Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A importância das pequenas conquistas

Resultado de imagem para pequenas conquistas

 

E como, apesar de mínimas, adquirem proporções gigantes no contexto em que foram alcançadas!

A minha filha tem um problema com a História, que é só a disciplina base do curso que escolheu, com direito a 3 anos e exame final. Um mero pormenor.

No primeiro período, teve 9,7 no primeiro teste, e 9,5 no segundo. A partir de 9,5, é considerado nota positiva mas, para mim, apesar de tudo, era uma nota negativa, e muito frágil que, a qualquer momento, poderia descambar.

E a prova disso é que a professora ainda ponderou dar-lhe um 9, em vez do 10 (o que acaba por ser contraditório). Felizmente, deu-lhe 10.

 

Este período já fez o primeiro teste.

A professora tinha avisado, há dias, que estes testes estavam "tristes". E que era normal os alunos descerem nesta matéria (mas ela diz isso a cada teste que faz).

Hoje, era o dia D.

Estávamos ambas à espera da negativa, ainda que com uma leve (muito leve) esperança de que se pudesse safar com uma positiva.

A nota mais alta da turma, foi um 14.

E a minha filha, teve 10!

 

Sim, foi apenas uma pequena diferença de 0,5 mas que, aqui, fez uma grande diferença. A diferença entre uma negativa que, puxada, dá positiva, e uma positiva certa, sem dúvidas. A diferença entre seguir a tendência e baixar a nota num teste com esta matéria, e não se limitar a manter, mas até conseguir contrariar, e subir a nota.

 

Claro que ainda tem um longo caminho a percorrer na história da História, até ao 12º ano, e vai ter que se esforçar ainda mais, para conseguir manter ou melhorar esta nota, até porque cada ano será mais puxado que o outro e, no fim, tem que ter média positiva, mas é bom perceber que o esforço pode compensar, porque isso, certamente, a motivará para continuar a fazer mais e melhor.

Contradições

Resultado de imagem para dúvida

 

Como se explica que, numa altura em que se dá cada vez mais importância à prática de exercício físico, nomeadamente, nas escolas, obrigando as crianças a ter essa disciplina desde o 5º ano até ao 12º ano (inclusive, contando para nota), haja cada vez mais obesidade infantil em Portugal?

Achei uma nota de 5 euros

Resultado de imagem para nota de 5 euros

 

Eu, a carochinha de serviço, habituada a encontrar na rua moedas de 1 e 2 cêntimos, esporadicamente uma moedita de 10 ou 20 cêntimos, e uma única vez uma moeda de 50 cêntimos, mais habituada a perder notas sem saber bem como, do que a encontrá-las, achei uma nota de 5 euros!

 

Li no outro dia, que encontrar moedas na rua pode ser um sinal, uma forma de aqueles que já partiram comunicarem com quem cá está.

Curiosamente, encontrei a nota no dia 25, um ano após a morte da Tica. Coincidência?

Suponho que sim. Até porque era um nota, e não uma moeda!

Mas o que quer que signifique, a verdade é que deu jeito. 

Domingo azarento

 

Ontem não foi sexta-feira 13, mas bem podia ter sido! Não houve nada que corresse bem :(

A Tica atirou com a árvore de Natal duas vezes, tentou destrui-la mais umas tantas, e as luzes avariaram.

O ferro de engomar lembrou-se de deitar água para a roupa acabadinha de secar na máquina, e tive que a pôr a secar novamente. Já para não falar que o quadro é tão fraquinho que, com apenas o ferro e a máquina ligados, disparou.

Mas pior mesmo, foi a treta (para não dizer outra coisa) da Internet que, sabe-se lá porquê, lembrou-se de ficar lenta. Mais lenta que um caracol parado! E precisamente no momento em que eu estava a fazer o exame final do curso!

Experimentei no computador da minha filha, nem sequer abria a plataforma. Bloqueava. Experimentei no do meu marido, consegui aceder ao exame. E pensei - ainda bem. Agora é concentrar-me e despachar-me para responder às 42 perguntas em 30 minutos. 

O exame era facílimo, apenas teria errado duas ou questões, o que teria dado uma nota final muito boa. E o tempo era mais que suficiente.

Mas a internet não colaborou, e pôs em causa a nota e um mês de curso. Todas as respostas dadas têm que ser por nós verificadas. Se não estiverem validadas, são consideradas não respondidas. Eu respondi a todas as perguntas. Mas no momento de verificá-las, demorei à volta de 2 minutos para cada uma. Resultado - só foram validadas 28, o que me deu uma nota final de 13 :(

Passei-me completamente - uma coisa é ter uma nota destas por ter errado as questões. Outra é ter uma nota da treta por problemas técnicos. E é ainda mais frustrante porque, muito embora todos os participantes façam os mini-testes em cada sessão, o que, juntamente com o exame final, dá uma média da disciplina, a nota que constará do certificado é, unica e exclusivamente, a do exame final. É muito injusto poder ter 17 ou 18 valores com base no que realmente sabia, e ter um básico 13.

Pior ainda, ficou o meu marido que, vendo-me naquele estado e tentando ser solidário, foi também fazer o exame. Só que apenas conseguiu validar umas 15 respostas, o que lhe deu 6 valores, e apenas terá direito a um mero certificado de frequência.

O que é feito da internet rápida quando precisamos dela?...