Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

No mundo da blogosfera...

(e outras redes sociais)

Sem Título4.jpg

 

... tal como no mundo real, não tenho por hábito "comprar" discussões ou guerras inúteis, que não contribuem para nada mais do que chatear e desgastar uma pessoa.

Ainda que muitos até as ofereçam de borla, e estejam ansiosos para que aceitemos a oferta.

Pois, dispenso, obrigada!

 

Algumas, vêm disfarçadas de lição de gramática, em modo professor que cumpre o seu dever de correcção de erros.

Ah e tal, não é para levar a mal. E não levo.

Simplesmente, quando não se tem confiança, e nem é esse o assunto que está em cima da mesa, considero desnecessário.

 

Outras, vêm em forma de comentários sem nexo, de pessoas que querem ser engraçadas, mas não têm piada nenhuma.

Das mal dizentes, que adoram vir criticar, só porque sim. Para ver se pega. 

Ou daquelas que fazem questão de ser do contra. Para ver se a pessoa se sente, e dá troco.

E há, ainda, as que se querem destacar, à força, acusando os outros daquilo que elas próprias procuram.

 

Não se trata de troca de opiniões. De partilha de conhecimentos. De algo positivo.

Trata-se de provocação gratuita. Picuinhice. Implicância.

Vontade de destilar veneno.

De descarregar frustrações nos outros.

 

E, se há dias, e momentos, em que uma pessoa ainda leva na desportiva, ainda responde com algum humor, ainda tenta "driblar" as intenções do outro com educação, outros há em que o melhor é mesmo ignorar e passar à frente, porque já não há paciência para tanta parvoíce e estupidez.

 

 

 

 

Se não formos nós a gerir as nossas contas, quem o fará?

Como gerir o dinheiro | #EstudoemCasa@

 

No outro dia fui aos correios e, na área de atendimento do Banco CTT, estava um cliente que chegou ali a "matar"!

Estava a reclamar, com a funcionária, que o Banco lhe tinha tirado dinheiro indevidamente, e que tinha passado vergonha nas compras, por não ter podido pagar.

Que ainda no dia anterior tinha consultado o saldo, e tinha dinheiro na conta.

A funcionária, com toda a calma do mundo, explicou que ia ver o que se passava.

E que, se por acaso fosse algum erro do banco, iriam resolver a questão.

 

Ao consultar os movimentos, confirmou que o dito cliente estava com saldo negativo.

Verificou também que o mesmo se devia, para além de outras despesas, ao débito de dois valores, correspondentes a serviço de UBER, no valor de vinte e poucos euros cada um, que tinha sido feito naquele dia.

E ele afirmava que não tinha usado UBER naquele dia. Ao que a funcionária voltou a explicar que, provavelmente, usou antes, mas a empresa só descontou agora.

Então, já reclamava do banco, e da UBER! Que nunca mais usava os serviços. Que era uma estupidez. 

 

Voltou à carga, contra a funcionária, dizendo que, de qualquer forma, não fazia sentido, porque no dia anterior tinha feito o pagamento do ginásio, e ainda tinha ficado com bastante dinheiro na conta.

A funcionária explicou que esse valor do ginásio ainda não aparecia no extrato, pelo que ainda não tinha sido descontado, o que queria dizer que ainda iria ficar com mais saldo negativo.

E novamente reclamou do ginásio. Que ia pedir satisfações, porque não tinham descontado o valor.

 

Basicamente, era a funcionária a explicar-lhe tudo com paciência, e ele a atropelá-la, e a pedir-lhe para deixá-lo falar.

Que estava a contar com esse dinheiro para comprar comida, e agora como ia fazer.

E eu a pensar:

Então, mas ele não faz contas?

Não controla a conta?

Não sabe que ainda estão valores por descontar?

 

Eu sei que muitas vezes as lojas, estabelecimentos, serviços, não descontam na hora os valores que pagamos mas, caramba, se não formos nós a gerir as nossas contas, quem o fará?

Se sabemos que esses valores ainda não saíram da conta, e irão sair a qualquer momento, é óbvio que não podemos contar com esse dinheiro!

Que culpa têm os outros?

 

Não sei se é melhor, ou pior!

Cintramédica | Resultados de Exames

 

Longe vai o tempo em que a pessoa fazia exames e, ao fim de alguns dias, ia à clínica levantar o dito cujo.

Agora, a clínica onde vou habitualmente, criou uma plataforma que disponibiliza os exames realizados na mesma.

Muito bom.

Mesmo que a pessoa não tenha tempo para ir até lá, pode consultar na plataforma, ou ir vendo quando está pronto, até porque eles dão uma previsão de data, mas podem ficar prontos antes. Ou depois.

Neste aspecto, é melhor.

 

Só há um problema: é impróprio para pessoas curiosas e ansiosas!

Fiz uns exames no sábado.

No domingo recebi o código para aceder à plataforma.

Já lá estavam as imagens.

Quem é que resiste a espreitar as imagens de um exame que fez, quando está em pulgas para saber se está tudo bem ou não?

O pormenor, é que falta o relatório!

Ou seja, a pessoa olha para as imagens, começa a achar que há ali coisas estranhas, mas não faz ideia do que é porque, para todos os efeitos, os exames não estão concluídos ainda, e falta o relatório onde virá tudo explicado.

Nesse sentido, e nesse compasso de espera, acaba por ser pior.

 

Resta esperar. E ter paciência!

 

 

Ultrapassar um autocarro em cima de uma passadeira

Sem Título4.jpg

 

A maior parte dos acidentes rodoviários dá-se por um motivo: a pressa.

Neste mundo em que vivemos, cada vez mais, as pessoas têm pressa.

Não podem (ou não querem) esperar.

Não têm a mínima paciência.

Mas, com a pressa, vêm as manobras perigosas.

 

Ontem, um autocarro parou para as pessoas, que estavam na paragem, entrarem.

A paragem fica quase em frente a uma passadeira.

Do lado onde eu estava, com o autocarro a tapar a visão para trás, só se poderia depreender que os veículos estavam à espera, atrás dele.

Do outro lado, não vinham carros.

Começo a atravessar a passadeira, protegida pelo autocarro.

No entanto, mal chego a meio, percebo que, apesar de ali estar uma passadeira, um condutor apressado não quis esperar que o autocarro avançasse, e decidiu ultrapassá-lo.

Correndo o risco de atropelar quem estivesse, nesse momento, a atravessar a passadeira. 

Até porque o próprio condutor não tinha como ver se havia pessoas a atravessar ou não, até estar quase em cima delas.

 

Correu bem.

Mas poderia ter corrido mal.

E não havia necessidade.

Até porque não serviu de nada.

 

Moral da história: os peões têm que ter "sete olhos", mil cuidados extra, e pensar por si, e pelo que pode vir do outro lado, abdicando das regras que o protegem, para zelar pela sua vida, já que nunca se sabe com o que podem contar da outra parte.

 

 

Dai-me paciência, 2023!

Sem Título2.jpg

 

Eu bem queria ser uma pessoa mais paciente, mas há coisas que me complicam com o sistema nervoso.

Instalam-se máquinas nos bancos, para retirar as pessoas (e funcionários) das caixas. 

Mas, depois, as máquinas não funcionam. Ou estão fora de serviço, ou não estão disponíveis para determinadas operações e, então, lá tem uma pessoa que ir às caixas.

Caixas essas onde está um único funcionário que, como se não bastasse ser insuficiente para as pessoas que estão à espera, ainda é interrompido por uma colega, que não podia esperar que ele tivesse atendido os clientes para lhe pedir o que queria.

E assim se perde tempo que, para quem trabalha, embora acredite que a maior parte dos clientes sejam reformados, é escasso e está contado ao segundo.

 

Mas, ainda antes de ir para a caixa, uma fila à espera para usar a única máquina disponível. 

Estava uma senhora a utilizar, um homem à espera, e eu a seguir.

Entretanto, um senhor que foi atendido na caixa, veio para aquela zona e, quando a dita senhora desocupou a máquina, queria passar à frente de todos por, dizia ele, estar lá primeiro.

Ao que o homem que estava à minha frente lhes respondeu "Estava? Só se estava nas caixas porque aqui não estava."

Infelizmente para o homem que estava à minha frente, e para mim, a máquina não dava para depósitos.

Lá tivemos que tirar senha, e esperar.

 

Já fora dos bancos, mais precisamente, nas ruas e na hora de atravessar as passadeiras, digam o que disserem mas cada vez mais me convenço que os peões são um estorvo e um mal a erradicar para os condutores.

É que nem me venham com a conversa de que os peões atravessam sem olhar, e à parva, que os há. Mas, ultimamente, de cada vez que paro numa passadeira, e espero pacientemente que os condutores me vejam, depreendam que estou ali à espera para atravessar, e parem, só ao segundo ou terceiro carro é que tenho sorte.

É impressionante a capacidade que os condutores têm de ignorar o óbvio, de fingir que não nos veem, de olhar precisamente para o lado oposto. E a pressa que sempre têm, que não lhes permite cumprir o código da estrada.

A não ser, claro, quando está algum polícia por perto, ou um outro condutor, em sentido contrário, faz questão de parar e, então, lá param também, a muito custo, para não parecer mal.

 

E não é que estrabuche, que reclame muito, que arme um escândalo por conta destas situações.

Quem me vir, continua a pensar que sou uma pessoa paciente.

Mas, por dentro, paciência é coisa que cada vez tenho menos.

E não me parece que o novo ano me tenha contemplado com alguma extra.