Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando temos tanto ou mais trabalho a pagar, do que a receber!

Resultado de imagem para devolução dos manuais escolares

 

Esta semana ligaram-me da escola, por causa dos manuais escolares.

Estava na altura de devolver os manuais, uma vez que tinha usufruído dos auxílios atrabuídos pela acção social escolar.

Disse-lhes que os livros não estavam em condições, e que queria saber como restituía o valor anteriormente pago.

Informaram-me, depois de perguntar aos superiores, que teria que ir à escola pessoalmente, num dos dois dias seguintes.

De qualquer forma, mesmo que fosse para entregar os manuais, tinha sempre que lá ir.

 

 

Fui no dia a seguir ao telefonema.

Informei a funcionária do PBX do que ia fazer. Encaminhou-me para a tesouraria.

Na tesouraria, voltei a explicar o que ia fazer. Ficaram muito admiradas, e disseram que não era com elas. Que estavam apenas a fazer os pagamentos das visitas de estudo. O ano passado, tive direito a 10 euros mas este ano, pelos vistos, não há lugar a pagamento.

Fui recambiada para a secretaria. Na secretaria, a funcionária diz que se é para pagar os manuais é na tesouraria, e liga para elas. Explica o que têm que fazer, e que não avisou nada antes porque não sabia que eu iria lá logo no dia seguinte (não que me tivessem dado muito mais tempo).

Mais uma vez, fui reconduzida à tesouraria, onde as funcionárias reclamavam entre si, que ninguém as tinha informado de nada, que não tinham orientações nenhumas, que não sabiam onde guardar o dinheiro, nem o que cobrar.

Ao que parece, até agora, fui a única mãe que não entregou os manuais e, por isso, o primeiro caso que lhes apareceu à frente.

Lá receberam o dinheiro (não podia ser por multibanco), deram-me o troco e pediram desculpa pela confusão. 

 

 

Porque é que eu preferi devolver o dinheiro em vez dos livros?

Em primeiro lugar, porque considero que, se é uma coisa que tenho direito, não deveria ter que devolver.

Em segundo, porque gosto sempre de guardar os livros já que, na maioria das vezes, acabamos por ter que consultá-los nos anos seguintes. No caso da minha filha, indo para o 10º ano, há disciplinas que ela provavelmente já não terá, mas outras sim, e estes livros podem vir a ser úteis.

E, por último, porque alguns dos livros estavam mesmo em mau estado, sem capas e partes que deles faziam parte, colados com fita cola, sublinhados a fluorescente, e não serviriam para ninguém mais usar.

 

 

 

 

 

 

Como ficar com a boca destruída em pouco tempo

Imagem relacionada

 

Sobre os advogados que são atribuídos às pessoas que pedem apoio judiciário à Segurança Social, há aquela ideia generalizada de que, como são mal pagos, não querem saber dos clientes e nada fazem para defender os seus interesses como fariam se, em vez de serem pagos pelo instituto competente, a baixo custo, fosse o cliente a pagar o valor justo pelo serviço.

A verdade é que os advogados só trabalham nesta modalidade se se inscreverem para tal. Ninguém os obriga. E nem todos são iguais.

 

No entanto, e no que diz respeito aos dentistas, começo a concordar com essa opinião generalizada. Ninguém os obriga a aderir a programas de saúde dentária, como é o caso do "cheque dentista". Mas, se aderiram, só têm que fazer o mesmo trabalho que fariam se fosse eu a pagar do meu bolso.

Em Agosto marquei consulta na clínica para a minha filha, supostamente, para a mesma médica onde tinha ido antes. Afinal era outra, com o mesmo nome.

Estávamos na sala de espera quando sai de lá uma adolescente a queixar-se da boca. Chamaram a minha filha.

Ia apenas fazer uma destartarização, e pôr selante em alguns dentes.

Saiu de lá com os lábios todos feridos e inchados, e assim continuaram por uns 3 ou 4 dias, gretados, a sangrar.

O meu marido está farto de fazer destartarizações, numa outra clínica, e nunca ficou assim.

 

Tanto a outra adolescente, como a minha filha, tinham lá ido no âmbito do "cheque dentista".

Não sei se é a médica que não tem mesmo jeito nenhum, ou nem se preocupou em ter cuidado porque não está a ser bem paga para isso.

Tinha que marcar mais duas consultas, uma para setembro e outra para outubro, para completar os tratamentos, porque senão não tenho direito aos próximos.

Mas se ela, com uma simples destartarização, já ficou com os lábios naquele estado, nem quero imaginar o que poderá acontecer quando for lá novamente. Ainda por cima a médica falou que se calhar teria que usar a broca...

 

Acho que me vou esquecer dos cheques dentista e, quando precisar, pago do meu bolso. Pode ser que seja melhor tratada! 

 

A minha pontaria para compras online...

Resultado de imagem para compras online

 

... e não só!

 

Raramente tive problemas com compras efectuadas online, mas desta vez parece que o azar me bateu à porta, e ando com má pontaria, falhando os alvos.

 

Em novembro, decidi experimentar mandar vir umas peças de roupa através de uma revendedora, no facebook. Foi mesmo um tiro no escuro, e por isso encomendei só duas peças, sabendo que poderia vir a dar aquele dinheiro como perdido.

Após enviar mensagem, demorou algum tempo a responder, mas quando confirmei que queria encomendar, deu-lhe a pressa, sobretudo no pagamento, o que achei logo suspeito.

A encomenda foi feita a 20 de novembro. Na página, dizia que poderia demorar 2 semanas a 1 mês.

Em Dezembro, chegou um das peças (não a que a minha filha mais queria), e fiquei mais descansada. Perguntei por memsagem porque só tinha vindo uma peça, responderam-me que era normal, porque são fornecedores diferentes.

Até hoje, estou à espera da segunda peça. A revendedora diz que a encomenda saiu logo após o pagamento, que se não fosse recebida voltava para ela, mas como envia em correio normal, não tem forma de saber onde está a encomenda! Ela, que enviou, não consegue saber nem dizer nada. No entanto, pasmem-se, disse-me para perguntar nos CTT! E pergunto o quê, exactamente, sem qualquer referência?!

 

Em Dezembro, tentei comprar uma escova alisadora para oferecer à minha filha. Queria pagar com o cartão universo, segui os passos até ao fim, mas não me deu confirmação de encomenda, nem recebi qualquer email ou sms. Liguei para lá. Não sabem dizer nada sem número da encomenda, que eu não tinha, porque não recebi nada. Sendo assim, nada a fazer.

Arrisquei fazer de novo, desta vez a pagar por multibanco. Recebi logo em seguida os dados para pagamento. A encomenda foi feita a 8 de Dezembro, e recebi um email a informar que a data de entrega prevista era 27 desse mês. Não dava para o Natal, mas ficaria para o aniversário.

Esta semana liguei para a Worten. Como o prazo previsto tinha passado, iriam pedir informação ao fornecedor, para nova previsão. Em alternativa, poderia cancelar a encomenda. Foi o que fiz. Agora é esperar pelo reembolso, para comprar a escova noutro lado. E já nem para o aniversário vai a tempo.

 

Também nos últimos dias do mês de Dezembro, fui encomendar a lente para os óculos da minha filha. Para despachar o assunto, paguei logo. Ficaram de me avisar quando chegasse, para lá ir, prevenindo-me que só lá para o dia 3 é que conseguiria pedir, devido às festas de ano novo. Mesmo assim, já faz hoje uma semana, e nada. Lá vou ter que ligar para saber se ainda demora.

 

E, entretanto, o dinheiro está do lado de lá!

 

A minha estreia na Feira do Livro de Lisboa!

IMG_2683[1].JPG

 

 

Como já tinha aqui dito, não era para ir à Feira do Livro, mas o facto de a Carmen e a Maria estarem presentes levou-me a querer ir até lá, e fazer a minha estreia nesta Feira.

O dia estava bonito, estávamos os 3 de folga, e era um bom passeio para se fazer em família.

Não ia já com uma ideia vincada de que tinha que comprar este ou aquele livro, mas sim de ir vendo se algum me agradava ou não e se, por acaso, algum dos que tinha na minha wishlist estaria à venda a um preço mais em conta.

Para variar, apesar de termos tentado despachar tudo e sair cedo de casa, já saímos por volta das 15h. Deixámos o carro no Campo Grande e apanhámos o metro até ao Marquês.

 

Chegados à Feira, devo dizer que não ia minimamente preparada para tal! E já vão perceber porquê.

A prioridade era encontrar os pavilhões da Chiado, que não fazia ideia onde ficavam, ou seja, deveria ter visto antes o mapa da Feira, para não perder tempo.

Quando, finalmente, os encontrámos, e perguntámos a um representante da Chiado pelas escritoras, o mesmo disse-nos que a sessão de autógrafos já tinha acabado às 16h. Olho para o relógio, e ainda faltavam uns 4 minutos para as 16h. Mas é mesmo assim, há que sair depressa para dar lugar à próxima autora.

Com o primeiro objetivo sem qualquer possibilidade de se cumprir, resolvemos explorar todos os pavilhões e o espaço.

O meu marido andava à procura de livros de desporto. Não havia!

Eu, ia vendo se encontrava um livro, mas não fazia a mínima ideia de que editora era! Só sabia o nome da autora - Karin Slaughter. Vá lá que, por sorte, me lembrei do título do livro - Flores Cortadas! Alguma vez eu me lembrei de que era suposto saber o nome da editora?!

Mas, de facto, havia ali na Feira tantas editoras que eu nem sequer tinha ouvido falar, que era complicado.

E, onde íamos perguntando, não faziam a mínima ideia de que livro eu estava a falar. Por sorte, calhei a olhar para um pavilhão, e vi-o!

Estava mais barato, e o meu marido ofereceu-mo.

 

 

 

Depois, já do outro lado da Feira, vi o novo livro da Dorothy Koomson. Já tinha lido a sinopse, gostei, mas ainda não estava na minha lista. No entanto, fiquei admirada porque a própria autora estava ali à nossa frente, a autografar os seus livros. E, assim, lá fui eu comprar o livro e pôr-me na fila para o autógrafo e a fotografia da praxe!

Havia uma tradutora para nos perguntar os nomes e traduzir eventuais perguntas que quiséssemos colocar. É muito simpática e acessível, e ainda trocámos duas ou três palavras.

Também vimos por lá o escritor Luís Sepúlveda, a autografar o seu novo livro.

 

 

 

Devo dizer que não fiquei deslumbrada com a Feira do Livro. Havia tantos livros, mas nenhum que realmente me chamasse a atenção. Talvez porque não tenha examinado tudo ao pormenor, ou porque não havia mesmo nenhum daqueles que eu gosto, e que ainda não tenho.

Também não vi nenhum livro daqueles que a minha filha gosta e costuma ler. Comprámos-lhe dois, só para não dizer que vinha de lá de mãos a abanar.

E o meu marido acabou por comprar dois que nada tinham a ver com desporto.

As promoções de alguns livros são boas, e compensam. Mas se não for daqueles livros que eu quero, não me fazem perder a cabeça.

As sessões de autógrafos são uma motivação extra para ir até lá mas, como é óbvio, os escritores desconhecidos estão "às moscas", e é-lhes dado pouco tempo de antena enquanto que, para os mais conhecidos, as pessoas fazem fila que chega a dar três voltas, e é-lhes dado maior destaque!

Para o pagamento, em alguns espaços, a tarefa não é facilitada. 

Gostei do ambiente, gostei de ver tanta gente por ali, é um passeio diferente, mas nada como encomendar os meus livros no site, ou comprá-los na livraria!

 

E, se no futuro pensar em voltar à Feira do Livro, tenho mesmo que:

- estudar antecipadamente o mapa da Feira

- levar a minha lista com toda a informação sobre os livros que quero, e ir directamente aos pavilhões das editoras correspondentes

- saber de antemão quem vai estar por lá a dar autógrafos, para não chegar lá sem saber o que dizer ou perguntar naquele momento

- chegar a horas  

 

 

Na Wook existem grandes coincidências!

 

No ano passado mandei vir 3 livros escolares pela Wook. Ao fim de um dia ou dois, estavam cá, sem qualquer problema.

Este ano, e porque me compensava mais mandar vir os livros da Wook (com desconto imediato e em plano poupança) do que comprá-los na livraria do costume, fiz a encomenda online.

A Wook avisa de imediato que, tratando-se de livros escolares, pode haver atrasos na encomenda. E, de facto, quando fui consultar o estado da mesma, verifiquei que tinham todos os livros reservados à excepção do livro de Ciências Naturais, que estava encomendado ao fornecedor.

Aguardei 3 semanas. Afinal, se tivesse encomendado na livraria, também tinha que esperar que eles viessem. Mas como não enviavam os restantes sem terem aquele, e porque já tinha passado tanto tempo, enviei um email a perguntar se tinham alguma previsão, e se seria melhor mandar vir a restante encomenda, e cancelar aquele artigo, para comprar noutro lado. 

Responderam-me aquilo que eu já sabia e tinha visto no site, ou seja, nada que me ajudasse!

Esperei mais uns dias até que, já farta de esperar, selecionei a opção "enviar já os artigos disponíveis". Fui avisada que isso implicaria alterações ao valor da encomenda, nomeadamente, nos portes de envio para o livro que ainda estava pendente, mas segui em frente.

No dia em que paguei o valor adicional, verifiquei no site que os livros apareciam enviados, mas a encomenda continuava em processamento. Talvez devido ao outro livro, que continuava encomendado ao fornecedor. 

Um dia depois de toda esta operação, recebo um email a dizer que a minha encomenda tinha sido enviada. Todos os livros! Incluindo aquele que antes estava encomendado ao fornecedor!

Ou seja, no dia em que peço para me enviarem os outros e pago o valor adicional dos portes, enviam-me a primeira encomenda. No dia seguinte, por pura e mera coincidência, o livro que até áquele momento estava encomendado, chegou miraculosamente, e é-me imediatamente enviado!

E ainda dizem que não há coincidências!

 

  • Blogs Portugal

  • BP