Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

As pessoas estão cada vez mais bi(tri/quadri)polares

Transtorno Bipolar e diagnósticos incorretos

 

Tenho vindo a aperceber-me que as pessoas estão, para além de tudo o que já sabemos, a ser estrondosamente afectadas por outra maleita, assim algures entre a indecisão e a bipolaridade, no que respeita àquilo que pensam, dizem e opinam.

Contradições, dois pesos e duas medidas, críticas negativas a determinadas pessoas/ situações que, noutras, já são perfeitamente justificáveis.

Opiniões que mudam de um dia para o outro, em que num se defende uma coisa e, no outro, já se defende precisamente  o oposto.

Mas há quem ainda apresente um quadro mais grave, em que são várias ideias, que vão mudando ao sabor do vento, ou da maré, consoante lhes apetece.

Atrevo-me a dizer que as pessoas estão cada vez mais, não bi, mas tri ou quadripolares.

Incoerência no seu melhor! Ou pior...

Os "pica miolos" e as provocações gratuitas

10922484_927885313912388_2714914180002216364_n.jpg

 

Não gosto!

Provavelmente, ninguém gostará.

Quem está a ver de fora, até pode achar piada.

Eventualmente, algumas picadinhas ou provocações a terão. Se forem inofensivas. Se não ofenderem ninguém. 

Mas tudo o que é demais cansa. 

E, quando é feito com o propósito de desestabilizar o outro, é feio. É jogo sujo.

 

Há pessoas que são pica miolos", e sabem que o são.  

Que não percebem os limites até onde podem ir. Ou fazem questão de ultrapassá-los.

Sempre me disseram que a melhor forma de os parar, é ignorar, é mostrar indiferença, é não responder, nem dar troco.

Se bem que isso, muitas vezes, só os faz insistir ainda mais. Picar mais. Provocar mais.

Mas também podem perceber que dali não conseguem nada, e desistir.

 

Na prática, pode ser possível manter essa indiferença por algum tempo.

Mas, ou a pessoa se afasta desses pica miolos, ou tem um gigante poder de ouvir e calar, ou chega a um ponto em que acaba por lhe sair uma resposta torta, tal o nível de saturação e desgaste.

Esse é o ponto de partida.

Depois, ou a coisa acalma, ou escala de tal forma que nada de bom daí sairá. 

E, no fim, para quê? 

O que se ganhou com isso?

 

Todos nós lidamos com pica miolos na nossa vida.

E como o Big Brother é o jogo da vida real, também tinha que lá haver um. Ou mais.

Mas há um que se destaca, e não disfarça.

É o seu jogo. É válido. Desde que não ultrapasse os limites.

 

Ontem, assistimos a uma cena muito triste.

Empolada por questões que já vinham de fora. Por provocações mútuas que aconteceram lá dentro. E pela própria produção, que quer ver o circo pegar fogo, e ainda atira achas para a fogueira, para depois fingir que tenta apagar o fogo desencadeado e fora do controlo, quando o podia ter evitado se, em lugar de atirar achas, tivesse usado o extintor quando ainda tinha o controlo.

 

Na minha opinião, estiveram todos mal.

O Nuno pode ser um excelente jogador, estratega, pica miolos e provocador, mas tem que haver limites. E quando se parte para a provocação gratuita assente em ofensas, é só jogo sujo e feio, e deixa de entreter e ter piada. E ele que não me venha dizer que muito do que apelida aos outros, é apenas ao jogador, e não à pessoa.

O Gonçalo não sabe ignorar, que era o melhor que podia ter feito. Reage precisamente como o Nuno espera, e ainda consegue superar as expectativas, porque se passa, e age e diz o que não deve. Perde a razão.

 

Neste momento, o BB Desafio Final é um programa de tensão, que nem dá vontade de ver, e acho que a maioria, público e concorrentes, só querem mesmo que acabe depressa, porque não deixa saudades.

A Cristina, em directo, assim em modo de querer disfarçar, e levar o programa adiante, perante o ambiente que se fez sentir e ficou na casa, vem com aquele discurso de filosofia barata que, naquele momento, ninguém precisa e quer ouvir, com frases como "estão num jogo e cada um pode dizer e fazer o que quiser, e vocês têm que saber gerir", só então acrescentando "dentro dos limites, claro".

Mas eu pergunto-me: em nome das audiências, quais serão esses limites?

 

E o Big não esteve melhor neste quadro.

Ah e tal, na minha casa não vou permitir qualquer tipo de violência, e todos têm obrigação, vendo uma situação destas, de intervir e separar.

Desculpe?

Tanta preocupação com as "conversas impróprias" quando diz respeito à produção e aos segredos da mesma, mas depois deixa toda a gente falar tudo, e tudo é válido, mesmo que isso gera este tipo de situações, o circo a pegar fogo, e ainda são os colegas os responsáveis por gerir os conflitos?!

Que tal o Big intervir na hora?

 

Para mim, teriam sido os dois expulsos, e vinham ajustar contas fora da casa. Só que, depois, perdiam dois concorrentes, deixava de haver polémica, perdiam-se audiências, e lá o programa tinha que acabar mais cedo.

Quando a ideia até é, segundo parece,  prolongar.

Dadas as grandes audiências que está a ter.

À custa do quê. E de quem...

Aprovação da eutanásia em plena pandemia é contraditório? Não!

Parlamento aprova Lei da Eutanásia - Mais Guimarães

 

A eutanásia foi hoje aprovada no parlamento.

Em plena pandemia.

E logo inúmeras vozes contestaram que era um absurdo. 

Que, na situação em que estamos, com a quantidade de pessoas que morrem todos os dias, devíamos lutar pela vida, e não por ainda mais mortes.

Que andamos todos a apregoar aos quatro ventos que queremos salvar os velhinhos, mas depois aprovamos uma lei que os "condena" à morte.

 

Acho que estão a confundir um pouco as águas.

Como se costuma dizer, uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa!

Cada um é livre de ser a favor ou contra a eutanásia.

Mas, sendo contra, utilizem-se argumentos válidos. Aqueles a que já se recorria antes da pandemia. Sem necessidade de, numa derradeira tentativa de boicotar a aprovação, se servirem dela para apoiar e suportar as opiniões.

 

Na pandemia, ninguém tem a possibilidade de escolher se quer viver ou morrer, morre quem não resiste ao vírus. Se calhar, se pudessem escolher, a maioria viveria...

Na eutanásia, só morre aquele que assim o desejar, e se as cisrcunstâncias permitirem tornar válido esse desejo. 

Na pandemia, morrem todos, independentemente de terem terem problemas de saúde ou serem pessoas saudáveis.

Na eutanásia, estamos a falar de um grupo muito restrito de pessoas, muitas apenas à espera da morte,  para as quais já não existe tratamento, que estão a sofrer sem que existam condições que apaziguem esse sofrimento, para as quais já não faz sentido a vida.

"A lei prevê, nomeadamente, que só podem pedir a morte medicamente assistida, através de um médico, pessoas maiores de 18 anos, sem problemas ou doenças mentais, em situação de sofrimento e com doença incurável."

No fundo, na pandemia, a morte não depende de nós.

Com a eutanásia, sim.

 

Sim, é importante proteger todos, inclusive os idosos, desta pandemia, porque nem todos querem morrer.

E sim, é igualmente importante que, aqueles que assim o queiram, possam ter essa possibilidade de escolha e decisão sobre algo que só a si diz respeito, e que não prejudica mais ninguém.

 

 

Imagem: maisguimaraes

 

A minha primeira compra na SHEIN

_113256765_gettyimages-1215229533.jpg

 

Não raras vezes, enquanto vou deslizando pelo feed do facebook, vejo anúncios de roupas que eram mesmo aquilo que uma pessoa queria mas, quando vejo que é de lojas desconhecidas, noutros países, desisto.

Ia-me ficando pelas de cá. Até que, um dia, a minha filha me fala da SHEIN. Na altura disse-lhe que, se não fosse de cá, podia esquecer.

 

Entretanto, há uns tempos, ela voltou a dizer que tinha lá umas camisolas que gostava muito, e baratas. Fui pesquisar.

Não conhecia. Não sabia se era seguro ou não. Se a encomenda cá chegaria. Apesar dos vídeos de influencers que ela me mostrou, eu só lhe dizia "não conta, porque se estão a falar é porque receberam a encomenda".

Por um lado, via muita gente a reclamar que tinha gastado dinheiro e ficado sem encomenda. Ou que a mesma ficava presa na alfândega e tinha que se pagar taxas para a poder levantar. Por outro, lia relatos de quem estava muito satisfeito, e nunca tinha tido problemas.

Portanto, estava com os dois pés atrás.

 

Acabei por fazer uma encomenda, para experimentar, dando já como certo o dinheiro por perdido.

No site referia que o prazo para entrega era de 15 a 20 dias. 

Foram semanas de ansiedade, sempre a verificar em que estado estava o pedido, à espera de uma actualização, que parecia mais do mesmo. A maior parte dos dias foi passada na China. Ora sai do armazém, ora chega ao aeroporto, ora sai do aeroporto. 

Na segunda-feira, já me aparecia em Madrid. Pelo menos estava muito mais perto de nós.

 

E na terça-feira, sem estar a contar com isso, chegou.

Portanto, até ver, por esta primeira experiência, pagamento seguro, e encomenda entregue dentro do prazo - foi feita a 6 de novembro, chegou a 24 de novembro.

 

Quanto às peças em si, tenho a dizer que o casaco me desapontou. Mais parece uma bata, ou uma camisa comprida, do que propriamente um casaco. 

Já a camisola que mandei vir para mim, gostei.

Das camisolas da minha filha, apenas uma é um pouco transparente, deixando ver o que quer que tenha por baixo, mas ela gostou.

Como a diferença não era grande, e porque não fazia ideia de que tamanho pedir, mandei vir tudo em tamanho "m". 

À partida, acertámos, embora as mangas sejam um pouco compridas. O que até dá jeito agora no inverno.

Em termos de qualidade, não será a melhor, mas não é assim tão diferente da de muitas lojas que temos por cá.

 

Compensa fazer compras na SHEIN, se os produtos tiverem descontos ou promoções, e se a pressa de os usar não for muita.

Mas é sempre um risco mandar vir algo que só se consegue ver num site, e não fazemos ideia de como será ao vivo, e se nos ficará tão bem quanto imaginámos. Já para não falar que é diferente ir ali à loja e trocar o artigo, ou ter que devolvê-lo para a China!

Quando as pessoas não têm opinião própria

Artigos_opiniao.png

 

Hoje em dia, quase toda a gente tem uma opinião a dar, qualquer que seja o assunto.

Umas mais informadas ou fundamentadas que outras, é certo. Mas as pessoas gostam de mostrar o seu ponto de vista e, se em muitos casos, nem sequer lhes é pedido, ou não serve para nada, noutros, as opiniões são bem vindas.

Não vem mal ao mundo em partilhar e trocar opiniões, e até pode ser enriquecedor, ou gerar boas conversas e debates.

Mas, para isso, é preciso que as pessoas apresentem aquela que é, de facto, a sua opinião.

 

E o que se vê, por vezes, é que as pessoas nem sempre têm opinião e, como tal, vão atrás das opiniões alheias, consoante a sua conveniência. Hoje, até são da mesma opinião que fulano x mas, amanhã, se for preciso, já são da opinião de fulano y que, por acaso, até é contrária à do x!

Ou, pior, mudam de opinião sem qualquer critério, só porque sim. Porque é melhor ir atrás da maioria. Ou porque é mais cool ser do contra.

 

São opiniões que, na prática, não valem nada porque, na verdade, as pessoas que as pronunciam não têm sequer uma opinião formada.

Já em relação àqueles que, realmente, mostram a sua opinião, esta acaba por gerar, muitas vezes, em vez de discussões saudáveis, verdadeiros pesadelos para quem as pronuncia.

Porque quem está do lado de lá, nem sempre está preparado para ouvir opiniões contrárias à sua. E, a única forma de evitar dissabores, é manter-se calado, ou concordar com os outros.

 

Por isso, para quem está no lugar do ouvinte diria que há que respeitar todas as opiniões, ainda que contrárias à sua. Se fosse para todos pensarmos da mesma forma, e termos o mesmo ponto de vista, tinham-nos feito robots, e programavam-nos para tal.

Para quem está no lugar de opinante, que dê a sua opinião, se de facto tiver alguma, ou mantenha-se calado, se não a tiver, em vez de estar a roubar as dos outros.