Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Novo perfume da Nike

s-l1600.jpg

 

Precisava de comprar uma prenda de aniversário, atrasada, para a minha mãe.

O que é uma tarefa complicada.

Ela raramente sai de casa.

Não precisa de maquilhagens. Não usa cremes. Roupa, já lhe tinha oferecido no Natal.

O meu pai ofereceu-lhe flores que deram para várias jarras.

 

No hipermercado, virei-me para a secção de perfumes.

À excepção de alguns que já conhecemos, de marcas específicas e, por norma, mais caros, tudo o resto parece não valer a pena. 

Para piorar, nem todos têm o tester, para experimentarmos. E com as máscaras fica ainda mais difícil.

 

Vi alguns perfumes da Nike.

A minha filha usa o rosa, e gostamos. Também tem o azul.

Mas este pareceu-me novo. Nunca tinha visto.

Experimentei. 

A mim cheira-me a alfazema, lavanda ou algo do género.

Na altura, até fiquei com o cheiro no casaco, porque salpicou-o quando pulverizei para o ar.

Comprei-o, e lá ofereci o perfume.

 

Na minha última ida às compras, não resisti, e comprei um igual para termos lá em casa também!

Estou fã.

 

Fazer publicidade a produtos que não têm à venda

Oikos triplo prazer

 

No fim de semana, enquanto andava a fazer compras, na zona dos iogurtes, vi uma publicidade aos novos Oikos, com figo, iogurte grego e maçã e canela.

Costumo comprar de outros sabores, e queria experimentar estes novos.

Mas, na prateleira dos respectivos, só havia os mais antigos.

Perguntei ao funcionário que estava a repôr, se tinha os ditos ainda por arrumar, mas não.

 

 

A seguir, como fomos a outro hipermercado, lembrei-me de ver se, por acaso, havia por lá.

Vi a publicidade mas, iogurtes, nada.

Voltei a perguntar a um funcionário que por ali estava. Não sabia de nada. Disse que, provavelmente, ainda viria nas próximas semanas mas, de momento, não sabia de nada.

 

 

Ou seja, colocaram a publicidade para nos dar a conhecer a novidade e ficarmos com água na boca, com vontade de comprar, mas depois não têm os produtos à venda, obrigando-nos a ficar em compasso de espera, até ao dia em que os mesmos cheguem aos hipermercados!

Provei e gostei!

Resultado de imagem para oikos maracujá abacaxi

 

Neste fim de semana, fomo até ao Continente.

Andavamos na zona dos iogurtes, quando me deparei com estes, que nunca tinha visto. 

Eu sou um bocadinho esquisita com os iogurtes: tenho sempre a sensação de que acabam por ser todos iguais, e que já nenhum me sabe bem ou me dá aquela vontade de comprar.

 

 

Mas, olhei para estes e pensei: porque não experimentar?

Levei um pack, que traz 2 iogurtes.

Ontem de manhã, provei e adorei a combinação entre a polpa das frutas e o próprio iogurte.

Tanto que, quando, à tarde, o meu marido precisou de ir ao intermarché, aproveitei e trouxe mais 2 packs: um igual ao de cima, e outro, para experimentar, de limão e laranja.

 

 

Resultado de imagem para oikos limão iogurte grego laranja

 

O meu marido também levou, e aprovou!

 

E por aí, já experimentaram? 

Conheciam?

Como perder totalmente o interesse num programa

Resultado de imagem para the voice portugal

 

 

Fui uma fiel seguidora, nos últimos anos, do programa The Voice Portugal.

Conseguiu manter-me ligada a ele a cada domingo à noite, mesmo quando no dia seguinte acordava cheia de sono para ir trabalhar.

Nenhum outro programa me tinha feito mudar de canal e trocar. Até este ano...

 

 

Sim, este ano, ainda comecei a vê-lo, apenas para constatar que o programa (tal como provavelmente a maioria deles) está viciado, esgotado, sem nada de novo: as mesmas injustiças, os mesmos discursos, as mesmas desculpas esfarradas, os mesmos interesses, e um objectivo que é tudo menos aquele que apregoa.

Aos poucos, comecei a optar por assistir ao Casados à Primeira Vista, e gravar o The Voice para ver mais tarde. Mas nem me dou a esse trabalho. O pouco que vou vendo e lendo, permite-se ficar por dentro do que se passa, e acentuar mais a pouca vontade em perder tempo a segui-lo.

 

 

Mudem os apresentadores, mudem os mentores, mudem a dinâmica, sejam genuínos e espontâneos, e talvez voltem a conquistar audiências.

Aliás, acho que qualquer programa do género (incluindo o Casados à Primeira Vista, que já soa mais a encenação) teriam a receita de sucesso na novidade, aliada à espontaneidade. Porque é isso que mais agrada ao público.

Até lá, será sempre a diminuir, até acabarem de vez com o programa.