Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Obsessão online

Resultado de imagem para obsessão online

 

Sinopse:

"Estamos constantemente ligados através dos nossos telefones, laptops e da Web. Contudo, enquanto olhamos para os nossos ecrãs, quem olha para nós? Conheça Emma, uma bela estudante universitária do Midwest que acabou de chegar a Nova Iorque, entusiasmada por estar sozinha na grande cidade. Contudo, quando um perseguidor consegue entrar nos seus dispositivos, ele destrói as ilusões de Emma de privacidade e ela descobre quão frágil pode ser a nossa noção de segurança. Ashley Benson protagoniza este thriller psicológico inovador que explora um mundo em que as câmaras estão sempre ligadas e alguém está sempre a ver."

 

Vimos este filme no sábado à noite. O meu marido, que já estava com sono, ia adormecendo!

É um filme estranho, parado, não é daqueles com acção, que nos assusta a ponto de nos fazer saltar do sofá, mas não deixa de ser assustador.

Em determinados momentos, torna-se aborrecido mas, ao mesmo tempo, sinistro.

Embora com temáticas totalmente diferentes, lembrou-me um pouco o "Projecto Blair Witch", uma espécie de gravação amadora. Poderia ter sido, dentro do caminho escolhido, muito melhor explorado e com maior credibilidade. Parece muitas vezes uma tentativa falhada.

 

 

Mas, continuo a dizer, é assustador! 

Assustador quando vemos aquele vulto preto a deambular pela casa. Quando percebemos que alguém anda a vigiar. Que alguém consegue ter controlo sobre as nossas conversas, sobre o nosso telemóvel, sobre a nossa vida.

Assustador quando essa pessoa está a uns passos de nós enquanto dormimos, sabe tudo sobre nós, mesmo aquilo que não era suposto.

Assustador porque, no final, Emma, que já está em pânico e aterrorizada, vai mesmo ser atacada, enquanto conversa com a mãe no pc, e vamos permanecer na incógnita sobre o que lhe aconteceu, e quem esteve por detrás de toda aquela perseguição e obsessão.

Não daquela forma em que os sustos são momentâneos, mas passam. É mais aquele receio que se infiltra no nosso subconsciente.

 

As cenas que me fizeram mais confusão foi a que Emma chega a casa e se depara com o seu gato morto. E a cena em que, durante segundos, se vê uma sombra preta passar pela porta interior.

No meio de todo este mistério, há uma frase bem real, e que acho que ainda não percebemos bem as consequências que daí poderão resultar:

 

"Na internet, consegue-se encontrar tudo..."

É por cenas destas que eu não conduzo!

 

Sempre gostava de saber o que é que estas pessoas vêm para a estrada fazer, com um carro nas mãos, se não percebem minimamente do assunto.

Ainda hoje de manhã, quando ia para o trabalho, deparo-me com um carro completamente atravessado na estrada. Primeiro pensei que estivesse ali a fazer uma manobra qualquer maluca para inverter a direcção, já que aquele local é propício a enganos.

Mas não. Estava mesmo parado em plena via, sujeito a levar uma pancada de outros veículos que viessem naquela direcção.

Os primeiros carros surgiram, e o rapaz no mesmo sítio, nem um sinal, nem uma explicação, nada. Era um rapaz novo. Manteve-se dentro do carro, na boa, enquanto os outros, parvos, pararam à espera que ele andasse. Ao fim de uns segundos, e porque a via naquele sítio alarga, resolveram fazer o desvio, e seguir viagem.

Logo em seguida, vemos o carro da GNR passar. Até comentei com a minha filha que gostava de ser mosca, só para ver o que a polícia ia fazer!

Ao que parece, não fez nada. Talvez porque, nessa altura, já o meu pai, que estava ali à espera do autocarro, lhe foi dando umas dicas e explicando como havia de tirar ali o carro.

Segundo o que o meu pai percebeu, o carro devia ter pouca bateria. Mas o rapaz também era azelha, queria pôr o carro a andar com ele travado, e não fazia a mínima ideia de como sair daquela embrulhada.

Pergunto-me eu, o que anda esta gente que nem num carro sabe mexer, a conduzir na estrada? 

É por isso que eu me deixo estar quietinha, e deixo essa tarefa para quem sabe!

  • Blogs Portugal

  • BP