Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Uma Família Quase Normal", de Mattias Edvardsson

Uma Família Quase Normal, Mattias Edvardsson - Livro - Bertrand

 

Quando uma tragédia, seja ela qual for, se abate sobre uma família, só existem dois caminhos possíveis: ou essa família se une e se fortalece, ou se desintegra de vez. 

 

Stella, a filha de Adam, um pastor de uma Igreja da Suécia, e de Ulrika, uma advogada, uma jovem que acabou de fazer 18 anos, é detida por suspeita de assassinato de um homem com mais de 30 anos.

Aparentemente, porque alguém diz que a viu, naquela noite.

No entanto, se, à partida, não haveria praticamente nada contra ela, e seria libertada na boa, afinal, parece que havia mais do que se pensava, e terá que continuar em prisão preventiva, impedida de contactar com quem quer que seja, excepto o seu advogado.

E o que pode um advogado de defesa fazer nestes casos?

 

Quando não existem provas suficientes para condenar alguém inequivocamente, mas também não existem provas suficientes que possam inocentar o suspeito de forma clara, a missão do advogado é criar a "dúvida razoável".

A dúvida que, entre uma condenação e uma absolvição, penda para a segunda hipótese. Porque, do lado oposto, sob pressão e ausência de outros suspeitos, o objectivo é que a dúvida seja suficiente para condenar.

 

Enquanto isso, temos um casal que tem muito por resolver, que foi ignorando ao longo do tempo. Um casal que se foi deixando levar, deixando estar, acomodando-se, e que agora se vê perante a suspeita de que a filha é uma assassina.

Acreditarão, realmente, na inocência dela?

Acusar-se-ão, um ao outro, de não terem sido, respectivamente, bom pai, ou boa mãe?

Conseguirão ultrapassar a situação juntos, ou estarão condenados a desfazer-se, enquanto família?

 

Até que ponto está uma mãe disposta a ir para proteger a sua filha?

O que estará um pai disposto a fazer, para inocentar a sua filha e livrá-la da prisão?

Mentir? Esconder provas? Acusar outra pessoa?

E como é que lidarão, nesse caso, com a luta contra os seus próprios valores e convicções? Com a fé, e a ética?

Vale tudo, pela família?

 

Stella nunca foi uma criança fácil. E tão pouco uma adolescente fácil.

Ao contrário da sua amiga Amina, a bem comportada, Stella sempre foi de se meter em problemas, de desafiar, de se testar, e testar os outros. Amina conforma-se, ainda que depois reclame. Stella reclama na hora, sem guardar nada para si. 

Mas bastará isso para se pensar que poderia ter cometido um crime? 

Por vezes, é uma mera ilusão.

Nem sempre a fama leva ao proveito, e as acções surgem das pessoas mais inesperadas. E Amina já provou que não é tão santa como aparenta.

O que quer que tenha acontecido, Stella não parece estar a colaborar para a sua absolvição. Pelo contrário, parece resignada, derrotista, conformista com a condenação que todos parecem já ter levado a cabo, ainda antes do julgamento.

 

Ao longo do livro vamos conhecer a história do ponto de vista do pai, do ponto de vista de Stella, e do ponto de vista da mãe.

Quem matou, afinal, Christopher Olsen?

Pode uma pessoa inocente ser condenada injustamente?

Pode o verdadeiro culpado sair impune?

 

 

 

 

Perder um filho é perder um pedaço de nós...

1-independencia-emocional.jpg

 

É perdermo-nos, também nós...

É ficar sem ar...

É ficar sem chão...

É sentir uma dor tão forte no coração, que parece que também ele quer deixar de bater...

 

É sentir arrancada uma parte de nós...

Sem dó, nem piedade...

A vida, eventualmente, segue sem ela...

Tem que seguir... Sobretudo, se houver quem ainda dependa de nós...

Mas nunca mais será a mesma.

Não há nada que substitua esse pedaço, ou nos devolva a vida como ela era antes, completa.

 

É perceber que queremos tanto proteger os filhos e, ainda assim, nunca os conseguiremos proteger o suficiente.

É sentir que a nossa missão foi interrompida, muito antes de terminada.

É sentir que, a esse filho, lhe foram cortadas as asas. Vedado o caminho que começava a trilhar...

Ninguém cria um filho, para vê-lo ficar pelo caminho, sem viver a vida para a qual o preparou, e onde queria vê-lo, feliz e realizado, a passar por todas as etapas que, também os pais, um dia, passaram, mas à sua própria maneira.

 

O tempo atenua a dor.

Apazigua o espírito.

Acalma o coração.

Embala a lembrança.

Mas não nos faz esquecer, que uma parte de nós, um dia, cedo demais, antes de nós, se foi...

 

 

 

Estarão as escolas (realmente) preparadas para o regresso às aulas?

Início do ano letivo – Saiba com o que se preocupar - WPensar blog – Tudo  sobre Gestão Escolar

 

Na minha opinião, nem todas. Ou quase nenhumas.

Nem as escolas, nem os professores, nem os auxiliares, nem os pais, nem os alunos.

 

Penso que estamos todos com aquele pensamento optimista que é necessário, para transmitir que, apesar da pandemia, vai tudo correr bem. Que vai ser um ano em que, apesar de todas as regras e mudanças, se vai tentar levar as coisas com o mínimo de normalidade, para que não seja um ano perdido.

 

Mas, ao mesmo tempo, com muitas reservas e receios.

Com muitas dúvidas, se se conseguirá levar até ao fim este ano lectivo, nos moldes em que o pretendem.

 

Não existem funcionários suficientes.

É provável que não existam professores suficientes.

Em muitas escolas, os horários mantêm-se normais, e o número de alunos por turma, também. O que significa que pouco distanciamento vai haver.

As máscaras incomodam, desconcentram. A redução ou eliminação de intervalos, impede os estudantes de fazer uma pausa, para descontrair. O aumento do tempo de cada aula, satura. Juntem-se as três coisas, e parece-me que, em aula, vão prestar ainda menos atenção que num ano normal.

 

Em algumas escolas, querem proibir as idas à casa de banho nos intervalos, optando por fazê-lo durante o horário da aula. Portanto, interrupções constantes, enquanto se tenta ensinar a matéria, que não irão ajudar nem alunos, nem professores.

 

Em algumas escolas, querem que os alunos façam os seus lanches na sala de aula. Ou seja, nem aquele momento no bar podem ter. Nem privacidade para estar com quem querem, onde querem.

 

E em relação a Educação Física?

Como vai funcionar?

Já nem falo das aulas em si, mas até mesmo do funcionamento nos balneários, onde acabam por se juntar os alunos e, por vezes, mais do que uma turma.

 

Neste momento, é só isso que temos. Dúvidas, incertezas, receios. Não há muita informação e, a que há, vai chegando às prestações. Provavelmente, só se irá saber tudo no dia da apresentação.

E esperança é tudo o que podemos ter. Esperança de que não seja um ano perdido. Que se aprenda alguma coisa. Que compense. Que não seja apenas um capricho, uma teimosia desnecessária. Uma decisão tomada sem se pensar nas reais consequências e efeitos. Que não seja o "tapar o sol com a peneira", porque a isso foram obrigados.

Que, daqui a uns meses, não estejam todos a voltar a casa, e ao Ensino à Distância.

 

Só o tempo o dirá. 

E é já na próxima semana que terá início a "prova dos 9".

Que o resultado seja aquele que todos esperamos.

 

Boa sorte a todos, e um bom regresso às aulas!

 

Da liberdade que se deve dar aos filhos

Resultado de imagem para liberdade aos filhos

 

Todos sabemos que, antigamente, havia liberdade a menos e que, pelo contrário, hoje em dia e cada vez mais, há uma tendência a dar liberdade a mais. Sabemos que o ideal, seria o meio termo.

Mas, mais do que muita ou pouca liberdade, acho que devemos também pensar no tipo de liberdade estamos a dar aos nossos filhos, e na forma como a mesma é dada, à medida que eles crescem, e para que possam crescer.

 

Porque existe uma forma e tipo diferente para cada etapa, para cada idade, e que devemos saber gerir, para que os nossos filhos saibam para que serve essa liberdade, e até onde podem ir, sabendo que, se a ultrapassarem, haverão consequências mas também que, não a ultrapassando, têm uma larga margem para usufruir dela e tirar o máximo partido, sem estarem limitados.

 

Porque uma criança a quem só lhe é dada liberdade para estar em contacto com o preto e o branco, não tem oportunidade de descobrir que o mundo pode ser mais colorido. 

Se mantivermos os nossos filhos dentro de uma pequena bolha, eles nunca saberão o que há para além dela.

Os nossos filhos não precisam que lhes sejam vendados os olhos, para aquilo que não queremos que eles vejam porque, mais cedo ou mais tarde, eles irão mesmo ver.

Não precisam que lhes amparemos as quedas porque, um dia, não estaremos cá para isso e, quando caírem, irá doer ainda mais.

 

Por vezes, é preciso soltar a mão, deixá-los dar os seus passos, ainda que sejam atabalhoados, ainda que não consigam manter-se em equilíbrio. E deixá-los cair. Porque só assim aprenderão com os erros, com a tentativa. Só assim saberão o que devem ou não fazer.

 

Mais do que proteger, é preciso preparar. Dar as ferramentas, para que eles as possam conhecer, manusear, e aprender a utilizar, adaptando a cada uma das fases da sua vida.