier, que desapareceu sem deixar rasto, pouco tempo depois.

 

 

No caminho da estação para o dito chalé, mal passam a ponte, esta sofre uma derrocada que os isola na aldeia, e impede qualquer outra pessoa de lá entrar. Terá sido um mero acidente?

O que é certo é que começam a desaparecer algumas pessoas que ali habitam, outros estranhos acidentes acontecem, e todos ali correm perigo. Uma armadilha que nunca antes foi utilizada naquela região, um parafuso que, de repente, impede a porta da câmara frigorífica de abrir por dentro, o quadro das telecomunicações que aparece totalmente destruído, deixando-os sem rede e qualquer forma de comunicação com o exterior. É muita coincidência...

 

 

E chegam à conclusão que, quem os está a tentar matar, é alguém do grupo, porque sabe de todos os passos que eles dão.

Mas quem será? 

Com Laurent, Thierry, Erika, Olivier e Tiphaine assassinados, as suspeitas começam a cair sobre Fabio e Maud mas... será que serão mesmo eles os responsáveis? E porquê?

 

 

Ao mesmo tempo, vamos acompanhado a história ocorrida há 20 anos atrás, com Jean-Louis Rodier, a sua mulher, Françoise, e os filhos de ambos, Julien e Amélie.

Julien tornou-se, nessa altura, amigo de Alice e, posteriormente, namorado. Mas, à excepção de Manu, o melhor amigo de Alice, nenhum outro rapaz gostava de Julien, que foi vítima de bullying por parte dos rapazes da aldeia, sobretudo, Sébastien.

Há 20 anos, Sébastien era apaixonado por Alice, e rejeitado por ela. Algo que ainda hoje acontece.

Philippe, o dono do chalé e do bar da região, apesar de casado com Florence, traía-a com Christine, a empregada do bar, e tentou a sua sorte com Françoise, sem sucesso.

Por sua vez, Françoise foi traída pelo marido, que se envolveu com Muriel, irmã de Philippe.

Na aldeia, vive ainda Alexandre Gossange, um eremita que, em tempos, foi um grande matemático, e que é primo de Françoise.

 

 

Estarão os acontecimentos de há 20 anos relacionados, de alguma forma, com as mortes do presente?

Um coisa é certa: Sébastien parece ser o único sobrevivente, mas também o culpado de todas as mortes. E Adèle parece nunca ter existido, a não ser na sua imaginação.

Estará o chalé amaldiçoado?

Ou haverá um outro motivo para este dizimar da aldeia?

 

 

Confesso que achei o primeiro episódio muito parado e pouco convincente.

É difícil perceber quem algumas personagens de agora eram antes.

No início, achei que a Adèle estaria meio louca. Depois, com o desenrolar da história, percebe-se quem ela é.

A música do genérico é sinistra, digna de um filme de terror!

Achei a Alice parecida com a nossa Carolina Torres, e o Sébastien com o Edmundo Vieira :)

 

 

É uma série francesa que recomendo para quem gosta de suspense e muito mistério, que só se vai descobrir no final, e que me supreendeu, pelo menos metade dele!

The Society

Resultado de imagem para the society

 

Imaginem que, de um momento para o outro, os nossos filhos se viam sozinhos, no sítio onde vivem, mas sem qualquer adulto presente, e sem qualquer forma de sair desse local.

Imaginem que não conseguiam contactar com ninguém, e não faziam a mínima ideia do que tinha acontecido, nem onde estariam os pais, a família, as autoridades, ninguém.

Apenas adolescentes, sozinhos, sem saber o que fazer...

O que acham que resultaria daí?

 

 

Provavelmente, ficariam assustados.

Depois, aproveitavam a liberdade temporária para fazer o que mais queriam, sem reclamações ou proibições.

Em seguida, começariam a sentir falta de quem fazia tudo por eles, saudades dos pais.

E, com os mantimentos em casa a acabar, haveria uma correria aos supermercados e um açabarcamento de tudo aquilo que pudessem, para sobreviver.

Começaria a haver insegurança, instabilidade, o "salve-se quem puder", e o "cada um por si".

Até que alguém tome as rédeas da situação, e comece a impor ordem, regras, alguma forma de as coisas funcionarem como for possível, sem haver muitos mortos e feridos, sem a coexistência em tais circunstãncias descambar num verdadeiro caos...

 

 

Mas, quem teria autoridade para tal?

Quem teria o direito de se assumir como líder perante os restantes?

Quem assumiria a responsabilidade de guiar, gerir, ditar a vida de todos, de tomar decisões e pedir a colaboração dos restantes?

Existe sempre quem queira o poder para si, mas não saiba o que fazer com ele, e se deixe manipular. Existe sempre quem queira o poder para si, para o usar em nome dos seus próprios interesses e, muitas vezes, para o mal.

Há quem não o queira, mas o mesmo lhe venha parar às mãos. E há quem o herde, e tenha que geri-lo para o bem de todos, apesar das constantes críticas, oposição, revolta.

 

 

A ideia seria criar uma espécie de democracia. Mas, quanto tempo leva a democracia a tornar-se uma ditadura? Principalmente, quando se vive um clima de insatisfação, de descontentamento, de aparente resignação e concordância, mas com o desejo de que tudo seja diferente, agarrando-se a promessas de melhor vida e melhores soluções?

 

 

Conseguiriam os nossos filhos aguentar-se? Viver desta forma? Passar a fazer tudo aquilo que, antes, tinham quem fizesse por eles, quem decidisse por eles, quem os guiasse e orientasse? Estariam dispostos a cumprir regras, a seguir ordens, a partilhar, a contribuir, a pensar no colectivo, e não no individual?

Quanto tempo levaria a desafiarem-se, a atropelarem-se, a agredirem-se, a matarem-se uns aos outros?

 

 

É isto que acontece em The Society, com os adolescentes de West Ham, que ali vivem, a terem que, sozinhos, criar uma sociedade que lhes permita sobreviver, até que consigam perceber o que se passou, onde estão, o que aconteceu a todos os adultos, e se é possível voltar tudo ao normal, antes de morrerem.

É preciso garantir a segurança de todos, racionar os recursos, distribuir funções, manter-se ocupados e distraídos da tristeza e receio que sentem ao se verem totalmente abandonados e entregues à sua sorte.

 

 

Vai ser a oportunidade para alguns, de se tornarem melhores pessoas, de se descobrirem e perceberem quem são e o que querem da vida, de crescerem... Mas também vai mostrar como as pessoas podem perder o seu carácter, mediante as circunstâncias, e agir de uma forma que nunca esperaríamos.

No fundo, não muito diferente da sociedade em que vivemos.

E quando quem não deve, assume o poder, pode-se esperar tudo...

WHAT IF?...

 

Mais uma série da Netflix a seguir, sem dúvida!

 

Neste thriller obscuro, que marca o regresso de Renée Zellweger, numa personagem muito diferente do que estamos habituados a vê-la, é explorado o efeito cascata, provocado por ações socialmente inaceitáveis, feitas por pessoas consideradas normais. 

 

What if (e se)... de repente, alguém chegasse ao pé de nós e nos propusesse realizarmos o nosso sonho, a troco de algo que nunca imaginaríamos?

 

Lisa é uma cientista que não consegue encontrar financiadores que invistam e apostem no seu projecto, e está a ponto de ter que despedir os seus colaboradores, com várias dívidas a saldar. Sean, o seu marido, tem a oportunidade de entrar para os bombeiros, mas isso significa deixar o seu trabalho actual, e com várias contas para pagar, é uma oportunidade que vai ter que abdicar. 

Até que, após uma conversa com uma cliente num bar, Sean consegue uma reunião para Lisa, com Anne Montgomery.
Esta misteriosa mulher de negócios, acaba por fazer uma proposta a ambos: ela avança com o financiamento de que Lisa precisa e, em troca, Lisa deixa o seu marido passar uma noite com Anne, sendo que, tudo o que acontecer naquela noite, não poderá ser revelado, sob pena de Lisa perder a sua pesquisa e projecto para Anne.
Depois de conversarem, ambos decidem aceitar a proposta, e assinar o contrato.
Mal eles sabiam que esse seria o primeiro passo para tudo o que viria a seguir, e para as voltas que as suas vidas iriam levar.
 
 
Ao mesmo tempo, temos Angela e Todd, amigos de Lisa e Sean, que estão prestes a ser pais, mas irão ver-se envolvidos num jogo doentio e perigoso, do qual poderão não sair com vida.
 
Por outro lado, temos Marcos, irmão de Lisa, gay, um rapaz tímido e muito fechado, que esconde um segredo que o atormenta, e que pode destruir a sua família tal como a conhece até hoje.
 
 
 
Na vida, muitas vezes, não passamos de meros peões, utilizados pelos outros para fazerem grandes jogadas à nossa custa, para bem dos seus próprios interesses.
Também aqui na série vemos isso, não só, mas sobretudo, na personagem de Anne.
Quem é realmente? De onde veio? Como fez fortuna? Ninguém sabe...
O que vemos, é uma mulher fria, calculista, pretensiosa, astuta, por vezes até, algo sádica, inteligente e poderosa, com um poder extraordinário para ler a mente das pessoas, antecipar os seus movimentos e prever as suas acções, como se conhecesse a fundo o que pensam, como se sentem, o que querem, a sua verdadeira personalidade.
 
 
Anne poderá ter sido, em tempos, uma vítima. Não o é mais. Mas não hesita em fazer vítimas, se isso lhe convier. Será que as escolhe ao acaso? Ou nada do que faz é ao acaso? 
E qual é o objectivo concreto de Anne, relativamente a Lisa e Sean?
Uma noite de sexo? A destruição de um casamento? Um negócio lucrativo? O simples prazer de pisar e inferiorizar as pessoas? A destruição da vida dos outros?
Ou haverá algo muito maior que isso? Um segredo há muito guardado? Uma verdade que tem que, inevitavelmente, vir à tona, e só o poderia ser desta forma?
 
 
O que Anne pode não contar, é que o feitiço se vire contra o feiticeiro e que, afinal, os peões do seu jogo da vida real, ao contrário do xadrez, tenham mais força e poder do que imagina, e consigam derrubá-la.
 
 
 

 

 
 
 
  • Blogs Portugal

  • BP